segunda-feira, abril 19, 2021

Covid-19 - O dr. Antunes: autópsia de um “especialista”


Covid-19 - O dr. Antunes: autópsia de um “especialista” (Jornal Observador – texto de Alberto Gonçalves (resumo meu) – 27/04/2021) - Ou porque acreditam na parlapatice, ou porque a parlapatice é feita à medida dos seus interesses, o prof. Marcelo e o dr. Costa usam-na para arruinar económica, sanitária, social e mentalmente o país.

Carlos Antunes (na imagem), matemático e professor da Faculdade de Ciências de Lisboa, a 20 de Janeiro de 2021, foi entrevistado nos estúdios da TVI e espalhou previsões e pessimismo com abundância onde condenou o facto de os restantes cidadãos saírem de casa sem necessidade, … não há memória de um adivinho se espalhar com o estrondo do dr. Antunes.

[Depois disto], o que terá sucedido ao pobre dr. Antunes? Com formidável descaramento e nulo escrutínio, continuou a ser convidado pelos “media” e pelas “autoridades” a “prever” a evolução do vírus, leia-se a mandar palpites sem ligação à realidade e que, independentemente desta, produzem sempre as mesmas conclusões. O único talento do dr. Antunes consiste em sugerir, a pretexto do que calha, a clausura de toda a gente.

O dr. Antunes não é uma figura singular. Pelo contrário: em Portugal há quase tantos casos activos de videntes falhados quanto casos activos de Covid. Se o desempenho desta trupe não tivesse consequências, teria graça. Passou um mês sobre o início do “desconfinamento” e ainda aguardamos o aumento de infecções que os videntes garantiam para as duas ou três semanas seguintes. Aliás, a importância absolutamente decisiva das “próximas duas ou três semanas” é um estribilho repetido há 14 meses pelo dr. Antunes e companhia ilimitada. Dado que, a cada duas ou três semanas, as deambulações do vírus jamais coincidem com os prognósticos dos “especialistas”, estes não se dão por vencidos e, duas ou três semanas depois, voltam a avisar: “As próximas duas ou três semanas…”.

Não houvesse consequências, isto seria comédia da boa. Infelizmente, é tragédia da má. A parlapatice dos “especialistas” é transmitida sem decoro nem contraditório nos telejornais. A maioria do público acata a parlapatice sem reserva nem suspeita. E o pior: ou porque acreditam na parlapatice, ou porque a parlapatice é feita à medida dos seus interesses, o prof. Marcelo e o dr. Costa usam-na para arruinar económica, sanitária, social e mentalmente o país, com os partidos a assobiar ou a aplaudir.

segunda-feira, abril 12, 2021

O advogado de defesa Ivo Rosa desempenhou a função de ilibar Sócrates, Salgado e restante quadrilha


Alberto Gonçalves – 10/4/2021

Só ontem é que vocês sentiram vergonha disto?

Dentro e fora dos tribunais, o que se passa é literalmente intolerável. Antes, ser português era um acaso. Hoje, é uma desgraça. Se não nos mexermos, amanhã será uma memória.  

Ontem, o advogado de defesa, perdão, um juiz chamado Rosa desempenhou com gabarito a função para que fora escolhido por sorteio isento e repetido: ilibar o “eng.” Sócrates, o sr. Salgado e restante quadrilha dos crimes de que estavam acusados. O pobre magistrado é apenas a figura imprescindível no lugar inevitável: o trabalho é sujo, a roçar o imundo, mas alguém tinha de o fazer. Pelos vistos, os únicos potenciais criminosos desta história são Carlos Alexandre e Rosário Teixeira, dois biltres que pagarão pela ousadia de engavetar em Évora o menino que sonhava com ventoinhas.

Aquilo teve a sua piada. Onde havia matéria para acusação, havia irregularidades processuais. Onde não havia irregularidades, não havia provas. Onde havia provas, não havia obtenção válida das ditas. Onde havia provas utilizáveis, não havia as suficientes para culpar ninguém. Onde havia provas suficientes, havia motivo para prescrição. Onde não havia prescrição, não havia IRS. Etc. Na verdade, o interminável sermão do juiz aos patos que ansiavam por um vislumbre de decência podia resumir-se em segundos. Um “Ide em paz, meus filhos” bastava.

A pouca-vergonha não me espantou. Espantou-me ver muita gente espantada, não exactamente com o desfecho mas com a franqueza do mesmo. Aparentemente, mesmo os pessimistas esperavam maior subtileza no processo de beatificação do “eng.” Sócrates: de alguma forma, o juiz tentaria disfarçar. Sucede que o juiz só precisaria de subtilezas ou disfarces se, conforme tantos decretaram, a sua longuíssima leitura representasse um golpe definitivo na Justiça, na democracia e no regime. Peço desculpa por notar que não representou nada disso.

[…] Recordem a recente e pedagógica frase do inquilino de Belém, alegado constitucionalista: é o direito que serve a política, e não a política que serve o direito. O que aconteceu não promove a pocilga em que sobrevivemos: a pocilga é condição prévia, e indispensável, ao que aconteceu.

