terça-feira, abril 05, 2011

Uma sugestão aos gregos para debelar a crise da dívida soberana

.

Na mira: um presidente de um banco, um político corrupto ou um jornalista venal?


São cada vez em maior número aqueles que reconhecem a existência a nível mundial de uma associação parasitária - um Cartel Bancário Internacional - propriedade de meia dúzia de indivíduos e que mexe todos os cordelinhos financeiros a nível planetário de forma a explorar, espoliar e sugar países e respectivas populações até à medula.

Para tanto, o Cartel Bancário Internacional apoderou-se das instituições políticas e mediáticas a operar nos Estados Nacionais. Usurparam, pela corrupção, os grandes partidos políticos (normalmente dois, e que se revezam eternamente no poder), e adquiriram as televisões e jornais cuja tarefa tem sido ordenar aos cidadãos o que hão-de fazer, o que hão-de pensar, como se hão-de governar e em quem deverão votar (como diria Eça).

Em Dezembro de 2010, na sequência da gravíssima «crise da dívida soberana» engendrada pelo Cartel Bancário Internacional, cerca de 200 manifestantes gregos perseguiram o antigo ministro dos transportes Kostis Hatzidakis quando este saia do Parlamento, gritando: «Ladrões! Tenham vergonha!» Atiraram-lhe pedras e bateram-lhe com paus. Pois bem, estas medidas já mostraram não ser suficientes...



Estando a Grécia provavelmente na situação mais aflitiva em relação à «crise financeira», é aqui deixada uma sugestão «made in USA» que poderá ajudar no futuro próximo a pátria de Aristóteles, assim haja helénicos com coragem, determinação e que prefiram morrer de morte matada do que de morte morrida:

Entre 3 e 22 de Outubro de 2002, os norte-americanos John Allen Williams, de 41 anos, e Lee Boyd Malvo, de 17 anos, lançaram-se numa série de assassínios que manteve a região de Washington mergulhada em pânico. Dissimulados no porta-bagagens de um Chevrolet Caprice, os dois homens alvejaram 13 pessoas, das quais apenas três sobreviveram aos ataques, que à data deixaram a polícia a mãos com uma investigação difícil: as vítimas nada tinham em comum e eram alvejadas nos locais mais díspares.



Carabina Bushmaster XM15 (calibre .223)


Ao examinar o veículo, a polícia encontrou uma carabina Bushmaster XM15 (calibre .223), uma arma de alta potência e extremamente precisa. O carro tinha sido modificado para funcionar como uma plataforma de tiro. Possuía dois buracos, um para um telescópio de mira, além de um tripé. Desta forma, disparando do carro, o atirador não era detectado pelos sensores de calor.



Seguindo esta técnica, simples e com elevada taxa de sucesso, bastariam no máximo dez gregos, com eles no sítio, para que os incessantemente martelados clichês: "vêm aí muitos sacrifícios", "é preciso acalmar os mercados", "vivemos acima das nossas possibilidades", "é necessário fazer cortes", "eliminar a gordura do Estado", etc., etc., etc., se evaporassem em poucas semanas do palavrório político-mediático, e, talvez, com eles, as pornográficas dívidas soberanas e respectivos juros.
.

Os gregos poderiam, a título de exemplo, começar o desbaste por aqui:

1 – Presidente do Attica Bank – Agathangelos Kapaneus

2 - Ministro das Finanças do Partido da Nova Democracia (ND) – Abraxas Nikodemos

3 – Líder parlamentar do Partido Socialista (PASOK) – Ophion Phaidros

4 - Director de Informação do canal TV Helénica – Phoibos Seilenos

5 - Comentador político do canal Acheloos TV - Pontios Sanacharibos


E etc. por aí fora...
.

55 comentários:

skeptikos disse...

Quem diz os Gregos, diz os "troianos", não é verdade?! Será que há "great balls... of iron"?

Diogo disse...

Já para não falar nos espartanos e nos macedónios. A Grécia é um mundo!

Carlos Silva disse...

Quem dera que pudéssemos dizer como Leónidas: «Isto é Portugal!» e...

Aldo Luiz disse...

Caro Diogo, estes marionetes são replicantes, há um permanente estoque de reposição. O que mais desejam é a violência, qualquer uma, esta é a área em que ninguém os supera. Adoram uma sangueira.
Nada, força bruta alguma, religião alguma, lei alguma, substituirá a responsabilidade 100% dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Não os sustentemos com ódio ou medo, seus alimentos principais. São antropofagistas.
Faça um experimento.
Mantenha-se na vibração do amor, todos os espíritos, corações e mentes estão interconectados.
Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao amor incondicional.
A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal e intransferível.
Fora disto não há nada que esteja acontecendo que eles não tenham planejado. A fórmula fratricida deles é milenar, sempre muito bem atualizada.
Sinto muito, sou grato.

Diogo disse...

Aldo Luiz,

A meia dúzia que controla o mundo precisa de testas de ferro para o fazer. São estes que dão a cara nos parlamentos, nos governos nacionais, nas televisões e nos jornais. Se a revolução for dirigida contra estes testas de ferro, os senhores do mundo terão mais dificuldade em manter o domínio.

Abraço

Aldo Luiz disse...

Diogo, tudo são crenças. Eles estão lá porque nos fizeram crer que precisamos deles para a condução de nossas vidas.
Tive um patrão que dizia que o povo é mantido na burrice em que nasce para ser manipulado pelos políticos nas eleições. Depois tudo volta ao que os patrões dos políticos querem fazer para eles mesmos em nome do povo que manipulou. Isto é o que chamam de democracia, dizia ele. Só isto.

