segunda-feira, janeiro 12, 2015

Os Charlies de um Deus Menor


Um texto que me chegou via email assinado por Ângelo Alves (imagens e links meus):


Je suis - I am - Ich bin - Yo soy - Jag är - мне - Ја сам - Mən - мені

Eu Sou Charlie



Sou o Charlie. Sou português, democrata, amante da liberdade, da democracia, da paz, do progresso e do desenvolvimento social. Amo a minha terra, o meu país, o meu povo, bem como todos os povos do mundo com as suas realidades, histórias, percursos, particularidades e direitos soberanos. Queria falar-vos de quem sou e de como me sinto.


Sou o Charlie, sou Português. No meu País existem 3 milhões de pessoas pobres, o desemprego real deve estar a rondar os 23%. Os jovens do meu País estão sem perspectivas. Não admira, 38 anos de políticas sempre iguais destruíram aquilo que devia fazer funcionar este país, o seu sistema produtivo. Vejo cada vez mais pessoas na rua, sem casa. A fome já chegou a muitas zonas deste País. Os mais idosos vivem mal, e são-lhes cortadas as pensões. Nestas férias de natal muitas escolas ficaram abertas para poder dar refeições em condições a crianças que estão a viver grandes dificuldades. Entretanto já começou a morrer gente à porta das urgências dos Hospitais... não porque os médicos não sejam bons, mas porque os cortes e mais cortes, fizeram com que os hospitais não dêem resposta às necessidades.

Expresso - 5 de janeiro de 2015

Bastonário da Ordem dos Médicos afirma que as falhas nas urgências dos hospitais públicos poderão ter provocado mais mortes do que as duas noticiadas. A falta de recursos e os cortes impostos pelo Governo são algumas das explicações referidas por José Manuel Silva. O bastonário aponta ainda o dedo à falta de profissionais: "O principal problema terá sido a falta de recursos médicos, enfermeiros e até espaço físico".


Sou o Charlie, sou jornalista Francês, sinto-me um dos jornalistas assassinados a sangue frio anteontem em Paris, mas sou também aquele que é colocado perante a chantagem de obedecer cegamente aos interesses dos donos dos jornais, das rádios ou das televisões onde trabalho ou ir para o desemprego. Sou um jornalista que por dizer a verdade sou afastado da ribalta das televisões e dos jornais. Sou um jornalista igual a outros que em variados países são assassinados por exercer a minha profissão com dignidade e ética ou que morre a cobrir guerras desencadeadas para dominar povos e países inteiros e lhes sugar as suas riquezas.


O meu nome é Charlie, sou Palestiniano... milhares e milhares de compatriotas meus já morreram ao longo destes mais de 50 anos. Milhões, não os consigo ver porque são refugiados em campos onde vivem há décadas sem poderem visitar a Palestina. Sou uma das 600 crianças que morreu sob as bombas de Israel há poucos meses, sou a criança que brincava na praia e fui atingido por fogo disparado a partir de um barco israelita que nunca compreendi porque ali estava. Tenho muita pena dos jornalistas de Paris que foram mortos, tal como tenho dos 308 jornalistas que no ano de 2014 foram vítimas de violação de direitos humanos por Israel. Só no verão passado, durante a guerra que Israel fez contra o meu povo em Gaza morreram 17 jornalistas.

UOL Notícias - 22/07/2014

Um total de 121 crianças palestinas, 80 delas de menos de 12 anos, morreram desde que Israel começou, há 15 dias, a ofensiva militar contra o território palestino de Gaza, confirmou a Unicef, o organismo das Nações Unidas para a proteção da infância, nesta terça-feira. Esse número indica que os menores representam um terço das vítimas civis registradas desde que Israel começou a bombardear continuamente Gaza. Até hoje morreram 586 palestinos, a grande maioria civis. Dos menores mortos pelos ataques israelenses, 84 eram meninos e 37 meninas, com idades que variavam entre cinco meses e 17 anos, segundo os dados do Unicef. Pelo menos 904 outras crianças ficaram feridas, acrescentou o órgão.