Desde finais de 2015, ou do dia em que o prof. Cavaco se achou forçado a aceitar a frente de esquerda do dr. Costa, que é evidente que quase todos os caminhos do país vão dar a Caracas. O projecto socialista rumo a um poder tão absoluto quanto a Europa permitisse talvez tenha começado com Guterres, e de certeza reforçou-se na vigência do mestrando da Sorbonne. Porém, é com o dr. Costa que o projecto acelera de modo dramático – porque esse era o desejo dele e porque a conquista de sucessivos postos decisivos facilita, por falta de obstáculos, a conquista dos poucos que sobram. O regabofe autocrático a pretexto da Covid, e a coberto de uma UE em farrapos, limitou-se a limar arestas e a testar o grau de submissão. E se a submissão não é completa, anda lá perto.

Por paradoxal que pareça, nenhuma nação democrática concederia à decisão do juiz o que o juiz concedeu ao “eng.” Sócrates: impunidade. Nos EUA ou na Inglaterra, em Itália ou na Alemanha, uma impostura deste calibre seria acolhida com pandemónio nas ruas. Aqui, sem que uma só alminha tenha dúvidas sobre os procedimentos éticos do autor de “A Confiança no Mundo”, há resmungos e anedotas nas salas de estar e nas “redes sociais”. E só, que amanhã é outro dia e há que assegurar que a banditagem realmente perigosa não frequenta esplanadas sem máscara. A decisão judicial não caiu do céu: o “contexto” permite-a e torna-a segura. A este respeito, os habituais defensores de baderna pública vão falar em prova de maturidade. E eu, que aprecio o sossego, lamento a resignação que explica a miséria em que estamos.

Não gosto, Deus me livre, de arruaças e destruição. Mas começo a gostar ainda menos desta submissão mansa e vexante a desqualificados que podem tudo, inclusive escarnecer de nós. É óbvio que os desqualificados não se esgotam nos nomes reabilitados por um juiz com ar de quem levou porrada em moço, nem o vexame se esgota na justiça. Se querem erguer o “caso” Sócrates à proverbial gota de água, estejam à vontade. Convém é não esquecer que as demais gotas também ajudaram a encher o copo. Dentro e fora dos tribunais, o que se passa é literalmente intolerável. Antes, ser português era um acaso. Hoje, é uma desgraça. Se não nos mexermos, amanhã será uma memória.


quinta-feira, abril 08, 2021

A experiência social "Covid" é muito mais sinistra e perigosa do que se pensa

 

Jornal Observador (Alberto Gonçalves) - Isto não tem nada a ver com uma pandemia de uma doença respiratória. Isto já parece uma espécie de experiência social para ver até que posto as pessoas aceitam esta progressiva humilhação, este aumentar cruel do enxovalho, e até que ponto as pessoas engolem. Isto não tem nada a ver com Covid. Isto tem a ver com outras coisas, coisas muito mais sinistras e muito mais perigosas que a Covid.

Se há dois anos alguém nos contasse algumas das coisas por que estamos a passar agora, e estou a falar dessas medidas relativas à Covid, eu acho que ninguém acreditaria. Se alguém dissesse num noticiário que uma pessoa iria ser multada por estar a comer gomas na rua ou por estar a comer uma sandes dentro do carro ou que uma senhora era multada por estar a beber um café servido através de um postigo, eu acho que as pessoas não acreditariam. E mais: as pessoas não podem estar sentadas no banco de um jardim, a polícia expulsa pessoas que andam a passear na praia, as pessoas usam máscara quando andam sozinhas na rua ou no carro, ou acompanhados por um familiar com quem estão em casa sem máscara (e alguns talvez até com máscara).

E depois, como aconteceu hoje, o dr. Costa, revela-nos os próximos passos do desconfinamento. Se, dantes, nos contassem que um primeiro-ministro nos ia dizer os dias em que podíamos sair de casa e até a que horas, e quando é que podíamos ir ao café ou ao restaurante, isto pareceria de loucos. Estamos a viver uma espécie de distopia, um estado policial, em que as pessoas estão absolutamente limitadas nos seus direitos.

E o dr. Costa anunciou-nos o que estava previsto nesta 2ª fase do desconfinamento como se nos estivesse a fazer um favor, a dar-nos uma pequena prenda por nos termos portado bem. Acho que não compete ao dr. Costa ou ao prof. Marcelo, ou a algum membro do governo ou a alguma autoridade da saúde estabelecer os critérios pelos quais nós nos portámos bem ou mal. Não é essa a função deles. A função de um governo eleito é gerir mais ou menos a economia de um país.