Na época me parecia uma blasfêmia. Hoje, é preciso ser muito idiota e cego para não ver esta dura verdade, a perene casa grande e senzala neste labirinto do nada em que vivemos enfermos completamente desalinhados com A FONTE fazendo o jogo deles. Eles jogam a bola e nós corremos para rebater.

Depois de 1964 (o golpe), por exemplo, afinal estamos em abril aqui e mundo afora, ainda tem gente culta e erudita que acha que fizemos "imenso progresso" com esta "democracia" onde as partes são diferentes na forma e idênticas no conteúdo.
Obama veio ao Brasil para que? Trazer pessoalmente, com pompa e circunstÂncia, a agenda a ser cumprida.
Demora-se perceber esta verdade em função de memórias e programas atrapalhantes desde a infância propositalmente enfiados em nosso subconsciente...

Se paramos de devolver a bola o jogo deles acaba. Vale uma reflexão?
Abraço

Diogo disse...

Caro Aldo Luiz,

Eu sei que se toda a gente compreendesse o mecanismo desta opressão, esta deixava de ter pernas para se manter.

O problema é que os Media mantêm uma pressão constante sobre a esmagadora maioria da população. Desta forma, o povo continuará nas trevas e nada fará para se libertar.

Abraço

Aldo Luiz disse...

Caro Diogo, é exatamente por isto que eu digo."A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal e intransferível."
Todo este debate só é possível graças a esta Bendita Internet. Antes dela tanto eu como você estávamos como eles, a massa, iluidos e manipulados pela ditatorial midiocracia... Isto mudou.
Depois de 11 de setembro de 2001 as pessoas estão acordando numa velocidade muito maior do que imaginamos e do que os media e sua midiocracia podem apregoar ou tentar impedir. Acredite na virada em curso, não depende nem de mim de você ou de qualquer um, nem deles; estamos a caminho de mudanças radicais através da RESSONÂNCIA no campo quântico eletromagnético onde existimos e tudo o mais. Nosso poder só pode ser exercido se conectados na paz com a fonte de onde tudo vem para onde tudo vai infinitamente. Por isto os dominadores estão com pressa em suas atitudes belicosas na tentativa de impedir o acordar global. Mantenha-se firma na sua crença do seu poder criador de gerar mudanças pelo seu pensamento e verás o que te digo.

Você e todos nós que publicamos nossos pensamentos somos geradores de "opinião", as pessoas param para pensar sobre "as crenças" que professam nem que seja só para contestar as nossas, e vice versa. Há os "pétreos" que jamais abandonarão o programa incutido e do qual supõem não poder viver ou sobreviver sem eles. Que fazer se preferem a tal hipotética "zona de conforto" mesmo sabendo-se apavorados senzalados nas trevas do labirinto do nada criado pelos dominadores?
Por isto a revolução é pessoal e intransferível. Cada um de nós está na sua revolução dentro do revolucionário todo cósmico que dita a chegada da inexorável hora da mudança.
Vale uma reflexão? Diga-me lá se estou sendo inconveniente. Não quero aborrecer o amigo. Abraço.

Diogo disse...

Caro Aldo Luiz,

Você não aborrece rigorosamente nada e aprecio a forma como você coloca a questão. Mas sou menos espiritual do que você. Já vi demasiados inocentes a morrer no maior sofrimento e filhos da puta a morrer de velhice no maior dos luxos. Estou farto!

Abraço

Anónimo disse...

Essa táctica deu muito resultado na Rússia da segunda metade do século XIX. Lá que acabou por haver "revolução", acabou. O problema foi o que veio depois da revolução. Parece que ninguém conseguiu mudar os homens e a coisa ainda foi pior. Parece também que já tinha acontecido antes e voltou a acontecer depois, um pouco por todo o mundo e em nome de tudo e mais alguma coisa (normalmente vaga, porque os ignorantes não fazem a mínima ideia do que é governar ou manter uma administração pública a funcionar). Mas isso é o que dizem os livros escritos a mando dos senhores dos maus. Deve ser tudo uma enorme conspiração dos senhores dos maus.

Como dizia Danton: "Robespierre nem um ovo sabe estrelar, quanto mais governar". Mas lá que sabia mandar cortar cabeças como se não houvesse amanhã, isso sabia. Depois veio gente com mais juízo, que lhe cortou a dele. E tudo ficou mais tranquilo com os maluquinhos longe do poder.

Aldo Luiz disse...

Caro Diogo, veja isto
http://www.youtube.com/watch?v=3N2RrQWsGes
Não é uma maravilha esta bendita internet?
Foi muito bom saber que não o aborreço. Estou com 64, compreendo seus sentimentos, também os tive. Fique bem, fique em paz. Abraço.

Joaquim de Portugal disse...

Um já muito antigo filósofo chinês avisava:

Aquele que anda em bicos de pés não se aguenta firme.
Aquele que caminha com passos longos não é o que caminha mais depressa.
Aquele que se vê a si próprio vê pouco.
Aquele que se define a si próprio não é por essa razão distinto.
Aquele que alardeia o que fará não é bem sucedido em nada.
Aquele que se orgulha do seu trabalho, não consegue fazer nada que resista

Armando disse...

Diogo é perturbante este tipo de coisas que aqui colocas e sugeres que um qualquer maluco faça…

Um conselho de amigo, procura um psiquiatra pois parece-me que estás precisando de ajuda.

Diogo disse...

Caro Armando,

Perturbante é o roubo colossal que os bancos estão a fazer a este país e ao mundo.

