quinta-feira, setembro 09, 2010

Sir Ruhollah Khomeini – de que cartola surgiu este Aiatola?

.
Respectivamente, Aiatola Khomeini, Sean Connery e Sean Connery com barba e turbante


Terá o Aiatola Khomeini trabalhado secretamente
para os governos americano e inglês?



Estaria o Irão a trabalhar com a CIA na altura da crise dos reféns, em 1980, e do October Surprise?

The New York Times – 20.01.1981
Reagan faz o juramento como 40º Presidente;
Promete uma 'era de renovação nacional'
Minutos mais tarde, 52 reféns americanos no Irão
voam para a liberdade depois de 444 dias de provações



Em 1979, o Aiatola Khomeini assumiu o poder no Irão.

Em 1979, o Ilustre [Grand] Aiatola Mussa Sadr desapareceu durante uma visita à Líbia.

Mussa Sadr era o líder natural do Irão proveniente de Xiitas Libaneses e "era venerado e respeitado acima de qualquer outro no mundo Xiita."

Mussa Sadr recusou aceitar Khomeini como um Aiatola.

De acordo com informações, Khomeini não era iraniano.

Khomeini "nem nasceu no Irão, nem tinha sangue persa tanto do lado materno como do lado paterno." (Anti-Mullah: Who is the Ayatollah Khomeini?)


Teerão – fotografia de Hansueli Krapf


O seguinte é baseado num artigo, intitulado Who is the Ayatollah Khomeini? [Quem é o Aiatola Khomeini?].

1 – Em 1964, o Aiatola Shariatmadari e o Aiatola Golpayegani deram a Khomeini o título de Aiatola.

De acordo com informações, fizeram-no para salvar a vida de Khomeini, já que este enfrentava uma acusação de traição contra o Xá.

Consta que foi o embaixador britânico que pediu quem Khomeini fosse salvo.


2 – Shariatmadari ocupava uma posição mais elevada na hierarquia religiosa do que Khomeini.

Em 1979, Shariatmadari foi colocado em prisão domiciliária.


3 – A mãe de Khomeini era uma Indiana de Caxemira.

O senador iraniano Moussavi conhecia o pai de Khomeini. Consta que Khomeini mandou matar Moussavi.

Supostamente, foi inventada uma história em que Khomeini tinha um pai Indiano de Caxemira com origens iranianas.


4 - O verdadeiro pai de Khomeini foi William Richard Williamson, nascido em Bristol, Inglaterra, em 1872, de pais e linhagem britânicos.


Revista Forbes - 10.09.09
O pai de Khomeini era um britânico?


Uma testemunha deste facto foi um ex-funcionário iraniano da Companhia Anglo-Iraniana de Petróleo (mais tarde BP), que conhecia a família Khomeini.

Em 1979, quando esta questão foi colocada ao Coronel Archie Chisholm, um responsável político da BP e ex-editor do «The Financial Times», este não confirmou nem negou a história.

A biografia de William Richard Williamson foi escrita nos princípios dos anos 1950, por Stanton Hope, um jornalista britânico que se encontrou com Williamson na sua casa em Bassorá nos finais dos anos 1940. O título do livro é: Arabian Adventurer: the Story of Haji Williamson [Aventureiro Árabe: a História de Haji Williamson].


5 – Segundo consta, Richard Williamson, aos 20 anos de idade, estava a trabalhar no Yemen do Sul, na polícia local.

"A sua boa aparência fez com que o sultão Fazl bin-Ali, governador do Lahej, o tenha persuadido a deixar a polícia e ir viver com ele. Mais tarde, Richard trocou-o por outro Xeque, Youssef Ebrahim, um parente da família Al-Sabah, que governa hoje o Kuwait."


6 – Por esta altura, os britânicos estavam a explorar os campos petrolíferos.

Williamson, agora um muçulmano, juntou-se à British Petroleum como comissário político. Williamson mudou de nome para Haji Abdollah Fazl Zobeiri.


7 – Williamson passou férias em Caxemira e casou pelo menos sete vezes com mulheres árabes e indianas.

Os seus filhos frequentaram escolas religiosas.

Um dos seus filhos foi para a cidade santa de Qom (Khom) no Irão e adoptou o nome Khomeini.


Khomeini com barba e sem barba. O Aiatola não dá ares de ser britânico?


8 – No princípio dos anos 1960, Khomeini começou a conspirar contra o Xá. Em 1964 Khomeini foi condenado à morte. Ao tornar-se um Aiatola, a sua vida foi poupada.


