sábado, setembro 16, 2006

Henrique Monteiro do Expresso - preocupação genuína ou remunerada?


Henrique Monteiro, no editorial do Expresso de hoje, 16 de Setembro de 2006, aponta os perigos do negacionismo, sobretudo para o pior de todos eles - o negacionismo do terrorismo islâmico. O editorialista queixa-se da Internet, dos comunistas e da RTP:

"O negacionismo não é novo na História, e sempre esteve ao serviço de uma ideologia. Os mesmos que negavam a barbaridade dos regimes comunistas, logo que a realidade histórica impôs a verdade, viraram as baterias contra a superpotência sobrevivente: ‘‘Afinal, são todos iguais’’ - dizem. O comunismo desprezava os seus cidadãos, assassinava-os... mas o mesmo fazem os EUA."

"Esta grande mentira torna-se central para apaziguar consciências dos que, no passado, encobriram, omitiram ou apoiaram as barbáries."

"Só assim se compreende como ainda há gente disposta a crer e a jurar que o 11 de Setembro tenha sido obra dos americanos... contra eles próprios. O caso seria risível se, progressivamente, através de sítios da Internet, de textos anónimos e de alguns ligados, por exemplo, a militantes comunistas e de outras formações de esquerda, esta teoria não fosse cada vez mais propagada. E se, para cúmulo, a própria televisão do Estado - quase sem protestos - não a tivesse erigido como uma das possíveis sobre o 11 de Setembro ao passar um filme sobre pretensa conspiração."

"Se a opinião pública e a comunicação social não reagem a esta inacreditável manipulação poderemos tornar-nos reféns de mais uma falsificação histórica - uma das mais conseguidas artes, aliás, do estalinismo."


Comentário:

É compreensível a preocupação de Henrique Monteiro, mas é forçoso reconhecer que a Internet, os comunistas e a RTP possuem alguns argumentos de peso:

1 – Porque caiu a Torre nº 7 do World Trade Center de uma forma muito semelhante a uma demolição controlada, às 17:30 do dia 11 de Setembro de 2001, se não foi atingida por nenhum avião e onde deflagraram apenas alguns incêndios diminutos?

2 - Como é que um Boeing 757, supostamente o vôo 77, desapareceu completamente dentro do Pentágono, por um pequeno buraco, não deixando vestígios do embate das asas, da cauda ou dos motores na fachada do edifício?

3 - Porque é que o Pentágono que possui várias dezenas de câmaras de vídeo exteriores, que por certo filmaram o Boeing 757, não disponibiliza um desses filmes? Porque é que o Pentágono divulgou apenas 8 frames que nada mostram?

4 - E que dizer da extraordinária coincidência acontecida no dia 7 de Julho de 2005 em Londres, onde um exercício anti-terrorista empregando mais de mil pessoas era levado a cabo por uma empresa - Visor Consultants - exactamente à mesma hora e exactamente nas mesmas estações de metro onde aconteceram os verdadeiros atentados?

O repórter da rádio BBC5 entrevistou Peter Power, Director Chefe da empresa Visor Consultants. O Sr. Power repetiu estas declarações na televisão (ITN). O clip de vídeo de dois minutos está disponível AQUI.


Sabemos ainda que na sequência dos ataques de Setembro ao World Trade Center, o secretário da Defesa Donald Rumsfeld criou o Office of Strategic Influence (OSI), ou "Gabinete da Desinformação" como foi etiquetado pelos seus críticos.

"O Departamento da Defesa disse que eles precisavam fazer isso, e eles estavam realmente a plantar estórias falsas em países estrangeiros num esforço para influenciar a opinião pública mundial". (Entrevista a Steve Adubato, Fox News, 26 December 2002.).

