terça-feira, janeiro 05, 2010

«Bem pensado – mas nunca substituirão o cavalo», disseram os cépticos quando viram os primeiros automóveis.

The Benz Patent Motor Car Velocipede Of 1894


********************************


* Nos primeiros tempos da aviação, o astrónomo americano William Pickering, que predisse a existência de Plutão, preveniu o público de que: «A mente popular imagina frequentemente gigantescas máquinas voadoras atravessando o Atlântico a grandes velocidades e transportando numerosos passageiros como um moderno paquete… Parece-me seguro afirmar que tais ideias são totalmente visionárias, e mesmo que uma máquina conseguisse atravessar o Atlântico com um ou dois prisioneiros, os custos seriam proibitivos…» Três décadas mais tarde, em Julho de 1939, foi inaugurada a primeira linha aérea transatlântica com um hidroavião Boeing 314, o Yankee Clipper da Pan American, transportando 19 passageiros.




********************************


* Em 1924, o engenheiro electrotécnico inglês Alan Archibald Swinton, um dos pioneiros do de raios catódicos, fez uma palestra na Radio Society da Grã-Bretanha sobre «Visão à Distância». Diria então: «Provavelmente não valerá a pena que alguém se dê ao trabalho de consegui-la.» Quatro anos mais tarde, a General Electric Company inaugurava, no estado de Nova Iorque, a primeira rede de televisão do Mundo.




* «História dos Grandes Inventos - Selecções do Reader’s Digest – 1983, pág 62».


********************************


A automação e a inteligência artificial têm tido um desenvolvimento avassalador. A máquina, de forma crescente, possui mais dados, mais conhecimento e melhor capacidade de decisão. Cada vez é mais inteligente e mais autónoma. E cada vez menos precisa de ser dirigida pelo homem.

A tecnologia está cada vez mais próxima de produzir sozinha. O desenvolvimento tecnológico é exponencial em todos os campos que se considere. Donde, no binómio homem-máquina na produção, o homem tem cada vez menos peso. Em breve não terá praticamente nenhum e a máquina produzirá sozinha.

Nessa altura, a fábrica totalmente automatizada não poderá ser privada. Porque não existirão trabalhadores com salários, e sem salários não há poder de compra. Sem poder de compra não há vendas. Sem vendas não há lucros. Sem lucros não há empresas privadas. Qualquer empresa automatizada, seja o que for que produza, terá necessariamente de pertencer ao grupo, à comunidade, à sociedade.

O número crescente de desempregados a par do desenvolvimento exponencial do hardware e do software estão aí para prová-lo. Vamos acelerar a transição ou vamos permanecer agarrados a um passado de emprego condenado ao desastre social?

É a tecnologia que está a substituir o homem no trabalho. É por isso que o velho paradigma do emprego está moribundo. É necessário criar rapidamente, com o auxílio da tecnologia, um mundo mais justo, mais redistributivo e mais humano.



.

21 comentários:

Monte Cristo disse...

Bem pensado, digo eu. Mas quando a Máquina tomar o poder, que sentirá ela? Talvez a pena de não ser animal (não necessariamente humano).

Anónimo disse...

Não está mal, caro Diogo
mas um dia as máquinas avariam. Uma "pequena" tempestade solar e o caos generaliza-se.
Pense nisso.

Bom ano 2010
Optio

Diogo disse...

Monte Cristo – As máquinas podem ter inteligência (e infinitamente mais que o homem) mas não precisam de ter emoções. As máquinas não têm o instinto animal de vontade de poder. Abraço.


Optio – Se umas máquinas avariarem, outras máquinas consertam-nas. A potencialidade de inteligência de uma máquina é virtualmente infinita. Abraço.

Carlos disse...

Caro Diogo
A máquina possui;
a) mais conhecimento (informação?)
b) melhor capacidade de decisão
Quer esclarecer por favor?

Carlos Portugal disse...

Caro Diogo:

A afirmação «Quatro anos mais tarde, a General Electric Company inaugurava, no estado de Nova Iorque, a primeira rede de televisão do Mundo.» é totalmente falsa. Com efeito, a invenção da televisão deve-se ao escocês John Logie Baird, que em 1928 fundou - em Inglaterra - a Baird Television Development Company e, em 1929 fez o primeiro programa de televisão para a BBC, assim como a primeira transmissão transatlântica de televisão, entre Londres e Nova Iorque.

Contudo, a primeira emissão de televisão «a sério» para várias cidades (as inglesas de Baird foram apenas para postos experimentais) foi na Alemanha nazi, com a transmissão em directo dos momentos mais importantes dos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936. Com uma potência tal - como escreveria Carl Sagan - suficiente para fazer com que a emissão ultrapassasse os limites do sistema solar.

