terça-feira, dezembro 05, 2017

O Horror Económico


A tese (1997) defendida por Viviane Forrester de que o emprego, tal como o conhecemos durante três séculos no Ocidente, tem os dias contados e tornou-se menos plausível, a cada ano que passa, de ser a forma de distribuir a riqueza.

O "O Horror Económico" ataca também as actuais políticas dos governos ocidentais que fazem tentativas cada vez mais desesperadas para manter vivo o sistema de trabalhos e salários. Forrester cita a constante redução de números cada vez maiores das classes trabalhadoras e, agora, das classes médias; o atrito constante, a nível internacional, da assistência social e dos direitos sindicais, por um lado, e a crescente desestabilização dos que trabalham, já para não falar dos desempregados.

Tudo isto criou uma cultura de emprego e desemprego (e subemprego) que não é apenas stressante, lamentável e desagradável mas também, segundo Forrester, "gerou uma economia mundial que é uma obscenidade, uma afronta à natureza humana" e, usando as palavras do título do livro, um "Horror Económico":



Excertos de "O HORROR ECONÓMICO" de Viviane Forrester

«Penso que cada um de nós, qualquer que seja o nosso trajecto de vida, deveria sentir-se preocupado com a actual situação do mundo, o qual é inteiramente governado por economistas. Se Shakespeare voltasse hoje à vida, julgo que ficaria fascinado pela trágica interacção das poderosas forças económicas que estão furtivamente a transformar os destinos dos cidadãos ou melhor das populações de todos os países.

Em minha opinião estamos a testemunhar uma mudança profunda, uma transformação da sociedade e da civilização, e estamos a ter muita dificuldade em aceitá-lo. Como é que podemos dizer adeus a uma sociedade que estava baseada em empregos estáveis que forneciam uma rede segura e os fundamentos de uma existência decente? A segurança no emprego está de saída.

Pela primeira vez na história, a grande maioria dos seres humanos já não são indispensáveis ao pequeno número daqueles que dirigem a economia mundial. A economia está de forma crescente envolvida com especulação pura. As massas trabalhadoras e os seus custos estão a tornar-se supérfluas. Por outras palavras, existe uma coisa ainda pior do que ser explorado e que consiste em já nem sequer valer ser explorado!

É verdade que a forma como as coisas estão não estão a ser escondidas, mas existe uma tendência para evitar falar sobre isso claramente. Em sociedades democráticas, em qualquer caso, não se diz às pessoas que estão a ser consideradas como supérfluas. Sob os totalitarismos pode existir um perigo ainda pior do que o desemprego e a pobreza. Uma vez desaparecidos os assalariados, porque é que um regime totalitário não elimina simplesmente essas forças que se tornaram inúteis.

Em países democráticos existe uma necessidade urgente de vigilância. É muitas vezes invocado de que a era industrial, quando um salário regular fornecia os meios de subsistência, pode de alguma forma reacender-se. Mas esses dias acabaram. Os rendimentos salariais estão a desaparecer e a panóplia de esmolas temporárias e pensões concebidas para os substituir estão a minguar, algo que não pode ser considerado senão criminoso.


Os gestores da máquina económica exploram esta situação. O pleno emprego é uma coisa do passado, mas ainda o utilizamos como padrão que era corrente no século dezanove, ou há vinte ou trinta anos, quando ainda existia. Entre outras coisas, este facto encoraja a que muitos desempregados sintam vergonha de si próprios. Esta vergonha sempre foi absurda mas é-o ainda mais hoje.

Isto ocorre de mãos dadas com o receio sentido pelos privilegiados que ainda possuem um emprego pago e têm medo de o perder. Eu sustento que esta vergonha e este medo deviam ser cotadas na bolsa de valores, porque constituem inputs importantes no lucro. Há uns anos as pessoas condenavam a alienação causada pelo trabalho. Hoje, a redução dos custos do trabalho contribuem para os lucros das grandes companhias, cuja ferramenta de gestão favorita é despedir trabalhadores; quando despedem, o valor das suas acções disparam.

Hoje, ouvimos muito falar acerca da "criação de riqueza". Dantes, esta expressão era simplesmente conhecida como lucro. Hoje, as pessoas falam desta riqueza como se ela fosse automática e directamente para a comunidade e criasse empregos, e, contudo, vemos empresas altamente lucrativas a reduzir drasticamente a sua força de trabalho.

Quando as pessoas falam dos poderosos, não estão a falar do grosso da população do seu país mas acerca dos manda-chuvas que relocalizam num piscar de olhos. Os políticos fazem do emprego a sua prioridade, mas a Bolsa de Valores fica deliciada sempre que um grande complexo industrial despede trabalhadores e fica preocupada sempre que exista qualquer melhoria nos números do emprego. Gostava de chamar a atenção das pessoas para este paradoxo. A cotação do valor em bolsa de uma empresa depende em grande parte dos custos do trabalho, e o lucro é gerado em última análise pela redução do número daqueles que têm trabalho.

A presente situação levanta uma questão vital para o futuro das pessoas deste planeta, sobretudo para os mais jovens e o seu futuro. Hoje, o ideal é ser "lucrativo", não "útil". Isto levanta uma questão muito séria: Devem as pessoas ser lucrativas para "merecer" o direito a viver? A resposta do senso comum é que é uma coisa boa ser útil à sociedade. Mas estamos a impedir as pessoas de serem úteis, estamos a esbanjar a energia da juventude ao olhar para a rentabilidade como o supra-sumo.


