segunda-feira, junho 02, 2008

Quem tem nas mãos o monopólio do poder financeiro mundial?

Henry Ford (1863 – 1947) foi o americano fundador da Ford Motor Campany e pai das modernas linhas de montagem e da produção em massa. O seu automóvel Modelo T revolucionou o transporte e a indústria americana. Ford foi um inventor prolífico e registou 161 patentes. Na qualidade de dono da Companhia Ford tornou-se um dos homens mais ricos e mais conhecidos do mundo.

Em 1918, Ford comprou um pouco conhecido semanário: «The Dearborn Independent». No princípio dos anos 20 este semanário publicou um conjunto de quatro volumes de artigos considerados anti-judaicos, cumulativamente intitulados «O Judeu Internacional» - «The International Jew».

Segue-se um excerto do primeiro artigo [The Dearborn Independent, 22 Maio de 1920]:

Existe no mundo de hoje, ao que tudo indica, uma força financeira centralizada que está a levar a cabo um jogo gigantesco e secretamente organizado, tendo o mundo como tabuleiro e o controlo universal como aposta. As populações dos países civilizados perderam toda a confiança na explicação de que «as condições económicas» são responsáveis por todas as mudanças que ocorrem. Sob a camuflagem da «lei económica» muitíssimos fenómenos foram justificados, os quais não se deveram a nenhuma lei económica a não ser a do desejo egoísta humano operado por meia dúzia de homens que têm o objectivo e o poder de trabalhar a uma vasta escala com nações como vassalas.

Embora qualquer coisa possa ser nacional, hoje ninguém acredita que a finança seja nacional. Ninguém acredita hoje que a finança internacional esteja em competição. Existem algumas instituições bancárias independentes, mas poucas verdadeiramente autónomas. Os grandes senhores, os poucos cujos espíritos abarcam claramente o plano em toda a sua extensão, controlam numerosos bancos e companhias fiduciárias, e um é usado para isto e outro usado para aquilo, mas não existe antagonismo entre eles, não sancionam os métodos uns dos outros, não há competição nos interesses do mundo dos negócios. Existe tanta concordância nas políticas das principais instituições bancárias de cada país como existe nas várias secções do Serviço Postal dos Estados Unidos – e pela mesma razão, são operadas pelas mesmas fontes e com os mesmos objectivos.

Imediatamente antes da Primeira Grande Guerra, a Alemanha comprou maciçamente algodão na América e grandes quantidades desse produto foram exportadas. Quando a Guerra chegou, a propriedade das enormes quantidades de algodão mudou, de um dia para o outro, de nomes Judeus em Hamburgo para nomes Judeus em Londres. Em pouco tempo o algodão começou-se a vender em Inglaterra a um preço inferior ao que era vendido nos Estados Unidos, o que teve como consequência baixar o preço do algodão na América. Quando os preços desceram o suficiente, o algodão foi todo adquirido por compradores já preparados de antemão, e então os preços subiram novamente para valores elevados. Entretanto, os mesmos poderes que tinham engendrado o, aparentemente sem motivo, fortalecimento e enfraquecimento do mercado do algodão, utilizaram a Alemanha como fonte de mão-de-obra barata. Alguns grupos controlam o algodão, emprestam-no à Alemanha para ser manufacturado, deixam lá uma pequena quantidade como pagamento pelo trabalho utilizado, e depois lucram na totalidade do mundo com a mentira de que o "algodão está escasso". E quando, refazendo o percurso de todos estes métodos anti-sociais e extraordinariamente injustos até à sua fonte, e se chega à conclusão que todas as partes responsáveis têm todas uma característica comum, será de espantar que o aviso vindo do outro lado do mar – "Esperem até a América despertar para a realidade Judia" – tem um novo significado?

Certamente, as razões económicas já não conseguem explicar as condições em que o mundo se encontra hoje em dia. Nem sequer a explicação usual da "crueldade do capital". O capital tem-se esforçado como nunca para ir ao encontro das exigências do trabalho, e o trabalho chegou ao extremo de obrigar o capital a novas concessões – mas qual é a vantagem para cada um deles? O trabalho tem até agora acreditado que o capital era o céu por cima dele, e tem feito o céu recuar, mas vejam, existe um céu ainda mais alto que nem o capital nem o trabalho se deram conta nas suas lutas um com o outro. Esse céu ainda não recuou até agora.

