terça-feira, junho 22, 2021

Os 152 óbitos de covid em Portugal no ano 2020

             

********************


André Dias:

Explicação sobre os 152 certificados de óbito com causa covid.

Todas os certificados de óbito no país são emitidos no Sistema SICO, explicitamente citados na sentença do TA como fonte dos dados. Não há dúvida quanto à origem formal e referencia única possível no país.

Todos os certificados de óbito são emitidos sob “tutela” do ministério da justiça, pois só o ministério da justiça pode declarar o falecimento. Mesmo que sejam emitidos por um médico “do ministério da saúde” no SICO, o certificado e da emissão de certificados de óbito é sempre tutela do MJ.

Os certificados de óbito tem múltiplos campos para codificar doenças que CONTRIBUIRAM para a morte. Há uma hierarquia de códigos de doença no sistema que são preenchidos. Duas secções, cada com três campos. A secção de “causa principal” directa com 3 possíveis códigos que explicam clinicamente a morte, e a secção de “causas que contribuíram” com códigos que podem ajudar a explicar uma das doenças da secção principal ou que contribuíram para o agravamento de uma delas.

A covid-19 é, por força da declaração de pandemia pela OMS, uma doença de NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA! Se for suspeito ou detetado o vírus, o médico é OBRIGADO a preencher os códigos U07 no certificado de óbito, sob pena de processo disciplinar, seja na secção principal ou secundária.

Portanto todos os certificados de óbito com teste positivo ou suspeita, tem um dos códigos U07, mas APENAS 152 tem o código U07 como causa. Ou seja, 16.000 têm U07 como código secundário, abaixo na hierarquia, como fator “contribuiu”. Não porque o médico clinicamente avalie que a doença contribuiu para a morte, mas porque ESTÁ OBRIGADO a assim fazer.

Perante a pergunta da intimação, o ministério da saúde, mandou alguém ir à base de dados selecionar os casos “com causa confirmada como covid”, porque era essa a pergunta posta ao ministério. Fez uma pergunta à BD

SELECT FROM SICO WHERE CAUSA_PRINCIPAL == ‘U07’

SELECT FROM SICO WHERE CAUSA_PRINCIPAL == ‘U07’ OR CAUSA_SECUNDARIA == ‘U07’

A segunda pergunta é completamente irrelevante em termos estatísticos porque está totalmente envenenada por fatores burocráticos com a notificação obrigatória.

A pergunta feita ao ministério é cristalina: “quantas mortes com causa covid e quantas foram certificadas por autópsia”. Não se perguntou quem o certificou, nem onde. A resposta é claríssima: 152 MORTES POR CAUSA COVID E DESSAS, 4 FORAM CONFIRMADOS COM AUTÓPSIA. Os números do medo são “mortes com causa covid OU em que o covid foi mencionado por ser causa secundária OU porque a notificação obrigatória assim dita”

Se o ministério não foi capaz de responder a tal pergunta básica, essencial, e inventou uma resposta qualquer alucinada, de médicos que trabalham para X, que credibilidade tem para gerir o SNS? Se não são capazes de responder a uma intimação judicial com pés e cabeça, como é que alguém acredita que sabem contar mortos de uma doença num país inteiro?


Informed consent and reproductive toxicity of vaccines (Robert Malone, Steve Kirsch, Bret Weinstein)



sexta-feira, maio 07, 2021

A desobediência total é crucial. Corram com todos os chamados "líderes" e confiem apenas em vós próprios


Gary D. Barnett (7/5/2021) - «A própria noção de "liderança" é uma falha abjeta de responsabilidade individual». A única forma de nos libertarmos deste totalitarismo sanitário (ou outro) não é procurar um líder salvador mas, individualmente, tomarmos as rédeas da nossa vida nas nossas próprias mãos.

Liderança? Quantas vezes não ouvimos já as massas clamar por alguém que as comande? Na verdade, a atitude mais prevalecente entre as pessoas é o desejo de encontrar o melhor "líder", e o resultado desse fenómeno é a ideia ridícula de votar. Este sistema tem permitido que os piores de entre nós controlem a narrativa humana.

