quinta-feira, novembro 26, 2015

A transfiguração do terrorismo na Europa - a substituição de grupos terroristas europeus por grupos terroristas islâmicos...




Depois do desmoronar da União Soviética, a NATO, a CIA e os Serviços Secretos da Europa Ocidental converteram de forma magistral os «terroristas radicais da extrema-esquerda e da extrema-direita europeus» em «terroristas radicais islâmicos».

Alguns dos grupos terroristas radicais europeus mais conhecidos foram o «Nuclei Armati Rivoluzionari» e as «Brigadas Vermelhas», respectivamente da extrema-direita e da extrema-esquerda italiana, o «Nationalsozialistischer Untergrund» e o Grupo «Baader-Meinhof», respectivamente da extrema-direita e da extrema-esquerda alemã, o «Projekt 26» da extrema-direita suiça, etc.

A Operação Gládio consistiu numa operação secreta americana na Europa Ocidental que recorreu a redes clandestinas ligadas à NATO, à CIA e aos serviços secretos da Europa Ocidental durante o período da Guerra Fria, chamadas células «stay-behind». Implantadas em 16 países da Europa Ocidental, essas células visavam (supostamente) deter a ameaça de uma ocupação pelo bloco do Leste e estavam sempre prontas para ser activadas em caso de invasão pelas forças do Pacto de Varsóvia. A mais famosa foi a rede italiana Gládio.

O verdadeiro objectivo da Operação Gládio era espalhar o terror e criar um clima de tensão permanente na Europa Ocidental.




A rede clandestina internacional englobava o grupo dos países europeus que pertenciam à NATO: Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Grécia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Portugal, Espanha e Turquia, bem como alguns países neutrais como a Áustria, a Finlândia, a Suécia e a Suíça.

Há uns tempos, algo inexplicavelmente, o Canal História trouxe a lume, apresentando provas bastante consistentes, esta exposição do terrorismo americano contra cidadãos europeus ocidentais em solo do velho continente nos anos 50, 60 e 70. Os atentados mais famosos foram os levados a cabo na Bélgica, na Alemanha e ainda os que ficaram conhecidos como Operação Gládio na Itália. É um vídeo fundamental para se perceber o mundo em que vivemos hoje, que poderes se mexem na sombra e como somos insignificantes e sacrificáveis nestes jogos de guerra. É um documentário que eu não aconselho ninguém a perder.




*****************************


Entre os muitos actos de terrorismo da Operação Gládio, destacam-se:



O massacre de Bolonha (em italiano: Strage di Bologna) foi um atentado terrorista na Estação Central em Bolonha, Itália, na manhã de sábado, 2 de agosto de 1980, que matou 85 pessoas e feriu mais de 200. O ataque foi materialmente atribuído à organização terrorista neofascista Nuclei Armati Rivoluzionari. As suspeitas de envolvimento do serviço secreto italiano surgiu pouco depois, devido aos uso de explosivos ​​para a bomba e o clima político em que o massacre ocorreu, mas nunca foi provado.


*************************************



O atentado bombista dentro do Banco Nacional de Agricultura, na Piazza Fontana da cidade de Milão, em Itália, a 12 de Dezembro de 1969, que matou 17 pessoas e feriu 88. O atentado da Piazza Fontana foi uma grave ação terrorista que pela sua gravidade e importância política, assumiu um papel histórico, sendo geralmente considerado como o primeiro ato produzido pela estratégia da tensão. A responsabilidade pelos ataques foi atribuída a grupos de Extrema direita.

No "Memorial Moro", compilação do interrogatório a que Aldo Moro (que ocupou por cinco vezes o cargo de primeiro-ministro da Itália ) foi submetido pelas Brigadas Vermelhas, enquanto foi mantido em cativeiro, Moro teria indicado como prováveis responsáveis pelo atentado, bem como pela estratégia da tensão, ramificações do Servizio Informazioni Difesa (o antigo serviço secreto italiano), onde estariam infiltradas várias figuras ligadas à direita, com possíveis influências de elementos de fora da Itália.


*************************************



Os massacres de Brabant, na Bélgica, que decorreram entre 1982 e 1985 e nos quais morreram 28 pessoas e outras 20 ficaram feridas. Na imagem o supermercado Delhaize onde foram mortas cinco pessoas.

Os últimos ataques dos massacres de Brabant levaram a rumores de que os terroristas tinham algum tipo de conhecimento interno e, possivelmente, a cumplicidade da Gendarmerie (corporação policial). Foi sugerido que o "Stay-behind" belga (Gladio) - operando como um ramo secreto do serviço militar belga tinha ligações com o gangue terrorista.


*************************************



O ataque terrorista Oktoberfest foi um ataque terrorista atribuído à direita radical. Em 26 de setembro de 1980, 13 pessoas morreram e 211 ficaram feridas após a explosão de uma bomba improvisada na entrada principal da Oktoberfest em Munique, Alemanha Ocidental. O ataque foi atribuído ao extremista de direita Gundolf Köhler, que foi morto ao colocar o dispositivo explosivo; no entanto, permanecem dúvidas quanto a saber se ele agiu sozinho.