Aquilo a que chamamos capital aqui na América é normalmente dinheiro usado na produção, e referimo-nos de forma errada ao fabricante, ao gerente do trabalho, ao fornecedor de ferramentas e empregos – referimo-nos a ele como o “capitalista”. Mas não. Ele não é o capitalista no verdadeiro sentido do termo. Porque, ele próprio tem de ir ao capitalista pedir o dinheiro que precisa para financiar os seus projectos. Existe um poder acima dele – um poder que o trata muito mais duramente e o controla de uma maneira mais implacável que ele alguma vez se atreveria a fazer com o trabalho. Essa, na verdade, é uma das tragédias dos nossos tempos, que o "trabalho" e o "capital" lutem um com o outro, quando as condições contra as quais cada um deles protesta, e com as quais cada um deles sofre, não está ao seu alcance o poder para o remediar, a não ser que arranjassem uma forma de arrancar à força o controlo mundial de um grupo de financeiros internacionais que forjam e controlam estas condições.

Existe um super-capitalismo que é totalmente sustentado pela ficção de que o ouro é riqueza. Existe um super-governo que não é aliado de governo nenhum, que é independente de todos eles, e que, no entanto, tem as suas mãos em todos eles. Existe uma raça, uma parte da humanidade, que ainda nunca foi recebida como uma parte bem-vinda, e que teve sucesso em alcandorar-se a um lugar de poder que a mais orgulhosa raça de gentios nunca reivindicou – nem sequer em Roma nos tempos do seu mais poder orgulhoso. Há uma convicção crescente nos homens de todo o mundo de que a questão laboral, a questão dos salários e a questão da terra não pode ser solucionada antes deste assunto de um governo super-capitalista internacional estar resolvido.

"Os despojos pertencem ao vencedor" diz um velho ditado. E, de certo modo, é verdade que se todo este poder de controlo foi adquirido e mantido por uns poucos homens de raça judia, então ou eles são super-homens contra quem é inútil resistir, ou são homens comuns a quem o resto do mundo tem permitido obter um grau de poder indevido e perigoso. A não ser que os Judeus sejam super-homens, os Gentios devem culpar-se a si mesmos pelo que tem sucedido, e devem procurar uma rectificação com uma análise da situação e um exame justo das experiências de outros países.


O que é que poderá ter levado a um homem como Henry Ford a acreditar na existência de uma conspiração mundial Judaica? Ford culpou os financeiros Judeus por terem fomentado a Primeira Guerra Mundial. Contratou ex-investigadores de serviços de informações militares para juntarem provas que provassem que os Judeus controlavam a finança mundial, que organizações Judaicas manipulavam a diplomacia para causar guerras que matavam cristãos e que enriqueciam os Judeus, etc.

Curiosamente, Eça de Queirós, quarenta anos antes de Henry Ford, sugere também uma suspeita de conspiração Judaica ao mais alto nível:


Eça de Queirós

Cartas de Inglaterra 1877-1882

O motivo do furor anti-semítico é simplesmente a crescente prosperidade da colónia judaica, colónia relativamente pequena, apenas composta de quatrocentos mil judeus; mas que pela sua actividade, a sua pertinácia, a sua disciplina, está fazendo uma concorrência triunfante à burguesia alemã.

A alta finança e o pequeno comércio estão-lhe igualmente nas mãos: é o judeu que empresta aos estados e aos príncipes, é a ele que o pequeno proprietário hipoteca as terras. Nas profissões liberais absorve tudo: é ele o advogado com mais causas e o médico com mais clientela: se na mesma rua há dois tendeiros, um alemão e outro judeu, o filho da Germânia ao fim do ano está falido, o filho de Israel tem carruagem! Isto tornou-se mais frisante depois da guerra: e o bom alemão não pode tolerar este espectáculo do judeu engordando, enriquecendo, reluzindo, enquanto ele, carregado de louros, tem de emigrar para a América à busca de pão.