O meu nome é Charlie, sou Sírio, vivia num país que não era o paraíso mas onde vivíamos em paz e em convivência de várias confissões religiosas e etnias. Hoje o meu País está destruído por uma guerra sem sentido, desencadeada por gente que não é do meu País e que, pelo que percebo, são pagos e treinados por países e forças que nada têm que ver com o meu país. São esses, que até andaram a reunir com uns figurões dos EUA, como um tal de McCain, que agora querem retalhar o meu País, atacar os nossos irmãos libaneses, e construir um Estado que dizem que é Islâmico mas que os meus amigos muçulmanos dizem que não tem nada que ver com a religião deles.



Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico (EI ou ISIS)

Voz da Rússia - Andrei Ontikov - 15 Outubro 2014

Riadh Sidaoui, diretor do Centro Árabe de Estudos Políticos e Sociais: "Quem está apoiando este grupo? São, obviamente, o Qatar e a Arábia Saudita. E isso não é apenas uma suposição minha, nem apenas a opinião de todo o tipo de jornais e cientistas políticos. Anteriormente, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden disse com toda a franqueza que os terroristas na Síria eram financiados por Riad e Doha. Da minha parte, só posso acrescentar que as monarquias não poderiam agir sem a aprovação dos Estados Unidos, ou até mesmo fizeram-no sob ordens diretas de Washington. Tudo isso esta sendo feito a fim de destruir a Síria e derrubar o regime de Bashar Assad".



O meu nome é Charlie, sou Espanhol, sou um jovem e metade de todos os meus amigos estão desempregados há vários anos, muitos vivem hoje na rua. O Desemprego é uma coisa tramada, não consigo pensar no futuro, porque todos os dias penso como vou aguentar mais tempo sem meios para sobreviver. Os discursos dos meus governantes parecem que nada têm que ver com a vida que eu vivo.


O meu nome é Charlie, sou Francês, vivo nos subúrbios de Paris, os meus avós vieram das ex-colónias francesas em África, ajudaram a construir este País. Sou pobre, e cada vez mais sinto que por ser descendente de africanos ou muçulmanos sou empurrado para guetos e não tenho acesso a certas profissões. Muita da malta que mora no meu bairro está desempregada há muito, a pobreza também é muita.


O meu nome é Charlie, sou Afro Norte-Americano. Dizem que vivo na terra da liberdade e das oportunidades, mas eu cada vez mais me interrogo se isso é mesmo assim. Eu e o pessoal do meu bairro somos cada vez mais afectados pela crise económica, e agora vieram os bancos tirar-nos as casas, muita malta mora em tendas nos parques, andamos revoltados e até fizemos manifestações, a resposta da polícia e mesmo dos militares foi brutal, e alguns amigos meus morreram.




O meu nome é Charlie, sou Líbio. A minha família foi toda morta, assim como parte da comunidade onde pertencia, onde hoje existem vários grupos terroristas que se ocupam do tráfico de armas, do tráfico de pessoas, do contrabando do petróleo e de outras actividades que nada têm que ver com aquilo que já vivi. A guerra invadiu o meu País, dividiu o meu povo e sinceramente não consigo ver como poderemos vir a ser outra vez um País digno desse nome.


O meu nome é Charlie, sou oriundo do norte de África e da África Subsariana. Tenho dezenas de amigos que morreram a trabalhar. Outros vão morrer dentro em pouco porque sofrem de doenças que se diz que fazem parte do passado. Muitos dos meus conterrâneos passam fome, não têm casa, outros acho que nunca mais os irei ver, foram contactados por gente de fora que lhes disse que iam viver e trabalhar para a Europa. Ouço dizer que uns estão presos, outros estão fechados nuns campos de detenção na Europa e outros, diz-se, morreram no mar.

UOL Notícias - 09/05/2011

Sessenta e um imigrantes africanos morreram no Mar Mediterrâneo a bordo da embarcação em que viajavam em direção à Itália, após militares europeus e unidades da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) terem ignorado pedidos de ajuda, denunciou nesta segunda-feira (09/05) em sua edição on-line o jornal britânico The Guardian.