E, de repente, o OSI foi formalmente desmantelado depois de pressões políticas e de estórias "perturbadoras" nos media em que "a sua finalidade era mentir deliberadamente para promover os interesses americanos" ( Air Force Magazine, Janeiro de 2003) "Rumsfeld voltou atrás e disse que isto é embaraçoso". (Adubato, op. cit.) Mas apesar desta aparente meia volta, a orwelliana campanha de desinformação do Pentágono continua funcionalmente intacta: "O secretário da Defesa não está a ser particularmente franco aqui. A desinformação em propaganda militar é parte da guerra" (Ibid.)


Posto isto, resta-nos portanto tentar saber se a angústia de Henrique Monteiro com o negacionismo da ameaça do terrorismo islâmico é verdadeiramente genuína ou simplesmente remunerada por organizações de além-mar.

28 comentários:

Anónimo disse...

1) Qual seria o especial interesse de demolir um edifício (WTC7) em termos de conspiração e propaganda depois de todo o efeito mediático conseguido com a queda das torres ?

2) Como é possível orquestrar tamanha conspiração e simultaneamente são incapazes de fazer um buraco decente no Pentágono ?

3) Como é possível orquestrar tamanha conspiração e simultaneamente são incapazes de criar um mero video ?

4) Como é possível fabricar atentados em Londres e cometer um erro desse nível ?


PS: Parabens Sofocleto, apesar de discordar das suas teorias eu era capaz de apostar que o editorial do HM é quase de certeza uma resposta aos seus post's em concreto.

Como já dise anteriormente, eu a si respeito-o, porque nunca foge à luta, responde com os seus argumentos e acima de tudo não apaga comentários ao contrário do que acontece nos blogues de seus companheiros de "route".

Sofocleto disse...

Anonymous,

Obrigado pelo elogio. Vou tentar responder às suas perguntas:

1 – Porquê demolir o WTC7? O Wikipedia explica-nos que:

The government agencies housed at 7 World Trade Center were the United States Secret Service, the Department of Defense, the Immigration and Naturalization Service, the U.S. Securities and Exchange Commission (SEC), the Mayor's Office of Emergency Management, the Internal Revenue Service Regional Council (IRS), and the Central Intelligence Agency (CIA).

Portanto, estavam lá os Serviços Secretos, o bunker do Mayor de Nova Iorque e a CIA. Os ataques a Nova Iorque podem muito bem ter sido coordenados a partir deste edifício. E há que não deixar pontas soltas.


2 - «um buraco decente no Pentágono». Essa parte da fachada ruiu 20 minutos depois do embate. Talvez eles contassem que ruisse mais cedo.

3 - «são incapazes de criar um mero video». Um vídeo fabricado é relativamente fácil de desmontar havendo já havendo imagens reais da fachada com um buraco demasiado pequeno e sem as marcas das asas ou da cauda do «avião».

4 - «fabricar atentados em Londres e cometer um erro desse nível» - Os exercícios «anti-terroristas» permitem efectuar atentados «terroristas» num ambiente controlado. Nos atentados do 11 de setembro estavam a decorrer pelo menos três exercícios da Força Aérea.

Macillum disse...

Faço um convite ao sr. Henrique Monteiro: que tal realizar um encontro público entre a sua pessoa e alguns de nós, os blogueiros que falam abertamente, que possuem documentação suficiente para mostrar a verdade e encobrir qualquer mentira sobre esta conspiração mundial - em que o governo português está metido - de erguer uma nova ordem mundial com propensões de controlar, tecnologicamente e de modo absoluto, cada um dos cidadãos?
Ah, mas se realizarem esse encontro público não o vão fazer com um blogueiro pago por V. Exªs de modo a fazer transparecer que as pessoas que expressam tais ideias no mundo blogue são estúpidas, incultas, ignorantes. Não. Assim, não. Se tem tanta convicção nas suas ideias por que não discuti-las publicamente, num frente a frente, com alguns de nós?
Seria, no mínimo, interessante!

Macillum disse...