Já coloquei vários posts a explicar como a finança funciona. Se quiser posso mostrar-lhe vários livros sobre o assunto ou explicar-lhe eu próprio.

Quando os bancos, que são donos dos partidos políticos e os Media, enviam para a miséria muitos milhões de pessoas, levando muitas delas ao desespero e à morte – por fome, doenças ou suicídio, então eu acho que condenar à morte estas sanguessugas financeiras é um mal infinitamente menor.

Anónimo disse...

Tudo livros de especialistas em Economia...

LOL

É como a "arqueologia proibida" dos "visitantes aliens da Antiguidade". Para quem não sabe mais, está lá tudo explicado.

Anónimo disse...

Há dois grandes BARÓMETROS da ignorância humana:

1) A tendência para reduzir fenómenos sociais complexos a problemas morais alicerçados em vontades individuais (ex.: reduzir a crise financeira à "ganância da banca"; reduzir os desaires políticos colectivos à "baixa qualidade da classe política"; etc.);

2) A tendência para atribuir ao "Estado" a capacidade de resolver todos os problemas sociais e económicos (ex.: "nacionalizar a banca", "aumentar o salário mínimo, etc.).

Podem ter a certeza de que quem escreve "análises" e "sugestões" deste género não percebe absolutamente nada dos assuntos em questão e por isso mesmo não tem qualquer peso nos meios em que é necessário rigor intelectual e não apenas fantasia e moralismo bacoco.

Diogo disse...

Anónimo disse... «Podem ter a certeza de que quem escreve "análises" e "sugestões" deste género não percebe absolutamente nada dos assuntos em questão e por isso mesmo não tem qualquer peso nos meios em que é necessário rigor intelectual e não apenas fantasia e moralismo bacoco.»


E que sabes tu, meu palerma?

Anónimo disse...

Bem mais do que mais um adolescente ignorante que pensa que o mundo é um desenho animado e uma luta dos bons contra os maus.

Mas não se preocupe amiguinho, todos já tivemos a sua idade.

Anónimo disse...

Pensando melhor, se continuar nesta senda, vai ficar atrofiado para sempre. Há muitos que nunca chegam a crescer intelectualmente. Ficam ao nível do primitivo que quando tinha algum problema atribuía-o ao feiticeiro da tribo.

É o mundo maravilhoso da pseudo-ciência, em que se não fossem os senhores dos maus tudo seria maravilhoso.

Diogo disse...

Anónimo, o que é que te leva a pensar que eu sou um adolescente, meu palerma?

A imagem de windsurf?

Maria João disse...

Bom, acho que não estamos em posição de sugerir nada aos outros.
Neste momento, é bom é sugerir ao povo português em quem deve votar - ou não votar - nas eleições que se avizinham, porque quem está em péssima situação são os portugueses - tão mal ou pior do que os gregos !
É caso para dizer que nos vamos ver gregos para sair desta com a gentalha do PS e do PSD e do CDS que não conduzirão o país e todos nós a nada de bom - foram estes que sempre estiveram nos governos de há 37 anos a esta parte !
Obviamente, não votarei em nenhum deles !

Anónimo disse...

Diogo,

A sua propensão para usar expressões infantis como "meu palerma" e outras análogas; a natureza lunática e infantil dos seus "argumentos" (muito "desenvolvidos" para encantar as outras crianças, que se deliciam sempre com os contos de fadas); a sua confusão entre raciocínios complexos e "palavreado"; enfim, a sua incapacidade para perceber os fundamentos básicos da epistemologia, que condenam praticamente tudo o que escreve ao nível da especulação mais ridícula e sem qualquer fundamento (interessante como entretenimento, mas com valor nulo numa qualquer universidade).

Se não é um adolescente, então é mesmo um caso perdido. Se é, comece a ler livros a sério de Economia em vez de começar por lunáticos que não têm qualquer preparação intelectual para escrever sobre os assuntos em questão. Pode ser que aprenda alguma coisa sobre conhecimento válido e passe a gostar de não ser ludibriado pelo primeiro charlatão que lhe aparece à frente com a "teoria" mais fantasiosa.

Maria João disse...

Pois é, reitero : vamos mesmo ver-nos ainda mais gregos com tudo o que nos espera !
Eu votarei BE ou PCP ainda que se não coliguem nas eleições : basta que façam um acordo de políticas de convergênia.
Está mais do que provado que com os 3 partidos que nos têm (des)governado não vamos a um nenhum lugar que não seja a miséria em que estamos.
Seja como for, DESEJO MUITO que o sócrates seja derrotado , nunca "pude com" ele, nem quando era sec.de estado do Ambiente - já então era notória a arrogância dos ignorantes. Estou FARTA de ter lhe ouvir a voz e de lhe ver a cara. Não entendo como pode o PS eleger uma pessoa do calibre execrável deste fulano para sec.geral.
Enfim...

Vamos aguentar e, sempre que possível, cara alegre : não podemos deixar que esta gentinha nos estrague por completo a vida.

Anónimo disse...

Maria João: o historial dos partidos comunistas e trotskistas em todo o mundo é de grande sucesso. Aí está uma aposta reflectida e de futuro.

Sim, eles acabaram com a banca privada (esses malandros que andam com o saco do cifrão na mão). Sim, eles apostaram tudo nos serviços públicos (esses exemplos de eficiência e atenção aos utentes).

