quinta-feira, outubro 11, 2007

O Estado de Israel, ou a edificação de uma base militar junto das ricas jazidas petrolíferas do Oriente Médio


A geopolítica do petróleo tem estado patente nas relações internacionais desde o início do século XX. A indústria petrolífera, a motorização de veículos terrestres e navais e a indústria aeronáutica tinham-se desenvolvido notavelmente nos EUA. As potencialidade militares destas inovações eram evidentes. A actuação das potências industriais ao longo do século XX foi fortemente determinada ou condicionada pelo acesso e controlo dos recursos de hidrocarbonetos, sobretudo o petróleo. A intervenção da Grã-Bretanha no Médio Oriente antes e após a Primeira Guerra Mundial (ocupação da Pérsia e da Mesopotâmia, protectorado do Kuwait); o desenvolvimento de frentes de batalha durante a Segunda Guerra Mundial, na Europa Oriental e no Pacífico, a progressão da presença norte-americana no Golfo Pérsico-Arábico e na Ásia Central (Arábia Saudita, Iraque, etc.), são manifestações da mesma ambição de controlar um bem económico essencial e de elevado valor militar.



Desde a Primeira Guerra Mundial, a prospecção de petróleo e o controlo das correspondentes reservas passou a ter importância estratégica. O Médio Oriente e a Ásia Central, com a bacia do Mar Cáspio e o Golfo Arábico-Persa, acabaram progressivamente por se revelar de longe como a região geográfica mais dotada em recursos petrolíferos.

Com o desencadear da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a corrida ao petróleo acelerou e todas as potências procuraram obter posições vantajosa nesse negócio. A Grã-Bretanha, que antes da Guerra já controlava o petróleo recentemente descoberto na Pérsia (Companhia Petrolífera Anglo-Persa), suspeitava que, por correlação geológica, a vizinha província da Mesopotâmia do império Otomano (Turco), seria igualmente rica em petróleo. Com o fim da Guerra e o colapso do império Otomano, a Grã-Bretanha obteve mandato da Sociedade das Nações para administrar a Pérsia, a Península Arábica e a Palestina. Pôde então determinar que a província da Mesopotâmia (actual Iraque) se tornasse um reino sob protecção britânica.

Na Conferência de Paz de Versailles, os primeiros-ministros da Grã-Bretanha e da França, Lloyd George e Georges Clemenceau, discutiram sobre a partilha do petróleo da Mesopotâmia; mas estando a Alemanha e a Turquia derrotadas, chegaram secretamente a acordo (Acordo de San Remo, 1920), recebendo a França a parcela anteriormente detida pela Alemanha. Os EUA, por seu lado, exigiram partilhar os despojos da guerra no Médio Oriente, até que finalmente a Grã-Bretanha cedeu (Acordo da Linha Vermelha, 1928).

A existência de petróleo na Mesopotâmia era conhecido desde o princípio do século XX mas só começaria a ser explorado em 1927. A organização da sua exploração foi obra do arménio turco Calouste Gulbenkian, geólogo competente e talentoso homem de negócios, que para o efeito constituiu a Companhia Turca do Petróleo, ainda no tempo do império Otomano (em 1912), com capitais alemães e turcos, a qual não chegaria a operar, mercê do imediato inicio e das vicissitudes da guerra. Após intricadas negociações, a Companhia foi reestruturada para dar lugar à Companhia de Petróleo do Iraque (1928), agora com capitais da Shell (anglo-holandesa), BP (britânica), CFP (francesa, actualmente a Total-Fina- Elf), cada qual com 23,75%, e da Exxon e Móbil (norte-americanas) com 11, 875% cada. Gulbenkian foi premiado pelo seu trabalho com a titularidade de 5% do capital, sendo desde então conhecido por "senhor cinco por cento".




Obtendo o seu nome de Sião (Sion, Zion) que é o nome de um monte nos arredores de Jerusalém, o Sionismo é um movimento político que defende o direito à autodeterminação do povo judeu e à existência de um Estado Judaico.