Parece-me que as Selecções gostam muito de adulterar a História, tal como muitos dos programas do canal dito de «História»...

Enfim, quanto às máquinas, trabalhei em tempos em Inteligência Artificial, e posso dizer que as redes ditas neuronais poderão um dia ter uma «inteligência» comparável à de um pequeno mamífero, mas creio que dificilmente chegarão à inteligência humana, pois falta-lhes a alma, o espírito, e toda a bagagem emocional-afectiva-cognitiva e experimental que forma o que se designa por «inteligência emocional», faltando-lhes redondamente a intuição, quinta-essência da verdadeira inteligência e motor de todo o progresso intelectual.

Abraço.

Daniel Simões disse...

É bom que as máquinas trabalhem: deixarão mais tempo para nos dedicarmos ao que verdadeiramente interessa: a busca espiritual pelo sentido da vida!

Diogo disse...

Carlos – a) Se a máquina possui mais informação? Depende do conceito: se se refere a conceitos, a máquina ainda está atrás. Se nos referirmos a dados, está infinitamente mais à frente.

b) A evolução tecnológica é exponencial. Se considerarmos inteligência como a capacidade de raciocinar, planear, resolver problemas, abstrair e compreender ideias e capacidade de aprender, a máquina ainda está atrás do homem mas, não tenho dúvidas que irá ultrapassá-lo à velocidade da luz dentro de muito pouco tempo. Afinal, não há nada de transcendente na inteligência – muitos animais a possuem. Abraço.



Carlos Portugal – As invenções técnicas acontecem muitas vezes em simultâneo em vários lugares. As primeiras emissões experimentais de televisão andaram todas pelos anos 1926-1930. É natural que as Selecções puxem a brasa à sua sardinha mas de qualquer forma:

http://en.wikipedia.org/wiki/History_of_television

«The first regularly scheduled television service in the United States began on July 2, 1928. The Federal Radio Commission authorized C.F. Jenkins to broadcast from experimental station W3XK in Wheaton, Maryland, a suburb of Washington, D.C. For at least the first eighteen months, 48-line silhouette images from motion picture film were broadcast, although beginning in the summer of 1929 he occasionally broadcast in halftones.»


Veja lá se vê alguma semelhança nestas afirmações:

Carlos Portugal: «quanto às máquinas, trabalhei em tempos em Inteligência Artificial, e posso dizer que as redes ditas neuronais poderão um dia ter uma «inteligência» comparável à de um pequeno mamífero, mas creio que dificilmente chegarão à inteligência humana»

William Pickering: «A mente popular imagina frequentemente gigantescas máquinas voadoras atravessando o Atlântico a grandes velocidades e transportando numerosos passageiros como um moderno paquete… Parece-me seguro afirmar que tais ideias são totalmente visionárias, e mesmo que uma máquina conseguisse atravessar o Atlântico com um ou dois prisioneiros, os custos seriam proibitivos…»

Quanto à intuição não passa de conhecimento não consciente. O cérebro percebe determinadas coisas que não sabe explicar conscientemente. Não há alma nem espírito. Abraço.



Daniel Simões - Poderíamos dedicar-nos única e plenamente a viver, sem necessidade de efectuar tarefas fastidiosas e sofridas para sobreviver. Abraço

contradicoes disse...

Meu caro o desenvolvimento tecnológico jamais atingirá um patamar que a máquina venha a substituir o ser humano em tudo e mais alguma coisa. Até porque quem cria a máquina é o homem e jamais se poderá acreditar que por maior que seja o avanço tecnológico o homem estará em risco de perder o seu posto de trabalho. É um facto de que em muitos dos sectores industriais a máquina tem substituído o homem com vantagem para quem se dedica ao negócio porque a máquina não reivindica, aumentos salariais nem melhores condições de trabalho para além de não ter horário de trabalho. Mas quem a controla e repara é o homem.
O que falta ás sociedades modernas é adoptar a mão de obra que tem sido dispensada por força da sua substituição pela máquina, a actividades para as quais as máquinas jamais poderão ser utilizadas. É preciso ter em conta que existe um vasto universo de actividades profissionais que jamais poderão ser executadas por máquinas, sobretudo na área dos serviços.

Diogo disse...

Caro Contradições, se você perceber o que é a inteligência então compreenderá que a máquina pode ser inteligente. Parece uma aptidão religiosa mas não é. Já deixei uma curta descrição num comentário anterior.

Dentro de poucos anos, a inteligência da máquina estará para a inteligência do homem como hoje a capacidade de cálculo da máquina está para a do homem. Quer fazer um concurso de contas com o mais miserável computador do mercado?