Resultado a curto prazo: aumento brutal da "exploração do homem pelo homem" (afinal, não basta cantar que o povo unido é muito forte, é preciso obrigá-lo depois a deixar a cantilena e ir trabalhar; não havendo "donos dos meios de produção", lá terão que vir os funcionários do Estado). Resultado a médio prazo: estagnação económica por falência progressiva do planeamento económico (pessoas que mal sabem planear o que vão comprar no Pingo Doce a planear o sistema produtivo de um país inteiro...). Resultado a longo prazo: colapso total do sistema ou liberalização económica extrema (vide China e Vietname e agora Cuba).

Joaquim de Portugal disse...

Despertar os sentimentos nacionais em cada Povo. Organizar, desde já, as forças possíveis de resistência nacional. Proclamar desde já com todo o vigor, o Nacionalismo extremo, puro de interferências que o abastardem. Manifestar, desde já, com virilidade e decisão, que não admitimos direcção alheia; que cada um de nós, português ou espanhol, francês ou italiano, irlandês ou grego, holandês ou belga, suíço ou búlgaro, romeno ou s´rvio, alemão ou inglês, que ser senhor livre dentro de sua casa, e dos seus destinos. Não à direcção suprema do Mundo. Querem reduzir-nos à condição de escravos? Esmaguem-nos primeiro; conquistem-nos primeiro. Mas ainda esmagados e conquistados, gritaremos: "Não!".
Despertar os sentimentos nacionais, eis a grande questão.
O resto são as coisas que o filósofo chinês nos avisa e depois...Ó Diogo! Quem fala assim não é gago mas seja o primeiro a puxar o gatilho pois de Freis Tomás está este país cheio.

Anónimo disse...

"Deutschland Erwache". Outro que ficou perdido algures nos anos 30. É por estas cabecinhas não terem aprendido nada que estamos como estamos.

Ainda assim são melhores estes "nacionalistas" que nem o nome dos reis sabem, visto que ninguém lhes liga nenhuma, dos que os sindicalistas da GCTP, que continuam a pensar que estão numa grande batalha contra o "patronato" e o "Estado de classe". Esses sim, impedem o país de andar para a frente, porque ainda há atrasados a cair na cantiga. Essa cantiga servia para os campónios ignorantes assustados com a industrialização que se tinham tornado trabalhadores nas cidades do início do século XX. É ridículo que ainda sirva para quem beneficiou de 60 anos de desenvolvimento económico sem precedentes na História.

Anónimo disse...

Perdão, gostaria de substituir "melhores" por "preferíveis". E frisar bem que só são "preferíveis" porque ninguém lhes liga nenhuma e não têm peso nenhum na sociedade portuguesa. Obviamente a extrema-esquerda é mais civilizada e refinada e sobretudo tem mais capacidade intelectual (não é difícil, já que a dos "nacionalistas" é nula ou mesmo abaixo de zero).

O problema é o papel da extrema-esquerda na sociedade portuguesa, que está bem entranhado e conduz às maiores barbaridades em termos de desperdício de recursos económicos (sempre para "defender os trabalhadores"...só falta dizer é que é defender os trabalhadores da concorrência dos milhares que estão desempregados). O problema é mesmo haver muita gente honesta e trabalhadora que continua a dar ouvidos a esta cantilena dos "trabalhadores unidos".

Enfim. Contas de outro rosário.

skeptikos disse...

Caro Diogo, Grécia, Irlanda, Portugal... Espanha... e quem mais se seguirá depois de «A Doutrina do Choque»

http://vimeo.com/21049802

Será que ganharemos resistência a esta e outras doutrinas?

skeptikos disse...

«O problema é o papel da extrema-esquerda na sociedade portuguesa, que está bem entranhado e conduz às maiores barbaridades em termos de desperdício de recursos económicos (sempre para "defender os trabalhadores"...só falta dizer é que é defender os trabalhadores da concorrência dos milhares que estão desempregados). O problema é mesmo haver muita gente honesta e trabalhadora que continua a dar ouvidos a esta cantilena dos "trabalhadores unidos".»

Aproveito para relembrar que o PS nunca foi nem há-de ser um partido de esquerda. Logo, não existem responsabilidades governativas por parte da esquerda (excepção ao BE).
Não resisto a comentar o anónimo, com duas perguntas:

Desde quando na sociedade portuguesa se (e quem) defendem trabalhadores sérios, honestos et al?

Desde quando os interesses da nação e do bem-comum estão acima dos interesses e privilégios de alguns, poucos?

Não valem argumentos ad hominem, ou blablabla... só factos!

Anónimo disse...

Caro Skeptikos,

Muito sucintamente, que me falta tempo.

1) Desde sempre e em todos os partidos, como é óbvio. Ou também acha que o mundo se divide entre os trabalhadores bonzinhos e os parasitas?

2)Aparentemente o bem comum tem sido representado pelo PS, PSD e CDS e não pela extrema-esquerda. Porquê? Porque o conjunto dos cidadãos eleitores tem votado nesses partidos. Ora, se o bem comum não é definido pelo interesse e a vontade geral do corpo de cidadãos real, é definido por quem? Pela "vanguarda"? Como é que pode apurar um "bem comum" se acha que é uma espécie de proposição metafísica exterior à vontade das pessoas reais? É fácil perceber que um bem comum assim definido abre as portas a todo o tipo de arbitrariedade.