Em 1896, o livro "Judenstaat" ("O estado judaico") de Theodor Herzl, líder do Movimento Sionista, foi traduzido para inglês. Herzl pregava que o problema do anti-semitismo só seria resolvido quando os judeus dispersos pelo mundo pudessem reunir-se e estabelecer-se num Estado nacional independente.

Fundado formalmente em 1897, o sionismo abarcava uma grande diversidade de opiniões sobre onde deveria ser fundada a nação judaica, tendo-se pensado de início estabelecê-la no Chipre, na Argentina e até no Congo, entre outros locais julgados apropriados.

A chamada diáspora judaica, ou seja a dispersão dos judeus pelo mundo, foi o principal argumento de ordem religiosa a reivindicar o estabelecimento da pátria judaica na Palestina. No entanto, o argumento da expulsão [dos judeus da Palestina], é contestado por alguns sionistas, porque que não coincide com os registros históricos que dão como certo que, muito antes das deportações romanas, a grande maioria do povo judeu já se tinha helenizado e migrado espontaneamente ou que nem sequer teria retornado à Palestina após o cativeiro na Babilónia.

A Inglaterra expressou o seu apoio ao sionismo com a Declaração de Balfour, que colocou em prática com a aquisição do mandato sobre a região por ocasião da perda dos territórios pelo Império Otomano como consequência da Primeira Guerra Mundial, dando início a um aumento substancial da migração de judeus para lá durante duas décadas até 1945, migração esta que se acentuou com a "solução final" que levou os nazis a «exterminarem mais de seis milhões de judeus» durante a Segunda Guerra Mundial sob o governo de Hitler.

A Declaração de Balfour


"Caro Lord Rothschild,

Tenho muito prazer em lhe comunicar, em nome do Governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de concordância quanto às aspirações Sionistas Judaicas, que foi submetida e aprovada pelo Gabinete (Conselho de Ministros).

O governo de Sua Majestade encara favoravelmente o estabelecimento, na Palestina, de uma pátria para o Povo Judeu, e envidará todos os esforços no sentido de facilitar a realização desse objectivo, entendendo-se claramente que nada será feito que possa atentar contra os direitos civis e religiosos das colectividades não-judaicas existentes na Palestina, nem contra os direitos e o estatuto político de que gozam os judeus em qualquer outro país.

Ficaria extremamente grato se encaminhasse esta declaração ao conhecimento da Federação Sionista.

Atenciosamente
Arthur James Balfour"


A Declaração de Balfour consta de uma carta escrita a 2 de novembro de 1917 pelo então ministro britânico dos Assuntos Estrangeiros, Arthur James Balfour, dirigida a Lord Rothschild comunicando-lhe o seu empenho em conceder ao povo judeu facilidades na povoamento da Palestina no caso da Inglaterra conseguir derrotar o Império Otomano, que, até então, dominava aquela região.

A França e a Itália, aliadas de Londres na Primeira Guerra Mundial ratificaram voluntariamente a Declaração de Balfour, evitando que o Oriente ficasse sob administração exclusiva do Império Britânico. Os Estados Unidos aprovaram-na somente em Agosto de 1918.

Observe-se que o objectivo primordial do sionismo, que consistia no estabelecimento de uma pátria judaica, sempre foi bem visto pelos organismos internacionais, de tal forma que a Liga das Nações (Mandato de 1922) assim como a ONU aprovaram desde logo os princípios básicos do sionismo, aliás extensível a qualquer povo da terra. Esta simpatia aumentou, e muito, após a descoberta do genocídio de judeus praticado pelos nazis alemães, sobretudo a partir de 1944, até ao final da Segunda Guerra Mundial.




Muito antes do governo de Hitler ter começado a restringir os direitos dos judeus alemães, os líderes da comunidade judia mundial declararam formalmente guerra à "Nova Alemanha" numa altura em que o Governo Americano e até mesmo os líderes judeus na Alemanha estavam a aconselhar prudência na forma de como lidar com o novo regime de Hitler.