 Devido à multidão de seguidores que se curva humildemente aos pés das marionetas eleitas, a maioria encontra-se à mercê dos poderosos. A única solução viável que poderá levar à evasão desta tirania será a resistência em massa e o não cumprimento por parte de um grande número de pessoas. Por outras palavras, a desobediência total é crucial. Corram com todos os chamados "líderes" e confiem apenas em vós próprios.

Vivemos em regimes de partido único que se disfarçam em dois (ou mais) partidos. Nunca nada muda; as pessoas "certas" estão sempre ao comando e as políticas e corruptas nunca são alteradas. As agendas da pequena "elite" oligárquica foram cumpridas. O objetivo do domínio total chegou e as pessoas continuam irracionalmente a clamar por liderança.

Hoje, a loucura desta falsa pandemia e a propagação do medo que consumiu esta sociedade está a destruir o mundo. A injeção venenosa, falsamente chamada "vacina", continuará a ser dada ao maior número possível de pessoas, preparando o terreno para a morte em massa e obter a redução drástica da população.

Não tenhamos ilusões. Procurar líderes é apostar na desgraça. Cada pessoa tem de se tornar no seu próprio líder, no seu próprio governante, de contar apenas consigo. Só agindo desta forma, os falsos "líderes" podem ser eliminados, um a um, e só então alguma liberdade pode ser restaurada.

segunda-feira, maio 03, 2021

Alberto Gonçalves - Observador 1/5/21 - Um “covideiro” na fila do supermercado

 

Alberto Gonçalves - Observador 1/5/21 – “Estava na fila do supermercado quando um sujeito que estava à minha frente me disse: ‘Vocês não estão a cumprir a distância de segurança obrigatória’. Pedi desculpa, demos um passo atrás, e, durante uns minutos, o sujeito ouviu-me dizer à pessoa que me acompanhava o que penso sobre os infelizes que engolem as patranhas que o governo e os telejornais lhes enfiam pela goela abaixo.”

…Ao contrário do que previam os “especialistas”, o “desconfinamento” gradual coincidiu com uma descida gradual dos infectados, dos internamentos e dos mortos por Covid. Exatamente o que sucedeu há um ano. E se Maio de 2020 não chegou, Abril de 2021 deveria chegar e sobrar para implodir o mito de que o vírus depende de pessoas livres para se propagar e precisa da clausura de lacaios para se combater. Não chegou nem sobrou. As “autoridades” continuam a decidir, e a ameaçar, e a proibir, e a multar fundamentadas nesse mito.

Esta semana, as intervenções de Costa & Marcelo voltaram a ser duas violentas ofensas à inteligência alheia: os portugueses que se portaram bem merecem, por enquanto, um pedacito de liberdade; aos restantes, o castigo. Talvez por gozo íntimo, o prof. Marcelo repetiu a ladainha das “próximas semanas”, essenciais para “ganhar o Verão” ou lá o que é. Não há muitos romances distópicos com personagens tão arrogantes…

O que distingue a maioria das vítimas da prepotência é a submissão. Uma coisa é políticos pouco éticos ignorarem a evidência e, perante a falta de nexo entre a frequência de esplanadas e a evolução dos contágios, teimarem em lidar com a Covid à conta de prisões domiciliárias. Coisa diferente é a quantidade de cidadãos que, após tantas fraudes, se mantêm obedientes e entrincheirados nessa guerra à realidade

segunda-feira, abril 26, 2021

20.000 professores e funcionários escolares recusaram ser vacinados contra a Covid

São cada vez mais os portugueses que já se aperceberam que as vacinas contra a Covid são verdadeiras bombas-relógio, criadas em tempo recorde, que alteram geneticamente o sistema imunológico e desencadeiam uma resposta autoimune mortal. No fim de semana de 17-18 de abril de 2021, estavam agendados 166.430 professores e funcionários para serem vacinados, mas mais de 20.000 recusaram a política de extermínio do governo.

