terça-feira, julho 15, 2014

Ou o Hamas é o mais inepto dos grupos terroristas do Médio Oriente ou não passa "tout court" de uma criação da Mossad Israelita…


Paradoxalmente, os foguetes lançados pelo Hamas contra Israel provocam habitualmente menos mortos e feridos do que os foguetes lançados nas festas de São Mateus na vila de Soure (distrito de Coimbra)...



Os foguetes lançados pelo Hamas contra Israel (à esquerda) são, por norma, muito menos espetaculares e perigosos que a pirotecnia utilizada nas festas populares em Portugal (à direita).


*********************************************


Milícias palestinianas disparam mais de 130 foguetes contra Israel, afirma o Exército Israelita.

As milícias palestinianas dispararam neste domingo (13-07-2014) mais de 130 foguetes contra alvos em todo o território israelita, sendo que 22 deles foram intercetados pelo sistema defensivo "Cúpula de Ferro" (Iron Dome), informou nesta noite o Exército de Israel.

Uma centena de projéteis disparados alcançou o território israelita, a imensa maioria em áreas desabitadas, mas parte deles acertou em regiões povoadas. Um dos feridos pelos artefatos foi um jovem de 16 anos que sofreu graves ferimentos por não encontrar refúgio quando soaram os alarmes na cidade de Ascalão.

Grupos armados palestinianos dispararam pela primeira vez um foguete de longo alcance contra a cidade israelita de Haifa, a 150 quilômetros de distância da faixa. O artefato fazia parte de uma série de três projéteis disparados durante a tarde. Os outros dois foram intercetados pelo sistema de defesa antes de chegar a Tel Aviv. Nos seis dias de confrontos armados, as milícias tinham alcançado a cidade de Hadera, a 100km da Faixa e a 70km do perímetro de Jerusalém.

Após um período de relativa calma em Israel, as milícias palestinianas voltaram a disparar dezenas de foguetes ao início da noite, ativando os alarmes antiaéreos em mais de 20 localidades num raio de 70 quilômetros ao redor de Gaza, incluído Jerusalém.

Segundo o último balanço dos militares, nos últimos seis dias, os palestinianos lançaram cerca de 940 foguetes. Nesse mesmo período, a Força Aérea Israelita atacou mais de mil alvos na região, totalizando 1.400 toneladas de explosivos.


Uma criança palestiniana vítima de um ataque israelita é chorada por um familiar (foto de há cinco dias atrás). Cento e setenta e dois palestinianos já morreram desde a última terça-feira.

A ofensiva israelita concentrou-se, nas últimas horas, no norte do enclave mediterrâneo, onde milhares de moradores tiveram que abandonar as suas casas por causa de um ultimato dado pelo exército horas antes. Nesse período de conflito mais de 1.120 palestinianos foram feridos. Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, 70% dos mortos e feridos são civis. O exército israelita nega essa percentagem.

Mais de 17 mil palestinianos já abandonaram as suas casas em Gaza e procuraram refúgio junto da ONU após o início da ofensiva israelita na região, segundo a organização.

De acordo com autoridades locais, 172 palestinianos morreram desde a última terça-feira.

O governo de Israel justifica a ofensiva militar como uma retaliação aos ataques contra território israelita a partir da Faixa de Gaza.


*********************************************


Global Research - Hassane Zerouky (2002)

(Tradução minha)


Graças à Mossad, "Instituto de Informações e Operações Especiais" de Israel (Serviços Secretos Israelitas), foi permitido ao Hamas reforçar a sua presença nos territórios ocupados. Entretanto, o Movimento Fatah de Libertação Nacional da Palestina de Arafat assim como a esquerda Palestiniana foram sujeitos à mais brutal forma de repressão e intimidação.


Não esqueçamos que foi Israel que de facto criou o Hamas. Segundo Zeev Sternell, historiador da Universidade Hebraica de Jerusalém, "Israel pensou que era uma táctica astuciosa para empurrar os islamistas contra a Organização de Libertação da Palestina (OLP). "

Ahmed Yassin, o líder espiritual do movimento islamista na Palestina, ao regressar do Cairo nos anos setenta, fundou uma associação de caridade islâmica. A Primeira Ministra de Israel, Golda Meir, viu nisto uma oportunidade para contrabalançar o crescimento do movimento Fatah de Arafat. Segundo o semanário israelita Koteret Rashit (Outubro de 1987), "As associações islâmicas tal como a universidade foram apoiadas e encorajadas pela autoridade militar israelita" responsável pela administração civil da Cisjordânia [West Bank] e pela Faixa de Gaza. "As associações islâmicas e a universidade foram autorizadas a receber dinheiro do estrangeiro."