Mas o pior ainda na Alemanha é o hábil plano com que fortificam a sua prosperidade e garantem o luxo, tão hábil que tem um sabor de conspiração: na Alemanha, o judeu, lentamente, surdamente, tem-se apoderado das duas grandes forças sociais – a Bolsa e imprensa. Quase todas as grandes casas bancárias da Alemanha, quase todos os grandes jornais, estão na posse do semita. Assim, torna-se inatacável. De modo que não só expulsa o alemão das profissões liberais, o humilha com a sua opulência rutilante e o traz dependente pelo capital; mas, injúria suprema, pela voz dos seus jornais, ordena-lhe o que há-de fazer, o que há-de pensar, como se há-de governar e com que se há-de bater!

Tudo isto ainda seria suportável se o judeu se fundisse com a raça indígena. Mas não. O mundo judeu conserva-se isolado, compacto, inacessível e impenetrável. As muralhas formidáveis do Templo de Salomão, que foram arrasadas, continuam a pôr em torno dele um obstáculo de cidadelas. Dentro de Berlim há uma verdadeira Jerusalém inexpugnável: aí se refugiam com o seu Deus, o seu livro, os seus costumes, o seu Sabbath, a sua língua, o seu orgulho, a sua secura, gozando o ouro e desprezando o cristão. Invadem a sociedade alemã, querem lá brilhar e dominar, mas não permitem que o alemão meta sequer o bico do sapato dentro da sociedade judaica.

Só casam entre si; entre si, ajudam-se regiamente, dando-se uns aos outros milhões – mas não favoreceriam com um troco um alemão esfomeado; e põem um orgulho, um coquetismo insolente em se diferençar do resto da nação em tudo, desde a maneira de pensar até à maneira de vestir. Naturalmente, um exclusivismo tão acentuado é interpretado como hostilidade – e pago com ódio.»



Comentário:

Tudo isto nos leva a pensar duas vezes nas palavras do senador e candidato a presidente norte-americano Barry Morris Goldwater (1909 – 1998) - (Barry Goldwater, With No Apologies, page 231):

"Uma organização em mãos privadas, a Reserva Federal (banco central norte-americano) não tem nada a ver com os Estados Unidos."

"A maior parte dos americanos não compreende de todo a actividade dos agiotas internacionais. Os banqueiros preferem assim. Nós reconhecemos de uma forma bastante vaga que os Rothschildse e os Warburgs da Europa e as casas de J. P. Morgan, Kuhn, Loeb e Companhia, Schiff, Lehman e Rockefeller possuem e controlam uma imensa riqueza. A forma como adquiriram este enorme poder financeiro e o empregam é um mistério para a maior parte de nós. Os banqueiros internacionais ganham dinheiro concedendo crédito aos governos. Quanto maior a dívida do Estado político, maiores são os juros recebidos pelos credores. Os bancos nacionais da Europa são na realidade possuídos e controlados por interesses privados."

.

13 comentários:

Rikhard disse...

há que fazer é a distinção entre Judeus e sionistas.

There are in fact many Jewish movements, groups and organizations whose ideology regarding Zionism and the so-called "State of Israel" is that of the unadulterated Torah position that any form of Zionism is heresy and that the existence of the so-called "State of Israel" is illegitimate.

No one has had to create any antagonism between our Torah and Zionism because such antagonism exists by virtue of the essence of Judaism itself, which can never tolerate the heresy of Zionism.

Zionism is wrong from the Torah viewpoint, not because many of its adherents are lax in practice or even anti-religious, but because its fundamental principle conflicts with the Torah.
http://www.jewsnotzionists.org/

rjnunes

Diogo disse...

Concordo Rikhard.

Estou convencido de que hoje em dia a miscigenação entre judeus e não judeus é muito maior do que no tempo de Eça e que a esmagadora maioria dos judeus nada tem a ver com sionismos.

Zorze disse...

Muito interessante o artigo. Tem algumas coisas que desconhecia na fase pré I Guerra Mundial.

Abraço,
Zorze

Nicolaias disse...

"Ninguém acredita hoje que a finança internacional esteja em competição."
Não concordo: o que eu vejo é uma lavagem cerebral tão grande que maior parte da população do mundo nem sequer sabe muito bem o que está a acontecer.
Daqueles que compreendem em parte, a maioria acredita nessa competição internacional.
Só uma pequena minoria, como nós, sabe o que está realmente a acontecer... logo, por sermos uma pequena minoria é que somos chamados de loucos, paranóicos com a mania da perseguição e com a mania das conspirações.
Infelizmente, a lavagem cerebral que os governos e financeiros, banqueiros e universidades têm vindo a fazer através dos meios de comunicação social tem sido deveras eficaz.