Por outro lado, se quiser depois elaboro no papel nocivo da extrema-esquerda portuguesa. Mas basta ler um bom livro de economia (e há bons economistas à esquerda e à direita; até há economistas de extrema-esquerda, mas depois o messianismo político lunático acaba por triunfar naqueles espíritos paranóicos). A extrema-esquerda, geralmente animada pela teoria marxista do valor (se Marx fosse vivo obviamente já teria mudado de opinião, porque era um grande filósofo, ao contrário de 99,9% dos líderes que se vieram a reclamar marxistas, Lenine incluído), acha que a sociedade capitalista trouxe "a abundância" e que o socialismo consistirá em manter essa "abundância" através da mobilização colectiva dos trabalhadores, suprimindo os detentores não colectivos dos meios de produção. Acontece que a "abundância" é uma ficção, que a interacção económica engendra sempre novas necessidades e portanto a escassez faz parte da condição humana, que os empresários são mais importantes que os trabalhadores na percepção dessas necessidades (a lógica do desenvolvimento económico), que as pessoas reais não querem congelar a História e aceitar a mediocridade geral em nome da igualdade. A extrema-esquerda deu um bom exemplo do que seria o seu governo durante o PREC. O resultado conhece-se.

Anónimo disse...

O mais nocivo da extrema-esquerda e sobretudo da CGTP é conceber o mundo como uma conspiração de interesses do "patronato" (uma categoria ficcional inspirada nos grandes industriais do século XIX e que hoje não faz nenhum sentido) para "explorar os trabalhadores" e o Estado como um "instrumento de classe" gerido por "políticos venais".

Porque é que esta conversa da treta é tão nociva para o país:
1) Porque qualquer "concessão" dos trabalhadores é encarada como um "aumento de exploração"; portanto, entendem estes iluminados que pagar 1500€ por mês a professores do secundário, muitos deles incompetentes que mal tiveram notas para acabar os cursos e mesmo assim os tiraram naqueles tempos de grande exigência educativa do PREC e pós-PREC, e a maquinistas da CP (só para dar dois exemplos óbvios) faz sentido, quando eles não produzem nem um décimo deste valor (o que torna estes salários insustentáveis). O Estado depois torna-se uma máquina de captar impostos para pagar salários a este tipo de "trabalhadores" de empresas falidas (como a CP), asfixiando novos empresários que poderiam criar novos empregos. Ora, não havendo dinheiro aqui para aguentar essas fantasias de salários tabelados por ideólogos (que nada sabem de economia), é evidente que é preciso pedi-lo emprestado. Mas a brincadeira acaba e os credores não vão sustentar parasitas destes eternamente.

2) Todas as negociações da CGTP com os governos se baseiam na premissa de que o governo está ao serviço dos interesses para explorar os trabalhadores. Portanto, tudo se entende como uma guerra. E na guerra não se fazem concessões. Por isso é impossível negociar com a extrema-esquerda. Se vir os exemplos da Holanda ou do Japão, os trabalhadores vivem muito melhor, há empregos novos a serem criados todos os dias e não há nenhuma "luta de classes". Os desempregados concorrem com os trabalhadores em actividade e todos ganham com isso, ao contrário do que diz a nossa extrema-esquerda.

3) Portugal é o país da Europa com a legislação laboral mais rígida e mais esquerdista. Também é o país mais atrasado da Europa. Mas a esquerda, que bloqueou todas as reformas laborais até hoje, não tem "culpa governativa". Imagine se tivesse...

Anónimo disse...

Magníficos comentários,anónimo.
Você,quando se torna objectivo e deixa de lado a sobranceria tem imenso interesse no que escreve.

Anónimo disse...

Não tenho culpa de a verdade ser sobranceira. Eu limito-me a debitar conhecimento, que é naturalmente incompatível com fantasias e pseudo-ciências. Já disse que nunca dei aqui opinião nenhuma. Aliás, ser de extrema-esquerda é uma opção legítima. Há quem seja e saiba perfeitamente o que está a fazer (1% das pessoas de extrema-esquerda, entenda-se).

Aldo Luiz disse...

“O intelecto nunca descansa até conseguir audiência”
S. Freud

Anónimo disse...

Aldo Luiz: não é certamente esta a minha audiência. Isto é voluntariado. E a teoria freudiana das motivações do comportamento humano é outra pseudo-ciência para lunáticos e cínicos.

Zorze disse...

Diogo,

O post incita aquilo que verdadeiramente apetece fazer, uma espécie de abate ao activo orientado, mas como, Aldo Luiz diz - gostei muito dos seus comentários - há um permanente stock de reposição, é quase como aqueles jogos de computador, que por mais que matemos os bandidos, muitos outros aparecem.

Tenho para mim, que será pela mudança de atitude e a internet está a fazer isso, grão a grão.

Por outro lado e veremos se assim será, à laia das profecias que embocam no dia 21/12/2012, mega-cataclismos naturais, por força, do nosso sistema solar se aproximar do centro da galáxia, algo cíclico, à volta de 26.000 anos em 26.000 anos, faça com que a energia, as vibrações, tenham influência no planeta e nos seres vivos que a habitam.

Resumindo, mudanças ocorrerão e enormes, de uma maneira ou de outra.
Num cenário estilo "Mad Max", o instinto da sobrevivência, será como jardim de infância.

Abraço.

Diogo disse...

Zorze,

Se realmente vier a existir um abate determinado ao «activo orientado», a reposição será crescentemente mais difícil (porque quem tem cu tem medo).

É verdade que a Internet está a disseminar informação a cada vez mais gente, e que a tecnologia está a eliminar o trabalho. Mas não temos, de forma nenhuma, de sofrer por causa disso (muito pelo contrário).

Donde (e como não acredito em vibrações e espiritualidade), defendo a morte destas sanguessugas da população mundial.

Abraço

Diogo disse...

