quarta-feira, outubro 17, 2007

Parabéns Engenheiro, os sinais animadores para a economia portuguesa continuam a multiplicar-se

Jornal de Notícias - 10 de Março de 2007

Há sinais animadores para a economia portuguesa, defendeu o primeiro-ministro, José Sócrates, ao afirmar que os números "confirmam a recuperação da economia portuguesa", cujo "motor" são as exportações.



Jornalismo Porto Net - 16 de Outubro 2007

Portugal: trinta e dois por cento da população activa vive no limiar da pobreza

Os actuais números sobre a pobreza em Portugal colocam o país entre os países da União Europeia onde existe um maior fosso entre pobres e ricos. Em 2005, um terço da população activa portuguesa (entre os 16 e os 64 anos) vivia com um rendimento de cerca de 360 euros por mês, ou seja, no limiar da pobreza.

O fosso entre pobres e ricos existente em Portugal também aumentou. Segundo João José Fernandes, da Oikos, “o novo Orçamento de Estado vai penalizar ainda mais esta situação”.


Esquerda - 16 de Outubro 2007

No Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza, existem em Portugal mais de dois milhões de pobres e o país apresenta o mais elevado nível de desigualdades sociais entre os países da União Europeia.

Em Portugal, uma em cada cinco pessoas vive em situação de pobreza. Segundo os dados conhecidos, estes 19% da população vivem com rendimentos mensais inferiores a 360€, havendo mais de 700 mil pessoas (7% da população) com rendimento inferior a 240€. Este ano, a taxa de desemprego apresentou em Portugal o seu valor mais alto dos últimos 30 anos.

Estudos recentes divulgados pelo Eurostat e pelo PNUD (Nações Unidas) referem que Portugal é dos países europeus onde a desigualdade social é maior. A diferença de rendimentos entre a classe mais alta e a mais pobre tem vindo a aumentar e em 2003 os rendimentos dos 20% mais ricos de Portugal eram 7,4 vezes superiores aos dos 20% mais pobres. Na União Europeia, o rendimento dos mais ricos é 5 vezes superior ao dos mais pobres.


Correio da Manhã - 17 de Outubro de 2007

De acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo Eurostat, o departamento de estatísticas das comunidades europeias, Portugal foi o país que sofreu o maior agravamento na taxa mensal de desemprego, que saltou de 7,5 por cento em Julho, para 8,3 por cento em Agosto.

Pela primeira vez em mais de 20 anos, Portugal registou uma taxa de desemprego superior à da vizinha Espanha, que apresentou uma taxa de 8,0 por cento em Agosto. Pior do que o nosso país, ficaram apenas quatro países: Eslováquia (11,1%), Polónia (9,1%), França (8,6%) e Grécia (8,4%).


Comentário:

Para animar ainda mais a economia, Sr. Engenheiro, precisamos de investir, com urgência, muitos milhares de milhões de euros na OTA e em (muitos) TGVs. Se, por manifesta ignorância, a sociedade civil se revoltar contra estes investimentos tão necessários, o Sr. Engenheiro pode voltar a apostar na construção de estádios de futebol. Cernache do Bonjardim, Amiais de Baixo, Charneca de Caparica e Fermentelos já mostraram alguma receptividade à construção desse tipo de recintos desportivos nas respectivas localidades, na condição de possuírem uma capacidade mínima não inferior a 60.000 espectadores.
.

4 comentários:

Anónimo disse...

Há que questionar a simplória atitude tão caracteristicamente nacional de, muitas vezes, se dar mais importância à ostentação do dispensável em detrimento do que é fundamental: é inexplicável que se tenham gasto milhões de euros em estádios de futebol, ainda por cima com reduzidas assistências, e se fechem tribunais, escolas, esquadras e unidades de saúde; os exemplos mais recentes são a Ota e o TGV

Flavio disse...

A credulidade de nossos políticos é de fazer rir. Com gastos supérfluos como será possível erradicar a pobreza em tão curto espaço de tempo?

contradicoes disse...

A pobreza

A pobreza é um flagelo
desta nossa sociedade
nenhum político quer combatê-lo
essa é a grande realidade

Muita dela é encapotada
porque aqueles que a sentem
não a querem revelada
mas isso ninguém desmente

A estatística demonstra
o seu número a crescer
só falta vê-los na montra
da miséria a parecer

A carência já é tanta
que o Banco Alimentar
numa luta que se agiganta
contra a fome que tem lugar

Em contrapartida aumentam
aqueles que enriquecem
e esses nem sequer lamentam
a forma como o conseguem

A riqueza também se alcança
de maneira desonesta
e há muito quem nela avança
por porta pouco discreta

Mesmo assim ficam impunes
pelos actos que cometem
da corrupção julgam-se imunes
porque a justiça o consente

A sociedade está podre
porque a corrupção cresce
aos ricos aumenta-lhes o odre
mas o pobre desfalece

xatoo disse...

o principal paladino do combate à Pobreza tem sido G.W.Bush.
Acaba com a pobreza eliminando os pobres com bombardeamentos.
De certa forma esta táctica vem conferir veracidade ao famoso Relatório Lugano (da Susan George), que antevia uma população mundial de não mais que 4 biliões de habitantes para que o capitaismo conseguisse ser rentável. Actualmente a população mundial ultrapassa os 6 biliões, pelo que Bush e os seus próximos sucessores que "vencerem" as eleições ainda têm muito trabalho pela frente.

Foi disto que e lembrei ontem, quando vi Sua Excelência o Cavaco de blusão de cabedal da Força Aérea: tal como o outro tinha dito "mission accommplished" assim o nosso lacaio tem também uma missão a cumprir para nos tirar da miséria. O problema é que nem todos os pobres morrem à bomba - muitos deles continuam a morrer de fome (ou de insolvência capitalista, se quisermos utilizar um termo cavacocrata)