Quando temos um governante a falar aos que deveriam ser cidadãos e não passam de bonecos, a fixar-lhes as regras a que devem obedecer, isto é desvalorizar em absoluto um país e uma sociedade. Estão a tratar as pessoas como crianças, e o pior de tudo é que os  portugueses parecem concordar e vão-se sentir muito agradecidos por o dr. Costa permitir mais umas migalhas de liberdade durante 15 dias.

terça-feira, abril 06, 2021

Jornal observador (Alberto Gonçalves) - O governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população.


Jornal observador (Alberto Gonçalves) - A pretexto de um vírus com mortalidade irrisória para a grande maioria da população, o governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população.

Novidades da pandemia? Aqui vão elas. Dois terços das famílias portuguesas sofrem dificuldades financeiras. Em apenas um ano, a quantidade de desempregados inscritos – os não inscritos são um caso à parte – nos ditos centros subiu 37%. A Rede de Emergência Alimentar auxilia 80 mil pessoas, algumas com profissões que teoricamente as colocariam na classe média e que agora passam fome. Os indivíduos sem-abrigo multiplicaram-se. O comércio a retalho perdeu 200 milhões de euros em 2020. Na hotelaria as perdas rondam os 90%. Metade dos restaurantes fecharam, muitos para sempre. As falências em geral vão crescer 19% em 2021 (estimativa otimista). E boa parte das moratórias ao crédito, que envernizavam a catástrofe, acabaram esta semana. Etc. Etc. Etc.

Na verdade, nada disto decorre da pandemia: tudo decorre das medidas tomadas para alegadamente combater a pandemia. Até ver, a Covid matou 16 mil pessoas (tradução: morreram 16 mil pessoas com teste positivo à Covid). Em breve, saberemos quantas pessoas foram arruinadas pelas medidas “contra” a Covid. Se é que não sabemos já: a pretexto de um vírus com mortalidade irrisória para a grande maioria da população, o governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população. Não falo aqui dos milhões de consultas canceladas, das 54 mil cirurgias urgentes “adiadas” e dos não sei quantos homicídios por negligência. Nem falo das liberdades que se aboliram, do estado policial que se criou e da humilhação progressiva dos que eram cidadãos e hoje são lacaios.

[…] É pena os desgraçados esquecerem-se de que a culpa da penúria não foi dos fenómenos míticos que a propaganda lhes meteu na cabeça: foi do dr. Costa, do prof. Marcelo, das “autoridades” em geral, dos “especialistas” em particular, dos “telejornais” e, na vasta maioria, deles próprios.


sábado, abril 03, 2021

Covid - O discurso de ódio de Clara Ferreira Alves (e de muitos outros nos Media)


29 de Março de 2021

Elisabete Tavares | Jornalista e membro da Plataforma Cívica – Cidadania XXI

Eixo do Mal. O nome do programa de TV não podia ser mais apropriado, neste caso. Foi na última emissão deste programa que uma das comentadoras residentes fez o impensável em pleno século XXI: Clara Ferreira Alves proferiu palavras de incitamento à repressão de um grupo específico de pessoas. Dirigia-se a todos os que defendem uma abordagem científica diferente da que é seguida em Portugal. As pessoas que os media – culpa dos media – se habituaram a apelidar, erradamente, de ‘negacionistas’. Não. Não são pessoas que negam o vírus, nem a epidemia; são simplesmente pessoas que os media em geral decidiram discriminar, perseguir e ridicularizar. 

Clara Ferreira Alves sugeriu, em plena TV, que estas pessoas devem ser sujeitas a repressão. Defendeu que o “longo braço da lei deve impedir esta gente de crescer e multiplicar, que é o grande perigo”. Defendeu que o tal “braço da lei” deve “encostar e deve até, provavelmente, fazer uma pequena nódoa negra” nestes ‘negacionistas’. E disse-o com um gesto encenado de quem bate, de quem empurra para baixo, com pressão. De quem reprime. Mesmo que aquelas palavras possam ter sido proferidas em sentido figurado, a imagem que arriscam passar é de incitamento à repressão, perseguição e até à violência.

Disse Clara Ferreira Alves que aquela ‘gente’ é negacionista porque, segundo ela, recusa seguir as leis. Porque não cumpre o distanciamento. Porque não usa máscara – cuja utilização não é obrigatória em Portugal se houver distanciamento. Porque põe “a comunidade em perigo”. 

Eu não sei se Clara Ferreira Alves sabe, mas quando o povo vai para a rua em plena pandemia deve ser por um motivo muito forte. Não deve saber, presumo. Não se deve recordar também que Portugal é um Estado de Direito, que ainda é um país democrático. O povo pode manifestar-se nas ruas. Se o faz é porque não tem outra alternativa. Clara Ferreira Alves não se deve lembrar disso, certamente. E presumo que também não sabe o que se passa em outras partes do Mundo em matéria de gestão da epidemia nem sobre a enorme contestação que existe em diversos países, nomeadamente europeus.

Clara Ferreira Alves deseja também que façam uma nódoa negra a Anders Tegnell, pai da estratégia sueca de gestão da presente epidemia? Também ele é um negacionista por recusar o uso de máscara? Por ter conseguido, contra todo o mundo, implementar uma estratégia científica equilibrada, ajustada ao vírus? Por manter praticamente tudo aberto na Suécia?