Abraço

manuel gouveia disse...

Santana Lopes não voltará a ser primeiro-ministro...

Bolas, que não consigo apagar isto... ui!

Anónimo disse...

"Não há alma nem espírito."

Óh Diogo,
Esta também deve ser uma sua "intuição" que não consegue explicar! :)

Mas o Sol existe...

Optio

Eurico Moura disse...

A inteligência que não tem consciência de si própria, não pode ser chamada de inteligência. Essa faculdade só o homem a possui.

contradicoes disse...

Caro Diogo exactamente por compreender a inteligência é que jamais acredito que a máquina possa suplantar o homem o seu criador. Nem agora nem depois alguma vez a máquina ultrapassará a inteligência humana, ela, a capacidade da máquina, apenas e só cumpre ou limita-se a fazer aquilo que o homem o seu criador quer que ela faça. Até porque as máquinas limitam-se apenas e só a executar as funções para as quais foram previamente programadas e nada mais que isso. A inteligência do homem é indefinível a da máquina o seu criador define-a para o fim a que se destina e você não a consegue pôr se a sua memória electrónica não for programada para mais do que isso, a fazer coisas diferentes.

Daniel Simões disse...

Discordo com os senhores que dizem que a máquina não pode ultrapassar a inteligência do homem e que ela só faz aquilo para que foi feita para fazer:
e se uma máquina iniciar um processo
a altíssima velocidade de recolha de dados,
cruzando informações ao ritmo de progressões geométricas de complexidade infinitamente maior do que aquela a que o homem consegue fazer,
infiltrada dentro do sistema de internet mundial?
Nesta recolha de dados, com tanta informação recolhida, não chegará a máquina ao ponto de ter consciência de si mesma?
E tendo consciência da sua própria existência, não irá estar conectada com todas as máquinas que estão ligadas à internet?
Parece-me que estou falando de um filme qualquer... qual?
Porém, se nosso pensamento imagina, então pode tornar-se real... ou pensam os senhores que temos o poder para imaginar alguma coisa que esteja fora dos limites de possibilidades criativas de Deus?

Diogo disse...

Manuel Gouveia – Santana Lopes é um palerma auto convencido.



Optio – Sou materialista. Não acredito acredito em espirituallidade.



Eurico Moura – Mas o que é a consciência? Conheço várias definições. Quem disse que só o homem a possui? E que a máquina não a pode possuir?



Contradições - «Até porque as máquinas limitam-se apenas e só a executar as funções para as quais foram previamente programadas e nada mais que isso»

Que me diz do jogador de xadrez Deep Blue da IBM? Já não há jogador humano mais forte que ele. Este programa não tem em memória as jogadas todas possíveis (que são virtualmente infinitas). O programa analisa cada posição, planeia e decide jogadas absolutamente originais. Que me diz a isso?



Daniel Simões – Estou convicto que dentro de poucos anos a inteligência da máquina estará para a do homem, como hoje a do homem está para a da amiba. Eu sou ateu.

Eurico Moura disse...

Estudos recentes apontam para que os chimpanzés tem consciência de si próprios, como indivíduos, mas não teorizam sobre isso.
No dia em que uma máquina tenha consciência de si própria, será um avanço fantástico, mas para tomar consciência de que o sabe, terá de criar, ela própria, um ser humano.

Eurico Moura disse...

Diogo:
Convido-o a ler este texto:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-65641997000200008&script=sci_arttext

Anónimo disse...

"As explicações científicas são reais e completas,
tal como as explicações da vida quotidiana e das religiões
tradicionais. Diferem destas últimas unicamente por serem mais
precisas e mais facilmente refutadas pela observação dos factos."

Zorze disse...

Os comentários do Eurico Moura são assaz pertinentes.

Por outro lado, penso que a máquina do tempo será uma questão de tempo.
E mais próximo do que se imagina. Logo por aí se levantam muitas outras questões.
Por exemplo, virem do futuro aqui ao presente.
E o que é que é o Presente, o Passado e o Futuro?

Abraço,
Zorze

Diogo disse...

Eurico Moura – Segundo António Damásio a consciência é uma percepção do próprio corpo. Ades, do texto que me indicou, parece concordar.

A máquina não precisa de criar nenhum ser humano. Nós também não sabemos criar ser humanos (a não ser de forma animal).


Anónimo – Não sei que dizer.



Zorze – É engraçado teres falado nisso porque tenho uma teoria pessoal sobre o tempo. O que é o tempo? Queres discutir isso? Abraço.

davegeab disse...

Busca espiritual pelo sentido da vida??? q piada! se as maquinas trabalharem no meu lugar eu vou tranzar e tomar cerveja!!!