segunda-feira, março 19, 2007

Mário Lino - mentiroso mas comprometido

Ota: PSD exige explicações de Mário Lino no Parlamento

Diário Digital - 19 de Março de 2007

«Objectivamente o ministro faltou à verdade», afirmou o líder social-democrata, Luís Marques Mendes, em declarações aos jornalistas no final de um encontro com responsáveis da Associação Industrial Portuguesa (AIP).

Recordando que o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações disse na sexta-feira à noite no programa «Expresso da Meia-Noite» da Sic Notícias que «tudo o que era estudo sobre a Ota era público», Marques Mendes disse não ser «admissível» que, na manhã seguinte, surja no semanário Sol um relatório da empresa Navegação Aérea de Portugal (NAV) que reprova a localização daquela infra-estrutura.

«É uma contradição séria. Afinal, há um relatório da NAV que levanta sérias objecções ao aeroporto da Ota e que estava fechado a sete chaves», referiu, lamentando que o Governo só «divulgue o que lhe dá jeito».

«O que não convém ao Governo é omitido, escondido», acrescentou, considerando que não «admissível do ponto de vista político» esta contradição entre as declarações do ministro das Obras Públicas e a divulgação do relatório.


Fernando Sobral do Jornal de Negócios também tem as suas suspeitas:
Mário Lino diz que a Ota é um "compromisso pessoal". Está descoberta a terceira via do Governo para um aeroporto que não convence muitas pessoas: é um fantasma perseguido por um ministro. Lino não explica com quem se comprometeu. Se com José Sócrates, se com os portugueses, se com quem vê ali um magnífico terreno para colocar betão.


Comentário:

É difícil saber quem ganha mais com o "compromisso pessoal" do ministro Mário Lino, se os donos dos terrenos ou os empreiteiros que vão fazer a obra. Mas uma coisa é certa: com um investimento superior a três mil milhões de euros, fora as tradicionais derrapagens, existem umas sanguessugas que se preparam para se abotoar com um terço do total em juros de empréstimos. Estes anelídeos têm todo o interesse em consolidar o "compromisso pessoal" do ministro:

26 comentários:

telmo correia disse...

Se a tramóia chega aos ouvidos de Sócrates o ministro Mário Lino leva um valente puxão de orelhas.

Anónimo disse...

Também sou contra a Ota. Ainda passamos todos por otários, com aquele gajo ali em cima mais gordo, que isto é o ano do javali para alguns, do porco para outros.

Já disparei um míssil para a fundação. Temos condições de poder vir a acabar com isto.

Mas isto é porque me convenceram que Rio Frio é melhor, espero que não me tenham induzido em erro.

py

luikki disse...

o ministro é, claramente, um aldrabão!
se o "sol" não tivesse divulgado a notícia........

xatoo disse...

o PS tem um lobie
o PSD tem outro
"as grandes obras de regime" servem para financiar os partidos do regime
Portanto esta questão, que nas presentes condições não é prioritária para o país, é apenas uma guerra suja pelo controlo dos meios de financiamento partidário

Anónimo disse...

Isso é sempre assim nos regimes todos xatoo, quando o partido é único financia o partido-Estado. O máximo que pode fazer é aumentar os circuitos de controlo cruzado e exigir que as obras sirvam o interesse nacional. Ora parece que a localização da Ota é um disparate.

Mas isso consegue-se parar senão o PM passa por otário, e os tugas não querem um otário a governá-los.

Cicota malhada.

py

Lidador disse...

O ministro pode ter os compromissos pessoais que entender.
O que não entendo é porque hão-de ser os meus impostos a pagá-los.

Eu, por exemplo, tenho um compromisso pessoal com um comerciante que me vendeu uma bicicleta.
Será que posso pedir ao estado que pague o meu compromisso social?

De resto o xatoo tem alguma razão, embora ele próprio não entenda porquê.

Tudo isto resulta da excessiva intervenção do estado na economia e na crença keynesiana e vagamente socialista de que é ao Estado que compete fazer andar a economia,através da arrecadação massiva de impostos e sua utilização em tarefas "estratégicas" de macro-economia.

É uma asneira.

Há uns anos, o responsável soviético pelo sistema de abastecimento de pão a Moscovo foi a Londres e quis saber quem era o seu homólogo londrino, uma vez que não só não faltava o pão, como não havia filas e havia uma oferta variada, desde pão quente a pão de sésamo e infinitas variantes, a qualquer hora do dia e da noite.

Ficou aparvalhado quando lhe disseram que não havia nenhum responsável pelo abastecimento do pão aos londrinos.

Anónimo disse...

OTA... otários!!!

:P

Anónimo disse...

O PSD não tem grande autoridade moral, pois defendeu sempre o TGV que é ainda pior que a OTA.
No entanto, ainda bem que agora acordou para esta questão, sejam quais forem as verdadeiras razões.
Só estranho o completo silêncio de todos os partidos da oposição de esquerda.