O meu nome é Charlie, sou Muçulmano, fui torturado violentamente por militares norte-americanos que nunca me explicaram porque estava preso. Não tive direito a julgamento. Chamam-me terrorista, mas eu penso que os terroristas são eles quando me deixam semanas sem dormir e me fazem coisas que tenho vergonha de contar. Acho que quero morrer, não aguento mais ser tratado como um animal.


Sou o Charlie, o meu país chama-se Sérvia. Dantes chamava-se Jugoslávia. Em 1999 os Estados Unidos e os Países da Europa bombardearam dias a fio o meu País e no fim foi dividido. Foi uma guerra terrível precedida de coisas que não percebi muito bem e que viraram partes do meu povo contra os seus compatriotas. Naquela guerra foram utilizadas armas terríveis, faziam buracos imensos. Soube depois que eram de Urânio Empobrecido e hoje muitos amigos meus e compatriotas sofrem de cancros, os seus filhos têm malformações genéticas. Quando vi a terrível notícia do atentado em Paris pensei de imediato no dia em que os aviões da NATO bombardearam a nossa televisão em Belgrado. Morreram muitos jornalistas na altura também. Um primeiro-ministro de nome Tony Blair disse na altura que a nossa TV e a vida dos jornalistas era "um alvo legítimo". É um bocado contraditório, não é?


O meu nome é Charlie, sou Iraquiano, o meu País vive desde a década de 90 do século passado em estado de guerra. Tenho pena de não vos poder mostrar o meu País como ele era há algumas décadas. Dizem que somos um dos berços da civilização moderna. Não sei se somos, mas que tínhamos muitas riquezas culturais, lá isso tínhamos. Não vivíamos bem, e eu até nem gostava do governo do meu País, mas caramba! Nós podíamos ter tratado do assunto pelas nossas mãos e consciências. Nunca quisemos a guerra, a morte e a destruição do nosso País. Apenas queríamos viver um pouco melhor. Centenas e centenas de milhares de patriotas meus morreram nestes anos numa guerra que foi justificada com mentiras sobre o meu País como a das armas destruição maciça Para quê? Não sei… só sei que hoje anda por cá muita gente de fora a guardar-nos como se fossemos estranhos na nossa própria terra e a guardarem – dizem eles – os nossos campos de petróleo. Ao ver as notícias de Paris lembrei-me dos jornalistas que morreram num bombardeamento dos EUA contra um Hotel em Bagdade onde eles estavam a trabalhar.


Criança iraquiana morta por tropas americanas

Los Angeles Times - 14/09/2007 (há mais de sete anos)

O número de civis mortos no Iraque pode ter ultrapassado um milhão de pessoas. (Este artigo saiu em 2007 - quatro anos depois da invasão americana em 2003. Entretanto, já se passaram mais sete anos com massacres praticamente diários devido a "bombistas suicidas").



O meu nome é Charlie, sou Ucraniano. O meu País está dividido por uma guerra civil. Tudo começou quando uns senhores vindos da Europa (coisa estranha... e eu que pensava que o meu País fazia parte da Europa) vieram falar com o nosso governo, que não era grande coisa diga-se em abono da verdade, para ele fazer uns acordos esquisitos que nos amarravam a umas políticas que pelo que vejo lá na Europa deles não estão a dar muito bom resultado. O nosso governo não quis esses acordos, mas também não nos perguntou nada. Depois não percebo bem o que se passou, só sei é que hoje andam por aí, quer no governo quer nas ruas, aqueles que – aprendi na escola – nós combatemos no passado - os nazi-fascistas. Esses, mais uns criminosos que acho que pertenciam a umas forças ditas de segurança, foram responsáveis por um terrível massacre em Odessa, onde morreram queimadas ou baleadas dezenas de pessoas que se tentavam refugiar. Na altura não se falou muito disso no Mundo, e eu não percebo porquê! Entretanto já morreu muita gente nesta guerra, já foi destruída muita coisa e o meu povo vive pior que nunca. Apetece-me chorar quando vejo o exército do meu próprio país a atacar o povo a que pertenço.