Eça de Queirós é um autor que eu refiro quando as pessoas que falam a língua portuguesa não estão a acreditar muito bem naquilo que eu digo: ele, sem papas na língua - mas sempre com um cavalheirismo e uma educação que lhe permitia falar certas verdades - não só expôs a conspiração judaica, como a associou ao movimento maçónico.
É também através dele (de suas cartas e de suas obras) que podemos compreender a existência de um plano judaico para uma Nova Ordem Mundial maçónica.
Mas penso que nem mesmo ele pôde imaginar aquilo que hoje estamos a viver, com internet, nanotecnologia, genética robotizada, bancos de genes, bases de dados mundiais, etc., tudo progredindo para uma sociedade de controle tecnológico absoluto sobre cada cidadão, animal e mercadoria.

Diogo disse...

Nicolaias, podes-me indicar outros escritos interessantes (neste campo) do Eça? Ou enviar-me por e-mail caso os tenhas em formato digital?

Já li toda a obra dele mas não tenho os livros (só meia dúzia).

Abraço

xatoo disse...

realmente o caso da Alemanha aqui descrito é bem exemplificativo da tradicional apetência judaica para a usura - à saída da 1ª grande guerra de que a Alemanha saíu derrotada, o primeiro passo foi aniquilar a oposição de esquerda (chegaram a proclamar a República Socialista da Alemanha em 1918, um ano depois do fim da guerra):
Porém os sociais democratas fugiram de Berlim e com a ajuda da Banca fundaram a República de Weimar. Ao fim de poucos meses iniciou-se uma espiral inflaccionária e o dinheiro passou a ter um valor tão irrisório que mais valia queimar as notas nos fogões de cozinha do que tentar comprar lenha com elas.
Esta situação de hiper inflação faz lembrar um pouco a que agora se está iniciar. No fim de Weimar, os alemães tiveram Hitler

xatoo disse...

a familia Rockefeller não é judia; possuem activos na ordem dos 10 triliões de dólares.
A familia Rothschild é judia; possui activos na ordem dos 100 Triliões.

Bilder disse...

Meus amigos,para saber quem realmente são(todos podemos apontar alguns nomes)esses senhores que se escondem por trás dos governos e das organizações internacionais era apanhar os politicos e governantes de cada país nas reuniões de Bilderberg com os seus amigos capitalistas,fazendo-os confessar a todos sob as ameaças de que eram vitimas todos os perseguidos pelos nazis.

Nicolaias disse...

Caro Diogo,

existem edições do Eça com introduções que apresentam cartas. Eu só tenho livros.
Mas se procurares na net deves encontrar.
Se Eça era um dinossauro que nos esclarece até hoje, deves lêr Balzac, que é um mostro sem precedentes.

Nicolaias disse...

Caro Bilder,

na reunião de Bilderberg estão alguns enviados, mas não os grandes. Estes enviados são por sua vez enviados por outros enviados. Talvez Henry Kissinger tenha contacto com algum do último patamar, mas é difícil saber quem contacta com esse último patamar, uma vez que ele é ocupado por seres não-humanos.

lory disse...

Não há dúvida, há tipos que já nascem fadados para a arte de o multiplicar, enquanto outros parece que nascem para correrem sempre atrás dos míseros trocos.

E há mais miscigenação, hoje, dizem uns, ah, sim, judeus, hoje, temo-los de várias origens, do bes à caixa, ao bcp, bpi, santander e os outros, acho que entenderam a manha dos tais que obrigaram alemães a perder a paciência.

Rick disse...

Quanto aos não humanos estamos a entrar num campo minado,pois Ivan Fraser ( www.ivanfraser.com ) diz que a teoria dos aliens superiores desconhecidos etc é uma jogada dos serviços secretos americanos a mando dos verdadeiros manipuladores do poder para distrair os investigadores da agenda real e dos grandes senhores que são muito humanos!

o chibo disse...

Tenham cuidado.
Haja um desses ETs que nos leia os pensamentos, e teremos de imediato à porta uma delegação aguerrida de judeus, mestiçados com outros seres inomináveis, de hipoteca interplanetária em punho, decididos a nos aniquilar a todos.