Os islamistas organizaram orfanatos e clínicas de saúde, bem como uma rede de escolas, fábricas que criaram emprego para mulheres bem como um sistema de ajuda financeira aos mais pobres. E em 1978, criaram uma "Universidade Islâmica" em Gaza. "A autoridade militar israelita estava convencida que estas actividades iriam enfraquecer tanto a OLP como a organizações esquerdistas em Gaza." Nos finais de 1992, existiam seiscentas mesquitas em Gaza. Graças à Mossad israelita, foi permitido aos islamistas reforçarem a sua presença nos territórios ocupados. Entretanto, os membros da Fatah (Movimento para a Libertação Nacional da Palestina) e a esquerda palestiniana foram sujeitas às mais brutais formas de repressão.


Em 1984, Ahmed Yassin foi preso e condenado a doze anos de prisão, depois da descoberta de um depósito de armas escondido. Mas um ano depois, foi colocado em liberdade e retomou as suas actividades. E quando a Intifada (insurreição) começou, em Outubro de 1978, que apanhou os islamistas de surpresa, o Xeque Ahmed Yassin respondeu criando o Hamas (O Movimento de Resistência Islâmico): "Deus é o nosso princípio, o Profeta o nosso modelo, o Corão a nossa constituição", declara o artigo 7 dos estatutos da organização.

Ahmed Yassin estava na prisão quando os acordos de Oslo (Declaração de Princípios de um Governo Interino) foram assinados em Setembro de 1993. O Hamas rejeitou os acordos completamente. Mas nesse tempo, 70 % dos palestinianos condenaram os ataques aos civis israelitas. Ahmed Yassin fez tudo quanto estava ao seu alcance para sabotar os acordos de Oslo. Ainda antes da morte do Primeiro Ministro israelita Yitzhak Rabin (1995), Yassin tinha o suporte do governo israelita. Yassin estava muito relutante em implementar os acordos de paz.

O Hamas lançou então uma campanha de ataques contra civis israelitas, um dia antes do encontro entre os negociadores palestinianos e israelitas, relativamente ao reconhecimento formal por Israel do Concelho Nacional Palestiniano. Estes acontecimentos contribuíram largamente para a formação para a formação do governo israelita de direita que se seguiu às eleições israelitas de Maio de 1996.

Inesperadamente, o Primeiro Ministro Netanyahu deu ordens para que o Xeque Ahmed Yassin fosse libertado da prisão ("por motivos humanitários") onde estava a cumprir uma pena de prisão perpétua. Entretanto, Netanyahu, com o Presidente Clinton exerciam pressão sobre Arafat para controlar o Hamas. Na realidade, Netanyahu sabia que podia contar, mais uma vez, com os islamistas para sabotarem os acordos de Oslo. Pior ainda: depois de ter expulso Ahmed Yassin para a Jordânia, o Primeiro Ministro Netanyahu permitiu o seu regresso a Gaza, onde foi recebido triunfalmente como um herói em Outubro de 1997.


Arafat estava impotente face a estes acontecimentos. Mais ainda, como tinha apoiado Saddam Hussein durante a Guerra do Golfo de 1991, (enquanto o Hamas prudentemente se absteve de tomar posição), os Estados do Golfo decidiram cortar o financiamento à Autoridade Palestiniana. 

Entretanto, entre Fevereiro e Abril de 1998, O Xeque Ahmad Yassin foi capaz de recolher centenas de milhões de dólares, desses mesmos países. Diz-se que o orçamento do Hamas era maior do que o da Autoridade Palestiniana. Estas novas fontes de financiamento permitiram aos islamistas continuar efectivamente as suas actividades caritativas. Estima-se que cada um em três palestinianos recebe ajuda financeira do Hamas. E neste aspecto, Israel não fez nada para travar o fluxo de dinheiro para os territórios ocupados.


O Hamas conseguiu tornar-se forte através dos seus vários actos de sabotagem do processo de paz, de uma forma que era compatível com os interesses do governo israelita. Por seu lado, este último procurou de várias formas impedir a aplicação dos acordos de Oslo. Por outras palavras, o Hamas estava a cumprir as funções para as quais foi originariamente criado: impedir a criação de um Estado palestiniano. E sobre isto, o Hamas e Ariel Sharon, estão absolutamente de acordo; estão exactamente no mesmo comprimento de onda.


Israel, o maior e único porta-aviões americano que é impossível afundar

Nalguns aspectos claramente demarcados, o actual apoio dos Estados Unidos ao governo israelita corresponde aos interesses próprios americanos. Numa região onde o nacionalismo árabe pode ameaçar o controle de petróleo pelos americanos assim como outros interesses estratégicos, Israel tem desempenhado um papel fundamental evitando vitórias de movimentos árabes, não apenas na Palestina como também no Líbano e na Jordânia. Israel manteve a Síria, com o seu governo nacionalista que já foi aliado da União Soviética, sob controlo, e a força aérea israelita é preponderante na região.

Como foi descrito por um analista israelita durante o escândalo Irão-Contras, onde Israel teve um papel crucial como intermediário, "É como se Israel se tivesse tornado noutra agência federal [americana], uma que é conveniente utilizar quando se quer algo feito sem muito barulho."

O ex-ministro de Estado americano, Alexander Haig, descreveu Israel como o maior e o único porta-aviões americano que é impossível afundar.