Eu sou o Charlie, um Afegão. Em 2001 houve um ataque a umas torres enormes nos EUA, chamavam-lhe as torres gémeas. O mundo culpou gente por esse ataque que segundo eles estava instalada no meu país. O meu país tem uma história triste de guerras. Esses mesmos que falam inglês andaram a criar os Taliban para combater o que diziam ser a invasão da URSS. Depois passados vários anos voltaram cá para combater esses Talibans. Hoje negoceiam com eles e eu já não percebo nada disto. A única coisa que sei é que já se perdeu a conta aos mortos do meu país em virtude destas guerras e agressões. As coisas pioram de dia para dia no nosso povo, e até a produção de droga aumentou exponencialmente. Diziam então que os direitos das mulheres não eram respeitados, e eu até acho que não eram, mas caramba, cabia-nos a nós resolver esse problema. É que agora elas continuam a andar de Burka, correcção: aquelas que estão vivas continuam a andar de Burka. Cada vez mais acho que esses senhores se estavam eram a borrifar para os direitos do meu povo e das mulheres do meu povo.




Basicamente, o Charlie sou eu, um homem comum, que vive em qualquer parte do mundo e que é vítima de uma política insana que cada vez traz mais guerra, mais morte, mais fome, mais desemprego, mais pobreza, mais doenças, mais problemas ambientais, menos cultura, mais discriminação, mais ódio racial, menos democracia, mais intolerância, menos humanidade, mais desrespeito por vários direitos humanos. Sou aquele que verdadeiramente sofre com os ataques e crimes como o de Paris, porque há sempre aqueles que lucram com eles. Cada vez mais acho que enquanto não se inverter a essência das políticas que ditam o sentido dominante do Mundo não terminarão os dias tristes como o de ontem em Paris.


Sou o Charlie, sou amante da Paz e da amizade entre os povos. Luto pela justiça social, pelo desenvolvimento económico e social de todos os países, pelo respeito pelos direitos económicos, sociais, culturais, democráticos e de soberania dos povos. Luto para que o Mundo não seja um jogo de xadrez onde as pessoas são meras peças, e a sua vida tem um valor relativo consoante os interesses que estão em jogo. Sou o Charlie, indigno-me tanto com a morte dos meus “colegas” jornalistas em Paris como com a morte de um trabalhador da construção civil que caiu numa obra por falta de medidas de segurança.


Sou o Charlie, amante da Paz, da tolerância, da cooperação entre povos e Estados soberanos. Acredito que um mundo mais justo é possível. Acredito que é possível fazer da política aquilo que ela deve ser, uma festa de ideias e princípios usados no interesse de todos.


Sou o Charlie e nunca irei permitir que a minha indignação pelo que se passou em Paris seja utilizada para cortar ainda mais direitos nos democráticos aos povos, para imprimir medo a todos, para que poucos dominem, para eleger os muçulmanos, ou outros, como inimigos da civilização, ou para desencadear novas guerras num mundo que está já tão perigoso.


Sou o Charlie, tomo o partido do lado da verdade, contra a manipulação. Do lado da paz, contra as guerras, as ingerências e as manobras de desestabilização. Do lado da verdadeira luta contra o terrorismo, contra a hipocrisia e a mentira. Do lado da justiça e da igualdade, contra a exploração. Do lado da democracia verdadeira, contra a ilusão de uma democracia formal. Do lado dos povos, contra “os donos disto tudo”.


Sou o Charlie, e não quero ser usado para instigar o racismo, a xenofobia e a islamofobia. Sou o Charlie e não quero que os meus sentimentos de solidariedade para com as vítimas de Paris sejam usados para abrir campo à extrema-direita ou para desencadear paranóias que abram campo a ainda mais mortes, guerras e destruição.


Sou o Charlie, um homem comum que quer viver em Paz e com dignidade.

12 comentários:

Aldo Luiz Fonseca disse...

A terceira guerra mundial vai acelerada... Je su is quem?
Ninguém virá nos salvar... Estamos todos vigiados, vigiamos uns aos outros, não há segredos. Pensar é, desde sempre, conspiração.
O que você e eu não sabemos não existe.

"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO,ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS".

TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.

