quarta-feira, fevereiro 24, 2021

Covid-19 - Sobre a lavagem cerebral que os Media nos têm injetado ininterruptamente há quase um ano

O falecido Mário Soares, pessoa por quem eu nutria simpatia nenhuma, era um indivíduo que sabia bem como funcionam os meios de comunicação. Em 27/04/2009, o ex-presidente afirmou no programa Prós e Contras: «Toda a comunicação social está concentrada nas mãos de meia dúzia de grupos económicos». Isto diz-nos tudo sobre as “verdades” que nos são marteladas incessantemente por jornalistas e comentadores…

                

Mário Soares: [...] E realmente isso mostra que há aí um conúbio... nem é com os jornalistas em si, mas com os diretores. Uma das coisas que sucedeu é que formar um jornal, que era fácil logo a seguir ao 25 de Abril, não era difícil, formava-se um jornal, quatro jornalistas e tal, o papel, tudo aquilo era fácil de conseguir. Pois bem, agora um jornal, não há! Uma pessoa não pode formar um jornal, precisa de milhares de contos para formar hoje um jornal e, então, para uma rádio ou uma televisão, muito mais. Quer dizer, toda a concentração da comunicação social foi feita e está na mão de meia dúzia de pessoas, não mais do que meia dúzia de pessoas

Fátima Campos Ferreira: Grupos económicos, é? 

Mário Soares: Grupos económicos, claro, grupos económicos. Bem, e isso é complicado, porque os jornalistas têm medo. Os jornalistas fazem o que lhes mandam, duma maneira geral. Não quer dizer que não haja muitas exceções e honrosas mas, a verdade é que fazem o que lhes mandam, porque sabem que se não fizerem aquilo que lhe mandam, por uma razão ou por outra, são despedidos, e não têm depois para onde ir. 

Fátima Campos Ferreira: Sr. Dr., mas então onde fica aí a liberdade de expressão? 

Mário Soares: Fica mal, como nós sabemos. Evidentemente que os jornais e os jornalistas e mesmo as televisões têm o cuidado de pôr umas florzinhas para um artigo ou outro. Uma vinda à televisão ou outra, etc., para disfarçar um pouco as coisas, mas não é isso o normal. Se a senhora se der ao trabalho, como eu tenho feito, de apreciar o que é, de uma maneira objetiva e isenta, a comunicação social, e como todos se repetem, ou quase todos os grupos se repetem a dizer as mesmas coisas, uns piores que outros, outros melhores, outros mais... mas todos se repetem, incluindo a televisão oficial, bem, a senhora perceberá...

segunda-feira, fevereiro 22, 2021

5 perguntas para fazer aos seus amigos que planeiam ser vacinados contra a Covid-19

 https://off-guardian.org/2021/02/15/5-questions-to-ask-your-friends-who-plan-to-get-the-covid-vaccine/

Artigo de Kit Knightly

15 de fevereiro de 2021



Muitos de nós temos amigos ou familiares que planeiam tomar a vacina. Talvez eles acreditem realmente que estão em perigo. Talvez pensem que é melhor prevenir do que remediar. Talvez só queiram poder ir a um bar ou andar de avião novamente.

Se conhece alguém que está a planear ser vacinado contra a Covid-19, faça-lhe estas cinco perguntas. Certifique-se de que eles entendam exatamente o que se lhes está a pedir.

 

1. VOCÊ SABIA QUE NUNCA FORAM DESENVOLVIDAS VACINAS BEM-SUCEDIDAS CONTRA QUALQUER CORONAVÍRUS?

Os cientistas vêm tentando desenvolver uma vacina contra a SARS e o MERS há anos, sem qualquer resultado. Na verdade, algumas das vacinas contra a SARS que falharam causaram hipersensibilidade ao vírus da SARS. O que significa que ratos vacinados apanharam a doença de forma potencialmente mais grave do que ratos não vacinados.