9 – Em 1979, Khomeini voou de França para Teerão com a ajuda do MI6.


O Xá do Irão foi deposto pela CIA e pelo MI6?

A comunicação social gostaria de nos fazer acreditar que o Xá foi deposto pelo poder do povo e que a CIA e o MI6 foram apanhados de surpresa.

Contudo, há muitas provas de que a CIA e o MI6 derrubaram o Xá porque este se tornou demasiado nacionalista, tal como Nasser, e não estava a seguir as instruções (anglo-americanas) em relação ao petróleo e ao ópio.

A CIA não queria que democratas de esquerda influenciassem o Xá ao ponto deste se tornar difícil de controlar. Portanto, a CIA queria que os Aiatolas tomassem o poder.

A Radio Free Iran alegou que, enquanto esteve em Qom, o Aiatola Khomeini recebia um "salário mensal dos britânicos e que estava em permanente contacto com estes."


A coroação do Xá Reza Pahlevi


A 19 de Janeiro de 1980, o International Herald Tribune noticiou que o Xá dissera, dois anos antes de ser derrubado, que tinha ouvido de duas fontes diferentes ligadas às companhias de petróleo que o regime no Irão ia mudar.

'Estamos certos de que havia um plano para assegurar que fosse diminuída a oferta de petróleo nos mercados mundiais de forma a subir os preços,' disse o Xá. 'Um país foi escolhido para o sacrifício... Parece que o país escolhido para baixar a sua produção petrolífera era o meu.'

webgardian: Shah:Oil Companies Helped to Oust Him


As políticas nacionalistas do Xá estavam a torná-lo popular no Irão e estavam a tornar o seu país mais independente e mais poderoso. Este facto preocupava a CIA e o MI6.

1. O Xá comprou terras às classes mais altas e, acrescentando-as às terras da própria coroa, vendeu-as mais baratas a rendeiros agricultores. Mais de um milhão e meio de pessoas tornaram-se proprietários de terras, acabando, deste modo, com o regime feudal.

2. O Xá deu às mulheres o direito de voto e acabou com a obrigação do uso do véu.

3. O Xá desenvolveu planos para um programa de energia nuclear no valor de 90 mil milhões de dólares.

4. O Xá assinou acordos com a ENI, a companhia italiana de petróleo.

5. O Xá começou a pôr fim à indústria do ópio. Esta fora criada durante os dias da influência britânica.


The Washington Post - 23.09.2005
O entorpecimento (com ópio) do Povo Iraniano


O ex-oficial do serviço de informações Dr. John Coleman considera que o ópio teve uma importância fundamental no derrube do Xá (Conspirators Hierarchy: The Story of the Committee of 300). O Dr. Coleman está convencido que o governo americano derrubou o Xá do Irão.




O Dr. Coleman afirma o seguinte:

Porque é que o Xá foi deposto...?

Numa palavra, por causa da DROGA. O Xá pôs virtualmente fim ao imensamente lucrativo comércio do ópio transportado para fora do Irão pelos britânicos. Na altura em que o Xá tomou conta do Irão, já lá existiam quase um milhão de viciados em ópio e heroína.

O fim do comércio do ópio não foi tolerado pelos britânicos e pelos Estados Unidos e o Xá foi deposto.

Quando Khomeini tomou de assalto a embaixada dos Estados Unidos, a venda de armas dos Estados Unidos ao Irão, que tinha começado durante o governo do Xá, não foi interrompida.

Depois de 1984, a atitude liberal de Khomeini em relação ao ópio fez aumentar o número de viciados para 2 milhões, segundo as estatísticas das Nações Unidas e da Organização Mundial de Saúde.

Tanto o Presidente Carter como o seu sucessor, Ronald Reagan, voluntariamente e com total conhecimento do que estava em jogo, continuaram a fornecer armas ao Irão mesmo enquanto reféns americanos sofriam em cativeiro.

O comércio de armas com o Irão foi acordado num encontro entre Cyrus Vance... e o Dr. Hashemi, do qual resultou um imediato transporte por via aérea de armas para o Irão. Continuado mesmo durante o pico da crise dos reféns, as armas vinham dos stocks americanos na Alemanha e algumas vinham directamente dos Estados Unidos com paragens para abastecimento nos Açores.

Com a chegada de Khomeini... a produção de ópio disparou. Por volta de 1984, a produção de ópio no Irão excedia 650 toneladas por ano... O Irão rivaliza presentemente com o Triângulo Dourado no volume de ópio produzido.


Aiatola Khomeini - filho de um inglês e agente dos serviços secretos britânicos?
.

