quarta-feira, dezembro 30, 2015

Para um Ano Novo de 2016 sem imparidades, insolvências e riscos sistémicos



2 comentários:

Anónimo disse...

Falta aí um elemento que, na verdade, é ainda mais importante que o próprio banco: o Estado.

É o Estado, e só o Estado, que oferece a certos sectores (não é só a banca) o poder de rapinar o contribuinte.

Sem o auxílio do Estado, nenhum banco seria capaz de, para se salvar, roubar quem nele confiou.

N disse...

O Estado tem que ser a Nação politicamente organizada.

Numa democracia, o Estado é a Nação politicamente humilhada, pisada, roubada, endividada, e até mesmo exterminada(plano kalergi).


A economia tem que estar ao serviço da Nação.

Numa democracia, a Nação está ao serviço da economia(ainda por cima especulativa).



Democracia=Problema.

O problema pode ser simultaneamente a solução?
Resposta: Obviamente que não.

Quem não percebe isto?
Resposta: Símios e zombies democráticos.


Quanto valem os símios e zombies nas urnas?
Resposta: Um voto cada um.


Porquê é que isso acontece?
Resposta: Porque o evangelho democrático declara que "nós somos todos iguais".


Mas é verdade que "nós somos todos iguais"?
Resposta: Não. A igualdade humana vai contra as leis da natureza, as leis cientificas, e o mais elementar senso comum.


Como pode então uma forma de regime resultar, se baseia-se na mentira absoluta?
Resposta: NÃO PODE.