Caro Skeptikos,

Muito bom o vídeo que me sugeriste mais acima. Já o vi e jó guardei no computador.

Anónimo disse...

Este vídeo curtinho (5 minutos) contem a solução para a crise portuguesa. Vale a pena!
http://www.youtube.com/watch?v=YstKIgYT9OM&feature=player_embedded#at=293

Carlos disse...

“... o historial dos partidos comunistas e trotskistas em todo o mundo é de grande sucesso.”
Concordo consigo. As revoluções propostas e/ou preconizadas pela esquerda foram uma barbárie.
Como explica então que elas, ou melhor, os seus impulsionadores, terem tido/conseguido os meios financeiros e publicidade necessários para as levar por diante?

“Resultado a curto prazo: aumento brutal da "exploração do homem pelo homem... ...(pessoas que mal sabem planear o que vão comprar no Pingo Doce a planear o sistema produtivo de um país inteiro...).”
Governar não é fácil, e muito bem têm demonstrado os nossos políticos nos últimos trinta e tal anos. É o resultado das compras no Pingo Doce... Será que quer nos viremos para um lado ou para o outro, o resultado, invariávelmente é mau?

Extrema esquerda. “O problema é mesmo haver muita gente honesta e trabalhadora que continua a dar ouvidos a esta cantilena dos "trabalhadores unidos".”
Não acha que as pessoas lhes dão ouvidos porque alguém lhes proporciona tempo de antena? Tempo de antena que outros não têm.


Caro Diogo
Se não fossem estes pilhos a governar tão mal, como é que o FMI e trupe lda, iam ganhar uns trocos para as sopinhas?

Anónimo disse...

Carlos,

Como o seu comentário é só falar por falar novamente, nem vale a pena responder. Não faz nenhuma pergunta pertinente.

Desculpe lá qualquer coisinha.

Filipe Bastos disse...

A quem aqui escreve como "Anónimo": é impressão minha, ou não foi tão lesto a comentar este post:

http://citadino.blogspot.com/2011/03/crise-financeira-explicada-armandos_23.html

Eu repito, caso o link tenha saído mal: o post que define a CHULICE DA BANCA, a PULHICE dos "MERCADOS", a imensa fantasia de dinheiro do Monopólio em que vivemos, e em que são sempre os mesmos a pagar - e sempre os mesmos a ganhar?

O estimado Anónimo, em toda a sua sabedoria de economista da net, ainda não reparou que a RIQUEZA está cada vez mais CONCENTRADA?

Países inteiros, povos inteiros, vergam-se à "lógica" inflexível dos mercados e da BANCA - todos perdem, menos uns poucos!

Por que acha que isso acontece? Magia? Ou será a famosa "mão invisível", que é cada vez mais visível?

Compreendo que ataque privilégios da Função Pública, CPs e empresas públicas em geral, onde muitos - não todos - funcionários vivem num reino de fantasia, onde só têm direitos, e o dinheiro (para eles) cai do céu.

Compreendo que os compare aos trabalhadores das empresas privadas, que não têm emprego garantido, e que não podem fazer greves. Numa empresa que tem de fazer pela vida, fazer greve é ir à falência.

O que não compreendo, é como passa uma borracha pela MÁFIA CRIMINOSA DA ALTA FINANÇA, incluindo a nossa BANCA nacional, como se esta chantagem e pulhice fossem normais, e as "agências de rating" que esfolam países inteiros, fossem agentes isentos.

Estamos todos A SAQUE por canalhas políticos, que são meros capatazes desta MÁFIA BANQUEIRA, de Obama ao Pinto de Sousa, mutatis mutandis.

Afinal o que é que defende, Anónimo? Deixar tudo como está, comprimir a Economia até não haver empresas ou consumidores, para pagar juros criminosos a agiotas?

Tudo isto, para manter um sistema capitalista PODRE, e para se sentir muito fresco e elevado, por não ser "comuna"?

De que lhe vale não ser comuna, e alienado da realpolitik económica, se no fundo é um bandalho ao serviço dos "mercados", que têm a Europa, os EUA, e basicamente todo o mundo pendurado pelo pescoço? Será accionista dum banco, ou assim?

Carlos disse...

Não faz mal anónimo. Dou-lhe uma ideia.
Foram os banqueiros e alguns indivíduos que para obterem mais lucros, controle sobre as finanças, regimes, etc, financiaram a revolução bolchevique e a subida de hitler ao poder (apenas dois exemplos). Um exemplo de um banco que ainda hoje existe é o Morgan. Que agora se chama Morgan Stanley. As guerras que se seguiram (ou quaisquer outras que sejam) geraram (e geram) lucros astronómicos aos banqueiros e trupe. Segundo parece a Irlanda vai levar cem anos a pagar a divida que contraiu, garantindo aos banqueiros futuros ganhos. Só à poucos anos é que a Inglaterra acabou de pagar as dívidas contraídas pelas guerras napoleónicas.

Governar não é fácil, agora fazer o que se tem feito nestes 30 e tal anos é! Ser lacaio e servir os seus patrões, tem sido a nota dominante destes políticos (lá fora é o mesmo).