Que a SIC não tenha ainda, até esta data (noite de domingo do dia 28 de março), emitido um comunicado em que se demarca de forma firme das palavras da comentadora, é uma desilusão. E é um sinal preocupante. 

Não sabe Clara Ferreira Alves como funcionam as ondas de violência e perseguição de grupos minoritários? Que tenha proferido as palavras que proferiu – acompanhadas dos gestos agressivos que encenou – em vésperas de celebrarmos a Páscoa… 

Clara não é a única nesta onda crescente de discurso de ódio que tenho observado nos media contra as pessoas que defendem uma estratégia proporcional e equilibrada na gestão da epidemia em Portugal. Esta onda assenta também na estratégia de aterrorizar e culpabilizar a população, cujo exemplo são outdoors pagos pelos contribuintes, que servem como instrumento para culpar e estigmatizar quem não usa máscara, por exemplo. Na ideia dos governantes, a população precisa ter medo para obedecer. O medo é visto como uma ferramenta essencial para levar ‘o povo ignorante’ a cumprir regras. Se juntarmos o clima criado por ameaças proferidas pelo diretor da PSP e as múltiplas frases de governantes a culpar a população ‘desobediente’, está o terreno criado para o nascimento de sentimentos de ódio contra os que defendem uma estratégia diferente da seguida em Portugal. A ideia semeada pelas autoridades e governantes é simples: se todos ‘obedecerem’ ao que for mandado fazer pelas autoridades, ‘tudo vai ficar bem’. Só por mais 15 dias. Só por mais 15 estados de emergência.

Esta onda assenta também ela em notícias falsas ou com conteúdos semi-falsos e tendenciosos difundidos pelas TVs e pelos jornais. O intuito é sempre o mesmo – descredibilizar e inferiorizar quem defende uma estratégia científica diferente da aplicada em Portugal. Ainda na sexta-feira, dia 26 de março, o jornal Expresso publicou uma notícia sobre a manifestação do dia 20 de março, em Lisboa. Participaram três mil pessoas na manifestação que fez parte de um protesto global anti-confinamento. “O que negam os negacionistas?” é o título da notícia. Eu estive na manifestação. Rejeito ser classificada como negacionista porque não sou. A notícia é complementada com uma entrevista em formato pergunta-resposta à organização da manifestação. É referido que a organização não é negacionista. Ainda assim, sem qualquer prova, a notícia afirma: são negacionistas. Mais. Escreve o jornalista que a ciência não lhes dá razão. A quem? Aos que são contra o confinamento? A Anders Tegnell? A quem exatamente? Qual ciência? A ‘ciência’ que desconhecemos, e que tem sido usada para justificar os 14 estados de emergência declarados em Portugal para suspender os nossos direitos? Ou a ciência que diz taxativamente que os confinamentos são errados?

O jornalista assenta a sua notícia sobretudo em dois testemunhos: de um constitucionalista que defende a posição do Governo; e de um médico que defende a posição do Governo.

Ignora todos os atropelos feitos à Constituição desde março de 2020. Como a instalação de postos policiais de controlo ilegais, baseados numa decisão do Conselho de Ministros. Como a prisão domiciliária sem crime cometido, declarada ilegal por juízas do Tribunal da Relação de Lisboa – uma sentença que correu mundo. E são apenas dois exemplos entre os muitos que temos. Como se fosse preciso dar exemplos quando vamos no 14º estado de emergência com medidas que não lembram nem ao diabo, e multas a pessoas por comerem gomas na rua e sandes no carro. Isto perante um vírus que exige uma estratégia de foco, proteção dos mais velhos, e promoção da imunidade entre a população saudável e ativa. As estatísticas divulgadas pela Direção-Geral de Saúde são claras. As estatísticas mundiais são claras. 

Também a notícia do Expresso termina com declarações do tal médico: não se pode deixar crescer estes ‘negacionistas’ que só passam ‘desinformação’. Quem? Anders Tegnell?

Estes hipócritas, que apelam à repressão contra os que apelidam erradamente de ‘negacionistas’ ou ‘relativistas’, são capazes de ser os mesmos que, mais tarde, irão aparecer em campanhas, pagas pelos contribuintes, a combater o racismo ou a discriminação com base no género, ou a defender a democracia e a liberdade de expressão. 

Quem é o perigo aqui não é quem se manifesta pelo fim da política desastrosa e totalitária que está a ser seguida em Portugal. Quem é um perigo é quem aponta o dedo e quer que sejam perseguidos os que contestam a política trágica, que está a ser imposta ao nosso povo, ao nosso país.