 

2. VOCÊ SABIA QUE PARA DESENVOLVER COMPLETAMENTE UMA VACINA  GERALMENTE LEVA DE 5 A 10 ANOS?

O desenvolvimento de uma vacina é um processo lento e trabalhoso. Normalmente, desde a fase de desenvolvimento até o teste final e a aprovação para uso público, leva muitos anos. As várias vacinas para a Covid-19 foram desenvolvidas e aprovadas em menos de um ano.

Embora a comunicação social seja rápida a oferecer toneladas de guias "explicativos", que citam "previsão, trabalho árduo e sorte" como as razões pelas quais foi possível obter uma vacina contra a Covid-19 tão rapidamente, todos eles omitem informações importantes.

Nomeadamente, nenhuma das vacinas foi ainda submetida a ensaios adequados. Muitos deles passaram completamente por cima dos testes em estágio inicial, e os testes em humanos em estágio final não foram escrutinados por nenhuma entidade. Os dados dos testes não foram divulgados e os testes não serão concluídos até 2023 ou foram abandonados após “efeitos adversos graves.

 

3. VOCÊ SABIA QUE A “VACINA” PARA A COVID É BASEADA EM NOVA TECNOLOGIA, QUE NUNCA FOI APROVADA ANTES PARA USO EM HUMANOS?

Enquanto as vacinas tradicionais funcionam expondo o corpo a um agente patogénico enfraquecido do microrganismo responsável por causar a doença, estas novas vacinas Covid são vacinas de mRNA.

As vacinas de mRNA (ácido ribonucleico mensageiro) funcionam teoricamente injetando mRNA viral no corpo, onde se replica dentro das células e estimula o corpo a reconhecer e produzir antigénios para as "proteínas de pico" do vírus. Eles têm sido objeto de pesquisa desde a década de 1990, mas antes de 2020 nenhuma vacina de mRNA foi aprovada.

 

4. VOCÊ SABIA QUE AS EMPRESAS FARMACÊUTICAS NÃO PODEM SER PROCESSADAS JUDICIALMENTE SE A VACINA CAUSAR DANOS OU MATAR ALGUÉM?

Na primavera de 2020, muitos governos em todo o mundo concederam aos fabricantes de vacinas imunidade à responsabilidade civil, invocando a legislação existente ou redigindo novas leis.

A Lei de Prontidão Pública e Preparação para Emergências (PREP) dos EUA concede imunidade até pelo menos 2024.

A lei de licenciamento de produtos da UE faz o mesmo, e há relatos de cláusulas de responsabilidade confidencial nos contratos que a UE assinou com os fabricantes de vacinas.

O Reino Unido foi ainda mais longe, concedendo indemnização legal permanente ao governo, e a quaisquer funcionários governamentais, por qualquer dano causado quando um paciente está a ser tratado para a Covid-19 ou “suspeita de Covid-19”.

 

5. VOCÊ SABIA QUE 99,8% DAS PESSOAS SOBREVIVEM À COVID-19?

A proporção de casos fatais da infeção por Sars-Cov-2 tem sido um pomo de discórdia durante meses, mas é certamente muito menor do que todos os modelos iniciais previstos.

A proporção de casos fatais foi originalmente inflacionada maciçamente, com a OMS a prever um valor de 3,4%.

Estudos subsequentes descobriram que este valor é muito menor, e em muitos casos menor do que 0,1%. Um relatório publicado em outubro no próprio boletim de pesquisa da OMS encontrou uma Taxa de Mortalidade [Case Fatality Rate] de 0,23% "ou possivelmente bastante mais baixo".

Ou seja, ainda de acordo com a OMS, pelo menos 99,77% das pessoas infetadas com o vírus sobreviverão.

