sexta-feira, setembro 17, 2010

The Grand Jew - O controlo financeiro e o controlo mediático

.
Eça de Queirós

No período 1877 - 1882, na compilação "Cartas de Inglaterra", Eça de Queirós escreveu no capítulo «Israelismo":

"Mas o pior ainda na Alemanha é o hábil plano com que fortificam a sua prosperidade e garantem o luxo, tão hábil que tem um sabor de conspiração: na Alemanha, o judeu, lentamente, surdamente, tem-se apoderado das duas grandes forças sociais – a Bolsa e imprensa. Quase todas as grandes casas bancárias da Alemanha, quase todos os grandes jornais, estão na posse do semita. Assim, torna-se inatacável. De modo que não só expulsa o alemão das profissões liberais, o humilha com a sua opulência rutilante e o traz dependente pelo capital; mas, injúria suprema, pela voz dos seus jornais, ordena-lhe o que há-de fazer, o que há-de pensar, como se há-de governar e com quem se há-de bater!"

------------------------

Ainda nas "Cartas de Inglaterra", no capítulo «Lord Beaconsfield», Eça de Queirós escreveu sobre Lord Beaconsfield, aliás o judeu Benjamin Disraeli (1804 – 1881), que foi primeiro-ministro do Reino Unido:

"A esta causa de popularidade [do judeu Benjamin Disraeli] deve juntar-se outra – a reclame. Nunca, um estadista teve uma reclame igual, tão contínua, em tão vastas proporções, tão hábil. Os maiores jornais de Inglaterra, de Alemanha, de Áustria, mesmo de França, estão (ninguém o ignora) nas mãos dos israelitas. Ora, o mundo judaico nunca cessou de considerar Lord Beaconsfield como um judeu - apesar das gotas de água cristã que lhe tinham molhado a cabeça. Este incidente insignificante nunca impediu Lord Beaconsfield de celebrar nas suas obras, de impor pela sua personalidade a superioridade da raça judaica - e por outro lado nunca obstou a que o judaísmo europeu lhe prestasse absolutamente o tremendo apoio do seu ouro, da sua intriga e da sua publicidade. Em novo, é o dinheiro judeu que lhe paga as suas dívidas; depois é a influência judaica que lhe dá a sua primeira cadeira no Parlamento; é a ascendência judaica que consagra o êxito do seu primeiro Ministério; é enfim a imprensa nas mãos dos judeus, é o telégrafo nas mãos dos judeus, que constantemente o celebraram, o glorificaram como estadista, como orador, como escritor, como herói, como génio!"


*************************


Henry Ford (1863 – 1947) foi o americano fundador da Ford Motor Campany. O seu automóvel, Modelo T, revolucionou o transporte e a indústria americana. Ford foi um inventor prolífico e registou 161 patentes. Na qualidade de dono da Companhia Ford tornou-se um dos homens mais ricos e mais conhecidos do mundo.

Em 22 de Maio de 1920, Henry Ford escreveu no Jornal "The Dearborn Independent":

"Existe no mundo de hoje, ao que tudo indica, uma força financeira centralizada que está a levar a cabo um jogo gigantesco e secretamente organizado, tendo o mundo como tabuleiro e o controlo universal como aposta. As populações dos países civilizados perderam toda a confiança na explicação de que «as condições económicas» são responsáveis por todas as mudanças que ocorrem. Sob a camuflagem da «lei económica» muitíssimos fenómenos foram justificados, os quais não se deveram a nenhuma lei económica a não ser a do desejo egoísta humano operado por meia dúzia de homens que têm o objectivo e o poder de trabalhar a uma vasta escala com nações como vassalas."

------------------------

E em 29 de Maio de 1920, no mesmo jornal, Henry Ford escreveu:

"O judaísmo é o mais secreto poder organizado na terra, mais ainda que o Império Britânico. Constitui um Estado cujos cidadãos são incondicionalmente leais onde quer que estejam, quer sejam ricos ou pobres.