O alto nível continuado de ajuda dos EUA a Israel deriva menos da preocupação pela sobrevivência de Israel mas antes do desejo de que Israel continue o seu domínio político sobre os Palestinianos e que mantenha o seu domínio militar da região.

Na realidade, um Estado israelita em constante pé de guerra - tecnologicamente sofisticado e militarmente avançado, mas com uma economia dependente dos Estados Unidos - está muito mais disposto a executar operações que outros aliados considerariam inaceitáveis, do que um Estado Israelita que estivesse em paz com os seus vizinhos.

Israel recebe actualmente três mil milhões de dólares (em 2002) por ano em ajuda militar dos Estados Unidos.
.

9 comentários:

J. Lopes disse...

Não digo que os palestinianos em Gaza não estejam a disparar foguetes, mas será mesmo assim? Tudo o que vejo é o Netanyahu nos telejornais a dizer que 600 foguetes foram disparados a partir de Gaza. Mas acho difícil acreditar que numa prisão a céu aberto chamado Gaza, onde não podem sequer contrabandear comida, possa haver contrabando de foguetes.

E SE… os palestinianos não estão a disparar "foguetes a partir de Gaza"? E se estão simplesmente a "dizer" que o estão a fazer?

Netanyahu disse que os israelitas bombardearam 1.100 alvos em Gaza. Se eles já sabiam com antecedência de onde é que os foguetes partiam então por que é que não os bombardearam antes?

Israel que controla / ocupa totalmente Gaza e que conhece cada centímetro do terreno quer-nos fazer crer que só descobriram há poucos dias que havia 1.100 alvos para bombardear?

Jorge disse...

Em 1947 foi dada aos israelitas uma terra para viver e estes não se têm comportado de uma forma muito diferente dos brutos que quase acabaram com eles na Segunda Guerra Mundial.

Anónimo disse...

Continuamos a ouvir os anti-semitas e os inimigos de Israel a perguntarem porque é que ainda não há judeus mortos neste conflito.

E não ficam felizes até haver judeus a morrerem. Ficam irritados porque Israel está a matar árabes. Mas são as mesmas pessoas que ficam em silêncio sobre o grande número de árabes mortos na Síria e no Iraque.

Alex disse...

O mundo tem de saber que o Hamas é um fantoche sionista! Eles disseminam propaganda sionista sem os árabes saber.

Thor disse...

"Numa região onde o nacionalismo árabe pode ameaçar o controle de petróleo pelos americanos"


o controle do petróleo pelos JUDEUS, queres tu dizer Diogo.

li o teu artigo e continuas a insistir no mesmo erro de fundo e na mesma ingenuidade.

israel não é manipulada pelos EUA e sim AO CONTRÁRIO.
israel não está ao serviço de interesses americanos e sim PRECISAMENTE O OPOSTO.

são os judeus quem controlam a política externa dos EUA, através do congresso e da casa branca, logo movem mundos e fundos para ajudar israel e para defenderem os interesses financeiros dos judeus.

não há nenhum "imperialismo americano", mas sim imperialismo SIONISTA, com os EUA a servirem meramente de fantoche

Diogo disse...

Thor, sim e não.

Os judeus funcionam tipo pirâmide. A “classe baixa” (a esmagadora maioria) é perfeitamente descartável e serve para mostrar que, afinal, os judeus são iguais aos não-judeus. Entre outros, são aqueles que foram obrigados, contra a sua vontade, a fugir da Alemanha nazi para povoar Israel (ou eram metidos em campos de concentração).

Depois vem uma classe média que já beneficia bastante por pertencer à «irmandade» judaica».

Por último, vêm os judeus de topo que controlam o mundo todo.

Os «sionismo» é apenas um braço criado em finais do século XX para justificar uma «pátria judaica», na realidade, uma base militar junto dos países do petróleo e do Canal do Suez. Os judeus que vivem em Israel fazem parte da “classe baixa” ou descartáveis.

Donde, e como bem disseste, o imperialismo não é americano , mas sim judeu.

E como a religião judaica é uma treta (tal como as outras todas) e não existe nenhum povo judeu, pode-se concluir que o Judeu Internacional é a máfia mais poderosa do mundo.

Pedro Lopes disse...


Umas horas após a queda misteriosa e polémica de um avião de passageiros(o 2º da mesma companhia em pouco tempo), o IDF lança uma ofensiva terrestre sobre Gaza e vai massacrando a população á bruta .......

Hummmm,

Há quem diga que me politica não há coincidências...

taawaciclos disse...

Boas!

Dá sempre MUITO JEITO ter uns grupos de "terroristas" sempre ali à mão!

O complexo MILITAR/Serviços Secretos agradecem o trabalho contínuo e o LUCRO obtido!

Quanto aos foguetes! De facto mais valia construírem umas catapultas móveis e lançarem uns barris com pólvora e dinamite! Nem que fosse só para variar...

Anónimo disse...

http://infoconnoticias.blogspot.com.ar/2014/07/el-secuestro-y-asesinato-de-jovenes.html