Tudo o que se sabe sobre o ataque à bomba na Oktoberfest de Munique e, especialmente, a reação das autoridades, está em conformidade com o padrão de cooperação seguida pela NATO e pelas suas forças paramilitares secretas na Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial - cooperação que está, possivelmente, ainda em curso. A existência dessas forças "stay-behind" tornou-se amplamente conhecida na Itália em 1990. Foi provado que os atentados em muitos países europeus, como à estação central de Bolonha, poucas semanas antes de ataque ao Oktoberfest em 1980, puderam ser atribuíveis à Gládio. As primeiras tropas de choque paramilitares das forças Gladio na Alemanha foram estabelecidas por agentes da inteligência americana e ex-nazis logo depois da guerra.



*************************************


Evidentemente que, com a implosão da União Soviética houve que arranjar outros "inimigos" para continuar o terrorismo da NATO e da CIA - os «felizes» contemplados foram os Muçulmanos.

E aí entram os «terroristas islâmicos» em acção para aterrorizar os ocidentais:







A Lista completa dos atentados islâmicos AQUI.

13 comentários:

Orlando disse...

O ex-primeiro-ministro italiano, um juiz italiano e o ex-chefe da contra-espionagem italiana admitiram que a OTAN com a ajuda do Pentágono e da CIA, realizaram atentados terroristas em Itália e outros países europeus na década de 1950, culpando os comunistas a fim de reagrupar o apoio das pessoas para os seus governos na Europa, na luta contra o comunismo. Como um participante neste programa secreto anteriormente declarou: "Era preciso atacar civis, pessoas, mulheres, crianças, pessoas inocentes, pessoas desconhecidas distantes da política. A razão era muito simples. Eles deveriam forçar essas pessoas a recorrer ao Estado pedindo maior segurança".

Thor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thor disse...

muito bom post.
e falta aí Camarate, mais uma false-flag que se inseriu nessa Operação Gladio da Cia.

João disse...

Pois é...
Tudo resumido é politica.
O fascismo financeiro não conhece fronteiras.
Neste momento talvez seja mais correcto falar de exercito mercenário do que terroristas.
Todos os países europeus sabem quem eles são

N disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
N disse...

"O fascismo financeiro não conhece fronteiras."

Então não foram os aliados que combateram o Fascismo?
João-----» http://blogs.odiario.com/bahr-baridades/wp-content/uploads/sites/73/2013/02/camisa-de-for-Ca.jpg


Quanto à Nato... Longe de morrer por amores ou até mesmo respeito por tal organização, o facto é que a solução é tentar conquistar a mesma por dentro, de modo a que esta sirva os interesses Arianos e não sionistas.
Neste momento a Nato é composta maioritariamente por soldados Arianos, com verbas provenientes maioritariamente dos impostos dos Arianos, constituída que é a organização maioritariamente por Nações (ainda)Arianas; mas no entanto está maioritariamente ao serviço dos judeus. E tal situação, é INACEITÁVEL.

Mas qual a alternativa à Nato?
Portugal por exemplo, tem satélites no espaço por acaso?


Todos mandam bitaites, mas não sabem do que falam, nem procuram estudar. O que conta é mandar bitaites.

Para uma Nação ser soberana; tem que ter poderio militar+consciência racial/étnica+autoritarismo(legítimo) na forma de regime.

A democracia é incompatível com soberania, já que o poder político-financeiro é controlado por não-nativos(judeus). E o poder militar, a maior parte é fantoche/mercenário dos judeus.

Pedro Lopes disse...


O velho e esfarrapado jargão do denominado "fascismo financeiro"

ó joãozinho, toma lá e não digas que vais daqui.

http://legiaovertical.blogspot.pt/2015/07/mussolini-queima-divida-publica.html

Thor disse...

eu não sou daqueles fanáticos à la bloco de esterco a pedir o fim da NATO ou a saída de Portugal da NATO, mas é um facto que a NATO é, efectivamente, uma organização terrorista e, se calhar, não é muito realista querer "reformá-la" ou "tomá-la" por dentro.

o melhor é destrui-la e depois criar uma outra organização parecida, mas mais Ariana e sem judeus nenhuns.

Pedro Lopes disse...


Vejam bem para onde vai o pitroil do estado democrático(Isis).

http://www.alaraby.co.uk/file/Get/c79f308b-7a1f-4e1d-88d5-0f3ce1654949

Anónimo disse...

https://www.youtube.com/watch?time_continue=100&v=UJVRyMkBXeM

Pedro Lopes disse...


A Lógica do "Gun Control" nos EUA.

Tem imensa lógica.Imensa!

http://www.godlikeproductions.com/sm/custom/a3074bd98d.jpg

N disse...

Tentar juntar lógica com democracia, é a mesma coisa que tentar juntar água com azeite.

http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/08/o-circo-democratico-nos-eua-sob.html

Thor disse...

http://hyperborea-land.blogspot.pt/2013/07/queniano-quer-desarmar-eua-mas-arma.html