10 comentários:

Anónimo disse...

A Cia é capaz de tudo, até do contraditório que, ao que dizem, oi as torres gémeas, aquelas tábuas da lei.

vero

Anónimo disse...

Digo, A Cia é capaz de tudo, até do contraditório que foi atirar assim abaixo, ao que dizem, as torres gémeas, aquelas tábuas da lei.

Zé_Lucas disse...

E qual é o ponto nesta sua cruzada?
Que eles estão a fazer o jogo do USA? Será tambem verdade para o Hugo Chavez, o Kim Il Sung, o Morales, o Lula?
Para mim, não faz sentido.
Cumps

Kruzes Kanhoto disse...

E o Sócrates?! É filho de quem?! Ah pois é...esse todos sabem quem o pariu.

xatoo disse...

faço minhas as palavras de Flávio Goçalves no post anterior: "não sei se percebe quão úteis ao sistema são esses disparates que, cada vez mais, promove misturado com textos sérios..."
De facto, é uma cretinice sem classificação sugerir qe um só homem tivesse uma influência decisiva num processo revolucionário complexo que envolveu dezenas de milhões de intervenientes, com toda a carga de imprevisibilidade que isso acarreta
Para mais, a ausência de fontes expressas credíveis não dá ao disparate outro estatuto que não seja o de associação de mentiras e manipulações grosseiras.
A CIA e os governantes imperiais bem podem estar gratos aos idiotas úteis que fundamentam o cerco em curso ao Irão

Diogo disse...

Zé Lucas - «E qual é o ponto nesta sua cruzada? Que eles estão a fazer o jogo do USA? Será também verdade para o Hugo Chavez, o Kim Il Sung, o Morales, o Lula?»

Sim, todos eles fazem parte do jogo da Grande Finança. Mas atenção, o povo dos EUA também está subjugado a ela. Isto não é uma questão entre povos. É entre meia dúzia de indivíduos todo-poderosos (e os seus lacaios), e a população mundial, qualquer que seja o país.

Abraço



Kruzes Kanhoto – Sócrates é filho da mãe dele. Quanto à profissão da senhora, só a ela diz respeito.



Xatoo - «é uma cretinice sem classificação sugerir que um só homem tivesse uma influência decisiva num processo revolucionário complexo que envolveu dezenas de milhões de intervenientes, com toda a carga de imprevisibilidade que isso acarreta».

Diogo – Esse homem tinha atrás de si todo o poder das agências secretas, das influências políticas, do poder financeiro e da ameaça do todo-poderoso poderio militar anglo-americano.


Xatoo - «Para mais, a ausência de fontes expressas credíveis não dá ao disparate outro estatuto que não seja o de associação de mentiras e manipulações grosseiras.»

Diogo – Ninguém põe em causa o papel da CIA em todo o processo político no Irão anterior a Khomeini. Porque é que essa influência iria parar? Com Khomeini, os EUA não continuaram a vender armas ao Irão? Os reféns da embaixada não foram libertos minutos depois da tomada de posse de Reagan? Quem tem o poder afinal? Está tudo cego?


Xatoo - «A CIA e os governantes imperiais bem podem estar gratos aos idiotas úteis que fundamentam o cerco em curso ao Irão»

Diogo – Existem três categorias de observadores: 1 – Os que vêem no Irão uma nação sitiada que resiste heroicamente ao cerco das potências imperiais (tipo Xatoo). 2 - Os que vêem no Irão uma nação maligna, pertencente ao eixo do mal, e quer destruir o Ocidente com armas nucleares (como os gajos do Blasfémias). 3 – Os que percebem que se trata apenas de um jogo planeado para simular uma "crise" que não existe, mas que serve para desviar atenções e manter um clima de "crispação" entre o Ocidente e o Islão.

Zé_Lucas disse...

Diogo, usando as suas palavras, "o mundo é um jogo de sombras". Não tenho dúvidas que a declinação do seu Sol é diferente da do meu. Vemos sombras muito diferentes neste caso.
I rest my case, como dizem os Franceses.

Um abraço

Conceição disse...

Ola Diogo, boa tarde

Muito Obrigada....desta informação, precisa o mundo saber, se é que é credível, o que me parece que sim.
Vou repassar

ARTHUR SIONISTA disse...

Conceiçao, eh tao confiavel quanto a existencia de papai noel e coelhinho da pascoa, querida tudo que eh publicado neste blog sai da cartola do diogo, quanta bobagem...............

Zorze disse...

Este post, é simplesmente, magnífico!