Sinto muito, me perdoe, o amo, sou grato. Um fraterno abraço.

Aldo Luiz Fonseca disse...

P.S.: Escravos, por definição, não possuem livre arbítrio.

Pedro Lopes disse...

Esta imagem.....

https://pbs.twimg.com/media/B7GnzaFIcAAh9ca.jpg

Simplesmente brutal...

Diogo disse...

Caro Aldo Luiz, não há nenhuma terceira guerra mundial. Guerra entre quem e quem? O que há é um genocídio à escala planetária comandado por meia dúzia de cabrões.

Não podemos esperar para que ninguém nos salve. Resta-nos a cada um de nós, cidadãos do planeta, escolher um cabrão, seja de topo (um banqueiro), ou da ralé (um comentador venal, por exemplo), e limpar-lhe o sebo.

A terceira guerra mundial vai ser travada entre pequenos grupos de cidadãos e cabrões individuais. Nunca entre exércitos...


Quando um cidadão está desempregado ou ganha uma merda não é escravo de nada nem de ninguém. É livre de abater os parasitas que estiverem à mão...

Diogo disse...

Pedro Lopes,

Excelente manifestação! Boa!

Thor disse...

"Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico (EI ou ISIS)"


err...é mais Elliot Shimon, agente Cia/Mossad, mas pronto...

esse texto tem coisas boas mas também tem coisas más.
começa logo por fazer apologia à democracia e depois ainda vai buscar os afro-americanos como se fossem algumas vítimas, quando eles andam a matar à tripa forra, sobretudo brancos e incluindo mesmo polícias cumpridores.

e ainda agora, veio o líder dos panteras negras dizer que é preciso um exército para matar os brancos, além de andarem negros armados a patrulharem as ruas.

agora, claro que o texto tem coisas certeiras, especialmente quando fala da Palestina, Iraque e Afeganistão.
a guerra do Afeganistão já provocou para aí 2 milhões de mortos, e isto civis afegãos, já nem falo em soldados americanos.
e a invasão desse país foi feita sobretudo por causa das papoilas e da heroína, cujo tráfico mundial subiu exponencialmente depois do 11/9, estando esse tráfico debaixo do controlo da Cia, que mete a heroína na Europa, via Turquia (onde também há papoilas) e Kosovo.

Iraque e Afeganistão foram feitos por causa de heroína, petróleo, venda de armas (tudo metas dos Rothschils e Rockefellers) e também para cercar o Irão de tropas americanas, além de criar a futura Grande israel, ou israel expandida que apanha grande parte do Iraque, boa parte da Síria, Aràbia, Líbano, Jordânia e até uma pequena parte do Egipto.

como a fronteira não ficará muito longe do Irão, convém não ter nenhum estado muito forte nas proximidades.

a Palestina, enfim...nem vale a pena falar. é o que todos sabem. um holocausto e um gulag diário.

Thor disse...

http://thorsteinnscheving.blog.is/users/1a/thorsteinnscheving/img/israeli_pipelines_1001991_1139634.jpg

http://4.bp.blogspot.com/-afUJKB0dORI/U4kH2w0CDSI/AAAAAAAABGA/DHUjFg6Pnwc/s1600/grande_israel.jpg

http://truthaholics.files.wordpress.com/2014/01/zioborders1.jpg

pvnam disse...

É necessário MANIFESTAÇÕES PELO DIREITO À SOBREVIVÊNCIA!
(uma nota: os Nazis-à-USA irão opôr-se -> eles andam sempre à procura de pretextos para negar o direito à sobrevivência de Identidades Autóctones)
.
Todos diferentes, todos iguais!...
-> Isto é: TODAS as identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!...
-> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
-> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
Resumindo: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa!
.
.
.
P.S.
-> Nazismo não é o ser 'alto e louro', bla bla bla,... mas sim... a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!
-> Para além dos hitlerianos, existem outros... um exemplo: os 'HOLOCAUSTERS' MAIS MASSIVOS DA HISTÓRIA (na América do Norte, na América do Sul, etc) são precisamente aqueles que buscaram/procuraram pretextos para negar o direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones... nomeadamente, e em particular,... aqueles que argumentam que a sobrevivência de Identidades Autóctones prejudica a economia.
.
P.S.2.
-> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
-> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
.
P.S.3.
Separatismo-50-50.