Ao Anonymous,

acredito que "eles" nem sequer se importaram muito com a eficácia das aparências a médio, ou longo prazo. "Eles" fizeram tudo para se saber que foram "eles": o choque imediato dos atentados deu-lhes mais do que tempo para crescerem sem reacções de maior à culpa que possuem. O tempo passou, o choque dos atentados tb, a ditadura está, praticamente, instaurada na sua plenitude... só falta assumi-la. Que maneira melhor senão começar a revelar que foram "eles"? Os ditadores querem ser reconhecidos, temidos, idolatrados... porque se haveriam de esconder?

Sofocleto disse...

O convite de Macillum ao Sr. Henrique Monteiro para ter uma discussão pública com alguns de nós sobre o 11 de Setembro é muito interessante. Monteiro poderia até vir acompanhado da sua equipa do Expresso: João Pereira Coutinho, João Carlos Espada e José Cutileiro.

Estou até a lembrar-me de outros «opinion makers» com quem gostaria de discutir publicamente este assunto. São os casos, por exemplo, de Pacheco Pereira, António Vitorino, Vasco Graça Moura e tantos outros. Mas não tragam o Vasco Rato! Este dá-me vontade de vomitar.

contradicoes disse...

Quem motimou o terrorismo islâmico foram os EUA e disso parece muita gente não ter dúvidas, basta analisar a criação da Alqada, para se poder tirar essa conclusão. Depois quem esteve atento nesta semana à entrevista concedida por Adriano Moreira à Sic notícias, perceberá que o terrorismo não existe por acaso e as motivações contrariamente aquelas que os americanos querem fazer passar, através dos agentes da comunicação social portuguesa, não são
religiosas, mas sim outras que todos nós sabemos, mas lembramos em especial
a exploração continuada dos recursos petrolíferos dos paises arábes por parte de grandes empresas do ocidente.
Tudo o resto é demagogia barata.

Macillum disse...

Eu não me importava nada de falar com esses senhores do Expresso... mas com quem eu gostava de falar publicamente, seria com o Pinto Balsemão e com o Grão-Mestre da maçonaria... colocar-lhes umas perguntinhas...
Estão a acusar-nos publicamente de estarmos com delírios... é bom: já começamos a fazer comichão... mas, por outro lado, não estão a dar-nos a oportunidade de apresentarmos, publicamente, os nossos pontos de vista... ainda não lhes interessa.

Basílio disse...

Desculpem dizer mas há um ponto onde estão todos iludidos: desde quando os comunistas portugueses falam na verdade sobre o 11 de Setembro? Alguma vez, nestes cinco anos, eles tocaram nisso, dentro ou fora da assembleia, ou em algum orgão de comunicação onde tenham voz? Nunca. Nem eles, nem o Bloco de Esquerda, nem nenhum outro partido político, de esquerda ou direita. É que nem mesmo agora, depois da RTP passar o Loose Change e mais uns milhares de pessoas terem acordado.

Biranta disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Biranta disse...

Não sei quem estará "iludido"... a não ser os próprios.
Para o anonymous!
Pode "tirar o cavalinho da chuva" que, nos blogues onde eu escrevo, você não "se infiltra", porque não merece. Nem eu quero o seu "respeito" para nada; na verdade acho que até me incomodaria. Você sabe muito, tem muita experiência de provocação, de falácias, de mistificação... mas sobretudo da arte de "dividir para reinar". Tem um bom treino de espião provocador. Consigo a CIA foi eficiente, independentemente de quais os meios que usaram... no entanto, todos os comentários que eu apaguei, no meu blogue, para além de serem obstinadamente arrivistas e falaciosos, eram insultuosos. Esteja descansado que, comigo, você não chula a democracia nem o civismo para poder executar a sua missão e o seu trabalho de provocador, às ordens dos neo-cons, da CIA, dos neo-nazis... e mais do diabo que o carregue.
Aproveite a ingenuidade de alguns enquanto ela durar. O seu paleio tem "etiqueta", que eu identifico bem. Se não fossem todos os lacaios como você não teria sido possível arrastar o Mundo para a situação de descalabro que se vive. Comigo ou com a minha complacência não! Ser tolerante com bandidos é crime e é uma forma de compactuar com a instauração da Nova Ordem Mundial. É com essas colaborações que "eles" contam para se poderem assumir, como diz, e muito bem, Basílio.
É muito fácil ver "os inimigos" lá longe... já quanto aos infiltrados é muito mais difícil, por iso eles têm tanto êxito em toda a parte... Mas todos contribuem para o mesmo e, sem estes, os infiltrados, aqueles, os inimigos, não teriam êxito... como têm!
Além disso chateia-me que você, apesar da conversa ser identificável, teime em aparecer por aqui como anonymous! Porque é que não se assume? Está a preparar-se para mais o quê?