A extrema esquerda, ou extrema direita, detectam correctamente alguns problemas, o mal, é que preconizam piores soluções. Estes servem, por isso têm tempo de antena (mais a extrema esquerda que a direita), dado por aqueles que eles dizem combater ou serem os culpados (será masoquismo ou impulsos suicidas destes últimos? Claro que não, não são estúpidos!), servem, para desacreditar, ridicularizar, etc, as razões, verdadeiras, dos problemas criados pelos banqueiros e trupe lda. Cada um é útil à sua maneira, duma forma ou de outra são utilizados/usados. Um estado fortemente social, acima das capacidades do país, força a que os governantes tenham de pedir emprestado para cumprir com as suas obrigações. Que sorte a dos banqueiros não é?...
Claro que são tudo teorias da conspiração, mas o que é certo, e é aqui que a porca torce o rabo, é que os banqueiros têm muita sorte em que os povos votem em candidatos que os partidos escolheram, publicitados como os melhores pelos media, que invariávelmente são gente incapaz de governar, que depois lhes vão pedir ajuda financeira, garantindo-lhes lucros fabulosos. É mesmo muita sorte...

Anónimo disse...

Filipe Bastos e Carlos, agora tenho pouco tempo porque está demasiado sol para ficar em casa.

Compreendo aquilo que me dizem e a vossa indignação. Compreendam também que não estou aqui com o intuito de dar opiniões e portanto nem branqueio nem censuro comportamentos de determinadas pessoas e entidades. O que lhes posso garantir como "economista da internet" é o seguinte: a vossa visão da "banca" é pura propaganda política travestida. E é ridículo tentar sequer explicar a ascensão de Hitler ou Lenine por referência à "banca". O problema é que as pessoas pegam num exemplo anedótico ou dois e confundem-no com um sector de actividade inteiro. Era preciso ser muito aventureiro para apostar nesses regimes - e, portanto, quem apostou foi uma MUITO ÍNFIMA minoria. E no fim a aposta correu-lhes muito, muito mal. É absolutamente falso que os "grandes industriais" alemães (e, por maioria de razão, os estrangeiros) apoiassem Hitler em 1932 ou em 1933. Um dos grandes erros de quem não sabe pensar é este: generalizações absurdas (eu vou ao centro de saúde, sou mal atendido, portanto a saúde em Portugal é péssima) a partir de casos pontuais.

A única coisa que se me oferece dizer assim de repente é citar-me a mim próprio:

"Há dois grandes BARÓMETROS da ignorância humana:
1) A tendência para reduzir fenómenos sociais complexos a problemas morais alicerçados em vontades individuais (ex.: reduzir a crise financeira à "ganância da banca"; reduzir os desaires políticos colectivos à "baixa qualidade da classe política"; etc.)."

E Filipe Bastos: não comentei o post em questão porque ia estar a perder o meu tempo, outra vez, como já perdi antes, e ninguém chegou a lado nenhum, porque quando se começa a falar a sério as pessoas passam a responder com frases curtas e não têm vontade de aprofundar nada, porque não sabem mais que a superfície das pseudo-ciências que aprendem na internet ou em livros de lunáticos (ver post do "tecnologia está a destruir o emprego" ou da questão do "totalitarismo moderno"). Se as pessoas não sabem o básico de finanças, como explicar-lhes interacções complexas? Ah...espere...o Einstein disse que o Varela é melhor que o Messi. Ora, como o Einstein é muito inteligente, tudo o que ele diz sobre tudo vale mais que o que dizem todos os especialistas na matéria juntos...

Carlos disse...

Para debelar a crise deviamos fazer 2 coisas: nao votar PS/PSD e exigir que os estatutos do BCE fossem alterados para que os paises que petencem ao euro possam financiar-se junto do BCE, tal como fazem os especuladores. Indigna-me que o assunto seja tabu e mostra claramente que as elites politicas e a comunicaçao social estao de facto nas maos da mafia financeira.

Anónimo disse...

Carlos: Keynesianismo VS Monetarismo. Isso seria voltar a andar vinte anos para trás. Se calhar isso deixou de ser possível por uma razão muito forte...mas quem desconhece os grandes debates da economia pensa que está a descobrir a pólvora com uma "proposta" dessas e que tudo se resume a uma "conspiração da banca". Seria voltar ao tempo em que toda a política financeira dos Estados se resumia à manipulação da moeda. No médio/longo prazo, todos perdiam. Mas as massas ficavam contentes porque havia sempre forma de resolver os problemas de curto prazo.

Enfim. Ora aí está uma boa razão para não me dar ao trabalho de comentar posts baseados em pseudo-ciência e fantasias de adolescente.

P.S.: belo dia. Com um clima destes e ainda nos queixamos...

Carlos disse...

O Carlos das 17:21, não é o mesmo das 12:37, eu. Clique-se no nome.

Uma hipótese é o seu barómetro, a outra é não conseguir associar acontecimentos e pensar que muito, especialmente os resultados macabros, são fruto do acaso. Que as pessoas são todas boas, que os políticos candidatam-se pelo amor à causa pública, etc.
Claro que houve banqueiros que não apoiaram nem uns nem outros, entre eles eram a raia miúda. É difícil acreditar que aqueles que aparentam serem pessoas responsáveis, gente de bem, etc, se revelem mais pulhas que os pulhas, que afinal desprezam a vida de tal forma.

Anónimo disse...

"Que as pessoas são todas boas, que os políticos candidatam-se pelo amor à causa pública" -> quando é que me leu a escrever isto? Isto é mais o reverso do cinismo típico da ralé que se lê neste blog.

A minha "hipótese" diz simplesmente isto: quem pensa que fenómenos complexos como crises económicas, ascensão de regimes políticos, etc., são quase totalmente explicáveis à luz de uma única variável (geralmente a conspiração da banca, etc.) ou é propagandista político ou é ignorante.