Ou seja, é uma vacina precipitada e não testada, desenvolvida com tecnologia nunca antes utilizada, que não permite recurso legal caso provoque danos ou morte, para prevenir uma doença em que mais 99,8% das pessoas que a tiverem sobreviverão.

quinta-feira, fevereiro 18, 2021

Covid19: A lavagem cerebral para o medo que a SIC Notícias foi forçada a denunciar

 24 de Maio de 2020


9 minutos de lucidez que vale mesmo a pena ouvir! Até porque ninguém disse isto na televisão até agora.

A SIC foi obrigada a transmitir em direto a exposição de José Miguel Júdice sobre a lavagem cerebral dos media e do Governo para o medo (entre outras coisas); com bastante resistência da Clara de Sousa, mas saiu!



Pessoas, normalmente inteligentes e racionais, seguem acriticamente o que as televisões debitam e a adotam os chamados comportamentos de rebanho

 https://blasfemias.net/

17 FEVEREIRO, 2021

Ver condutores [de máscara] num carro sem outros passageiros ou pessoas a passear sozinhas ao ar livre de máscara, seria apenas seria anedótico ou uma simples palermice não fosse hoje revelada a histeria e narrativas apocalípticas em que meio mundo se deixou enredar.

Pessoas, normalmente inteligentes e racionais, seguem acriticamente o que as televisões debitam e a adotam os chamados comportamentos de rebanho ou manada. O pânico, a ansiedade extrema e medo descontrolado, passou a ser um fenómeno de histeria coletiva. 

Vídeo (4:32 m):

https://www.facebook.com/watch/?v=1074189879750581



Fox news - Diretor do CDC, Dr Fauci, volta atrás e defende AGORA a abertura das escolas

O Diretor do CDC (Centers for Disease Control and Prevention), Dr Fauci, dá uma volta de 180º e defende hoje a abertura das escolas, exatamente o contrário do que defendia há uns meses atrás. Tal como dizia em abril de 2020 que as máscaras não serviam para nada e agora considera que são essenciais para nos proteger do "vírus".

 https://www.facebook.com/embaixadaresistencia/videos/2063355210461163

Vídeo legendado em português (11:05 m):



terça-feira, fevereiro 16, 2021

A estória da pandemia está muito mal contada

citadino.blogspot.com/

Do Blogue Blasfémias

10 Fevereiro, 2021

O Governo de António Costa só pode estar a brincar com a nossa inteligência. Já vamos a caminho de fazer um ano (sim, um ano!!!!) de narrativas do medo onde se descrevem quadros apocalípticos de um SNS caótico com mortes a amontoarem-se, dezenas de ambulâncias em filas de espera, ruptura de stock de oxigénio, enfermeiros a colapsarem, médicos a lançarem apelos desesperados, a DGS a fazer directos anunciando milhares de casos diários e, eis que, quando surgem quase 6000 profissionais de saúde, voluntários, para acudir, o Governo não os aceita por questões “burocráticas”. Mas “encomenda” um grupito de 26 médicos alemães, que acabam de chegar, e vão, estes, salvar isto tudo, certo?

Bem, das duas uma: ou todo este cenário que acabo de descrever foi amplamente empolado pela propaganda política deste governo (para conseguir bazucas para um país quase falido) com a ajuda sempre preciosa da comunicação social do mainstream – esses avençados do (des)governo -, e de facto está tudo muito mais tranquilo e controlado do que nos estão a fazer crer, ou este governo é composto por um grupo de malfeitores que aproveitam a pandemia para provocar deliberadamente o caos e assim, equilibrar as contas do SNS aliviando encargos com reformas e outras despesas de saúde.

Ora, como eu sou crítica da actuação de certos Governos em relação a esta pandemia, feita por “decreto” da OMS, obviamente que vou pela primeira hipótese sem pestanejar. Eis aqui porquê.