Macillum disse...

Basílio,

"estão todos iludidos" é um bocado generalista demais, não acha? Reajo ao seu comentário pois acredito que estamos numa altura em que precisamos definir muito bem as nossas posições... no meu caso, não alinho com qualquer "ismo", uma vez que vejo que os "ismos" dividem o mundo, a vida, as pessoas.

Raposa Velha disse...

Gostaria de realçar que a "inteligência" a que o Sr. Henrique Monteiro se refere não é certamente aquela que lhe faz falta (e afinal de contas também a todos nós) nem muito menos a tradução de "intelligence". É que "intelligence services" traduz-se por espionagem. Ao contrário do que alguns bazaroucos por vezes escrevem e dizem.

Basílio disse...

Biranta, Macillum, peço desculpa! Substituo "todos" por "alguns".
Mas é muito importante falar nos partidos, agora que a bolha estoirou os políticos vão tentar manipular as coisas ao máximo para tentarem conter os estragos, deixando tudo na mesma e mantendo-se no poder (como sempre).

Carlos Paiva disse...

Vocês podem ter as convicções que quiserem, inclusive que foram os americanos a atentar contra o próprio povo. Mas estar a insinuar que o director de um jornal de referência está a soldo da CIA ou do Pentágono ou de outra coisa qualquer, parece-me abusivo.

Carlos Paiva disse...

Então o sr. Macillum é da opinião que os ditadores querem que se saiba que foram eles que fizeram os atentados na América. Acrescenta o sr. Macillum que é para serem temidos e idolatrados e que não se precisam de esconder. Se por absurdo o "ditador" Bush tivesse sido o responsável pelo 11 de Setembro julga que o povo americano não o enforcava de imediato assim que soubesse? Dizem que as mulheres são de Vénus e os homens são de Marte mas o sr. Macillum deve ter vindo de Plutão.

o que seria deste blog sem o biranta disse...

Ó Paiva, e o Biranta de onde veio?

xatoo disse...

carissimo
tu que és fã do Jon Stewart vê lá se já conheces este:
http://www.youtube.com/watch?v=bDNVSguN0Ck

Macillum disse...

Sr. Carlos Paiva,

diz-me que "Se por absurdo o "ditador" Bush tivesse sido o responsável pelo 11 de Setembro julga que o povo americano não o enforcava de imediato assim que soubesse?"

