sábado, março 12, 2011

Manifestação da Geração à Rasca - o blackout total levado a cabo pelas televisões portuguesas

.
O protesto da «Geração à Rasca» arrancou hoje, 12.03.2011, às 15 horas em 11 cidades portuguesas e em oito outras cidades europeias:


Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas, esta tarde, contra a precariedade laboral, iniciativa organizada pelo movimento Geração à Rasca. Ainda não há números oficiais, mas a estimativa dos organizadores aponta para 200 a 300 mil pessoas em Lisboa e cerca de 80 mil no Porto.

Pessoas com idades entre os 15 e os 55 anos juntaram-se ao protesto, deitando por terra a ideia de que seria apenas uma manifestação de jovens precários. Entre actores, jornalistas, cantores, pessoas de variados campos profissionais compõem a manifestação.

o ex-candidato presidencial José Manuel Coelho esteve presente na Marcha. Em declarações à RTP, o madeirense disse que «o povo tem que se unir» e chamou o primeiro-ministro, José Sócrates, de «traidor» e de o Miguel Vasconcelos dos novos tempos, lembrando que «há 300 anos o povo uniu-se contra Miguel Vasconcelos que quis entregar os portugueses aos espanhóis». Para José Manuel Coelho, Sócrates «traiu a pátria» e está «subserviente aos interesses estrangeiros», nomeadamente aos da «feiticeira Merkel».


E no dia (e à hora) em que aconteceu uma das maiores manifestações de sempre neste país contra a putrefacção da classe política, as televisões portuguesas de canal aberto transmitiam (por volta das 18:15) o seguinte:

RTP1 - Portugal No Coração - Especial Rei Do Acordeão




RTP2 - Desporto 2 - Euro 2012 - jogo de qualificação




SIC - Filme «Basta!»




TVI - Liga Zon Sagres - Rio Ave x Sporting


.

21 comentários:

Anónimo disse...

As telebisões, é bisto, son una mierda, peores que la missa, que la reza y los curas, que ya no se comparan en tal de retraso ni esclavitud.

Anónimo disse...

Sem duvida!! tá tudo bem controlado pelo poder!!

Anónimo disse...

A escória jornalística devia ter vergonha.
Aldrabões que se queixavam do fássismo!
Estes bácoros andaram a convencer papalvos que lutaram contra a censura antes do golpe.
Agora dão o cu por uns tostões.
Grandes antifássistas!
Puta que os pariu!

Diogo disse...

Os Bancos, que são quem dirige todo o jogo, têm no bolso os políticos e os Media. Daí assistirmos a estes silenciamentos criminosos.

nonas disse...

Caro Diogo,
A cobertura televisiva da manifestação de Lisboa e do Porto foi feita em directo na RTPN e na TV24, que embora sejam canais de cabo, fez a cobertura do início ao fim e foram 3 horas em directo.

Anónimo disse...

Falou-se nisto durante semanas em todos os meios de comunicação social. Abriu todos os telejornais. Vai ser "analisado" e "debatido" durante a semana inteira.

Algum canal generalista, que tem o objectivo de ter audiências, ia transmitir em directo uma manifestação sem objectivos nem líderes (puro choradinho inconsequente) quando tem canais por cabo?

Anónimo disse...

Televisões de Merda!

Jornalistas corruptos. Pagos a peso de ouro para dizerem...''são de extrema esquerda...'' ou ...''são os os comunistas...'', que falem a verdade. Nem respeitam o seu código ontologico. Cambada de nazis.

Anónimo disse...

Caro Nonas tambem andas a dormir!

Diz: quantas pessoas têm a possibilidade de pagarem TVI24 ou RTPN ou a SIC N? Quantas?

Era obrigação ser no canal estatal (canal em aberto)

Anónimo disse...

Eu por acaso nem tenho TV Cabo em casa, mas presumo que mais de 40% da população portuguesa tenha (segundo um estudo da ANACOM em 2008...com um crescimento médio anual exponencial já deve ter subido bastante).

E "código ontológico"?? Porque é que não usam dicionários?? Nem escrever sabem!!! Depois querem empregos bem pagos. Coitadinhos. Na construção civil há sempre empregos para gente literata como vós.

Diogo disse...

Caro Nonas,

Eu sei que houve cobertura na RTPN e na TV24 (eu segui-a na RTPN). Mas não acha que o acontecimento tinha importância suficiente para ser transmitido num ou mais canais abertos?

Anónimo disse...