A guerra dos líderes da comunidade internacional judia contra a Alemanha não só provocou represálias por parte do governo alemão mas também preparou o terreno para uma aliança económica e política entre o governo de Hitler e os líderes do movimento sionista que esperou que a tensão entre os alemães e os judeus conduzisse à emigração maciça dos judeus para a Palestina. Em suma, o resultado foi uma aliança táctica entre os Nazis e os fundadores do moderno estado de Israel - um facto que muitos hoje prefeririam ver esquecido.

A primavera de 1933 testemunhou o começo de um período de cooperação privada entre o governo alemão e o movimento sionista na Alemanha e na Palestina (e mundialmente) de forma a aumentar o fluxo de imigrantes judeus-alemães e dinheiro para a Palestina.

Para os líderes sionistas, a tomada do poder por Hitler ofereceu a possibilidade de um fluxo de imigrantes para a Palestina. Antes, a maioria dos judeus alemães que se identificavam como alemães tinham pouca afinidade com a causa sionista de promover o agrupamento da Judiaria mundial na Palestina. Mas os Sionistas compreenderam que só um Hitler anti-semita tinha capacidade para empurrar os judeus alemães anti-sionistas para os braços do Sionismo.

O actual lamento mundial dos partidários de Israel (já para não mencionar os próprios israelitas) sobre "o Holocausto", não ousam mencionar que tornar a situação na Alemanha insustentável para os judeus - em cooperação com Nacional Socialismo alemão - fazia parte do plano.

Este foi a génese do denominado Acordo de Transferência (Transfer Agreement), acordo negociado em 1933 entre os judeus sionistas e o governo Nazi para transferir 60 mil judeus alemães e 100 milhões de dólares para a Palestina Judaica, em troca do fim do boicote mundial judeu que ameaçava derrubar o regime de Hitler.

De acordo com historiador judeu Walter Laqueur e muitos outros, os judeus alemães estavam longe de estar convencidos de que a imigração para a Palestina era a resposta. Além disso, embora a maioria dos judeus alemães tenha recusado considerar os Sionistas como seus líderes políticos, é certo que Hitler cooperou com os Sionistas com a finalidade de implementar a solução final: a transferência em massa de judeus para o Oriente Médio.

Edwin Black, no volumoso livro «O Acordo de Transferência» (The Transfer Agreement) (Macmillan, 1984), declarou que embora a maioria dos judeus não quisesse de forma nenhuma ir para a Palestina, devido à influência do movimento sionista dentro da Alemanha Nazi a melhor forma de um judeu de sair de Alemanha era emigrando para a Palestina.

As denúncias das práticas alemãs contra os judeus para os assustar e obrigarem-nos a ir para a Palestina serviu os interesses sionistas, porque só com o advento de hostilidade alemã para com a Judiaria se poderia convencer os judeus do mundo que a imigração [para a Palestina] era o único escape.

Para todos os propósitos, o governo Nacional Socialista foi a melhor coisa que podia acontecer ao Sionismo na história, pois "provou" a muitos judeus que os europeus eram irreprimivelmente anti-judeus e que a Palestina era a única resposta: o Sionismo veio a representar a grande maioria dos judeus somente por artifício e cooperação com Adolf Hitler.


Israel, o maior e único porta-aviões americano que é impossível afundar

Nalguns aspectos claramente demarcados, o actual apoio dos Estados Unidos ao governo israelita corresponde aos interesses próprios americanos. Numa região onde o nacionalismo árabe pode ameaçar o controle de petróleo pelos americanos assim como outros interesses estratégicos, Israel tem desempenhado um papel fundamental evitando vitórias de movimentos árabes, não apenas na Palestina como também no Líbano e na Jordânia. Israel manteve a Síria, com o seu governo nacionalista que já foi aliado da União Soviética, sob controlo, e a força aérea israelita é preponderante na região.

Como foi descrito por um analista israelita durante o escândalo Irão-Contras, onde Israel teve um papel crucial como intermediário, "É como se Israel se tivesse tornado noutra agência federal [americana], uma que é conveniente utilizar quando se quer algo feito sem muito barulho." O ex-ministro de Estado americano, Alexander Haig, descreveu Israel como o maior e o único porta-aviões americano que é impossível afundar.