Isto demostra muita ingenuidade da sua parte, o que revela a ingenuidade de maior parte das pessoas.
Olhe para a história, cavalheiro: se isso fosse assim, como é que, no passado, houveram uns poucos que oprimiram a maioria, sem que esta se revoltásse? Porque é que, então, quando Salazar esteve no poder, ninguém foi lá enforcà-lo? Realmente, quando uma pessoa mete uma coisa na cabeça é difícl mudar a sua visão de vida: o senhor só está a mostrar a sua ignorância, falta de análise histórica, falta de consciência sobre a realidade passada e presente que o rodeia. É triste quando alguém pensa que é fácil deitar um ditador abaixo: é só entrar por ali a dentro e enforcà-lo?!!!
Se o sr. andásse mais informado saberia que este homem já se afirmou duas vezes (uma vez perante o congresso) como estando acima da lei: O tipo de investimentos bolsistas e empresariais que este senhor tem andado a fazer estão fora da lei. Não importa, ele está "acima da lei"... e quem o pára? Muitos que estão ao redor dele (no Supremo Tribunal, no Congresso, etc.) gostavam de o ver cair, mas a política é hipócrita, joga com as palavras, os acontecimentos, assim como com a força que emana dos políticos: é preciso um grande jogo até que caia um ditador! O Bush está muito bem protegido. Ele está confiante, não vai ser enforcado assim com tanta facilidade.
Mas se o senhor acha que é assim tão fácil enforcar um ditador, que tal ir até à Coreia do Norte, ou à China, ou à Indonésia acabar com aqueles que lá estão no poder sem o largar? Ou é ingénuo o suficiente para pensar que os ocidentais são melhores que os orientais?
Cresça, por amor daquilo que você mais amar. Cresça e deixe de dizer disparates, de uma vez por todas. Se querem dizer mal, seja inteligente: isso até nos ajudaria a redefinir melhor as nossas visões de vida.
Agora, com comentários assim, nada mais faz do que estar constantemente a mostrar a sua estupidez e ignorância.
Isso é por demais perigoso para você.

Biranta disse...

O que eu gosto, nestes comentários, é que basta lançar uma acha (às vezes nem isso) e já passo a ser "o elemento ausente mais presente".
Ao menos divirtam-se!

Rouxinol disse...

Este texto de HM está ao nível do macaco, nem vale a pena bater mais no ceguinho. A mim basta-me saber que a subserviência estratégica ou simples cobardia intelectual do partido do qual sou militante, ignorou que tínha e tem meios para expôr o 11 de Setembro e tudo o que o precedeu...Têm os técnicos e engenheiros que com os conhecimento da sua respectiva área podem ajudar a desmascarar algumas mentiras, e depois têm o jornal para expôr o trabalho. Por alguma razão decidiram não o fazer apesar de alguns pedidos.
A verdade sobre o que se passou no 11 de Setembro não está ligada a nenhum "ismo", afinal podemos ter diferentes convicções do papel do Estado e do indivíduo na sociedade e concordar que essa divergência em nada afecta a análise de coisas factuais. Da mesma forma que um homem de esquerda e outro de direita concordam que 2+2 são 4, se mantiverem a honestidade intelectual também concordam que edifícios de aço em treliça não vêm abaixo em queda livre sem a ajuda de explosivos.

Lidador disse...

Farto-me de rir com os impagáveis "investigadores"deste blogue que, perdidos no seu labirinto conspiracionaista,nem sequer se apercebem que existe um mundo real que não é, como eles pensam, dirigido por uns ogres verdes com antenas, estacionados lá em Washinghton, mas mais pelo acaso, e pelo eterno choque de vontades de eatados e indivíduos.

Falam muito de "loose change", estes representantes atoleimados da esquerda folclórica, mas pelos vistos nem sabem que as fontes não só deste sofrível documentário,como também da maioria dos delírios conspiracionistas, são sites e organismos da extrema-direita racista e anti-semita (como a American Free Press, por exemplo)

Meus senhores, saiam da caverna onde confundem as sombras com a realidade.

pred disse...

Há uns dias atrás tentei entrar no site de um físico americano - Steven Jones - que tem contestado a teoria oficial do 11/9, mas não consegui pois dava erro. Achei estranho, mas pensei que tal se devesse a algum problema técnico. Estava errado... A verdade é que o site foi apagado.
Felizmente é possivel encontrar a tese dele noutros sites, como é o caso do que eu deixo aqui indicado. Mas porque é que eu falo nisto? É que vim agora a descobrir que este professor foi suspenso da faculdade onde dava aulas! Quem disse que não há conspirações? Quem disse que a América é o país da liberdade?

http://www.mindfully.org/Reform/2006/WTC-Jones19mar06.htm

xatoo disse...

sr. Lidador
já agora explique cá à gente o que é anti-semita
muita gente não sabe o significado da expressão
vc sabe?