Acho que estamos neste momento a viver a derradeira oportunidade de acabar com isto. Não teremos outra.

O-Lidador disse...

[Só estranho o completo silêncio de todos os partidos da oposição de esquerda]

Não estranhe...já expliquei que tudo isto resulta da excessiva intervenção do estado na economia e na crença keynesiana e vagamente socialista de que é ao Estado que compete fazer andar a economia,através da arrecadação massiva de impostos e sua utilização em tarefas "estratégicas" de macro-economia.

A esquerda não pode ser contra isto...a não ser para explorar algum populismo de circunstância.

E esquerda acredita em obras faraónicas pagas pelo Estado.

xatoo disse...

International Criminal Court prosecutor announced on Sunday that US President George W Bush and Prime Minister Tony Blair could face war crimes charges at the Hague, after it emerged that up to one million Iraqis have been killed since the illegal invasion.

http://www.axisoflogic.com/artman/publish/article_24112.shtml
.

xatoo disse...

pyzinho:
há uma diferença fundamental entre o partido-Estado que funciona (segue o senso comum)em função do interesse geral da Sociedade e os grupos de interesses particulares de lobies parasitários que chulam mais o Estado do que a antiga burocracia soviética.
Logo, amigo Py, não faz sentido o teu termo de comparação: "Isso é sempre assim nos regimes todos". Não é!, e é um bocado estúpido afirmá-lo.(toma lá o mimo de volta que me endereçaste ali a trás a propósito da eco-economia)
Portanto, estamos num terreno em que tudo depende da interpretação que se fizer do termo "Estado" tanto mais agora, quando já há muitos (mas mesmo muitos) poderes que se sobrepõem ao Estado tal qual o temos conhecido até aqui; embora muitos pacóvios continuem a entender o "Estado" e o "Governo nacional" como a origem de todos os males (e de todos os bens, desde que se pertença a um grupo que viva à conta dele), torna-se cada vez mais evidente que os nossos Executivos são meras correias de transmissão de poderes e interesses supranacionais, e que, o Estado como uma figura (relativamente recente, de Westefalia, 1600 e tal) que está em vias de desintegração, será fatalmente substituido por outro tipo de organização qualquer que nos possa defender da depredação feita pelos grupos de abutres macro-económicos multinacionais.
As Comunidades Locais, terão uma gestão de proximidade, moeda própria que velará para que se consuma preferencialmente aquilo que se produz localmente, como já acontece com os “berkshares” no Massachussetts ou os “urstromtaler” na Baviera. Estes mini-Estados, podem ser entendidos como um renascimento das cidades-Estado que surgiram depois da idade das trevas, das guerras religiosas, etc – sairão de uma reedição da moderna Idade Negra em que as guerras dos Neocons bushistas&cavaquistas tentam fazer mergulhar a humanidade.
A ideia-chave para a gestão das nóveis Cidades-Estado podemos ir buscá-la à dissidência maoista da década de 60: os dignitários para os cargos públicos terão mandatos eleitos e revogáveis a qualquer momento, todos os dados serão publicitados com base na Verdade, os debates serão públicos, participativos, e tudo o que se passar dentro dos órgãos públicos de chefia será dado a conhecer de forma transparente: de cada um segundo as suas possibilidades, a cada um segundo as suas necessidades. Controladas e participadas por fundos da comunidade, as empresas trabalham em função da “propriedade social” e não em função de um lucro abstracto surripiado para os bolsos de obscuros accionistas (o conceito judeu de sionismo financeiro tem os dias contados)

Lidador disse...

Caro xatoo, os kholkozes sovkhoses, kibbutz e UCP faliram já há uns bons anos.

O que impressiona é que haja tontos que persistem apresentar coisas velhas como se fossem novas

E o que é patética e constrangedora é essa sua mania de falar em tons proféticos, como se alguém incapaz de perceber os erros do passado, fosse a pessoa mais indicada para profetizar o futuro.

Compreendo todavia que esse discurso desejante o conforte...no fundo repete uma pulsão milenar: acredita no advento de um messias ou um D.Sebastião em tons colectivos.

A sua fé é comovente.
Como todas, aliás!

Uns vão a Fátima de joelhos...outros recitam as velhas ladaínhas e com elas se confortam.

augustoM disse...

Quem acha que o ministro tem cara de sério? Os que estão em baixo sim, esses têm mesmo caras de sanguessugas.
Um abraço. Augusto

xatoo disse...

Lidl, tenrinho, eheheh
lá por vc não conseguir enxergá-las, as realidades existem
as "UCP faliram já há uns bons anos"?

Um dos mais importantes grupos industriais europeus é uma Cooperativa, a Mondragon no País Basco
http://www.mcc.es/esp/cooperativismo/expemcc/biografia.html
mas há muitos mais exemplos de cooperativismo.
aliás,
são experiências como esta que estão na base do desejo autonómico dos bascos. Nada nasce por acaso: o devir politico (a independência local) fundamenta-se sobre as bases económicas que se vão construindo, (amplamente participadas pela população)

Lidador disse...