O alto nível continuado de ajuda dos EUA a Israel deriva menos da preocupação pela sobrevivência de Israel mas antes do desejo de que Israel continue o seu domínio político sobre os Palestinianos e que mantenha o seu domínio militar da região.

Na realidade, um Estado israelita em constante estado de guerra - tecnologicamente sofisticado e militarmente avançado, mas com uma economia dependente dos Estados Unidos, está muito mais disposto a executar operações que outros aliados considerariam inaceitáveis, do que um Estado Israelita que estivesse em paz com os seus vizinhos.

Israel recebe actualmente três mil milhões de dólares por ano em ajuda militar dos Estados Unidos.


Em suma, não obstante o sofrimento e a morte causados a um incontável número de pessoas de todas os credos e raças, um pequeno grupo de famílias: Rothschild, Rockefeller, Morgan, Mantagu, Harriman, Kuhn, Loeb, Warburg, Lehman, Schiff, Pyne, Sterling, Stillman, Lazard, etc, que dominam há mais de um século a alta finança mundial, edificaram uma sólida base militar, na forma de um Estado Judaico, junto das maiores reservas energéticas do planeta.
.

6 comentários:

xatoo disse...

hum, Diogo,
parece que já estás a chegar à conclusão que afinal sempre há grande mãozinha invisivel Sionista na "nova ordem mundial"
Essa familia dos judeus Harrimans, os dos caminhos de ferro do Pacífico, que preencheram o imaginário do povo nos finais do século XIX, na época do "Go West" - são os que estão, anos depois em época mais recente, directamente implicados no assassinato do presidente Kennedy. E a dinastia de facinoras que ocupam actualmente a Casa Branca, fundada a partir desse evento chave na década de 60, são os mesmos que patrocinaram Hitler, através da familia Bush - vejam só como este mundo (do crime)é pequeno

Diogo disse...

Xatoo,

Nesta matéria estamos quase completamente de acordo. Aquilo a que chamas sionistas, eu chamo de Alta Finança – são os que controlam os bancos, a massa monetária, as taxas de juro, a inflação e a recessão. Controlam ainda os media, as indústrias de defesa e as indústrias do petróleo.

Em minha opinião, esta malta da massa, repescou o velho conceito sionista de construção de um Estado Judeu (que defendia um território em Madagáscar, Congo, Argentina, etc), para pespegar um «Estado Judaico» em pleno coração das terras do petróleo. Este Israel Palestino iria servir de base militar permanente para o controlo das fontes energéticas. Mas havia que populá-lo. Para tal, fizeram um acordo com Hitler para que este assustasse os judeus alemães e os empurrasse para a Palestina.

Embora parte desta malta da Alta Finança tenha origem judia (a maior parte não tem), não sentirão mais consideração por um judeu do que por um árabe, um indiano ou um americano. Não sentiram qualquer remorso em mandá-los para os campos de trabalhos forçados de Hitler. São ateus e são totalmente amorais. A sua única religião é o dinheiro e o poder.

Não é por acaso que:

«O alto nível continuado de ajuda dos EUA a Israel deriva menos da preocupação pela sobrevivência de Israel mas antes do desejo de que Israel mantenha o seu domínio militar da região.»

E ainda que:

«O ex-ministro de Estado americano, Alexander Haig, descreveu Israel como o maior e o único porta-aviões americano que é impossível afundar.»

ml disse...

Agora que tornei a ler o post anterior reparei que escrevi mal o nome de Katzen-Ellenbogen. Mas não há nenhum tão famoso como este gabiru, logo é fácil de identificar. Ainda hoje é citado pelos racistas united, já não tanto a favor do tipo ariano (isto num judeu até dá vontade de rir) contra os judeus, que actualmente fazem parte do pack ideológico neoliberal, mas na superioridade do QI dos indo-europeus, caucasianos, non-coloured, blanke, whities, etc. em relação aos outros povos, especialmente os negros.

