quinta-feira, março 31, 2011

O paradoxo da produtividade, ou melhor, o fim do dinheiro e do emprego na economia

.



A informática e a robotização tendem a reduzir a zero os custos de produção e possuem a capacidade de diminuir drasticamente a necessidade de trabalho.

É por esse motivo que o produto interno bruto (PIB), que representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos, caracteriza cada vez menos a economia real.






Retirado DAQUI

Tradução minha:


Porque é que a Internet não ajudou a economia americana a crescer tanto como os economistas esperavam?

Se esteve presente nalgum cocktail de economistas no mês passado, então ouviu provavelmente falar do e-book de Tyler Cowen, The Great Stagnation [A Grande Estagnação]. O livro procura explicar porque é que os salários médios cresceram tão pouco desde os anos 1970 e começaram a declinar na última década. Cowen aponta para um problema novo: até aos anos 1970, o país [EUA] estava ainda cheio de mercados acessíveis para alimentar o crescimento do Produto Interno Bruto. Nos 40 anos anteriores a 1970, inovações impressionantes na mudança e melhoria da qualidade de vida – como tinham sido a penicilina, os jardins-de-infância para todos, casas de banho, aviões, automóveis – tornaram-se, em 1970, mais difíceis de atingir, fazendo baixar as taxas de crescimento do mundo industrializado.



"Mas esperem"! Dirão muitos. Nos anos 1970, a indústria Americana começou a produzir tecnologias sensacionais para a mudança e melhoria da qualidade de vida. Tivemos calculadoras com gráficos, sistemas de processamento de dados, finanças modernas, GPS, chips de silício, ATMs, telefones celulares e uma data de outras inovações. Não terá a Internet, o mais revolucionário avanço tecnológico nas comunicações desde que Gutenberg inventou a imprensa, feito nada para o crescimento do Produto Interno Bruto? A resposta, os economistas concordam de um modo geral, foi: é pena, mas não – pelo menos, não tanto como seria de esperar.

Há um quarto de século atrás, com as novas tecnologias a saturarem os lares americanos e os negócios, os economistas olharam à sua volta esperando encontrar em algum lado crescimento induzido pela informática. Mas sinais de um aumento de produtividade ou de um reforço do crescimento eram pequenos e raros. Evidentemente, os computadores e a Web transformaram milhares de negócios e centenas de indústrias. Mas, no conjunto, as coisas pareciam estar na mesma. A taxa de crescimento do Produto Interno Bruto não aumentou significativamente, nem a produtividade. Como afirmou o economista Rober Solow em 1987: "É possível observar a influência do computador em tudo menos nas estatísticas da produtividade."


Surgiu todo um conjunto de teorias sobrepostas para explicar o fenómeno, muitas vezes designado o "paradoxo da produtividade." Talvez as novas tecnologias beneficiassem umas empresas e indústrias e prejudicassem outras, não permitindo um ganho líquido. Talvez os sistemas informáticos ainda não fossem suficientemente fáceis de usar de forma a reduzir o esforço dos trabalhadores para executarem uma determinada tarefa. Os economistas também colocaram a hipótese de que talvez fosse ainda necessário algum tempo – talvez bastante tempo – para que os ganhos se tornassem uma realidade. No passado, as tecnologias de informação tendiam a precisar de um período de incubação antes de produzirem ganhos no crescimento económico. Tome-se o caso da imprensa de Gutenberg: embora a tecnologia tenha transformado radicalmente a forma como as pessoas guardavam e transmitiam notícias e informação, os economistas não encontraram provas de que a imprensa tenha acelerado o rendimento per capita ou o crescimento do Produto Interno Bruto nos séculos XV e XVI.

Houve um momento em que alguns economistas pensaram que a idade do ouro induzida pela Internet tinha finalmente chegado nos finais dos anos 1990. Entre 1995 e 1999, as taxas de crescimento da produtividade excederam de facto as do boom do período 1913 – 1972, significando talvez que a Web e a computação tinham trazido finalmente a "Nova Economia". Mas esse período de veloz crescimento desvaneceu-se rapidamente. E alguns estudos descobriram que os ganhos desses anos não foram tão impressionantes e tão alargados como se pensara inicialmente. Robert Gordon, um professor de economia de Chicago, por exemplo, chegou à conclusão de que os computadores e a Internet ajudaram geralmente a aumentar a produtividade na produção de bens duráveis – ou seja, na produção de coisas como computadores e semicondutores. "O nosso tema central é que os computadores e a Internet não chegam ao nível das Grandes Invenções do fim do século XIX e princípios do século XX, e que, por isso, não merecem a classificação de Revolução Industrial," escreveu Gordon.