Ò anónimo,os literatos deste país têm servido para quê?
Para mamar subsídios?
Para mentir e dormir na cama dos corruptos?
Para pedir casamentos de anormais?
Mesmo que o homem fosse analfabeto,tem o direito à opinião,ou não?

Carlos disse...

Geração (e futuras gerações) à rasca por causa dos rascas de anteriores gerações.

Anónimo disse...

Os literatos deste país têm servido para aquilo que servem os literatos de todos os tempos: fazerem melhor que todos os outros aquilo que fazem bem e que exige dotes especialmente importantes que a maioria dos outros não tem nem sequer sonha que existam.

Muitas das pessoas que ocupam altos cargos na administração local e nas empresas públicas e alguma da classe política e mediática mais influente não tem nada de literato: são sim o espelho do povinho de onde vêm ("quanto mais compreendido pelo homem comum, melhor"), por isso muitos são chico-espertos incultos e incompetentes em vez de agentes públicos educados e responsáveis.

Quanto ao resto do seu comentário: não é preciso ser literato para "mamar subsídios"; 60% da população portuguesa vive à custa do Estado. Toda a gente tem direito à opinião. Mas só um "literato" tem o dever de dar opiniões fundamentadas. O resto é conversa de café.

Anónimo disse...

Antes do 25 de Abril estive em várias manifestações, onde, pontualmente, se era obrigado a cavar para não levar porrada da polícia. Disso, nem se falava em TVs ou jornais.
Estudei, formei-me e fui à procura de emprego no nosso pequeno país. Também não foi fácil.
Esta "gajada", meio apaneleirada, tem honras de TV, antes e depois, representantes de partidos burgueses a opinar sobre a sua importância, mentecaptos do cancionetismo nacional feitos filósofos de pacotilha a "cagarem" sentenças antes da manifestação.
Ainda queriam acompanhamentos em directo??? Vão trabalhar, malandros!

Joaquim de Portugal

Carlos disse...

Caro Joaquim de Portugal
Fico sempre um pouco perplexo com afirmações que se fazem.
Afinal, ao contrário daquilo que querem fazer crer, antes do 25/4 era possível fazerem-se manifestações. Pontualmente lá se tinha de cavar. Afinal parece que o Salazar não foi tão mau como querem fazer crer?!

Confesso que tenho um sentimento misto em relação a esta manifestação. Foram, berraram, etc, manifestaram-se, e...
Parece-me que estão mesmo à rasca...

Anónimo disse...

Claro que sim que era possível manifestar-nos. Tomates era coisa que não faltava e eram utilizados adequadamente.
Carlos, lindinho, se o Salazar era mau ou não, isso era outra história, aliás já resolvida.Maus e bons há sempre nestas coisas.
Mas vamos ao que interessa: Estás perplexo, porquê? Essa perplexidade que te perpassa é ral ou apenas achaste que era a palavra adequada para comentar um comentário politicamente poco correcto, segundo os teus padrões.
Passa bem queridinho!

Joaquim de Portugal

Carlos disse...

Joaquim de Portugal
Pois é. Salazar o terrível ditador afinal deixava manifestarem-se... lol
Acusas-te os outros de apaneleirados, mas afinal, parece ser uma linha da tua conduta. Vai chamar queridinho e lindinho a quem te fez a orelhas. Percebes-te?
Esta situação, infeliz, de teres levado com a dita-dura durante muito tempo, deixo-te num estado lastimável... procura outro!

Flávio Gonçalves disse...

Caro Diogo, fiquei surpreso com a adesão, pessoalmente pensei que ia ser um flop que nem movimentaria uma centena de pessoas, e inicialmente tive essa sensação uma vez que tenho hábito anti-português de chegar 30m mais cedo a tudo e aquilo estava vazio, mas passadas as 15h encheu.

Saude24 disse...

Livro “Saude 24 horas” – guia de saúde para todos com soluções e dicas para mais de 100 problemas de saúde, Gripe, constipações, febre, tosse, garganta inflamada, colesterol, tiróide, diarreia, obstipação, queimaduras, bebés, grávidas, contracepção, menstruação, disfunção, entre outros. Plataforma de apoio www.saude24horas.net. Deplanobooks editora.

www.saude24.net agora em livro, livro Saude 24 horas, de Carlos Edgar

Diogo disse...

Caro Flávio, os portugueses já começaram a perceber o jogo dos políticos.

Anónimo disse...

Esta é a geração que ainda não tinha estado à rasca.
A primeira vez custa mais.