Aqueles que defendem uma estratégia equilibrada e fundamentada cientificamente na gestão da epidemia em Portugal não têm culpa se os que apelam à sua repressão e perseguição nada sabem sobre os ciclos dos testes RT-PCR. Ou sobre estatísticas. Ou sobre ciência, a evolução dos coronavírus. As suas variantes. A convencional estratégia de combate a uma epidemia do foro respiratório. As recomendações da Organização Mundial de Saúde sobre os testes e a sua classificação de ‘óbitos-covid’. Sobre o sofrimento das crianças vulneráveis sujeitas a violência no confinamento. Sobre a fome. Sobre o suicídio e o desespero de quem não trabalha há um ano. De quem perdeu o que construiu numa vida. De quem perdeu o marido para o cancro por atrasos nos tratamentos. 

Não temos culpa disso, nós, os portugueses que fomos para a rua lutar pela saúde de todos, a democracia e o fim das medidas kafkianas. Pela saúde mental dos nossos filhos e jovens. Pela proteção dos mais idosos nos lares ou na solidão das suas casas. Pela proteção de todos. Sem exceção. Mas não seremos alvo de discriminação, segregação ou ataques pérfidos. Já houve apelos do género vezes suficientes ao longo da História. Estamos em 2021. A tolerância ao insulto, à discriminação e aos discursos de ódio acabou. 


Nota final: Escrevi este texto enquanto escutava ‘A Paixão segundo São Mateus’, de J. S. Bach, pela Filarmónica de Berlim. Tinha saudades de a ouvir. Cruzei-me com a gravação na Internet hoje, e não resisti, apesar de ter a cozinha por limpar. Bem sei. Por que motivo não me limitei a ficar confortavelmente sentada no sofá, como estava há minutos, a desfrutar do concerto? Porque continuo a arriscar a carreira e a reputação a escrever textos que não seguem a popular onda totalitária e irracional em que Portugal e a pseudo-elite do país estão mergulhados? Porque andei o dia inteiro a remoer este texto. Porque pensar diferente é um direito. Porque a ciência não é dogmática – por muitas Claras Ferreiras Alves que existam no mundo. Porque não concebo discursos de ódio e incitamento à violência, mesmo em sentido figurado – seja pelo “longo braço da lei” ou por outros braços –, num canal de TV nacional, em nenhum lado do Mundo. Porque o protesto nas ruas é um direito. E, atualmente, é uma necessidade para qualquer português racional.

https://farolxxi.pt/2021/03/29/clara-ferreira-alves-e-o-discurso-de-odio-elisabete-tavares/?fbclid=IwAR2v9JfNHLYD9mI_s1nr8BJkm-GQty0SbwEOXBJtDtK3hjL9ARDgdkIh0F8


segunda-feira, março 29, 2021

Jornal Observador - os "negacionistas" da Covid

Alberto Gonçalves - Colunista do Observador - 27 mar 2021

Terraplanistas são eles  - A “ciência” viu-se apropriada por devotos da virologia de veterinários, da fancaria das TVs e da hipocondria do inquilino de Belém. Isto é, por místicos que não fazem a mínima ideia do que é a ciência.

Antes da Covid, o “argumento” mais revelador da falta de argumentos e de neurónios de quem o utilizava era o da Rennie. Quando alguém confrontava um palerma com alguma coisa que lhe desagradasse, o palerma respondia imediatamente: “Toma Rennie que isso passa”, e a seguir retirava-se triunfante e seguro de que ganhara o debate. Num país cujo serviço de saúde não colapsasse à primeira oportunidade, o palerma ganharia a avaliação de uma junta de psiquiatras, mas esse é outro ponto. Aqui, o ponto é o recuso ao refluxo gástrico, vulgo azia, para encerrar uma discussão. Às vezes, o Kompensan substituía a Rennie, embora não houvesse massa encefálica que substituísse o ar morno na caixa craniana dessa gente. Bons tempos.

Em tempos de Covid, e contra todas as expectativas, o nível da “argumentação” conseguiu baixar. Hoje, a turba indistinta do “fique em casa”, do “confinamento” eterno e das máscaras permanentes é tão desprovida de razão que faz o pessoal da Rennie parecer sofisticado por comparação. O caso é particularmente irónico na medida em que, no lugar dos antiácidos, a nova estirpe de magos da retórica invoca a ciência. Ou melhor, aquilo que julga ser ciência, na verdade umas curvas estatísticas apresentadas em reuniões no Infarmed por matemáticos e veterinários desejosos de agradar ao governo. Não importa que as curvas sejam inúteis a descrever o presente e desastrosas a prever o futuro. Não importa que ninguém perceba a sensatez de trucidar uma economia débil a partir de curvas mal amanhadas. E não importa que as curvas se limitem a confirmar as conclusões previamente tomadas pelo dr. Costa e pelo prof. Marcelo: manter os cidadãos em clausura parcial, rebentar com a iniciativa privada e produzir mais dependência face ao Estado e às quadrilhas que o controlam. Importa que, na cabeça dos tontos, as curvas e as desumanas restrições que delas “decorrem” são “ciência”. E importa sobretudo que, armados com solenidade “científica”, os tontos se sentem habilitados a insultar e perseguir quem deles discorda.

