quinta-feira, setembro 14, 2017

Um dia (em 1869), os judeus Marcus Goldman e Samuel Sachs decidiram criar um banco...

À esquerda, Marcus Goldman (1821 – 1904), nasceu em Trappstadt, Baviera, Alemanha, e imigrou para os Estados Unidos em 1848. Era de uma família de Judeus Ashkenazi.

À direita, Samuel Sachs (1851 – 1935), nasceu no estado de Maryland nos Estados Unidos e era filho de imigrantes judeus da Baviera, Alemanha.


Sede do banco Goldman Sachs em Manhattan



Afinal, o Goldman Sachs manda no mundo?

"Sou um banqueiro a fazer o trabalho de Deus". É a forma como o presidente do maior banco de investimento do mundo vê a sua missão no comando do Goldman Sachs. Mas na opinião de um número cada vez maior de pessoas, o "trabalho de Deus" do Goldman Sachs é a encarnação do lado negro da força em Wall Street. E há até quem defenda que é este banco que manda no mundo e não os governos.

"Eu concordo com a tese de que os bancos, e especialmente o Goldman Sachs, se tornaram demasiado poderosos na medida em que influenciam a nossa política, a nossa economia e a nossa cultura", referiu o autor de "Money & Power: How Goldman Sachs Came to Rule the World", William D. Cohan, ao Outlook. E o poder do Goldman Sachs nos centros de decisão política até lhe valeu a alcunha, dada por banqueiros concorrentes, de Government Sachs. O banco liderado por Lloyd Blankfein conta com um exército de antigos funcionários em alguns dos cargos políticos e económicos mais sensíveis no mundo. E o inverso também acontece, o recrutamento de colaboradores que já desempenharam cargos de decisão.

Alessio Rastani transformou-se num fenómeno. O 'trader' em 'part-time' surpreendeu tudo e todos numa entrevista à BBC. Além de vários cenários catastrofistas sobre a crise, Rastani defendeu que "este não é o momento para pensar que os governos irão resolver as coisas. Os governos não mandam no mundo, o Goldman Sachs manda no mundo". Bastaram pouco mais de três minutos para tornar Rastani num fenómeno na Internet. O vídeo tornou-se viral e levantou a controvérsia sobre o poder que o banco liderado por Lloyd Blankfein tem na economia e na política.

Esta semana, numa entrevista ao "Huffington Post", Rastani teceu uma série de ideias sobre o papel do Goldman no mundo. E diz que as teorias da conspiração que aparecem sobre o banco não são uma coincidência: "Os governos dependem dos bancos, os bancos dependem dos governos. A relação é tão cinzenta e quem controla quem? Quem é o marionetista e quem é a marioneta? As pessoas podem ter as suas ideias sobre isto. Eu apenas expressei a minha perspectiva", disse.

Rastani não é o primeiro a atacar o papel do Goldman no mundo. Em Abril de 2010, um jornalista da "Rolling Stone" escreveu um artigo que se tornou famoso, tanto para os contestatários ao banco como para os que defendem o Goldman e utilizam a caracterização feita pelo repórter para ironizar com os detractores do banco. Matt Taibbi descreveu o Goldman como um "grande vampiro" que se alimenta da humanidade, com um apetite sanguinário implacável por tudo o que envolva dinheiro.


Daniel Oliveira - Expresso

- Resumindo: em todos os momentos fundamentais da desregulação económica e financeira do mundo e da Europa e da transformação do projeto europeu no monstro que hoje conhecemos encontramos gente da Golman Sachs… Porque um dos ramos fundamentais da atividade deste colosso é a compra da democracia, pondo os Estados a decidir contra os seus próprios interesses, roubando o sentido do nosso voto e entregando o poder que deveria ser do povo a quem tem dinheiro para o pagar. São um verdadeiro partido invisível, um poder acima das nações que regula as nossas vidas independentemente das nossas vontades. Privatiza o que é nosso, vende lixo aos Estados, armadilha leis, governa em favor de poucos e premeia quem lhe preste vassalagem.

5 comentários:

Jorge disse...

Bem-vindo ao submundo dos verdadeiros governantes mundiais.

MPires disse...

É assim meu caro. Não foi por acaso que Durão Barroso facilitou o caminhou das Lages para a guerra ao Iraque e que teve como prémios a ida para presidente da Comissão Europeia e agora para um cargo importante no Goldman Sachs. Está tudo ligado com o dinheiro, digo, alta finança.

Manuel Galvão disse...

A este "estado das nações" só foi possível chegar após o abandono da moeda-ouro.
Hoje os bancos "fabricam" moeda à medida da "necessidades" das empresas e das nações que aceitam promover desenvolvimento com dinheiro emprestado (e não com poupança).
A democracia ocidental com as suas amplas liberdades democráticas, ficou refém do "desenvolvimento à custa de crédito". Nenhum partido ganha eleições se não prometer e não der mais aos eleitores que o partido ali do lado promete... depois ficam reféns dos banqueiros, através das empresas de rating.
O rápido desenvolvimento dos países ocidentais fez-se à custa do crédito barato e sem garantias. As garantias foram substituídas pela "chantagem" dos banqueiros; ou me pagas o que me deves a horas e a tempo ou não te empresto nem mais um tostão"!
Só entra no jogo quem quer...

taawaciclos disse...

Boas...

Se fosse só a Família Goldman Sachs!

A REALIDADE é que são mais umas quantas, que mandam neste CIRCO!

Diogo disse...

Manuel Galvão, o problema não está na moeda-ouro. Aliás, se continuássemos na moeda-ouro a quantidade de dinheiro em circulação estaria dependente da quantidade de ouro que existisse. Ora, a quantidade de dinheiro em circulação deve ser proporcional à produção e ao nº de pessoas. O problema está no facto daqueles que produzem dinheiro serem banqueiros privados.


Taawaciclos, é verdade, não é só a Família Goldman Sachs. Mas a elite que manda no mundo são poucos mais.