N disse...

A democracia é a causa de todos esses males.

E continuam a não enxergar...
Depois queixem-se que são castigados...

Este texto além de mostrar profunda ignorância, é um hino ao terrorismo intelectual e ao igualitarismo.


Algumas questões:
Os mafiosos banqueiros são democratas ou NS e/ou Fascistas?
Resposta:São democratas.

Os mafiosos banqueiros patrocinam os partidos democratas(logo a democracia)?
Resposta:Sim.

Quem controla a maioria dos média encarregados de enganar a população todos todos todos todos os dias?
Resposta:judeus, cripto-judeus, e escumalha sem escrúpulos.

Estes últimos enganam todos os cidadãos? Certamente todos todos não.
Mas enganam a maioria...
E quem é essa dita maioria que se deixa enganar?
Reposta:Ignorantes e idiotas.
Valem quanto nas urnas estes?
Resposta:Tanto quanto os que não se deixam enganar.
O que nos diz o bom senso?
Resposta:Os idiotas serão sempre a maioria.
Qual a forma de regime então que foi aplicada para favorecer os corruptos?
Resposta:Democracia.
Porquê?
Resposta:Porque os corruptos sabem que os idiotas são sempre mais do que aqueles que têm capacidade de pensar por si próprios.

Para um inimigo atacar uma Nação, esta é mais fácil de atingir unida, ou dividida e fragmentada?
Resposta:Dividida e fragmentada está claro.
A democracia une ou divide uma Nação?
Resposta:Divide está claro.
Então a quem serve a democracia como forma de regime?
Resposta:Aos nossos inimigos.


Quem mesmo assim não enxergar as coisas, não está muito acima da gorila Koko.

Carlos disse...

Boas Diogo
De modo muito rápido.

“Sou o Charlie, e não quero ser usado para instigar o racismo, a xenofobia e a islamofobia.”
Será por lapso que se esqueceu do incentivo à fobia pelas outras religiões em especial à cristã?

“Sou o Charlie e não quero que os meus sentimentos de solidariedade para com as vítimas de Paris sejam usados para abrir campo à extrema-direita...”
Será que se esqueceu que este episódio abre ainda mais portas à esquerda ditatorial, que é para lá que todos, quer queiramos ou não, caminhamos? Sendo essa uma razão da criação desta união europeia.

Enfim, um texto engraçado mas com falhas subties?!...

Diogo disse...

Thor - De acordo com quase tudo, excepto a questão dos negros americanos. A miséria tende a reproduzir-se tanto entre brancos como negros. Nos EUA, os imigrantes da América Central são considerados abaixo dos negros.

A única solução é dar condições aos pobres para ascender à classe média. Deixemo-nos de racismos bacocos...


Pvnam - As «pátrias» ou os «estados-nação» fazem parte de um curto período da história da humanidade. Estão cada vexz mais em desuso.


N - Eu sou partidário da Democracia DIreta. Sem «representantes eleitos» não corrupção em alta escala.


Carlos - De acordo! O texto está bom mas tem algumas falhas. No geral, é claramente positivo.

N disse...

"A única solução é dar condições aos pobres para ascender à classe média. Deixemo-nos de racismos bacocos..."

Vocês falam muita da classe média, mas para esta existir não pode haver desemprego alto, recibos verdes, e carga fiscal pornográfica.

E a classe média nativa é vítima de racismo diariamente, pois é-lhe confiscado diariamente rendimento do trabalho para sustentar parasitas judeus na política, grandes empresas e banca particularmente, e parasitas do terceiro-mundo a receberem subsídios sem NADA fazerem.

Ora a classe média nativa é simultaneamente a grande dinamizadora de criação de emprego nomeadamente através das PME, e também a grande responsável pela maior parte do consumo interno.

Menor classe média nativa=Maior pobreza.

A classe média nativa está a ser exterminada pela merdocracia.
Isto é factual, não é opinativo.