A maior parte dos países perdeu o seu sentido das prioridades. Existe uma necessidade cada vez maior de professores, pessoal médico, mas os governos mostram-se crescentemente agressivos contra eles. Estas são as profissões onde os lugares são abolidos e os fundos são cortados. E no entanto são indispensáveis para o bem-estar e o futuro da humanidade. Esta confusão entre "utilidade" e "rentabilidade" é desastrosa para o futuro do planeta.

Os jovens vivem numa sociedade que ainda considera o emprego assalariado como o único modo de vida aceitável, honesto e de acordo com a lei, mas a maior parte deles estão impedidos de ter a oportunidade de os alcançar. Em zonas pobres dentro das cidades isto é um grande problema. Ao mesmo tempo, encontro muitas vezes gente jovem com os braços carregados de diplomas que não arranjam trabalho. Que desperdício imperdoável! Durante gerações os estudos constituíam a iniciação da juventude na vida social. Admiro os jovens de hoje porque avançam com os seus estudos perfeitamente conscientes de que correm o risco de serem rejeitados pela sociedade.

Apenas há vinte ou trinta anos atrás, existiam ainda razões para esperar que a prosperidade relativa do Norte se espalhasse pelo mundo. Hoje, estamos a assistir à globalização da pobreza. As empresas do Norte que se deslocalizaram para os chamados “países em desenvolvimento”, não criam empregos para as pessoas desses países, em vez disso fazem-nos geralmente sem qualquer tipo de protecção social, em condições medievais. A razão para isto é que força de trabalho sub-paga de homens, mulheres e crianças, tal como os prisioneiros, custam menos do que a automação custaria no país de origem. Isto é colonização noutra, igualmente odiosa, forma.

Não sou pessimista, longe disso. Os pessimistas são aqueles que afirmam não haver alternativa à presente situação, de que não há escolha possível. O meu livro é uma tentativa para descrever o que se passa. É verdade que a situação é dramática. Apesar de tudo, eu sou, tal como muitas outras pessoas, uma cidadã de um país cujo regime democrático torna possível reflectir e resistir livremente à pressão crescente que o factor económico está a exercer nas nossas vidas.

Eu gostaria que existissem contrapoderes, pensamento alternativo, conflitos de ideias e interesses. Não conflito violento, claro, mas temos de acordar e deixar de estar petrificados, prisioneiros do pensamento banal. Em países onde o meu livro já foi traduzido, especialmente nos Estados Unidos, Brasil, México, Lituânia, Polónia e outros tais como a República da Coreia, está a causar uma espécie de convulsão mesmo antes da sua publicação.»

5 comentários:

Anónimo disse...

Amigo Diogo

Excelente matéria, a mais pura verdade.
Vejo pelo meu caso particular, como engenheiro civil, 54 anos, sou considerado superfulo na sociedade ....... e esta situação não vai mudar, muito pelo contrário, vai piorar muito, com a implantação de cada vez mais baixos salários, independente de sua formação.
Enquanto nos distraírmos com coisa idiotas de futebol / religião / fados / novelas, não se irá mudar nada.
Nossos politicos tem consiencia disto, e incenticvam a aliienação do povo ignorante.
É uma pena Diogo ....... uma pena.

Que possamos sobreviver dignamente, pois isto vai piorar muito ainda.
A bolha economica vai estourar, e tenhA CUIDADO COM OS BITCONS, isto é uma fraude que vai prejudicar os incautos a nivel mundial.

Abraços do amigo.

Ramiro Lopes Andrade

Diogo disse...

Caro Ramiro,

Os cidadãos vão ter de começar a fazer alguma coisa. Ligados pela Internet, podemos falar todos com todos. Expor e divulgar todas as falcatruas políticas. E ir falar pessoalmente com os gatunos.

Abraço.

Ricardo Amaral disse...

E ao mesmo tempo que isso acontece vejamos http://omarxismocultural.blogspot.pt/2015/09/marxismo-e-o-capitalismo-juntos.html (os marxistas,mais ortodoxos ou menos ortodoxos,não conseguem explicar racionalmente isso,então fazem por ignorar(ou repetirem a cassete do "a culpa é dos capitalistas" e nós é que somos "os bons") como se os problemas se resolvessem ignorando-os).

Anónimo disse...

É tudo um horror. Mas, só no Ocidente. Depois propõem um socialismo qualquer que leva à miséria e funcionam assim em circuito fechado, estes intelectuais.
É claro que a questão da distribuição se coloca. Coloca-se desde sempre. É a questão da sobrevivência. Eu não vejo uma solução perfeita.
As pessoas que vivem no Ocidente são privilegiadas pela abundância e acreditam que podem extrapolar ao resto do mundo as circunstâncias em que vivem. A verdade é que se juntarmos os quatro cantos do mundo, a tal abundância é apenas carência.
A meu ver cada nação deve resolver os seus problemas, porque pensar o todo é apenas um exercício inútil e conducente à aceitação do globalismo que me parece maior mal.

Diogo disse...

Ricardo Amaral e Anónimo (das 14:33),

Com a evolução exponencial da tecnologia, o paradigma económico em que vivemos é cada vez mais absurdo.

Há uma capacidade cada vez maior de produzir e, como as máquinas estão a substituir paulatinamente os homens no trabalho, há cada vez mais desemprego e salários miseráveis. Portanto, embora as pessoas tenham necessidade de bens e haja cada vez mais capacidade de os produzir, as empresas não produzem porque as pessoas não têm dinheiro para os comprar...