Houve 5.610 professores e funcionários de escolas que foram convocados para tomar a vacina contra a Covid este fim de semana mas recusaram, segundo dados fornecidos ao CM pela ‘task force’ da vacinação. Já 14.960 não responderam…

segunda-feira, abril 19, 2021

Covid-19 - O dr. Antunes: autópsia de um “especialista”


Covid-19 - O dr. Antunes: autópsia de um “especialista” (Jornal Observador – texto de Alberto Gonçalves (resumo meu) – 27/04/2021) - Ou porque acreditam na parlapatice, ou porque a parlapatice é feita à medida dos seus interesses, o prof. Marcelo e o dr. Costa usam-na para arruinar económica, sanitária, social e mentalmente o país.

Carlos Antunes (na imagem acima), matemático e professor da Faculdade de Ciências de Lisboa, a 20 de Janeiro de 2021, foi entrevistado nos estúdios da TVI e espalhou previsões e pessimismo com abundância onde condenou o facto de os restantes cidadãos saírem de casa sem necessidade, … não há memória de um adivinho se espalhar com o estrondo do dr. Antunes.

[Depois disto], o que terá sucedido ao pobre dr. Antunes? Com formidável descaramento e nulo escrutínio, continuou a ser convidado pelos “media” e pelas “autoridades” a “prever” a evolução do vírus, leia-se a mandar palpites sem ligação à realidade e que, independentemente desta, produzem sempre as mesmas conclusões. O único talento do dr. Antunes consiste em sugerir, a pretexto do que calha, a clausura de toda a gente.

O dr. Antunes não é uma figura singular. Pelo contrário: em Portugal há quase tantos casos activos de videntes falhados quanto casos activos de Covid. Se o desempenho desta trupe não tivesse consequências, teria graça. Passou um mês sobre o início do “desconfinamento” e ainda aguardamos o aumento de infecções que os videntes garantiam para as duas ou três semanas seguintes. Aliás, a importância absolutamente decisiva das “próximas duas ou três semanas” é um estribilho repetido há 14 meses pelo dr. Antunes e companhia ilimitada. Dado que, a cada duas ou três semanas, as deambulações do vírus jamais coincidem com os prognósticos dos “especialistas”, estes não se dão por vencidos e, duas ou três semanas depois, voltam a avisar: “As próximas duas ou três semanas…”.

Não houvesse consequências, isto seria comédia da boa. Infelizmente, é tragédia da má. A parlapatice dos “especialistas” é transmitida sem decoro nem contraditório nos telejornais. A maioria do público acata a parlapatice sem reserva nem suspeita. E o pior: ou porque acreditam na parlapatice, ou porque a parlapatice é feita à medida dos seus interesses, o prof. Marcelo e o dr. Costa usam-na para arruinar económica, sanitária, social e mentalmente o país, com os partidos a assobiar ou a aplaudir.

segunda-feira, abril 12, 2021

O advogado de defesa Ivo Rosa desempenhou a função de ilibar Sócrates, Salgado e restante quadrilha


Alberto Gonçalves – 10/4/2021

Só ontem é que vocês sentiram vergonha disto?

Dentro e fora dos tribunais, o que se passa é literalmente intolerável. Antes, ser português era um acaso. Hoje, é uma desgraça. Se não nos mexermos, amanhã será uma memória.  

Ontem, o advogado de defesa, perdão, um juiz chamado Rosa desempenhou com gabarito a função para que fora escolhido por sorteio isento e repetido: ilibar o “eng.” Sócrates, o sr. Salgado e restante quadrilha dos crimes de que estavam acusados. O pobre magistrado é apenas a figura imprescindível no lugar inevitável: o trabalho é sujo, a roçar o imundo, mas alguém tinha de o fazer. Pelos vistos, os únicos potenciais criminosos desta história são Carlos Alexandre e Rosário Teixeira, dois biltres que pagarão pela ousadia de engavetar em Évora o menino que sonhava com ventoinhas.

Aquilo teve a sua piada. Onde havia matéria para acusação, havia irregularidades processuais. Onde não havia irregularidades, não havia provas. Onde havia provas, não havia obtenção válida das ditas. Onde havia provas utilizáveis, não havia as suficientes para culpar ninguém. Onde havia provas suficientes, havia motivo para prescrição. Onde não havia prescrição, não havia IRS. Etc. Na verdade, o interminável sermão do juiz aos patos que ansiavam por um vislumbre de decência podia resumir-se em segundos. Um “Ide em paz, meus filhos” bastava.