1- Desde Março de 2020 que a estória da pandemia está mal contada, com incongruências grosseiras que nem os miúdos da primária conseguem fazer pior: vírus que não se transmite a humanos; vírus que não chegará a Portugal; máscara que não protege mas depois já protege e até temos de usar duas; recomendações em Março para visitar os velhinhos aos lares, para “curtir” o Carnaval (e espalhar bem o vírus); logo a seguir, fecho imediato de fronteiras e confinamentos totais só para achatar a curva e depois de bem achatada, continuar porque é para prevenir contágios (ainda não paramos de decretar Estados de Emergência); confina em eventos religiosos e festas mas desconfina em eventos políticos e eleições; confina praticamente todos os pequenos e médios negócios, estabelecimentos de restauração e estética e espaços públicos, mas abre excepções no restaurante do Parlamento, a cabeleireiros de apresentadores de televisão e programas de televisão da Cristina F. com 200 pessoas; podemos estar amontoados nos transportes públicos ou viajar lado a lado nos aviões mas não podemos estar sentados sozinhos num banco de jardim ou na praia. O vírus é selectivo.

2- Apesar do alerta do surto na China (à época um vírus desconhecido) que dava conta de que estavam a morrer “milhares de pessoas” e supostamente havia caos nos hospitais, deixaram espalhar muito bem o bicharoco pelo mundo inteiro antes de tomarem uma única medida drástica contra a “nova” ameaça. A OMS declarou pandemia apenas em Março 2020 (até aí, tudo tranquilo). O Ocidente (com excepção dos EUA) só reagiu a seguir. No sentido inverso estavam, Hong Kong, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul e Japão que fecharam imediatamente as fronteiras.

3- O mistério do Diamond Princess, um navio cruzeiro com 3600 pessoas a bordo, que teve um surto descontrolado, ficaram infectadas 700 e morreram 7. Um laboratório flutuante que em Março de 2020 foi ignorado muito rapidamente por colocar em causa a narrativa dos “especialistas matemáticos” do Imperial College que asseguravam que 40 milhões de pessoas morreriam em 2020 e seriam infectados 7 bilhões – quase toda a população global, se em cada país não houvesse um lockdown total. Mas o Diamond Princess demonstrou exactamente o contrário.

4- A Suécia, que não seguiu as recomendações da OMS (não fez lockdown total nem aplicou regras restritivas severas, só pontuais) nem deu importância ao estudo do Imperial College, mas sim, aos seus especialistas em saúde e que, por muito que se contorcem para provar o contrário, os dados revelam hoje que a taxa de mortalidade está dentro da média de anos anteriores, isto apesar do governo ter reconhecido, e bem, que perante o surto, não agiram com a rapidez e eficácia exigível junto dos grupos de risco. Mesmo assim, o seu desempenho é largamente superior a Portugal, Bélgica, Espanha, França e RU com lockdowns totais e consecutivos durante um ano. Mais: fazem uma vida normal. (veja aqui e aqui).

5- O misterioso “desaparecimento” do vírus influenza mas que, afinal, não desapareceu nada.

6- A teia de interesses e ligações de Bill Gates é escabrosamente evidente: é só pesquisar.

7- A estranha coincidência de termos o pior desempenho da Europa em 2021 no combate à pandemia depois de, no ano passado, nos ter sido prometido uma bazuca da UE para compensar os danos económicos e socais provocados pelo vírus. É como se o governo tivesse descoberto o filão para resolver problemas financeiros, muito anteriores à pandemia, e que já tinham deixado os cofres vazios e o país em falência técnica. Dá que pensar.

8- A perseguição, rotulagem com calúnias, silenciamento e censura, dos especialistas em saúde e ciência que fazem o contraditório diário a esta pandemia, por todo o Mundo.

9- A classificação oficial de mortes, onde foi dito pela própria DGS, que os doentes com teste positivo c0v1d eram registados como “mortes c0v1d” mesmo não sendo essa a causa (ao contrário de outros países), o que inflaciona os números oficiais.