P.S.: uma pequena dica - Portugal é um dos casos mais evidentes de uma banca nacional que depende descaradamente da mão protectora do Estado para sobreviver. O inverso é uma mentira política inventada pela extrema-esquerda, que não é mais que uma versão light da propaganda anti-semita nazi mais reles (que a liderança nazi sabia saber ser obviamente mentira). Tire as conclusões que quiser deste comentário.

Carlos disse...

Lol

Anónimo disse...

Logo vi que este tipo de informação era demasiado sofisticada para si. Continue lá com a "banca malvada e omnipotente" (como era um p.s., não me vou dar ao trabalho de explicar). Se percebesse o básico sobre a relação entre poder político e massa monetária em circulação...mas não percebe. E dificilmente há-de perceber.

Como diziam todos os grandes teóricos da propaganda: a propaganda funciona porque as pessoas são ignorantes e querem que se lhes simplifique a realidade ao ponto de os bons e os maus não terem qualquer relação com o poder real mas com os seus preconceitos. Simples mas eficaz. Os judeus deixaram de ter qualquer peso decisivo, enquanto comunidade fechada, no financiamento dos Estados a partir dos finais do século XVIII. Foi quando a propaganda anti-semita explodiu. Vá-se lá saber porquê...

Aldo Luiz disse...

Caros amigos, Diogo, peço licença.
O anônimo, se me permite a ousadia de uma sugestão, (sempre um anônimo), devia aproveitar sua voluntária veia doadora de sofisticado palestrante para explicar ao povo de um Haití, por exemplo, ou o da favela da Maré ou tantas outras favelas miseráveis por aqui pelo Brasil florão da América de 511 anos, este hipócrita eterno escravagista, por que a santa "banca" auto denominada The House of Rothschild, que bancou a vinda de D. João VI, a volta de D. Pedro I, a volta de D. Pedro II, a instauração das repúblicas, e que o ano de 2010, juntamente com outras "casas bancárias", faltou-me averiguar o lucro do Banco do Vaticano, tiveram, juntos ou separadamente, o maior lucro de toda a história do Brasil; como é possivel o salário mínimo ser de R$545,00 brutos, e diretores da Vale do Rio Doce "leiloada" a preço de banana podre ao "capital internacional", receberem R$1.000.000,00 por mês enquanto tres em cada cinco brasileiros em pleno 2011, século XXI, não tem o que comer todos os dias.
Alguém patrocina tudo isto, ou vocês tem dúvida para onde vai a montanha de dinheiro que vocês produzem e nunca tem? E com que interesse? Já se perguntou para que serve torturar alguém se eles, os torturadores, já sabem de tudo? Creio que estas seletas platéias de famélicos entusiasticamente aplaudirão satisfeitíssimas as barrigas cheias de tantas maravilhosas intermináveis saborosas explicações de como funciona com perfeição a sempre preferível casa grande e senzala.
Depois de 50 cometários plenos de rigor intelectual, luto para não ter que dar ao Diogo meu braço a torcer com suas idéias de grandes utilidades para a artilharia pesada. Como lunático e cínico afirmo que o senhor de todas as sempre lucrativas guerras fratricidas, na frieza das cinzentas sombras do anonimato, este inumano sistema escravista travestido de fajuta democracia de agrilhoadores cartões de crédito chipados, se alimenta antropofagicamente na dolosa manutenção do palavrório de nossa arquitetada ignorância sobre sua verdadeira intensão e identidade.
Para alguns só lhes resta mesmo o solitário e prisional lado esquerdo do cérebro. Acredite quem quiser, mas Cuba, sem um único menino de rua, sobrevive com a força de suas idéias humanas aos 50 anos de covarde criminoso bloqueio econômico; bloqueio imposto pela gang que governa o planeta acobertada pelo mercenário maior poder bélico jamais visto na história deste planeta.
Não tenho mais dúvidas, "They live". Sinto muito, Zoze, sou grato.

Anónimo disse...

Um longo choradinho de inconsequências e ficções. Nem um panfleto da propaganda mais reles do Bloco de Esquerda consegue ser tão comovente.

Para ler esse tipo de panfletismo radical ressentido com a "grande conspiração das classes possidentes" prefiro o Babeuf ou o Buonarroti. Pelos menos usam argumentos intelectualmente válidos, não se limitam ao choradinho. Mas duvido que você alguma vez tenha lido algum deles, dado o nível fraquíssimo do seu choradinho.

Anónimo disse...

E porque é que o Diogo não arregaça as mangas e faz o que recomenda aos outros que façam?!

Anónimo disse...

Será porque ele é um miúdo, daqueles muito totós com uns óculos de fundo de garrafa, que não tem sorte com as raparigas, pensa que é um "intelectual" mas só tem más notas na escolinha e acha que o mundo é igual a um jogo de computador?

Acha que alguma vez o menino pegou numa arma a sério?

LOL

Miúdos...

P.S.: é, contudo, perigoso dar ideias à criançada nos dias que correm. Não sabem distinguir a ficção da realidade.

Fada do bosque disse...

O anónimo é sempre o mesmo ou são vários anónimos?! É que assim de repente e lendo isto tudo, parece que deixa de fazer sentido...
Quanto a exemplos Diogo, não se incomode... Os EUA tão "avançados" nos Direitos Humanos e no Civismo, como aqui se vê: neste vídeo e nos videos seguintes, metem qualquer jovem como o Diogo num bolso!
Continue pois Diogo a desabafar o que lhe vai na alma, aí no seu blogue.
Não é o que o Diogo escreve no seu blogue, que vai originar um banho de sangue! Será que as FP 25 de Abril foram influenciadas pela NET?