A pouca-vergonha não me espantou. Espantou-me ver muita gente espantada, não exactamente com o desfecho mas com a franqueza do mesmo. Aparentemente, mesmo os pessimistas esperavam maior subtileza no processo de beatificação do “eng.” Sócrates: de alguma forma, o juiz tentaria disfarçar. Sucede que o juiz só precisaria de subtilezas ou disfarces se, conforme tantos decretaram, a sua longuíssima leitura representasse um golpe definitivo na Justiça, na democracia e no regime. Peço desculpa por notar que não representou nada disso.

[…] Recordem a recente e pedagógica frase do inquilino de Belém, alegado constitucionalista: é o direito que serve a política, e não a política que serve o direito. O que aconteceu não promove a pocilga em que sobrevivemos: a pocilga é condição prévia, e indispensável, ao que aconteceu.

Desde finais de 2015, ou do dia em que o prof. Cavaco se achou forçado a aceitar a frente de esquerda do dr. Costa, que é evidente que quase todos os caminhos do país vão dar a Caracas. O projecto socialista rumo a um poder tão absoluto quanto a Europa permitisse talvez tenha começado com Guterres, e de certeza reforçou-se na vigência do mestrando da Sorbonne. Porém, é com o dr. Costa que o projecto acelera de modo dramático – porque esse era o desejo dele e porque a conquista de sucessivos postos decisivos facilita, por falta de obstáculos, a conquista dos poucos que sobram. O regabofe autocrático a pretexto da Covid, e a coberto de uma UE em farrapos, limitou-se a limar arestas e a testar o grau de submissão. E se a submissão não é completa, anda lá perto.

Por paradoxal que pareça, nenhuma nação democrática concederia à decisão do juiz o que o juiz concedeu ao “eng.” Sócrates: impunidade. Nos EUA ou na Inglaterra, em Itália ou na Alemanha, uma impostura deste calibre seria acolhida com pandemónio nas ruas. Aqui, sem que uma só alminha tenha dúvidas sobre os procedimentos éticos do autor de “A Confiança no Mundo”, há resmungos e anedotas nas salas de estar e nas “redes sociais”. E só, que amanhã é outro dia e há que assegurar que a banditagem realmente perigosa não frequenta esplanadas sem máscara. A decisão judicial não caiu do céu: o “contexto” permite-a e torna-a segura. A este respeito, os habituais defensores de baderna pública vão falar em prova de maturidade. E eu, que aprecio o sossego, lamento a resignação que explica a miséria em que estamos.

Não gosto, Deus me livre, de arruaças e destruição. Mas começo a gostar ainda menos desta submissão mansa e vexante a desqualificados que podem tudo, inclusive escarnecer de nós. É óbvio que os desqualificados não se esgotam nos nomes reabilitados por um juiz com ar de quem levou porrada em moço, nem o vexame se esgota na justiça. Se querem erguer o “caso” Sócrates à proverbial gota de água, estejam à vontade. Convém é não esquecer que as demais gotas também ajudaram a encher o copo. Dentro e fora dos tribunais, o que se passa é literalmente intolerável. Antes, ser português era um acaso. Hoje, é uma desgraça. Se não nos mexermos, amanhã será uma memória.


quinta-feira, abril 08, 2021

A experiência social "Covid" é muito mais sinistra e perigosa do que se pensa

 

Jornal Observador (Alberto Gonçalves) - Isto não tem nada a ver com uma pandemia de uma doença respiratória. Isto já parece uma espécie de experiência social para ver até que posto as pessoas aceitam esta progressiva humilhação, este aumentar cruel do enxovalho, e até que ponto as pessoas engolem. Isto não tem nada a ver com Covid. Isto tem a ver com outras coisas, coisas muito mais sinistras e muito mais perigosas que a Covid.