Caro xatoo, não deixa de ser notável que você, um dinossauro marxista, dê como exemplo uma associação industrial e comercial fundada por um padre católico.
Pelos vistos, o cristianismo é bem melhor que o comunismo...dura há mais tempo e tem sucesso.

De resto, não precisava de ir ao país basco. QQ empresa moderna cotada em bolsa é propriedade de milhares de sócios (conhecidos por accionistas) que se reunem em assembleias-gerais, votam livremente e elegem aqueles que irão dirigir os negócios da sociedade.
E repartem os lucros entre eles, sob a forma de dividendos, coisa que não acontece na MCC, na qual o sócio só abicha os dividendos quando sair da sociedade.

Se era esse o seu sonho, bem vindo ao capitalismo de massas.
Por exemplo este seu amigo é hoje proprietário "comunitário" da Exxon, da Motorola, da Illinois Tools work, da Viewpoint, da TLC Vision, da Pionner Driling, e da Noble Corporation.
Amanha provavelmente será proprietário de outras ou das mesmas, se não lograr vender hoje com um lucro aceitável.

Ah e por acaso tenho cá em casa um forno Fagor.

Diogo disse...

Xatoo,

Concordo com essa concepção de cooperativismo local. Enquadra-se no conceito do faça-você-mesmo numa base tecnológica avançada. A «fábrica», altamente automatizada, é propriedade da cooperativa e produz para satisfazer as necesidades locais.

Diogo disse...

Xatoo,

Concordo com essa concepção de cooperativismo local. Enquadra-se no conceito do faça-você-mesmo numa base tecnológica avançada. A «fábrica», altamente automatizada, é propriedade da cooperativa e produz para satisfazer as necessidades locais.

Anónimo disse...

xatinho, agora é que vi o mimo. Olha lá pá, tens dúvida de que na China de hoje é o capitalismo que alimenta a geringonça partido-Estado? Quantoàquilo da estupidez não era contigo, falar de eco-economia é que é parvoíce o oikos já lá está. Ecologonomia é que é, o 'logos' (o conhecimento) deve anteceder o nomos (as regras). Mas isso já eu publiquei em 2000.

De resto tudo bem.

py

Anónimo disse...

vamos dar cabo disto, pessoal:

http://www.youtube.com/watch?v=mJtlkTAjhW0

py

Anónimo disse...

enganei-me, era isto:

http://www.portugaldiario.iol.pt/noticia.php?id=787482&div_id=291

py

DLM disse...

É curioso, uma maltinha soez a tecer os mais rasgados elogios ao socialismo, quando a coisa finou de morte macaca

Lidador disse...

xatinho, é só para o informar que já não sou proprietário da XOM, PDC, ITW e NE.

Mas ainda da VWPT e TLCV e MOT.

Como depreende, com o meu "socialismo", desprendi-me daqueles pérfidos capitalistas e embolsei cerca de 500 USD só nesta tardinha primaveril.
Mas amanhã, provavelmente serei proprietário de mais 3 ou 4, pelo tempo necessário.

Você mete a peitaça à onda, quer salvar o mundo, mas vai de nariz ao chão. Aqui o seu amigo surfa-a e fica feliz e mais desigual.

Olé!

P.S: Desculpe a minha alegria, mas não me corre assim todos os dias... e agora vou jantar e depois vou dançar cha-cha-cha e jive.

emepê disse...

"Na vida de hoje, o mundo só pertence aos estúpidos, aos insensíveis e aos agitados. O direito a viver e a triunfar conquista-se hoje quase pelos mesmos processos por que se conquista o internamento num manicómio; a incapacidade de pensar, a amoralidade, e a hiperexcitação".

Bernardo Soares (Fernando Pessoa)

Diogo disse...

Lidador,

Fico satisfeito pelas suas mais-valias. Mas atenção que a 27 é Terça-feira. Lembra-se de 1929? Um dia destes, um qualquer Morgan fica-lhe com a massaroca. E lá se vai a semanita de férias em Armação de Pêra.

Nicolaias disse...

Existe quem se esqueça que o momento mais importante de nossa vida é o último minuto: nele se acumula tudo aquilo que fizémos, dissémos, pensámos e fizemos os outros sentir.
Nesse minuto vêmos os que em vida afirmaram "quando morrer vou deitado" borrarem-se pelas pernas abaixo e sairem daqui como se nunca cá tivessem andado!

Já agora, Py: excelente descoberta essa noticia no Portugal Diário!

Carpe Diem

contradicoes disse...

É absolutamente incompreensível que se tenha optado por um local para construir uma aeroporto o qual não dispõe minimamente de estruturas, nem rodoviárias, nem hoteleiras, nem de transportes. Estou para ver quando o dito aeroporto estiver a funcionar como irá ser para os que vivem na periferia de Lisboa e pretende embarcar.