O trabalho de Gordon conduziu a outra teoria, esta defendida pelo próprio Cowen. Talvez a Internet não seja tão revolucionária como pensamos. Evidentemente, as pessoas podem tirar muito prazer dela – a sua tendência para melhorar a qualidade de vida das pessoas é inegável. E claro, pode ter revolucionado a forma como encontramos, compramos e vendemos produtos e serviços. Mas mesmo assim, tal não significa necessariamente que seja uma transformação da economia como foram, por exemplo, os caminhos-de-ferro.



Isto acontece em parte porque a Internet e os computadores tendem a reduzir os custos a zero, e têm a capacidade de reduzir a necessidade de trabalho. Você está, evidentemente, a ler este artigo de graça num site da Web sustentado financeiramente não por subscrições, mas por publicidade. Você lê provavelmente muitos artigos online, e presumivelmente não paga nada por isso. Por causa do declínio das subscrições, maior competição por dinheiro de publicidade e outras dinâmicas induzidas pela Web, os lucros e o emprego no jornalismo têm diminuído na última década. (O facto de Cowen escrever num blogue de acesso livre e publicar as suas ideias num e-book de 4 dólares em vez de num lustroso livro de capa dura de 25 dólares não pode deixar de ser salientado aqui.) Mais ainda, a Web e o sector tecnológico dependente dos computadores não emprega muita gente. Tal como não aumenta o número de trabalhadores: O Gabinete de Estatísticas do Trabalho calcula que o emprego nas tecnologias de informação será menor em 2018 do que era em 1998

Pode ser difícil acreditar que a Internet não tenha produzido um boom económico, Cowen admite. "Temos uma memória colectiva histórica de que o progresso tecnológico traz consigo uma grande e previsível fonte de receitas de um crescimento que abarca a maior parte da economia," escreve. "No que toca à Web, estas suposições mostram-se erradas ou enganadoras. Os sectores de maior rendimento da nossa economia têm vindo a diminuir e os maiores ganhos tecnológicos têm vindo de sectores de pouca rentabilidade."



Mas o rendimento não é sempre o objectivo final – mesmo em economia. Isto conduz-nos à explicação final: Talvez não seja o crescimento que é deficiente. Talvez aconteça que o parâmetro que usamos para o medir que não seja o adequado. O professor do MIT Erik Brynjolfsson explica o conceito utilizando o exemplo da indústria musical: "Pelo facto de tanto eu como você termos deixado de comprar CDs, a indústria musical contraiu-se, segundo os rendimentos e o Produto Interno Bruto. Mas nós não estamos a ouvir menos música. Nunca houve tanto consumo de música como hoje." O aumento da escolha, da variedade e da disponibilidade de música deve ter algum valor para nós – mesmo que seja difícil quantificá-lo. "No papel, e pela forma como o Produto Interno Bruto é calculado, a indústria musical está a desaparecer, mas na realidade não está. Estão a desaparecer as receitas da música mas não aquilo que mais nos interessa – que é a música."

À medida que as nossas vidas são cada vez mais vividas online, Brynjolfsson pergunta-se se isto se pode vir a transformar num grande problema: "Se todos nos concentrarmos a medir apenas a parte da economia que produz dólares, estaremos a deixar cada vez mais de fora aquilo que as pessoas apreciam e consomem. A discrepância será cada vez maior."

Mas arranjar uma medida alternativa do que produzimos ou consumimos baseado no valor que as pessoas obtêm do Wikipedia ou do Pandora (arquivo nacional australiano) mostra-se um desafio extraordinário – na verdade, nenhum economista jamais o fez. Brynjolfsson afirma que é possível, talvez, somando várias "mais-valias do consumidor," medidas em termos de quanto é que os consumidores estariam dispostos a pagar por um determinado bem ou serviço, versus o quanto eles pagam de facto (uma pessoa pode pagar $10 por um CD, mas porque é que o faria se este fosse grátis?). Isto pode dar uma ideia aproximada do valor em dinheiro daquilo que a Internet tende a fornecer de graça – e dar-nos um sentido alternativo do valor que as tecnologias têm para nós, senão mesmo, a sua capacidade de produzir crescimento e rendimento para nós.