10- Ter sido dito que Janeiro foi o pior mês em 12 anos mas só 28% das mortes registadas em Portugal foram por c0v1d e restantes 72% de outras causas. Se subtrairmos aos 28% as mortes com c0v1d – só por testarem positivo -, e as mortes sem c0v1d (com teste negativo) mas registadas na certidão de óbito com c0v1d, a percentagem é seguramente ainda muito menor.

11- Ter sido dito pelo Dr. Anthony Fauci que “em toda a História das doenças respiratórias de qualquer tipo, a transmissão assintomática nunca foi o condutor de surtos. Os condutores de surtos são sempre pessoas sintomáticas”. Mas ninguém parece interessado nessa evidência. porque estraga a narrativa oficial e propaganda do medo de “casos”.

12- Sempre houve rupturas, e graves, no SNS. Sempre morreram milhares de pessoas por ano de doenças respiratórias mas agora ignora-se isso para não se cruzarem dados e dar relevo a um vírus respiratório, que sabemos hoje, tem a mesma taxa de mortalidade que outros já existentes.

13- Os testes PCR, cuja sensibilidade foi de tal forma amplificada (ver aqui Dr. Anthony Faucique detecta até material morto, foi exponencialmente usado para criar uma epidemia de assintomáticos e que só agora, um ano depois, (coincidência ou não, com a tomada de posse de Biden) estão a corrigir. Os falsos positivos que abundam após testes de contra-prova. A relação entre o número de testes e casos (quando é preciso apertar regras, faz-se 80 000 testes, quando se quer aliviar, passam para 20 000).

14- As ligações a grandes grupos de interesses financeiros dos Fact checkers (que se dizem “independentes”) e que andam a carimbar informação de cientistas consagrados, médicos e jornalistas não alinhados com a narrativa oficial, de “falso”, num esforço concertado com as Big Tech que eliminam das suas plataformas, os conteúdos desses profissionais.

15- Vacinas prontas em menos de um ano transformando o mundo inteiro em cobaias humanas, que vão morrendo ou ficando com sequelas gravessem que lhes seja dado qualquer destaque (quando morrem depois da toma, dizem que foi por “morte natural”), mas os dados do CDC nos EUA mostram outra realidade.

16- Os intervenientes do Evento 201 são exactamente os mesmos que agora estão a ganhar biliões com esta pandemia. Se as simulações são para prevenir danos, (e esta, para ter sido realizada em 2019 teve de ser organizada e programada com um mínimo de um ano de antecedência), por que razão não se iniciou um investimento imediato em reforços de TODOS os sistemas nacionais de saúde (como medida preventiva) e depois do surto, isolamento prioritário dos grupos de risco e fechar as fronteiras com a China, ANTES de qualquer outra medida, até ao controlo total do vírus? Porque se fez exactamente o contrário? Nas recomendações do tal exercício de simulação do Evento 201, não se fala em nenhuma destas medidas de prevenção. Porém, outra curiosidade: já previam que a próxima pandemia iria fazer colapsar social e economicamente o Mundo. Estranho, não?

17- Quando os próprios que defendem/criaram a nova vacina não a tomam ou fingem que a tomam.

18- Continuam com a narrativa do medo mesmo com os dados existentes a dizerem que a taxa de sobrevivência é superior a 98%.

19- Depois de se saber que Governo alemão encomendou “ciência de histeria”.

20- A mudança de narrativas sobre as terapias alternativas à vacina e sobre a própria doença que começam agora a surgir na imprensa.

21- Quando sabemos que houve desinvestimento no SNS, a todos os níveis, de 2015 até à presente data e ainda a redução para 35h no sector, o que explica perfeitamente o caos actual no SNS.

Em conclusão, e perante toda a evidência, tenho a convicção de que este Governo (e todos os outros que agem igual) sabe que não está a lidar com um vírus respiratório mais perigoso do que outros já existentes e por isso, desde as medidas estapafúrdias para a sociedade civil, ao combate no terreno dentro do SNS, nunca foi feita uma gestão de risco global – seguindo a lógica científica. Daí as medidas serem mais restritivas na economia (todos sabemos que um país parado é um país condenado à morte) do que sobre os grupos de risco, que desde o início da declaração de pandemia, foram negligenciados. Goste-se ou não, isto é um facto. Não estão a zelar pela nossa saúde. Estão a cumprir uma agenda política com todos os danos colaterais que daí advêm.