O nome que foi dado pela Alemanha a este Estado e que circula por todos os outros Estados é Al-Judá [All-Judaan]. Os meios de poder do Estado de Al-Judá são o capital e o jornalismo, ou o dinheiro e a propaganda. Al-Judá é o único Estado que exerce um governo mundial; todos os outros Estados só podem exercer governos nacionais.
"


*************************


Senador e candidato a presidente norte-americano Barry Morris Goldwater (1909 – 1998), escreveu no seu livro - "With No Apologies" (página 231):

"Uma organização em mãos privadas, a Reserva Federal (banco central norte-americano) não tem nada a ver com os Estados Unidos. A maior parte dos americanos não compreende de todo a actividade dos agiotas internacionais. Os banqueiros preferem assim. Nós reconhecemos de uma forma bastante vaga que os Rothschilds e os Warburgs da Europa e as casas de J. P. Morgan, Kuhn, Loeb & Co., Schiff, Lehman e Rockefeller possuem e controlam uma imensa riqueza. A forma como adquiriram este enorme poder financeiro e o empregam é um mistério para a maior parte de nós. Os banqueiros internacionais ganham dinheiro concedendo crédito aos governos. Quanto maior a dívida do Estado político, maiores são os juros recebidos pelos credores. Os bancos nacionais da Europa são na realidade possuídos e controlados por interesses privados."


*************************


Woodrow Wilson (1856 - 1924), que foi Presidente dos Estados Unidos de 1913 a 1921, escreveu no seu livro "The New Freedom" (1913):

"Uma grande nação industrial é controlada pelo seu sistema de crédito. O nosso sistema de crédito está concentrado. O crescimento da Nação e de todas as nossas actividades está nas mãos de meia dúzia de homens. Tornámo-nos num dos mais mal governados, num dos mais completamente controlados e dominados Governos no mundo – não mais um Governo de liberdade de opinião, não mais um Governo pela convicção e pelo voto da maioria, mas um Governo pela opinião e intimidação de um pequeno grupo de homens dominantes.

[...]

Desde que entrei para a política, tenho ouvido maioritariamente opiniões de homens que me são segredadas em privado. Alguns dos maiores homens nos Estados Unidos, no campo de comércio e da manufactura estão com medo de alguém, estão com medo de alguma coisa.
Eles sabem que existe um poder algures tão organizado, tão subtil, tão vigilante, tão integrado, tão completo, tão penetrante, que preferem sussurrar quando o amaldiçoam."



Comentário

Post dedicado aos teóricos da conspiração
.

14 comentários:

Anónimo disse...

os pingos nos is é melhor postura

Anónimo disse...

http://admiravelmundonovo-1984.blogspot.com/2010/09/pensamento-do-dia_17.html

Aldo Luiz disse...

Caro Diogo

"A Humanidade encontra-se numa encruzilhada e é chegado o momento de fazer uma escolha. Vamos despertar para o nosso gênio verdadeiro e potencial como uma Consciência Infinita? Ou vamos continuar aprisionados nas ilusões fabricadas da Matriz Lunar?

Uma das escolhas irá levar-nos à liberdade e a um potencial de uma grandeza que não imaginaríamos ser possível, enquanto que a outra irá condenar-nos, e aos nossos filhos, a uma ditadura global fascista/comunista, a uma escala que faria corar o próprio George Orwell.

Palavras de David Icke.

Digo eu; a palavra TEORIA aqui esvaziou-se de seu conteúdo, do grego Theoría = comtemplar,estudar,examinar; não cabe mais diante de tanta evidência de prática conspirativa tão escancarada. Gostam de usa-la os próprios conspiradores como tática e forma de ridicularizar e neutralizar aos que já a enxergam com absoluta nitidez. Há os cegos e os cínicos coniventes.
Sinto muito, sou grato.