Quem sugerir que o estado de emergência não é adequado para lidar com uma doença que quase só afecta gravemente velhos é “negacionista”. Quem lembrar que teria sido decente proteger os velhos, em alternativa a prender a população em peso, é “terraplanista”. Quem notar que a evolução da Covid  não depende exclusivamente de “confinamentos” e regras abstrusas é “medieval”. Quem inventariar os países e as regiões em que a falta de “confinamento” e de regras abstrusas coabita com o decréscimo nos infectados e nos mortos é “conspiracionista”. Quem insiste em conviver com familiares e amigos é “bolsonarista”. Quem repara que o Brasil tem menos mortos “com” ou “de” Covid do que Portugal é “primitivo”. Quem não respeita as normas decretadas por governantes que não se dão ao respeito – nem respeitam as próprias normas – é “fascista”. Quem questiona a prepotência é “nazi”. Quem não sai de casa sem se disfarçar de iraniana ou assaltante de bancos é “anti-social”. Quem não reduz a vastidão do universo a um vírus é “inconsciente”. Quem recorda que a existência implica sempre riscos é “criminoso”. Quem previne que esta demência colectiva terá consequências muito feias para todos, excepto para os irresponsáveis que a provocaram, é “assassino” e indigno de merecer o proverbial ventilador no dia em que precisar de um.

Estamos nisto. É, literalmente, o mundo ao contrário. De repente, a “ciência” viu-se apropriada por devotos da virologia de veterinários, da fancaria dos telejornais e da hipocondria do inquilino de Belém. Ou seja, por místicos que não fazem a mínima ideia do que é a ciência. Boa parte destes “cientistas” instantâneos até se diz de esquerda, o que os coloca logo no mesmo campeonato da credibilidade de astrólogos, cartomantes, homeopatas e cultores do Feng Shui. Muitos não sabem ler uma tabela estatística. Muitos são incapazes de alinhavar uma frase sem dois erros ortográficos e três de sintaxe. Muitos julgam que Steinmetz é um defesa do Dortmund. Mas nenhum abdica de uma ideia infantil acerca do que é ciência para fundamentar o seu dogmatismo.

Em circunstâncias normais, não custaria deixar os fanáticos a berrar sozinhos e assistir de bancada ao espectáculo. Afinal, há certa graça em ver em acção as principais características do método científico: a intolerância, a fúria e a vontade de enfiar blasfemos na cadeia ou na fogueira. A chatice é que as circunstâncias não são normais, e estes adeptos do pensamento mágico (sem a parte do pensamento) não contam apenas com a força da cegueira, que já é bastante. Para azar dos que prezam a civilização, os fanáticos contam com a força literal, a dos senhores que legislam alucinações e a da polícia que as executa. A boçalidade, enfim, tomou por completo o poder, através dos que o ocupam e através dos que os apoiam. Salvo milagre, os factos estão condenados a subjugar-se a indivíduos que enchem a boca com ciência como antes a enchiam com liberdade, embora desconheçam a primeira e detestem a segunda. Terraplanistas, negacionistas e primitivos são eles.


sexta-feira, março 19, 2021

Covid-19 - As "vacinas" destinam-se a matar grande parte da população

Gary D. Barnett: Os monstros que enfrentamos hoje não estão escondidos. Mostram a sua arrogância e insolência às claras nas ruas e nos meios de comunicação. Por isso, ninguém deveria ter medo e não enterrar a cabeça na areia. Muitos sucumbiram ao medo e à obediência e perderam a capacidade de pensar ou agir racionalmente. Em vez da lucidez e da coragem, impera nas populações a ignorância, a reverência e a cobardia.

A Covid-19 é uma fraude e os casos de Covid são um embuste. As máscaras são inúteis e perigosas para a saúde. O distanciamento social é destrutivo para a vida e a saúde, e as injeções experimentais, alteradoras de genes, venenosas e assassinas, falsamente rotuladas como "vacinas", destinam-se a matar grande parte da população, a fim de alcançar uma sociedade transumanista dirigida por meia dúzia de tecnocratas que reivindicam a sua superioridade sobre o resto da humanidade. 

Para reverter esta maquinação, será necessário um esforço gigantesco por parte do povo, e o tempo está a esgotar-se. É imperativo entender que estamos muito próximos de sermos incapazes de deter esta loucura. Depois da maioria ser injetada com esta arma biológica de reestruturação celular sintética chamada de "vacina", será provavelmente tarde demais para nos salvarmos a nós e à sociedade. 