Foram muitos os judeus que contribuíram para a subida e manutenção de Hitler no poder, por isso acho que nenhum movimento social ou político tem a ver nunca com raças ou etnias, mas sim com interesses económicos. Essas balbúrdias são lançadas aos berros de anti-semitismo para confundir e ilibar o estado de Israel das atrocidades que comete.
O Harriman dos comboios foi mais um dos do ‘business is busines’ ou 'Profit über Alles', que é mais certeiro.

Não concordo com o Diogo quando afirma que os judeus lançaram um boicote antes de o Hitler ter tomado iniciativas persecutórias contra eles. Aliás o Black, no "Transfer Agreement", traça a cronologia desse movimento e mostra que já as perseguições eram muito graves e constantes quando os judeus americanos tomaram a iniciativa. Mas foram os judeus do Congresso Judaico e da União de Veteranos, porque os que se consideravam a si próprios 'Hofjuden' (judeus palacianos), as elites económicas da alta finança, do Comité Judaico, tudo fizeram para não incomodar o Hitler e fazer abortar o boicote, enquanto a Palestina continuava inundada de todo o tipo de produtos alemães. O tal lucro sagrado, só lhes falta darem-no a comer em hóstia. De acordo com Hannah Arendt, "esses judeus da Palestina falavam uma linguagem não muito diferente da de Eichmann. Tinham sido mandados para a Europa pelos colonatos e não estavam interessados em operações de salvamento...".

Esta colaboração sionista-nazi é uma traição à maioria dos judeus europeus, nomeadamente o acordo que lhes dava autorização para "seleccionar jovens pioneiros judeus" nos campos de concentração, abandonando os outros à sua sorte. Por isso muito judeus conscientes do que se estava a passar se opuseram à fundação do estado de Israel, e por isso também a Anti-Defamation League persegue implacavelmente quem se atrever a falar.

Diogo disse...

Exactamente ml,

A Anti-Defamation League, ao perseguir os que investigam os acontecimentos referentes aos judeus durante a II Guerra Mundial têm, involuntariamente, contribuído mais para o conhecimento da verdade histórica do que muitos revisionistas de renome. Porque, certas afirmações da Anti-Defamation League são tão incongruentes que levam as pessoas a investigar. Se me chamasse Rothschild já os tinha posto na rua. Ou enviava uma brigada da Mossad para uma solução mais «final».

xatoo disse...

Um dos judeus mais influentes do século XX nos EUA, imigrante russo-judeu do qual contei a história aqui, dizia textualmente nos anos 20:
“É sempre melhor não disparar, se isso puder ser evitado. É melhor usar a discussão – ou as ameaças. Para se dirigir os outros é muito mais eficaz manter-se fora do barulho. Tem de se encontrar uma maneira de se obter aquilo que se quer sem usar a violência”
“Tem de se pensar antes de agir e planear exactamente o que se vai fazer. Limitar sempre a violência – que é um substituto pobre da inteligência - e mantermo-nos sempre na rectaguarda, invisiveis"
Isto era bestialmente inovador. Contrariava radicalmente a estratégia de afrontamento dos Latinos. Foi assim que um vulgar criminoso (depois legalizado por respeitáveis Conselhos de Administração empresariais) conseguiu controlar um país inteiro, substituindo regimes, presidentes e figurantes a seu bel-prazer. Estou a falar de Cuba.
o sociedade bancária judaica Brown Brothers Harriman financiou sempre este grupo especifico nos seus negócios, desde o jogo clandestino por onde começaram em NY, aos "gloriosos" tempos da Lei Seca, dos grandes casinos (lasVegas anos 50)até aos grupos de Miami envolvidos no assassinato de Kennedy (foi sempre a mesma tribo)
Claro que ninguém os vê, e não os vendo, tampouco se suspeita deles. No caso dos Kennedy eles desviaram a fama para a Máfia, para os pistoleiros de rua assalariados. Como dizia o outro: "devemo-nos manter sempre na rectaguarda, invisiveis". è a melhor estratégia para os nossos negócios.

Anónimo disse...

12 de octubre.....¡Viva España!