Se há dois anos alguém nos contasse algumas das coisas por que estamos a passar agora, e estou a falar dessas medidas relativas à Covid, eu acho que ninguém acreditaria. Se alguém dissesse num noticiário que uma pessoa iria ser multada por estar a comer gomas na rua ou por estar a comer uma sandes dentro do carro ou que uma senhora era multada por estar a beber um café servido através de um postigo, eu acho que as pessoas não acreditariam. E mais: as pessoas não podem estar sentadas no banco de um jardim, a polícia expulsa pessoas que andam a passear na praia, as pessoas usam máscara quando andam sozinhas na rua ou no carro, ou acompanhados por um familiar com quem estão em casa sem máscara (e alguns talvez até com máscara).

E depois, como aconteceu hoje, o dr. Costa, revela-nos os próximos passos do desconfinamento. Se, dantes, nos contassem que um primeiro-ministro nos ia dizer os dias em que podíamos sair de casa e até a que horas, e quando é que podíamos ir ao café ou ao restaurante, isto pareceria de loucos. Estamos a viver uma espécie de distopia, um estado policial, em que as pessoas estão absolutamente limitadas nos seus direitos.

E o dr. Costa anunciou-nos o que estava previsto nesta 2ª fase do desconfinamento como se nos estivesse a fazer um favor, a dar-nos uma pequena prenda por nos termos portado bem. Acho que não compete ao dr. Costa ou ao prof. Marcelo, ou a algum membro do governo ou a alguma autoridade da saúde estabelecer os critérios pelos quais nós nos portámos bem ou mal. Não é essa a função deles. A função de um governo eleito é gerir mais ou menos a economia de um país.

Quando temos um governante a falar aos que deveriam ser cidadãos e não passam de bonecos, a fixar-lhes as regras a que devem obedecer, isto é desvalorizar em absoluto um país e uma sociedade. Estão a tratar as pessoas como crianças, e o pior de tudo é que os  portugueses parecem concordar e vão-se sentir muito agradecidos por o dr. Costa permitir mais umas migalhas de liberdade durante 15 dias.

terça-feira, abril 06, 2021

Jornal observador (Alberto Gonçalves) - O governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população.


Jornal observador (Alberto Gonçalves) - A pretexto de um vírus com mortalidade irrisória para a grande maioria da população, o governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população.

Novidades da pandemia? Aqui vão elas. Dois terços das famílias portuguesas sofrem dificuldades financeiras. Em apenas um ano, a quantidade de desempregados inscritos – os não inscritos são um caso à parte – nos ditos centros subiu 37%. A Rede de Emergência Alimentar auxilia 80 mil pessoas, algumas com profissões que teoricamente as colocariam na classe média e que agora passam fome. Os indivíduos sem-abrigo multiplicaram-se. O comércio a retalho perdeu 200 milhões de euros em 2020. Na hotelaria as perdas rondam os 90%. Metade dos restaurantes fecharam, muitos para sempre. As falências em geral vão crescer 19% em 2021 (estimativa otimista). E boa parte das moratórias ao crédito, que envernizavam a catástrofe, acabaram esta semana. Etc. Etc. Etc.

Na verdade, nada disto decorre da pandemia: tudo decorre das medidas tomadas para alegadamente combater a pandemia. Até ver, a Covid matou 16 mil pessoas (tradução: morreram 16 mil pessoas com teste positivo à Covid). Em breve, saberemos quantas pessoas foram arruinadas pelas medidas “contra” a Covid. Se é que não sabemos já: a pretexto de um vírus com mortalidade irrisória para a grande maioria da população, o governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população. Não falo aqui dos milhões de consultas canceladas, das 54 mil cirurgias urgentes “adiadas” e dos não sei quantos homicídios por negligência. Nem falo das liberdades que se aboliram, do estado policial que se criou e da humilhação progressiva dos que eram cidadãos e hoje são lacaios.

[…] É pena os desgraçados esquecerem-se de que a culpa da penúria não foi dos fenómenos míticos que a propaganda lhes meteu na cabeça: foi do dr. Costa, do prof. Marcelo, das “autoridades” em geral, dos “especialistas” em particular, dos “telejornais” e, na vasta maioria, deles próprios.