Muita coisa está a abater-se sobre os povos rapidamente, incluindo a destruição total do sistema económico atual, a imposição do rastreamento e vigilância, passaportes de “imunidade”, pontuação de crédito social, tirania para todos, e mais confinamentos, prisões e extrema brutalidade às mãos dos capangas dos estados, especialmente contra os dissidentes que se recusem a obedecer. A altura para agir é agora ou nunca.

quinta-feira, março 18, 2021

Porquê a excessiva obsessão dos governos em vacinar toda a gente contra a “Covid-19”



Porquê a excessiva obsessão dos governos do mundo em vacinar toda a gente contra a “Covid-19” [para salvar vidas], quando não tiveram pejo nenhum em condenar à morte muitos milhões de pessoas, ao cancelar uma infinidade de consultas, tratamentos e intervenções cirúrgicas? Porquê este zelo desmesurado numa vacinação [para salvar vidas] quando não tiveram qualquer preocupação em destruir as economias, lançando centenas de milhões para o desemprego, a pobreza, a fome e o suicídio? 

As vacinas mRNA contra a “Covid-19” são bombas-relógio que alteram a genética das células e destroem o sistema imunológico. Elas não são tecnicamente vacinas nem impedem a transmissão de qualquer vírus. A resposta autoimune destas “vacinas” será inevitável e mortal

As vacinas anteriores consistiam em injetar numa pessoa uma forma enfraquecida ou inativada de um vírus para que o corpo ganhasse anticorpos para combater eficazmente esse vírus. Supostamente, as vacinas mRNA instruem as células a produzir uma proteína específica que desencadeariam uma resposta imune. Mas, neste caso, o efeito será exatamente o oposto. 

A destruição do sistema imunitário leva ao aparecimento de doenças: meningite, septicemia, pneumonia, ébola, sarampo, cancro, HIV, etc. A imunodeficiência verifica-se quando a atividade do sistema imunitário é inferior ao normal, o que estará na origem de infecções recorrentes provocadas por vírus, bactérias, micróbios, etc. e que poderão provocar a morte. 

Dada a enorme discrepância entre a extrema preocupação dos governos com a “Covid-19” e a negligência assassina com que lidaram com todos os outros problemas de saúde das populações (incluindo as doenças e as mortes causadas pela destruição das economias), será que devemos confiar numa “vacina” desenvolvida em tempo recorde e que nos querem inocular à força?

quarta-feira, março 17, 2021

Covid - Um genocídio planetário em nome de uma pandemia imaginária

Só um governo de atrasados mentais ou de ASSASSINOS é que não perceberia que o cancelamento de milhões de consultas, exames complementares de diagnóstico e intervenções cirúrgicas, para “combater a Pandemia da Covid-19”, iria conduzir a dezenas de milhares de mortes não-covid em Portugal. O que significa que a mortandade a que temos a que temos vindo a assistir foi deliberada.


************************


Desde 1920 que não havia registo de tantas mortes em Portugal. Em 2020 morreram mais de 123 mil pessoas em Portugal. É o valor mais elevado de óbitos desde a sistematização de dados, na década de 1960. 

No final de Outubro de 2020, dados do INE apontavam para a existência de mais cerca de oito mil mortes, desde o início da pandemia, em Março, do que a média do período homólogo dos últimos cinco anos. Menos de um terço (27,5%) estava diretamente relacionada com a covid-19.


************************

Por uma coincidência nunca antes vista, a GRIPE, que tem acompanhado a humanidade desde que esta apareceu na Terra, transformou-se magicamente em COVID-19 em março de 2020:


A incidência de casos de gripe em Portugal é praticamente nula. Tão baixa que o documento diz que a curva de casos não chegou a movimentar-se. "A taxa de incidência de síndrome gripal (SG) foi de 0,0 por 100.000 habitantes", lê-se no documento relativo à semana 49 (de 30 de novembro a 6 de dezembro), a última de que existem dados.

*************************


Acresce que, como confirma Graça Freitas, se uma pessoa morrer de uma outra doença qualquer (AVC, ataque de coração, SIDA, cancro, diabetes, etc.), e tiver testado positivo à Covid, a morte é atribuída à Covid

“Em Portugal, a mortalidade por Covid é considerada como o evento terminal. Vou-vos dar um exemplo: alguém que esteja muito mal com uma doença neoplásica [cancro], mesmo que venha a falecer provavelmente dessa doença, se estiver infetada por Covid, nós contamos a infeção por Covid. Portanto, nós, em Portugal, não estamos a contar a causa básica da morte mas o evento terminal e, portanto, o nº de óbitos corresponde ao nº de infetados [por Covid].

sábado, março 13, 2021

Jornal Observador (Alberto Gonçalves) – Covid - É tempo de os portugueses perderem a paciência

13 de março de 2021

É tempo de os portugueses perderem a paciência

Imagino que só os infelizes sem alternativas decentes ou com perturbações emocionais tenham espreitado a tomada de posse do prof. Marcelo. Ainda bem. Do que li e me contaram, foi um espectáculo triste. Triste e escusado. Escusado e humilhante para os portugueses que o presidente da República devia representar. Numa altura em que metade do país está fechado em casa, a empobrecer e a enlouquecer a uma velocidade notável, o chefe de Estado, que assina sucessivos estados de emergência e sonha em manter a clausura colectiva até 2026, não abdicou do pagode.