Estes governos ocidentais não passam de “bonecos ventríloquos” manipulados por poderosos interesses para mais uma agenda globalista em curso: O Great Reset (não, já não é uma teoria da conspiração) amplamente falado no Fórum Económico em Davos. Só não vê quem não quer.

Vírus e histeria colectiva

 Do Blogue Blasfémias

14 FEVEREIRO, 2021

Dispensam-se os qualificativos de “negacionismo” e “irresponsabilidade” assim como toda a bazófia e ladaínha ridícula dos membros da seita covidista. Apenas se recorda aqui, a seguir, um fenómeno de histeria colectiva que ocorreu em Maio de 2006 no nosso país exponenciado pela popularidade, à época, da série televisiva “Morangos com Açúcar”.

Em baixo um excerto do episódio que esteve na origem do fecho de diversas escolas e no atendimento hospitalar a mais de trezentos estudantes:

E recortes de imprensa dessa data:

sexta-feira, fevereiro 12, 2021

O linchamento público da Dra. Margarida Oliveira – Médicos Pela Verdade

Artigo no blogue Blasfémias 

https://blasfemias.net/2020/12/11/o-linchamento-publico-da-dra-margarida-oliveira-medicos-pela-verdade/?fbclid=IwAR3nX_nGFmP8UoKb6-6fMixeB3496Kl-PrVZjGVpSshivBSdzM7xXzVozos

O linchamento público da Dra. Margarida Oliveira – Médicos Pela Verdade

11 Dezembro, 2020
O que certos jornalistas (perdão, jornalixos) fizeram recentemente à Dra. Margarida Oliveira que lidera o Movimento “Médicos pela Verdade”, denuncia uma prática criminosa de deturpação de factos de forma intencional para linchar publicamente a imagem desta profissional e consequentemente arruinar-lhe a vida.

Num artigo do Público foi dito preto no branco o seguinte: “Co-fundadora dos Médicos pela Verdade receitou estratégias para enganar os testes à covid-19”. Supostamente o artigo terá tido por base umas mensagens a que o jornal Observador teve acesso, tendo a Dra. Margarida prontamente reagido remetendo o assunto para os Tribunais (leia aqui o direito de resposta).

A partir daqui, todos os jornalistas de outras plataformas seguiram o mesmo modus oprerandi amplificando o boato sem sequer investigar a veracidade da notícia avançada, fazendo proliferar a mentira abrindo até telejornais em horário nobre.

Porém, o que não é dito é que o jornalista infiltrado TRUNCOU as mensagens publicando só partes para assim poder espalhar a narrativa que lhe interessava: que a Dra. Margarida estava a ensinar a ludibriar o teste à C0V1D. Bem vindos ao “novo normal” da desinformação culposa da comunicação social.

Acontece que os factos revelam outra versão: a Dra. Margarida nunca em momento algum esteve a dar uma receita para contornar o teste. É FALSO.

Ao analisar TODO o conteúdo da conversa a que tive acesso (tenho na minha posse o ficheiro inteiro), podemos verificar que é dito que o teste é sensível a matéria morta do vírus e por isso dá falsos positivos. Que se for feita uma lavagem às fossas nasais antes de se fazer um teste, os resíduos de vírus morto são expelidos e que, portanto, se estiver mesmo infectado vai dar positivo, caso contrário, não. Veja aqui:

Mas o mais absurdo disto tudo é que foi a própria Graça Freitas da DGS que afirmou isto em directo nas televisões. Quer ver? Aqui:


Pode-se enganar a todos por algum tempo mas não se pode enganar a todos todo o tempo. Omitir factos é uma outra forma de MENTIR.