Rouxinol disse...

presuponho que se

Rouxinol disse...

...compreenda por anti-semita, alguém que é "contra os semitas", mas espero pela opinião do lidador. Deve ser um tipo com os pés bem assentes na realidade, que para um brojeço que vê a American Free Press como um organismo de extrema-direita, deve ser muito pouco fantasiosa.

Macillum disse...

O que o lidador nâo sabe é que, durante a história, assistiu-se imensas vezes a facções contrárias, a ideologias opostas, lutarem lado a lado contra um inimigo comum. Tem sido este o jogo dos impérios: todos se juntam contra um inimigo comum. Quando este inimigo cai, lá surge um de entre aqueles que se haviam juntado para a revolução para ascender ao poder, procurar controlar todas as outras facções até que haja revolta das outras facções, dentro delas surgindo um novo poder que procurá controlar todas as outras facções... e por aì a fora neste ciclo vicioso...
Por isso, cavalheiro, é natural encontrar documentos que vão contra a versão oficial do 9/11 vindos de extremos opostos, como por exemplo, comunistas, extrema-direita, anarquistas, centralistas, republicanos (como se assistiu há bem pouco tempo no caso de republicanos terem-se juntado a democratas manifestando-se contra as liberdades que Bush tem vindo a executar)...
Logo, caro lidador (mas lida com o quê, afinal?!), como vê, é natural encontrar tréguas entre adversários no intuito de lutar contra um inimigo comum... depois, logo se vê.
Por favor, deixe-se de ingenuidades em querer fazer-se de esperto pensando que sabe mais que os outros: isso só não lhe fica bem!

Lidador disse...

Meus amigos eurábicos que por aqui roçais as nádegas.

Sobre a America Free Press e o seu manancial de prodigiosas "provas" que suportam as vossas paranóias aqui vai um cheirinho directamente da Wikipedia.

"The American Free Press is a weekly newspaper published in the United States. It was founded in 2001 as the successor to The Spotlight, which ceased publication in 2001 when its parent company, Liberty Lobby, was forced into bankruptcy. The paper was founded by former Spotlight staffers.

Like The Spotlight, American Free Press proclaims a "populist and nationalist" political orientation and runs opinionated articles and editorials aimed at a mainstream audience across the political spectrum.

Some critics charge that it is a subtle recruiting tool for anti-Semitism and the political extreme right-wing. These critics cite as evidence the paper's classified section, which sometimes includes ads for the National Alliance, Christian Identity materials, and Creativity Movement books including White Man's Bible, Nature's Eternal Religion and On the Brink of a Bloody Racial War [citation needed]. The newspaper rejects the labels anti-Semitic and extreme right to describe the newspaper, and state that their classifieds contain advertisements for a plethora of extremist groups, either left or right, and even those amongst the right-leaning racial/nationalist groups are varied, including Nation of Islam, as well as numerous links to tax protesters. There is also to be found a special preference for advertisements promoting alternative medicine and holistic therapy."

Mas há mais, meus tontos que comeis tudo o que vos metem no prato.

Vamos lá, de uma vez por todas façam umas investigações com alguma profundidade, para que este bloque não seja tão ridículo.
É que pior que a ignorância rotunda e grossa, só a ignorância convencida daqueles que andam para aqui, de brocha e escadote, a colar cartazes cuja proveniência desconhecem, convencidos que estão a "fazer a revolução".
Pobres tontos!

Rouxinol disse...

"Some critics charge [...] which sometimes includes ads"

Pelos vistos não é só HM que está ao nível do macaco.