Eduardo disse...

"A oração salvou-me a vida. Sem ela já estaria louco, há muito tempo" - Ghandi

Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos disse...

Estes gentios, andam cada vez mais loucos... lol

Olhe que a subida de hilter, estaline, castro mais o resto de camarilha de assassinos ao poder, nunca se deveu à comunicação social nem às ajudas da grande finança.

“The press should be not only a collective propagandist and a collective agitator, but also a collective organizer of the masses.” Lenin

“Money plays the largest part in determining the course of history.” Karl Marx .

Ok. Enganei-me

President Lincoln is re-elected on November 8th and on November 21st he writes a friend the following,
“The money power preys upon the nations in times of peace and conspires against it in times of adversity. It is more despotic than monarchy, more insolent than autocracy, more selfish than bureaucracy.”

http://citadino.blogspot.com/2010/07/seis-milhoes-de-judeus.html
Na 1ª imagem que diz The Crucifixion of Jews Must Stop. Na coluna do meio quase no fim

“Six million men and women are dying - eight hundred thousand little children are crying for bread.
And Why?
Because of a war to lay Autocracy in the dust and give Democracy the sceptre of the just.
And in that war for democracy...”

“Democracy is indispensable to socialism.” Lenin

“The goal of socialism is communism.” Lenin

Profecia...
"O povo judeu como um todo será o seu próprio Messias. Atingirá a dominação do mundo pela dissolução das outras raças ... e pelo estabelecimento de uma república mundial que em toda a parte os judeus exercerão o privilégio de cidadania. Nesta nova Ordem Mundial, os Filhos de Israel ... irão fornecer todos os líderes sem encontrar oposição... "
Karl Marx

Anónimo disse...

a ironia da cinica dedicatoria, "aos teoricos da conspiração", mostra bem o cinismo de certos blogs "revisionistas". "revisionismo em linha", "um homem das cidades", la vao mostrando para quem trabalham esses senhores.

Carlos disse...

Jacob levou o Jacozinho, seu filho de 6 anos, a um parque de diversões.
Dentre as atrações existia um que chamou em especial a atenção do garoto:
" Vôo panorâmico de helicóptero".
- Quero levar minha filhinho pra passear, disse Jacob ao piloto.
- São US$ 100, 00, foi a resposta.
Lógico que o judeu não aceitou e como o garoto começou a chorar o piloto propôs uma solução:
- Eu levo você e seu filho. Se você não gritar durante o passeio eu não cobro nada.
E assim foi. Durante o vôo o piloto deu rasantes, piruetas, desceu e subiu bruscamente e Jacob,
com os olhos arregalados, mudo como uma rocha...
Quando a nave pousou, o piloto perguntou a Jacob:
- Em nenhum momento você deu um pio sequer... não sentiu medo e vontade de gritar?
-Eu senti muito medo e quase gritei, principalmente quando a Jacozinho caiu.

Daniel Simões disse...

Diogo,

o sonambulismo é tão grande que, nem as confissões dos impulsionadores da Nova ordem Mundial em discursos, entrevistas e escritos, fazem o povo despertar.
Eles dizem: nós estamos a criar uma Nova Ordem Mundial.
O povo aplaude e não compreende.
É um hipnotismo deveras assustador, macabro, surrealista.
Jamais pensei vir a ser espectador de algo assim.

Carlos disse...

Sobre o que publiquei no dia 18, sob o título (profecia...), resta-me informar que parece não haver a certeza se foi marx que escreveu a Levy ou ao contrário ou até quem foi o autor. Ainda tive a esperança de alguém poder comentar, mas não tive essa sorte. Paciência. Parece-me um texto interessante olhando a história e a actualidade.
Eis o texto no original.
“The Jewish people as a whole will become its own Messiah. It will attain world domination by the dissolution of other races, by the abolition of frontiers, the annihilation of monarchy and by the establishment of a world republic in which the Jews will everywhere exercise the privilege of citizenship.
In this New World Order, the children of Israel will furnish all the leaders without encountering opposition. The Governments of the different peoples forming the world republic will fall without difficulty into the hands of the Jews. It will then be possible for the Jewish rulers to abolish private property and everywhere to make use of the resources of the state.