Claro que, se as nossas tecnologias mais radicais e capazes de alterar a nossa vida não estão a aumentar os rendimentos ou a produtividade ou o crescimento, então ainda teremos problemas. Melhorias na qualidade de vida não põem o jantar na mesa nem pagam os benefícios da Segurança Social. Contudo, até mesmo Cowen não vê apenas nuvens negras no horizonte, com os rendimentos a estagnarem indefinidamente à medida que vamos produzindo cada vez mais online e perdendo cada vez mais emprego e dinheiro. Quem sabe que extraordinárias tecnologias podem estar ao virar da esquina?
.

13 comentários:

J. Lopes disse...

Se com a tecnologia a produtividade por pessoa sobe, enquanto o número de pessoas produtivas diminui, então o PIB mantém-se ao mesmo nível, não é?

Para uma empresa privada a única preocupação é o resultado final. Emprega menos gente para fazer o mesmo trabalho. Embora isto não represente uma subida do PIB, representa maior eficiência e produtividade por pessoa.

Zé_Lucas disse...

E então, caro J.Lopes, qual é o corolário do que acabou de afirmar?

Manuel Galvão disse...

Para mim, que não sou economista, a chave do problema está no facto
nada paradoxal de a produtividade atirar trabalhadores para o
desemprego. O aumento do desemprego pressiona para baixo os salários
de quem trabalha, baixando o rendimento disponível do conjunto das
famílias (que vivem nos países desenvolvidos). Não havendo dinheiro
para consumo, dá-se uma contracção da economia.

Isso não acontecia nos anos 50 e 60 porque a automatização ainda não
tinha atingido todos os sectores da actividade. Os desempregados da
industria encontravam emprego nos serviços, por exemplo.

Flávio Gonçalves disse...

Hum, o Diogo costuma ler "O Diabo"? Esta semana publicámos um texto muito bom do Heiner Flassbeck.

Diogo disse...

J. Lopes – Tudo isso é verdade. E Então?


Manuel Galvão – Absolutamente de acordo. Agora, com o fim do emprego em todos os campos, a tecnologia deve ficar à disposição de todos – tal como a natureza estava para as sociedades recolectoras e medievais (sem nobrezas a comer à borla).


Flávio – Olá Flávio. Era capaz de me dar o link do artigo?

Flávio Gonçalves disse...

"O Diabo" para já não publica a sua edição em papel na integra online, vou googlar o gmail a ver se encontro o seu mail e envio-lhe em .pdf.

Anónimo disse...

ÓI FLÁVIO-QUANDO TODOS DEPENDEREM DE MAQUINAS E/OU TCNOLOGIA ELAS SERÃO PROPRIEDADE APENAS DE ALGUNS, ASSIM COMO A TERRA ERA DA NOBREZA NO FEUDALISMO.
NÓS SEREMOS MAIS SERVIS

Diogo disse...

Oi Anónimo, quando as máquinas e as tecnologias fizerem todo o trabalho, elas não precisam de ser propriedade de ninguém. Porque ninguém terá dinheiro para comprar o que eles produzem. A servidão humana perante meia dúzia também não fará sentido. Nenhum homem precisará do trabalho de outro homem.

Aldo Luiz disse...

Caro Diogo, penso que gostarás desta leitura, http://juntosomos-fortes.blogspot.com/ e veja talvez a razão dos que andam
a propor uma "fusão" por razão "lusófona" Brasil/Portugal enquanto por baixo dos panos "traçam" nossos destinos à revelia...

Paz e bem infinitamente.

Aldo Luiz disse...

O link correto a que me refiro é este
http://juntosomos-fortes.blogspot.com/2011/04/brasil-israel-forcas-armadas-i.html

Zorze disse...

Esta abordagem sobre o valor do PIB é muito interessante. Com o tempo a os valores de medição, comparação e avaliação da economia vão sendo alterados.
As perspectivas vão-se alterando, mas o dinheiro, ou outra forma, de mensurar serviços e mercadorias continuará a existir.
Onde existe troca, existe um valor.
E psico/sociologicamente as pessoas vivem de status e poder.
Haverá sempre algo que materialize o valor das coisas.

Abraço.

Anónimo disse...

O Legal de tudo é isso, quanto mais olharmos para o futuro mais ele muda. Se imaginarmos o futuro hoje ele será assim, porém quando pensarmos novamente no futuro daqui a 15 anos ele será de uma maneira completamente diferente do que tinhamos imaginados.
Boa parte da humanidade há 100 ou 50 anos atrás (querras, doença e evolução das tecnologias) previam o Apocalipse.

Anónimo disse...

Really when someone doesn't know after that its up to other users that they will help, so here it takes place.

Have a look at my web site - vakantiehuisjes huren