Houve discursos, cumprimentos, marchinhas militares, pilhas de repórteres, visita ao Porto, passeata em bairro “desfavorecido”, tudo ao molho e fé na abdicação acabrunhada das pessoas proibidas de estudar, trabalhar, confraternizar, viver em suma. Pensando melhor, é pena que o grotesco espectáculo não fosse visto por mais espectadores: talvez esclarecesse alguns sobre o desdém que os poderosos lhes dedicam, e convencesse uns poucos a ignorar as regras que lhes impõem.

Por mim, confesso modestamente que não precisei da festarola do prof. Marcelo para perceber tal desdém e ignorar tais regras. Desde há um ano, ou seja, desde que começou esta experiência social, que faço o que me apetece, excepto quando o que me apetece colide com a submissão alheia à repressão em curso. Por exemplo, não posso ir a restaurantes se estes estiverem fechados. Mas nunca me passou pela cabeça respeitar as limitações de circulação e os horários de recolhimento, os quais de resto desconheço.

No último fim-de-semana, à semelhança de boa parte dos anteriores, cruzei uns 90 municípios, sem “autorizações” escritas ou desculpas preparadas para criaturas que não têm o direito de as exigir em circunstâncias assim. Se quero “circular”, circulo. Se quero estar com amigos, estou. Se quero ficar em casa, fico – porque é a minha vontade e não porque o prof. Marcelo, o dr. Costa, a orquídea da DGS, uma dúzia de “especialistas” em fancaria estatística e um estúdio de televisão repleto de idiotas o recomendam. Se me apanharem a desobedecer, multem-me. Se me apanharem a obedecer, internem-me. Respeitar ordens implica aceitar a legitimidade das mesmas e de quem as decreta. Há muito que não respeito essa gente, e há muito que as decisões dessa gente são ilegítimas.

Claro que o modo como decorreram a tomada de posse presidencial e o desfile do PCP, forrobodós sem intervenção da polícia (concentrada em sancionar os criminosos que jogam dominó ou vendem calças ao domicílio), constituem argumento bastante para qualquer adulto digno fazer o contrário do que a oligarquia ordena. Porém, o desplante com que essa gente não cumpre aquilo que exige da ralé é apenas um dos critérios que justificam o dever da ralé retribuir o tratamento. Além dos morais, há também critérios científicos, embora ultimamente a ciência tenha sido capturada por maluquinhos que acreditam no socialismo e em todo o feirante que exiba gráficos no Infarmed.

Se os maluquinhos se ajoelham perante os gráficos e dados “oficiais”, ajudaria que reparassem nos restantes. A propósito, dois ou três factos (factos, por oposição a palpites). Se o “confinamento” fosse a solução para diminuir contágios, não haveria lugares com restrições mínimas ou nulas em que os casos de Covid descessem. Em Maio passado, Portugal “desconfinou” com relativo à-vontade e o número de infectados e mortos tornou-se residual durante os cinco meses seguintes. Da Inglaterra à África do Sul, as “estirpes” que justificam as patranhas do momento vêm de geografias em que a quantidade de contágios desce espectacularmente. Ao contrário de nações menos exóticas, Portugal não tem arcaboiço económico para aguentar estas brincadeiras, orientadas por irresponsáveis com ambos os olhos nos índices de popularidade, e ambas as mãos na massa do poder discricionário.

Admito que não vale a pena alertar os maluquinhos para evidências: tolhidos pelo pavor e pela preguiça, os partidários das superstições, da máscara permanente e do “fique em casa” possuem a agilidade dialética de um taliban. É possível que despertem, se despertarem, no dia em que a factura lhes chegue através dos impostos – mas por aí não vamos lá. A saída das trevas onde nos enfiaram depende exclusivamente dos sujeitos que restam, os que são capazes de distinguir um risco para a saúde de um pretexto para entregar o seu destino a um bando de figuras sinistras.

Dava jeito que os cidadãos crescidos agissem em conformidade, em vez de se deixarem arrastar, tristonhos e mudos, para um fim que sabem trágico. Seria bom que desprezassem “desconfinamentos” mitigados e “reconfinamentos” pendentes. Era importante que mandassem às favas partidos, televisões, comentadores, peritos e profetas, quase todos cúmplices do horror em curso. Era decisivo que perdessem o receio da multa e da denúncia e regressassem sem hesitações à normalidade, a nossa e não o eufemismo de opressão que é a deles. Era fundamental que empurrassem a Covid para o cantinho que lhe cabe e retomassem o controlo das suas vidas. É urgente que as suas vidas não voltem a tolerar intromissões abusivas. Eu sonho com um país aberto fora de horas, com indivíduos livres fora da lei. Espero não acordar em Portugal.

Por obra e desgraça de “estadistas” sem escrúpulos e de uma população anestesiada, as ameaças que hoje pendem sobre os actos de cidadania não são nada se comparadas às implicações da dúvida, do medo e da resignação. Tradução: ou o pessoal se mexe, ou o pessoal está tramado. Se os portugueses têm tudo a perder, que comecem por perder a paciência.