Thus will the promise of the Talmud be fulfilled, in which it is said that when the Messianic time is come, the Jews will have all the property of the whole world in their hands.

Baruch Levy, Letter to Karl Marx, printed in La Revue de Paris, p. 574, June 1, 1928”

Carlos disse...

Caro Diogo
Cuba
“For a nation that considers Israel an enemy, Cuba's government has afforded the island's Jews a large measure of respect and tolerance.
Jews are the only Cubans who can buy beef in government-run peso stores, a nod to religious restrictions on pork, the island's staple meat.
Synagogues were never shut down, even during the long years when Cuba's socialist leaders discouraged religious practice. And Cuban Jews uniformly say they have encountered no anti-Semitism.
"It's an advantage to be a Jew here," Zagovalov said. "I don't remember one minute of anti-Semitism in my life. It's hard to find a place in the world apart from here where that's true."
Cuban respect for Jews, Cuban historians note, is due in large measure to Fidel Castro, who came of age during World War II, reading of the atrocities in Europe.
Jose Marti, Cuba's cherished nationalist hero and poet, also abhorred discrimination against minorities and studied Hebrew in Madrid.
Fabio Grobart, a Cuban Jew, was one of the founders of the Communist Party in Cuba in 1925, and for decades served as a party ideologue and the man who introduced Castro at party meetings.
Even today, Jews hold high-ranking positions within the Communist Party, serving as vice ministers of the national bank and the fishing industry, Corrales said.
That's not to say things have been easy for Jews in Cuba. While discrimination has been rare, the Castro government's "negative attitude toward religion, Zionism and Israel affected the Jewish community very much," Asis wrote, and may have discouraged practice of the Jewish faith until restrictions on religious behavior were eased in 1991.”

“Evangelicals have been especially repressed, since the government considers them officially associations and not religious denominations, and thus are subjected to greater scrutiny.”
“In the 1960s, the regime confiscated Catholic Church property, including hospitals; closed Catholic schools — including the elite Jesuit high school, Belen College, in Havana, where Castro himself graduated; banned Catholic publications; and ran most priests off the island, either through expulsion or intimidation. Some were jailed.
Many Cuban seminarians and priests were forced to perform manual labor, including Cardinal Jaime Ortega, archbishop of Havana since 1981, who was ordained in 1964, then spent seven months in a forced labor camp — termed a Military Unit to Aid Production — just two years later.
“Especially in the 1960s and ’70s, to be a practicing Catholic was considered synonymous with opposing the revolution,” recalled Catholic opposition leader Oswaldo Paya. “If you were a Catholic, you were sure to be harassed. Practicing faith was recorded on your labor record and had a negative impact. We were called gusanos, ‘worms.’””

“Religious organizations have been denied access to the mass media since 1960. But it is noteworthy that the government has been, in a subtle way, constantly promoting the sincretism between the Afro and Catholic beliefs called Santería, which lacks a strong moral code, and is more pliable to the effort for control. Santería has been portrayed in the media, which is fully all in governmental hands, as Cuba's majority religion, in an effort to undermine the traditional Christian denominations.”

ARTHUR SIONISTA disse...

Isto soh vem a mostrar que este dogma que os judeus dominam a midia e os bancos eh algo muito antigo mas nunca confirmado..............como disse um dogma

Bilder disse...

Oh meus amigos,leiam os artigos de Henry Makow.com e entendem quem sao eles,para quem nao sabe Makow é judeu americano e acusa os illuminati e os sionistas,judeus e nao judeus!

Anónimo disse...

teóricos da conspiração?
como você?