Neste vídeo o cientista Kary Mullis – o inventor do teste PCR (Polymerase Chain Reaction) Nobel de Química 1993 – num debate em 1998, refere o seguinte: “o PCR pode detectar seja lá o que for em seja lá quem for. Cada um pode interpretar à sua maneira e chegar às conclusões que deseja e começar uma nova crença. O problema não é a sua má utilização mas a sua má interpretação. Não necessita de o usar para o HIV, não necessita de o usar para os outros 10.000 retrovírus que ainda nem têm nome. O PCR pega numa quantidade ínfima, não mensurável e multiplica-a até a tornar mensurável. A medida não é exacta, não nos diz que alguém está doente, não é um teste quantitativo é um teste qualitativo.” Aqui:


Outro exemplo vindo da Alemanha num artigo da Reuters onde se pode ler no título: ” Under-pressure German COVID-19 lab produces run of false positive tests” e mais adiante a explicação: “Deliveries failed to arrive from the lab’s normal reagent supplier, forcing it to use an alternative reagent”. Moral da história: os testes davam todos positivos. Ora, se estas ALDRABICES acontecem na Alemanha, provavelmente também acontecem noutros países, e nós não devemos ser a excepção.

Os FACTOS não mentem. Os jornalistas, sim.

Assim sendo, como se atrevem a fazer um linchamento público à Dra. Margarida Oliveira?

Estes guardiões da “verdade” ao serviço das narrativas oficiais, sempre que alguém faz o contraditório, vêm lembrar que os “Médicos pela Verdade” não têm especialidades em epidemiologia ou imunologia ou sequer são cientistas logo, por serem APENAS médicos, não estão habilitados a se pronunciarem sobre esta questão covídica (mesmo que se fundamentem em especialistas altamente credenciados).

Fui então investigar quem são os protagonistas em Portugal que decidem sobre a suposta pandemia e descobri isto:
  • Marta Temido é licenciada em Direito;
  • Graça Freitas é médica e tem formação em gestão pública;
  • o Bastonário da Ordem dos Médicos é urologista, portanto um médico;
  • Filipe Froes é pneumologista, outro médico.

Onde estão os Imunologistas? Onde estão os Epidemiologistas? Onde estão os Microbiologistas? Não há. Mas são estes indivíduos que decidem sobre esta questão covídica. Se é para desacreditar com base nos currículos dos Médicos pela Verdade, porque não fizeram o mesmo a estes?

Por outro lado, eis o currículo de APENAS alguns dos especialistas no Mundo que contrariam as narrativas oficiais com base em factos científicos e dados já existentes. Faça você mesmo a comparação:

  • Michael Levitt, Biofísico, Professor de Biologia Estrutural da Universidade de Stanford, Prémio Nobel de Química em 2013;
  • John Loannidis, Professor de Medicina, Epidemiologia e Investigação Clínica da Universidade de Standford;
  • Beda Stadler, Professor de Imunologia da Universidade de Berna;
  • Paul McKeigue, Professor de Epidemiologia da Universidade de Edimburgo;
  • Sunetra Gupta, Professora da Universidade de Oxford, perita em Imunologia e Modelação de Doenças Infecciosas;
  • Sucharit Bahkdi, Professor de Microbiologia Médica da Universidade Johannes Gutenberg;
  • Jay Bahttacharya, Professor da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, médico, epidemiologista.

Sobre esta pandemia ouça aqui um deles, Sunetra Gupta:



Não perdi a esperança de ver todos os indivíduos, que perseguem profissionais na área da saúde e ciências com vista ao seu linchamento público por ousarem QUESTIONAR a narrativa oficial sobre uma certa pandemia, um dia no banco dos réus do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. O que estão a fazer é um crime contra a própria Humanidade e não nos podemos calar.

Um Processo Criminal já decorre na Alemanha. Oxalá se espalhem pelo Mundo inteiro.

Veja aqui: