quinta-feira, janeiro 07, 2016

Paulo Morais e a corrupção: Quem ele já acusou e de quê


Observador - 9/4/2015


O mais recente candidato presidencial, Paulo Morais, passou os últimos 15 anos a falar em corrupção. Foi vereador do Urbanismo, queixou-se ao MP mas nenhuma denúncia teve seguimento.

Paulo Morais - indubitavelmente o meu candidato a Presidente da República

Paulo Morais foi vice-presidente da Câmara do Porto


Paulo Morais tornou-se conhecido na vida política quando integrou a primeira candidatura de Rui Rio à Câmara do Porto em 2001. A campanha fez-se contra a herança dos socialistas Fernando Gomes e Nuno Cardoso e o ataque à política de urbanismo tornou-se uma das grandes bandeiras da candidatura social-democrata. Ao longo dos anos, fez várias denúncias. Acabou por ser afastado do cargo de vice-presidente de Rio. Nenhuma das acusações deu origem à abertura de um processo pelo Ministério Público.


Metro do Porto

Metro do Porto decidiu pagar quase 9 milhões
por um terreno que sabia valer menos de 5 milhões

Um dos casos que denunciou ao Ministério Público tem a ver com a gestão socialista na Câmara do Porto. “O Metro do Porto resolveu adquirir uns terrenos no Campo dos Salgueiros. Estavam avaliados na ordem dos 5 milhões de euros. Mas o Metro decidiu pagar quase 9 milhões por um terreno que sabia valer menos de 5 milhões. Fiz uma denúncia, apresentei documentos oficiais, avaliações, atas do conselho de administração do Metro, e o MP entendeu arquivar o processo porque não sabia onde estavam os 4 milhões de euros sobrantes. "O povo português foi roubado em 4 milhões só naquele negócio”, contou Morais.


Autarquias

Em 2005, em entrevista à Visão, Paulo Morais acusa “a maioria” das câmaras municipais de ceder a pressões do sector imobiliário e aponta “uma preocupante promiscuidade entre diversas forças políticas, dirigentes partidários, famosos escritórios de advogados e certos grupos empresariais”. Conta que, enquanto vereador, foi alvo de “pressões ilegítimas” por “membros do actual e dos anteriores governos, partidos…”.

“Face ao teor da entrevista, o Ministério Público irá encetar as diligências necessárias para o apuramento da existência de factos com eventual relevância criminal”, afirmava fonte do gabinete de imprensa da Procuradoria-Geral da República. O então presidente da Associação Nacional de Municípios (ANMP), Fernando Ruas, e o então candidato do PS à Câmara do Porto, Francisco Assis, desafiaram o vereador a concretizar as suspeitas.

O Ministério Público chama Morais, mas concluiu que os dados são insuficientes e arquiva o caso.


Rui Rio

Rui Rio não tira o sono aos interesses instalados

Rui Rio e Paulo Morais nunca explicaram claramente o que aconteceu para este não ter voltado a integrar as listas à Câmara do Porto nas eleições de 2005. Mas o ex-vereador deixou pistas. “Rui Rio não tira o sono aos interesses instalados”, disse em entrevista ao Jornal de Notícias.


Urbanismo

O urbanismo é «a forma mais encapotada e sub-reptícia de transferir bens públicos para a mão de privados», tem dito Morais. Em junho de 2011, por exemplo, critica as “vigarices” na área do urbanismo praticadas por muitos municípios, acusando-os de “valorizar terrenos à ordem dos 2.000% sem qualquer dificuldade”, apenas para beneficiar um determinado “predador imobiliário”.

“Este tipo de máfia só existe em dois tipos de negócios em Portugal: no urbanismo e no tráfico de droga”, frisou, criticando a “promiscuidade absoluta entre Estado e privados”. “A margem de lucro do urbanismo em Portugal só é equivalente à do tráfico de droga”, diz.


Deputados

Os deputados estão ao serviço de quem os financiou e não de quem os elegeu

Outra questão para a qual tem chamado a atenção é a acumulação de funções dos deputados. Em junho de 2011, o ex-vereador da Câmara do Porto acusa do Parlamento de ser “o centro de corrupção” em Portugal. Isto porque muitos deputados são “simultaneamente, administradores de empresas”.

“Dos 230 deputados, 30%, ou seja 70, são administradores ou gestores de empresas que têm diretamente negócios com o Estado”, disse Paulo Morais, num debate sobre corrupção. A Assembleia “parece mais um verdadeiro escritório de representações, com membros da comissão de obras públicas que trabalham para construtores e da comissão de saúde que trabalham para laboratórios médicos”. Na altura, acusa o Grupo Lena de ser o maior fornecedor do Estado português (dados de 2009) e os políticos de criarem “legislação perfeitamente impercetível”, com “muitas regras para ninguém perceber nada, muitas exceções para beneficiar os amigos e um ilimitado poder discricionário a quem aplica a lei”.

“A legislação vem dos grandes escritórios de advogados, principalmente de Lisboa, que também ganham dinheiro com os pareceres que lhes pedem para interpretar essas mesmas leis e ainda ganham a vender às empresas os alçapões que deixaram na lei”, criticou.

Os deputados estão ao serviço de quem os financiou e não de quem os elegeu”, sendo a lei do financiamento dos partidos “a lei que mais envergonha Portugal”, diz, dando o exemplo das concessionárias das SCUT que financiam ao mesmo tempo os partidos.


Comunicação Social

As verdadeiras negociatas vão assim frutificando, enquanto a população anda distraída

O ex-vereador insiste que «só através de uma enorme pressão da opinião pública se poderá atuar ao nível da corrupção nas autarquias». Mas entende também que alguma «comunicação social se transformou no principal sustentáculo do sistema», ao transformar «temas marginais» em «centrais». «A censura não faria melhor», comenta Paulo Morais, considerando que «as verdadeiras negociatas vão assim frutificando, enquanto a população anda distraída».


Processos


Corre atualmente na justiça um processo do escritório de advogados Sérvulo e Associados contra Paulo Morais. O processo terá a ver com declarações do ex-vereador sobre o facto de ter criticado o dinheiro gasto pelo Estado em pareceres encomendados a escritórios de advogados. Já deu como exemplo o código da contratação pública que foi feito por este escritório e que só em pareceres para explicar o código terá facturado cerca de 7 milhões de euros.

49 comentários:

Miguel disse...

Maria de Belém éuma Grande Senhora. A personalidade mais carismática e com o coração mais puro que o PS tem. Maria de Belém conseguirá muitíssimos votos à esquerda e também ao Centro-Direita, ala a que eu pertenço.

Filipe Bastos disse...

Diogo, li e agradeço a informação sobre os processos contra o Paulo Morais, cuja existência questionara num comentário ao post anterior. É "bom" saber que existem: se ninguém o processasse, neste país de mafiosos e virgens ofendidas, é que seria estranho.

A ser um tipo genuinamente sério, como parece, estamos perante a agulha no palheiro desta Partidocracia. Mais ninguém diz as verdades que ele diz, por evidentes que sejam, de forma tão clara e pública. Todos os outros, mesmo os supostos "independentes", estão comprometidos com interesses pulhíticos, económicos e/ou financeiros. Ou simplesmente não vão além das meias-tintas, do politicamente correcto e da reverência pacóvia a todo este putedo, como diz o camarada Arnaldo.

Continua é a ser estranho que ele ganhe esses processos. Entendamo-nos: ou o sistema não se preocupa com Paulo Morais, ou o sistema não está completamente podre. Numa ditadura, já estaria preso ou morto. Numa pseudo-democracia corrompida de alto de baixo, como na América do Sul, não estaria muito melhor. Se por cá vai ganhando processos, então nem tudo é mau.

Ou então, ou em adição, os Donos Disto Tudo não lhe ligam assim tanto... e se calhar até lhes dá jeito haver um Paulo Morais. Não lhe parece?

Pires disse...

É impressionante como a comunicação social faz tanta publicidade a Marcelo rebelo de Sousa. Só falta dizer que já é o presidente da república! Chegam ao desplante de fazer na rádio (antena 1, antena aberta, em 17/12/2015), um programa dedicado a Marcelo R. Sousa. Dizia o entrevistador que todos os candidatos tinham o mesmo tratamento.

Marcelo intitula-se este senhor que é independente! Nada mais falso! Então este homem não está fortemente ligado ao PSD!!! Não nos deixemos enganar, este senhor é o candidato do PSD/CDS/Cavaco Silva. Não nos iludamos! Este senhor é a continuação da politica do governo anterior! É isso que queremos? Ele representa as classes ricas! que os ricos votem nele! tudo certo!!! Mas apelo ás classes pobres! Este senhor não pode ser o vosso candidato! Ele não vai defender as classes pobres!!! Ele defende sim as classes mais ricas.

Tivemos 48 anos de salazarismo/marcelismo, tivemos mais 40 anos com farinha do mesmo saco, mascarados de democracia! É tempo de mudar a politica portuguesa. Não vamos colocar o afilhado de Marcelo Caetano na presidência da Republica.

Diogo disse...

Filipe Bastos: «Continua é a ser estranho que ele ganhe esses processos»

Filipe, Paulo Morais não está exactamente a «ganhar» esses processos. O MP é que chega à conclusão que esses processos não têm pernas para andar. Mas continua sem investigar as acusações que Paulo Morais faz.


Filipe Bastos: «Ou então, ou em adição, os Donos Disto Tudo não lhe ligam assim tanto... e se calhar até lhes dá jeito haver um Paulo Morais. Não lhe parece?»

Aos Donos Disto Tudo calha sempre bem haver vozes dissonantes que dêem uma sensação de democracia. Mas as acusações de Paulo Morais vão muito para além disso.

N disse...

"Ou então, ou em adição, os Donos Disto Tudo não lhe ligam assim tanto... e se calhar até lhes dá jeito haver um Paulo Morais. Não lhe parece?"

Ora nem mais...

Fala da ocupação sionista? Claro que não.
Fala do problema judaico? Claro que não.
Auditoria à divida, quer fazer? Claro que não.
Fala das escutas e videovigilâncias ilegais que os média fazem nas propriedades privadas dos cidadãos através da tvs e boxes? Claro que não.
Fala do plano kalergi? Claro que não.

Dissidentes não têm colinho dos média, e por geral é lhes sabotada a vida.
Há exemplos aqui, na Grécia(Golden Dawn), Itália(Casa Pound), Suécia(Nordfront), Polónia(Nacionalistas Autónomos), Alemanha(NPD e nacionalistas vários), Inglaterra(National-Action), etc...


Acrescentar que o presidente da república é(ilegitimamente, diga-se) numa democracia é o supremo chefe das Forças Armadas.
O paulo morais defende publicamente aqueles que receberam dinheiro seja da cia, seja do kgp soviético, e que TRAÍRAM DELIBERADAMENTE Portugal e os Portugueses no Ultramar.

Como pode ele(e qualquer um dos candidatos, acrescente-se) ter legitimidade para chefiar as Forças Armadas? Ou será que vai-se passar a legislar a obrigatoriedade do mercenarismo e traição nacional ao ingressar nas Forças Armadas?



"Marcelo intitula-se este senhor que é independente! Nada mais falso! Então este homem não está fortemente ligado ao PSD!!! Não nos deixemos enganar, este senhor é o candidato do PSD/CDS/Cavaco Silva. Não nos iludamos! Este senhor é a continuação da politica do governo anterior! É isso que queremos? Ele representa as classes ricas!"


Ó meu caro amigo...O marcelo não é candidato da dita "direita" nem da dita "esquerda". Ele é o candidato do bilderberg; que controla tanto a "direita" como a "esquerda" democrática.

http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/09/advinha-do-dia.html


De todos os palhaços, o paulo morais é o menos mau. Mas o circo irá continuar, não se enganem...
O que é o circo? A democracia obviamente.
http://omsilanoican.blogspot.pt/2012/06/democraciaprisao-sionista.html

Anónimo disse...

Diogo: admito que seja como diz. A ser assim, o Paulo Morais é realmente uma excepção - a única deste país com acesso ao circo mediático. O que ele diz é como água mole em pedra dura. Duvido é que, com a população que temos, alguma vez fure.

N: o programa eleitoral do Golden Dawn, tirando uma ou outra linha, servia como uma luva a Portugal. A começar pela extinção da imunidade paralamentar, anulação da dívida criminosa, e perseguição da canalha que a contraiu em nosso nome.

Lamentavelmente, o Golden Dawn é um bando de hooligans, broncos e alarves, que até vão à TV agredir mulheres. É devido a partidos e grupos como a Golden Dawn que a chamada extrema-direita, e por arrasto a restante e justa oposição a este regime pulhítico-financeiro, continua a ter um péssimo nome, e só rouba alguns votos ao Centrão Podre durante grandes crises. Em tempos normais, não passa da cepa torta.

Filipe Bastos disse...

P.S. Fiquei como Anónimo, mas creio que se percebe que o comentário é meu.

Anónimo disse...

Caro Filipe Bastos

“Continua é a ser estranho que ele ganhe esses processos. Entendamo-nos: ou o sistema não se preocupa com Paulo Morais, ou o sistema não está completamente podre.”

Por incrível que pareça, o sistema não está totalmente podre. Daí Paulo de Morais se basear muito na constituição. Dos que a elaboraram na altura alguns nunca pensaram que pudesse ser um impecilho outros que fosse propositadamente um impecilho ao mau comportamento.

“Ou então, ou em adição, os Donos Disto Tudo não lhe ligam assim tanto... e se calhar até lhes dá jeito haver um Paulo Morais. Não lhe parece?”

De princípio não ligam grande coisa, a não ser que comece a ganhar notoriedade.
No caso de Paulo de Morais até nem dá jeito pela simples razão que ele não só fala como procura que se façam correcções ou justiça.
Dão jeito muitos comentadores como Medina Carreira, Pacheco Pereira, etc, que falam mas não actuam. Quando falam fazem-no em termos abstractos o que acaba por ser nada. Dizem-se umas coisas muito giras mas sempre de forma inconsequente para não arranjar problemas. Quando falam não são acutilantes como Paulo de Morais. Este homem é bem capaz de ser um bom achado para Portugal.
Vai tb ter o meu voto
Carlos
PS
Ainda no outro dia ouvi um comentador dizer que os bancos só emprestam o dinheiro que as pessoas lá depositam... um relíquia. Estes é que são os bons e úties comentadores... lol

Anónimo disse...

“Continua é a ser estranho que ele ganhe esses processos.”
Refiro-me aos processos de difamação que lhe puseram a ele, por ter acusado certas pessoas de corruptas, não à documentação que entregou à procuradoria e que esta preferiu esquecer...
Carlos

Diogo disse...

Sobre os processos contra Paulo Morais, sei que ele tem bons conhecimentos de direito e conhece a constituição de cor e salteado como tem demonstrado no que escreve e no que diz na televisão. Um tribunal que o condenasse podia ver-se em maus lençóis.

Hão-de reparar que todos os «comentadores» evitam falar em Paulo Morais. Até o ex-bloquista com vocação para padre (e agora com um tacho numa televisão) - Francisco Loução, não falou nele ao falar dos vários candidatos.

Ontem, na Quadratura do Círculo, onde só o Pacheco Pereira falou em Paulo Morais e para dizer mal, todos consideraram em uníssono que o melhor debate até agora foi entre o Nóvoa e o Marcelo.

O Nóvoa, só disse banalidades (temos a melhor juventude do mundo, temos a melhor situação geográfica do mundo, temos a melhor prostituição do mundo, etc.), e prometeu estabilidade e fazer «pontes». O Marcelo, fez jus ao epíteto de Picareta Falante: fala de tudo e de nada, muda de opinião ao sabor do vento, concorda com tudo e com todos, etc.

Pedro Lopes disse...

"O Marcelo, fez jus ao epíteto de Picareta Falante: fala de tudo e de nada, muda de opinião ao sabor do vento, concorda com tudo e com todos, etc."

Tens toda a razão Diogo.

Esse matraquilho é usado pela máfia para amansar o rebanho.
Sempre num registo de moderado, optimista, democrático, consensual, bajulador, alcoviteiro etc etc.
É dos indivíduos que mais me irrita. Mas na verdade deixei de ouvir os seus monólogos na TVI há muitos anos atrás.

A minha ideia assim de repente para ele, era uns tipos pegarem nele pelas pernas, abrirem um caixote do lixo daqueles grandes de rua, já a cheira a podre, e atirar com ele lá para dentro e fechar a tampa.
Depois logo se via o que lhe fazer....

Filipe Bastos disse...

Diogo: é verdade, todos evitam falar do Morais. É mencionado rara e vagamente, sempre como um fulano que fala do que não sabe, que acusa todos a eito, de forma injusta e indiscriminada, e por isso não é para levar a sério.

Ouvi também o Pacheco Pereira dizer isso mesmo ontem, na Quadratura dos Chulos. Segundo ele, o Morais até prejudica o combate à corrupção. Claro: o Pacheco é que ajuda o combate, mamando tachos comentadeiros e pulhíticos. Isso é que é luta.

À conta de malhar no governo fantoche Passos/Portas, este governo xuxa já lhe deu tacho na Fundação Serralves... não remunerado, gaba-se o lutador Pacheco. Deve ir de autocarro para lá, e não deve receber um cêntimo em ajudas de custo, senhas de presença ou cartões de crédito, claro...

Pedro Lopes: acho que nunca concordámos tanto em alguma coisa. De bom grado lhe abria (ou fechava) a tampa do caixote.

N disse...

"Lamentavelmente, o Golden Dawn é um bando de hooligans"

São esses "hooligans" que defendem as mulheres Gregas de serem violadas pelos paquistaneses, e que estarão na linha da frente para defender a Grécia da Turquia caso seja necessário.
Esses "hooligans" também foram presos pelos seus ideais, porque não se venderam.


Já os pacifistas, moderados, e "bem comportados", continuam assistir impávidos e serenos às violações das mulheres Gregas, ao saque da sua Nação, e acham que "coragem" é irem votar de 4 em 4 anos nas urnas noutro qualquer partido que não o que está no poder.


Caro Filipe Bastos.
Quando estiver a levar no lombo das polícias sionistas, a ser perseguido por gangs do terceiro mundo, ou terroristas islâmicos, chame os seus amigos pacifistas, moderados e bem comportadinhos. Certamente serão uma grande ajuda...
http://4.bp.blogspot.com/-yWTlZNiIIvw/VemJlU377tI/AAAAAAAANtY/24R3XMN_aDw/s1600/GERA%25C3%2587%25C3%2595ES%2BDEMOCRATAS.PNG


"A favor da corrente, até os peixes mortos nadam..."
-Provérbio Ariano

MPires disse...

Bom dia Diogo Sousa

Estou de acordo com tudo o que Paulo Morais diz sobre a corrupção. O problema do Paulo Morais é que limita a corrupção em si e não combate o sistema ora a causa da corrupção é o sistema o sistema precisa, como pão para a boca, da corrupção, tráfico de droga, tráfico humano, etc. para conseguir uma grande acumulação de capital. Há que ter presente que estas atividades estão associadas à banca, aos off-shores, aos casinos, ao imobiliário,etc. para a lavagem de dinheiro.

Diogo disse...

Olá Mário Miguel,

Não estou de acordo consigo. Mário Morais ataca precisamente o sistema:

1 - A forma de fazer as leis - em que estas são encomendadas a grandes escritórios de advogados a soldo dos grandes interesses económicos e financeiros.

2 - A ligação promiscua entre políticos e os grandes interesses económicos e financeiros.

3 - A sujeição completa do poder judicial ao executivo e a deste aos grandes interesses económicos e financeiros.

Etc., etc., etc.

Abraço

RAMIRO LOPES ANDRADE disse...


EU APOIO PAULO MORAIS Á PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, PARA LIMPAR PORTUGAL DA ESCÓRIA MAÇÓNICA !!!!!!!!!!!!

http://ramirolopesandrade.blogspot.pt/2016/01/eu-apoio-paulo-morais-presidencia-da.html

Filipe Bastos disse...

N: também gosto de ver os tipos do Golden Dawn a denunciar a podridão do Centrão, a hipocrisia dos comunas, ou a receber a Troika anunciando-lhe sem rodeios que é um bando de agiotas e criminosos.

Aprecio quem fala claro. Isto não está para falinhas mansas; há que malhar nesta canalha. Quanto a turcos ou paquistaneses, aleluia: já enjoa tanto multiculturalismo politicamente correcto, que toma todos os imigrantes por cidadãos exemplares, enquanto a Europa é ocupada por selvagens, fanáticos primitivos, e chupistas crónicos.

Esta conversa toda para abreviar a sua. Por não se louvar os seus compinchas, não quer dizer que se seja carneiro moderado.

Basta ter olhos na cara: o Golden Dawn é um óbvio grupo de rufias. Hitler, para o melhor e o pior, era um tipo inteligente, civilizado, sério e capaz. O Michaloliakos e comparsas são mais adequados para porteiros de discoteca. Lembram a herança mais acéfala e brutamontes das SA, que Hitler extinguiu. Até consigo acreditar que tenham mesmo esquemas mafiosos.

São contraproducentes. Ocupam o lugar de quem poderia fazer melhor, em vez de alienar quase toda a gente, dar mau nome às vozes anti-regime, e beneficiar indirectamente o Centrão Podre. Antes um Paulo Morais, que pelo menos vai acordando alguma carneirada.

Thor disse...

Filipe, sim, já sabemos que o Golden Dawn é um "bando de rufias" e que são a encarnação do diabo, por causa de uma chapada numa mulher há uns anos (bocejo)

portanto, o Paulo Morais que se limita a falar de corrupção e dinheiro, mas nunca toca em imigração, refugiados, sionismo, que é todo democrático e polido, que vai debater às TV's como se nada fosse e sem a menor objecção do sistema, é melhor que o Golden Dawn...porque os gajos do Golden Dawn são bisontes e há uns anos, um deles deu uma chapada numa mulher marxista (santinha claro)

tudo menos "arruaceiros". os Paulo Morais e Martelos é que são bons, porque usam gravatinha e portam-se bem, dentro dos limites, e são "sérios", "moderados", "responsáveis" e nunca falam em "conspirações".

Pedro Lopes disse...

Ó Filipe, informa-te melhor sobre o Golden Dawn se faz favor. Tu até já andas a dizer umas coisas acertadas, mas depois ainda te estampas com facilidade quando falas nisto.

Informa-te melhor, pois o bando rufias organiza mensalmente distribuição de comida gratuita(Produzida por empresários Gregos locais) para Gregos(e só Gregos) que estão desempregados e passam enormes dificuldades.

O Bando de rufias conseguiu 19 lugares no parlamento Grego. O Bando de rufias, ajuda comerciantes gregos que são vitimas de assaltos por parte de imigrantes.

O Bando de rufias é a unica organização politica que presta homenagem a militares vitimas de agressão Turca.

O Bando de rufias é a unica organização que presta homenagem aos denominados "300 espartanos" que enfrentaram um exército gigantesco de persas na batalha das Termópilas.

Pedro Lopes disse...

Bem, quanto ao Paulo Morais, eu não sendo um grande entusiasta acerca dele, acho que a sua aparição esporádica nos merdia pode ser positiva.

Ele não toca em assuntos como a imigração, sionismo, marxismo cultural etc, mas nos que toca fá-lo bem feito. É que ele não é propriamente um "intelectual", nem é politico. É uma gajo que devido á suas actividades profissionais foi percebendo os podres e tem a coragem de os denunciar.

Era o mesmo que esperar que uma gajo do meio do futebol e que denunciasse os podres do futebol que viesse falar em sionismo, protocolos de sião e palno kalergi.

Não me parece que ele esteja a intervir publicamente a mando da mão oculta.
Para isso bastaria usarem um marcelo ou uma mariazinha de ninguém ou outro borra-botas qualquer.

Julgo que tem alguma integridade. Não é dali que espero uma mudança de paradigma politico, mas pelo menos ajuda algumas pessoas a acordar do primeiro sono. Depois é necessário acordar do segundo e do terceiro sono.

Diogo disse...

Filipe Bastos, Thor e Pedro Lopes,

1 - Vamos imaginar que a Península Ibérica era uma ilha situada a 200 km a sul de França. E que a Península Ibérica era um país chamado Iberia.

2 - Vamos supor que os Ibéricos tinham uma religião – o Iberismo, semelhante às outras, mas que não existia em mais lado nenhum.

3 – Vamos considerar que os EUA, a Europa, a Rússia e Outros queriam arranjar uma «Guerra ao Terrorismo» para melhor controlar as suas próprias populações (com o MEDO), e para alavancar os respectivos Complexos-Militares-Industriais.

4 – Desta forma, traziam para cá uma catrefa de mercenários assassinos que tinham em carteira (vindos de outros conflitos) e recrutavam mais uns tantos assassinos que existem por cá. Estes assassinos eram treinados e armados e desatavam a assassinar civis por toda a Ibéria.

5 - Os EUA, a Europa, a Rússia e Outros decidiram intervir militarmente para eliminar o «terrorismo». Para tanto bombardearam toda a Ibéria matando indiscriminadamente civis e destruindo cidades inteiras.

6 – Os Ibéricos, apavorados, esfomeados e desalojados, decidiram fugir da Ilha Ibéria tentando sobreviver. Para tanto, metiam-se em barcaças do século XIII (sabendo que um terço delas iam ao fundo) e tentavam alcançar a França e, através dela, outros países da Europa para fugir à morte.

7 – Por seu turno, alguns Europeus viam nestes «emigrantes» uns selvagens, uns fanáticos primitivos e uns chupistas crónicos. Formaram-se até grupos desses Europeus cujo objectivo era defender os autóctones desses chupistas.

8 – Estes Europeus não se lembraram dos muitos milhares de Portugueses, Espanhóis, Italianos, etc., que emigraram, nos anos cinquenta, sessenta e setenta (e hoje), para a França, Alemanha, Suíça, Luxemburgo e tantos outros países apenas para fugir à miséria.

Emigração Portuguesa:

França – 1,5 milhões

EUA – meio milhão

África do Sul – 400 mil

Canadá – meio milhão

Suíça – 150 mil

Venezuela – 400 mil

Reino Unido – 200 mil

Alemanha – 130 mil

Etc., et., etc.

Pedro Lopes disse...

Diogo,

Já agora consegues arranjar a taxa de violações, assaltos, carros incendiados, cometidos pelos Portugueses nesses países que referiste?
Era giro.

E já agora, quem são as principais vitimas disto?
É o complexo militar-industrial?

http://2.bp.blogspot.com/-GZi20c0CD18/Vo-lOXX3nuI/AAAAAAAAHP4/73CQGyHfR0w/s1600/germany_attacks.jpg

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=4969115

http://www.johnmyleswhite.com/notebook/wp-content/uploads/2008/10/reported-crimes-per-capita.png

E já agora consegues sustentar de forma séria que a cultura(para não falar aqui em genes) dos povos Europeus é igual á dos Africanos e árabes e judeus?

A Alemanha será sempre a Alemanha, mesmo que 90% dos Alemães basem ou morram e sejam substituídos por gente de outros continentes?

Bem, é melhor ficar-me por aqui.

Vês conspirações da escumalha sionista em todo o lado mas aqui na questão da imigração não consegues ver o quadro?Bolas!

http://englishnews.org/images/Jewish-European-Union-EU-The-Coudenhove-Kalergi-Plan-The-Genocide-of-the-peoples-of-Europe_Who_created_The_EU=Jews__Created_The_anti-European_Zionist_EU.png


Thor disse...

"3 – Vamos considerar que os EUA, a Europa, a Rússia e Outros queriam arranjar uma «Guerra ao Terrorismo» para melhor controlar as suas próprias populações (com o MEDO), e para alavancar os respectivos Complexos-Militares-Industriais."



Diogo, quando falas em EUA, Europa e Rússia, faltou-te (vá-se lá saber porquê) israel...
e essa "guerra ao terrorismo" de que falas, é SÓ para israel. MAIS NINGUÉM!

e, de facto, tu vês conspirações em todo o lado e até acertas em 80% ou 90% das vezes (reconheço), mas depois, só na questão da imigração e multiculturalismo é que nunca vês conspirações, vá-se lá saber porquê...

reconheces que outros países é que causaram a actual situação da Síria. muito bem! então o que é que te custa admitir que a vaga de imigração e refugiados actual foi premeditada e deliberadamente planeada???


Portugueses imigrados lá fora: eu não sou o culpado de certeza! nem o Pedro Lopes, nem o N, o Filipe Bastos ou outro qualquer. quem criou essa situação foi o capitalismo internacional que tanto criticas (só para o que te convém), logo não tenho que ser refém de situações criadas pelos grandes capitalistas, já que até sou precisamente contra isso, enquanto que o PSD que tanto criticas, e outros, até já mandaram os portugueses ir para fora do país!

ao menos mudem a cassete da "chantagem".

quanto aos "refugiados", uma boa parte deles serão meros imigrantes económicos disfarçados de "refugiados", e alguns são mesmo terroristas ou então violadores (Colónia não me deixa mentir). podem ser até uma minoria, mas não interessa! existem.
existem muitos que fogem da morte, mas também existem muitos aproveitadores e muitos criminosos ou parasitas imigrantes económicos misturados.

Filipe Bastos disse...

Diogo, mesmo dando tudo isso de barato, como comparar os emigrantes portugueses a muitos muçulmanos, por exemplo? Não é preciso ser nacionalista ou xenófobo para constatar diferenças.

Onde estão os portugueses que vivem de subsídios, que têm filhos aos magotes (para receber mais subsídios), que não se integram na sociedade que os recebe, que vestem as mulheres com sacos pretos tipo Mancha Negra, que encaram a religião acima de tudo, que querem impô-la ao país anfitrião, mais os seus costumes medievais, que louvam a "jihad" ou a aprovam tacitamente, que, em suma, querem usufruir de tudo, abdicar de nada, e ainda cospem em quem os acolhe?

Há certamente excepções, mas veja como está a Bélgica, a Suécia, a França, várias cidades da Alemanha e da Inglaterra, Amsterdão, Viena, etc. O ponto de saturação foi há muito ultrapassado.

Claro que já vinham para a Europa antes da guerra. Com ou sem guerra, com ou sem EUA, Rússia, ou Israel, porque é que cá era, e continua a ser, tão melhor do que lá, de onde eles vêm?

Anónimo disse...

Não vale a pena comparar emigração portuguesa com a musla.

Os povos do Sul da Europa foram para o Norte depois da guerra e NUNCA deram problemas de maior. Porquê? Partilhamos os mesmos valores culturais de base. Nós no Sul temos os valores da Antiguidade pagã, que foram trazidos pelos romanos. Os valores das tribos celtas. O Cristianismo original não era mais que uma revisão do que foi dito por Platão e outros filósofos gregos, cedo contaminado pelo dedo semita. O Cristianismo pagão degenerou muito rapidamente mas ainda assim é milhões de vezes melhor que a escória das tribos do deserto da Arábia. Nós na Europa Ocidental somos acima de tudo o resultado da mistura das culturas gregas, romana e celta.

Se querem ver culturas arrasadas olhem para a Turquia e para a Pérsia (Irão). Foram destruídos pela invasão semita. É isto que querem para a Europa?

Agora por favor não comparem emigrantes portugueses com muslos. Basta de parvoíce.

Anónimo disse...

O Marcelo é uma alma feminina.

Portugal precisa de homens viris a governar.

Thor disse...

"Agora por favor não comparem emigrantes portugueses com muslos. Basta de parvoíce."


e mesmo que fosse comparável, não era minimamente aceitável essa chantagem...tal como a imigração musla, a portuguesa também não fomos nós que a criamos. foram os capitalistas.

mesmo no tempo do Salazar, não pensem que ele incentivava a emigração, pelo contrário, até a desencorajava, só que emigravam na mesma, mas clandestinamente.
mas repito, nós não fomos culpados. foram as circunstâncias históricas, a pobreza, as crises mundiais, etc, etc
não temos que ficar presos a isso, nem ser chantageados com isso.

aliás, eu até nem simpatizo muito com a FN, desde que o pai saiu e entrou a filha Marine, mas lá em França até há muito emigrante português que gosta da FN, e isso devia ser esfregado na cara dos Martelos e outros energúmenos que adoram acenar com a chantagem da "emigração portuguesa", coisa que dizem, mas nem eles levam isso a sério. é só mesmo propaganda sionista para "desmobilizar" os nacionalistas.

Anónimo disse...

«mesmo no tempo do Salazar, não pensem que ele incentivava a emigração, pelo contrário, até a desencorajava, só que emigravam na mesma, mas clandestinamente.»

Verdade. Há até um filme com propaganda contra a emigração, que se passa em Porto Santo, do mesmo auto do filme sobre a guerra contra o Gungunhama.

Thor disse...

sim, mas isso aí já é a infiltração judaica na FN a funcionar.
para a FN só contam os muslos.
já gays, judeus, não-brancos e tudo mais, eles defendem, desde que não sejam muçulmanos.

a FN passou a ser merda, desde a chegada da Marine em 2011 ou finais de 2010, não me lembro bem agora...

Anónimo disse...

Mas é uma estratégia necessária para chegar ao poder. E está a resultar.

A Le Pen continua contra o casamento e adopções paneleiras, e contra a propaganda gay. Os gays que a apoiam só querem liberdade para andar na rua sem levarem uma carga de porrada ou uma facada de um fanático muslo. E essa liberdade em cidades como Marselha já desapareceu.

Os judeus apoiam o que interessa no momento. Quando ela vencer a nacionalizar a Banca e a electricidade, quando matar a especulação e quando tirar a França do euro acaba o apoio.

Os pretos também temem pela segurança devido à ameaça musla e ela não os vai expulsar. O que está no programa é a expulsão imediata de quem cometa crimes. E perdem também a nacionalidade, e são expulsos.

Alguma imigração é importante e sempre será quando um país é rico.

A maior ameaça é musla pois reproduzem-se como ninguém e têm uma estratégia política. Acho que acabarão quase todos expulsos da Europa, aguardem...

Thor disse...

oh neocon sionista, baza. este blogue não é o adequado para fazeres a tua propaganda islamofóbica.
nem de perto, nem de longe, os muçulmanos são a "maior ameaça".
já percebeste que aqui ninguém grama os judeus, nem sequer o Diogo, que nem é nacionalista, antes pelo contrário.
nós já topámos há muito a vossa agenda, mas há muito mesmo. e já conhecemos as vossas estratégias, retóricas e truques todos. (eu pelo menos, falo por mim)

e não duvides nem por um momento, que vocês não nos conseguem enganar com a vossa retóricazinha. até podem dizer que também não gostam dos judeus, que é só "estratégia" e bla, bla, bla, mas por favor, façam um favor a vocês mesmos e desistam. vão vender as vossas mentiras para outra freguesia por favor. aqui não há estúpidos nem débeis mentais.

para mim é irrelevante a FN estar no poder ou não. ela é igual aos outros partidos todos.

Filipe Bastos disse...

«Tal como a imigração musla, a portuguesa também não fomos nós que a criámos, foram os capitalistas.»

Os capitalistas, os EUA, os judeus, etc., já começam a ter costas demasiado largas: às tantas ninguém é responsável por nada.

Nos anos 50/60, Portugal tinha ricas colónias e não tinha entrado na II Guerra, graças a Salazar. Mas as pessoas emigravam: porque viviam mal - num país pobre, ignorante, beato, oprimido - e porque os outros viviam melhor.

E não é de agora. O português comum sempre viveu pior que um francês, inglês, holandês, até espanhol. O português atrasa-se, relaxa-se, cospe no chão, não se sabe governar. Mas noutro país, governado por outro povo, como por magia torna-se um trabalhador e cidadão exemplar. Porquê?

Como povo somos assim. A cepa é boa, mas quando deixados a nós próprios é o desastre. Outros povos nem isso têm, como se comprova - não de agora, mas de há séculos. Os árabes ou os indianos não vivem na trampa por acaso.
Da mesma forma, o povo judeu sempre foi um caso à parte. Não são selvagens, pelo contrário, mas sempre foram desprezados por todos os outros povos. Claro que também não é por acaso.

Thor disse...

os judeus não são selvagens? que ideia...

quem fez o 11 de Setembro, Filipinho? achas que foi o "Bin Laden" e os 19 àrabes? rotfl

de que raça era o "Jack The Ripper", o serial killer que estripava todas as prostitutas que encontrava?

de que raça são os maiores e mais cruéis serial-killers de todos os tempos?

quem fez Hiroshima, Nagasaki e Dresden? foram "àrabes", queres ver?

quem criou o comunismo e matou 260/300 milhões de seres humanos inocentes?

ainda não te apercebeste que os judeus são simplesmente a maior escumalha que alguma vez existiu ou existirá??

que qualquer crime que os muçulmanos façam é uma brincadeira ao pé da sede de sangue dos judeus??

eu quis abreviar bastante, podia continuar a lista dos crimes judeus eternamente!

o judeu é o cancro eterno. é um "humanóide" repelente, metade humano, metade símio, sem compaixão, sem escrupúlos, sem sentimentos de nobreza, nada! apenas vontade de extermínio, ganância, falta de escrúpulos, sede de sangue, uma raça imunda que apunhala, mata, vende, trai, engana tudo e todos há sei lá quantos séculos seguidos.

Thor disse...

"Nos anos 50/60, Portugal tinha ricas colónias e não tinha entrado na II Guerra, graças a Salazar. Mas as pessoas emigravam: porque viviam mal"


não entrou na II Guerra, mas por acaso é quase como se tivesse entrado porque teve que andar a ajudar a Alemanha contra os embargos aliados, e a enviar géneros alimentícios e dinheiro para lá. além disso, Portugal também sofreu a Grande Depressão e outras crises.

independentemente disso tudo, que já não é pouco, é verdade que o modelo de Salazar não era o melhor, ninguém contesta isso.
agora, não temos que ficar agarrados a isso.
vivia-se mal nesse tempo, mas agora ainda se vive pior, não te iludas Filipinho.

seja como for, é sempre as políticas, ora democratas, ora outras, que causam a necessidade de muita gente sair do país...e portanto, nada disso nos compromete, já que os nacionalistas são justamente contra a emigração e sangria de portugueses.
cada povo deve estar na sua nação, é isso o nacionalismo. não temos que ficar de pés e mãos atadas, só porque há muito português lá fora, portugueses esses que também estão já fartos de levar com muçulmanos e negros e outros, lá no estrangeiro...

N disse...

"Mas noutro país, governado por outro povo, como por magia torna-se um trabalhador e cidadão exemplar."


Filipe Bastos, porque se calhar é melhor pago e tem menor carga fiscal.

Para se trabalhar bem, há que ser valorizado. E aqui em Portugal o trabalho não é valorizado. Seja o físico, intelectual, ou misto.
Aqui valoriza-se a vigarice, o parasitismo, a traição e o loby gay/pedófilo.
E a somar a isto, o estado ocupado(zog) confisca-te mais de metade do rendimento anual em impostos e taxas.

http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/12/pensamentoimagem-do-dia_27.html
http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/09/meritocracia-democrata.html
http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/12/imagens-do-dia_21.html
http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/06/imagem-do-dia.html
http://omsilanoican.blogspot.pt/2015/05/noticiaimagens-do-dia_14.html

Filipe Bastos disse...

Pronto, aí está o Thor das revelações e verdades bombásticas, que atira como raios, perante o assombro dos comuns mortais. Ai de quem pense ensinar-lhe alguma coisa: já sabe tudo. Só vem cá educar a malta.

Como "elite", os judeus não serão metade humanos (somos todos 100% humanos, infelizmente para o ego da espécie), mas são sem dúvida um cancro mundial. Claro que nem todos serão assim. Ocorre-me por exemplo o David Cole, ou Stein, cujo vídeo de Auschwitz certamente viu.

Naquela altura o que ele fez foi brilhante, e acordou milhares de pessoas. Muitos questionam hoje o tema graças a ele. Por outro lado, com o tempo pareceu cair numa espiral de neurose, mentira e depravação - tudo estereótipos anti-semitas, que nele se comprovam verdadeiros.

Em termos de povos, creio que tanto judeus como muçulmanos fazem tanta falta na Europa como uma viola num enterro.

Anónimo disse...

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT79624

Anónimo disse...

«E não é de agora. O português comum sempre viveu pior que um francês, inglês, holandês, até espanhol. O português atrasa-se, relaxa-se, cospe no chão, não se sabe governar. Mas noutro país, governado por outro povo, como por magia torna-se um trabalhador e cidadão exemplar. Porquê?»

Porque não passamos pela reforma protestante. Just that.

Quanto ao Thor. Calma. Também não gosto de narigudos. Mas vejo que o problema imediato é muslo. E é problema há mais de mil anos. Desde o início que o muslo quer entrar na Europa. Sabes que os ajudou a entrar na Península Ibérica em 711? Os narigudos, que já estavam em conflito com os nativos.

O problema narigudo é de outra categoria. Sabem que os muslos querem expandir-se e tomar a Europa. Portanto, toca a metê-los cá dentro, com a ajuda dos mass media que controlam, que difundem imagens de crianças afogadas para comover as massas. Os narigudos adoram dividir e não me admiraria nada que provocassem outra guerra na Europa.

Anónimo disse...

Caro N,

os narigudos adoram a sodomia... deve ser genético... e não é na dimensão que atribuem aos celtas ou aos gregos (laços de amizade entre soldados), é mesmo na dimensão pornográfica da prática.

Anónimo disse...

Filipe,

as pessoas viviam mal porque já no século XIX viviam mal e antes viviam mal também.

Portugal cresceu como nunca em 200 anos com Salazar no poder. Ponto. Os números estão à vista e crescemos sem endividamento externo. Na década de 60 assustámos os narigudos de Wall Street e começou uma campanha contra Portugal que meteu até o sinistro Vaticano. Portugal antes de 1974 crescia em média mais de 5% ao ano sem dívida. Foram feitas grandes obras públicas que o país precisava e mesmo com a guerra a dívida externa NUNCA aumentou.

Ponte Salazar (agora 25 de Abril), ponte da Arrábida, início da auto-estrada do Norte, centenas de escolas primárias, dezenas de liceus, Hospitais de Santa Maria, São João ou Coimbra, alta universitária de Coimbra, cidade universitária de Lisboa, a maior parte das principais barragens do país, palácios da Justiça nas capitais de distrito. Foram construídos vários quilómetros de estradas. Foi lançado o projecto do porto de Sines e construído o aeroporto do Algarve. Foram projectadas auto-estradas para serem construídas nos anos 80. Foi projectado o Alqueva. Tudo isto era feito sem endividamento externo. Foram reconstruídos os principais monumentos do país: mosteiros de Alcobaça ou da Batalha, Sé Velha de Coimbra, Sé do Porto, paço dos Duques de Bragança, etc. Foi criado o primeiro Parque Nacional, no Gerês. Foram lançadas as bases de uma escola pública e de um serviço nacional de saúde. A mortalidade infantil teve uma queda brutal. Em 1974 Portugal estava nos 25 países mais desenvolvidos do mundo. Hoje já não está. Os dados de 1974 foram recolhidos pela ONU em Portugal em 1973. Éramos o terceiro país do mundo com mais ouro per capita. O Tomé Feteira, que nos anos 60 esteve na lista dos dez homens mais ricos do mundo, decidiu investir cá por confiar em Salazar. Perdeu quase tudo depois do 25 de Abril...

Portugal era pobre porque quando o Estado Novo começou já havia um atraso brutal, um PIB per capita que era metade da média europeia. E o atraso vinha de trás. Causas? Dou-te uma: a Igreja Católica portuguesa. Para melhor controlar o povo fez propaganda do culto da miséria e da pobreza. Outra? As elites, que desprezavam o trabalho. O atraso vem de trás e quem diz que é culpa de Salazar MENTE, MENTE, MENTE.

Anónimo disse...

Os narigudos sediados em Paris e Londres no século XIX endividaram o Egipto para o país falir e ficar dependente, estão a ver porquê? E ao mesmo tempo endividaram Portugal que faliu em 1892, para mamarem África e o país piar baixinho. E agora apanharam-nos de novo, estamos sem poupanças e com dívida, sempre a puta da dívida.

Filipe Bastos disse...

Anónimo,

Salazar era de boas contas, mas de pouco valiam a tanta população que vivia na miséria. Ter os cofres cheios de ouro pouco significa para quem não tem sapatos para os filhos. Já não é do meu tempo, mas no interior, em particular, há histórias dignas do 3º mundo. Desconheço de onde a ONU recolheu esses dados em 74, mas não foi certamente comprová-los no terreno.

Será absurdo culpar Salazar por tudo, pois foi um enorme "upgrade" após a desastrosa I República, e estava a milhas da escumalha actual, mas foi também responsável pelo atraso que sentimos até hoje - e por boa parte desta mentalidade tacanha, corporativa, católica, dos "pobrezinhos e honradinhos" e do pacóvio "sôr doutor", "sôr engenheiro", etc. Foi esse o país que ele criou, não por acaso ou por fatalidade, mas porque o queria assim.

É nossa sina, como povo, termos uma história ímpar - impusemo-nos a um vizinho 5 vezes maior, e chegámos a dividir com ele o Mundo - e uma inépcia também ímpar para nos governarmos.
O melhor governante que tivemos em cem anos, ou mais, encheu os cofres e fez grandes obras, mas legou-nos - ao contrário do que diz da ONU - um país desfasado em várias décadas do resto da Europa.

Diogo disse...

O maior ou menor rigor climático define o grau de organização (e com a tecnologia) e avanço civilizacional de um povo.

Até há uns cem ou duzentos anos atrás, os nórdicos, se não semeassem e colhessem na altura certa e se não tivessem as casas ou cabanas perfeitamente estruturadas, estoirariam com frio e com fome.

Já os habitantes da África Central podem dormir ao relento, todos nus, durante todo o ano, e basta-lhes praticamente estender a mão para colher uma peça de fruta.

Se não tem havido evolução tecnológica em lado nenhum, africanos e nórdicos teriam o mesmo nível de vida. Mas havendo evolução tecnológica, os nórdicos, muito mais organizados, evoluíram muitíssimo mais alcançando um nível de vida muito superior.

Ora bem, entre os africanos equatoriais e os nórdicos, vivem (do equador para o pólo) os magrebinos, os mediterrânicos, os franceses e os alemães, etc. O grau civilizacional vai aumentando de sul para norte, do calor para o frio.

Os meus amigos não concordam?

Anónimo disse...

Filipe,

o povo não precisava que o ouro fosse oferecido como subsídio contra a pobreza.

O povo precisava sim de instrução e de aprender um ofício.

A instrução resolve-se ao longo de 2 ou 3 gerações e foi isso que aconteceu. Foi Salazar que começou a acabar com o analfabetismo quando tornou a quarta classe obrigatória e espalhou centenas de escolas pela província.

Essa mentalidade de que o Estado tem obrigação de espalhar subsídios é nociva.

A pobreza já cá estava antes do Estado Novo.

Conheço também esses casos do Interior porque os vi já em democracia. Mas o problema era outro. Com o povo espalhado por aldeolas nas serras, não é fácil levar infra-estruturas. Os outros do Norte não tiveram este problema pois a população estava já urbanizada quando tínhamos cá o Estado Novo.

Se você distribui subsídios eterniza as desigualdades. E depois ficava sem o ouro, e lá se ia a moeda forte e o plano económico em curso.

Anónimo disse...

Diogo,

isso não explica tudo.

Não te iludas.

O Sul da Europa foi durante milénios a zona mais rica e desenvolvida.

O desenvolvimento do Norte é historicamente recente e mesmo no século XIX ainda não era notório.

Pegando nos suecos, alfabetizaram o povo bem antes dos ingleses e têm uma cultura luterana com tudo o que isso implica.

O problema é cultural. Vê antes as coisas assim. Os países católicos da Europa e da América Latina são os que têm mais problemas mas quando têm governos de Direita conservadora crescem, desenvolvem-se. Com a Esquerda levam o estoiro. A Argentina já foi um dos países mais ricos do mundo. A Itália há 15 anos tinha um PIB idêntico ao da Alemanha. O PIB per capita grego há 40 anos era quase o dobro do nosso, pouco depois de terem saído da ditadura dos coronéis.

Isso do clima é um pouco treta. O que interessa é o modelo político e económico e os padrões morais que uma sociedade assume.

Anónimo disse...

«Será absurdo culpar Salazar por tudo, pois foi um enorme "upgrade" após a desastrosa I República, e estava a milhas da escumalha actual, mas foi também responsável pelo atraso que sentimos até hoje - e por boa parte desta mentalidade tacanha, corporativa, católica, dos "pobrezinhos e honradinhos" e do pacóvio "sôr doutor", "sôr engenheiro", etc. Foi esse o país que ele criou, não por acaso ou por fatalidade, mas porque o queria assim.

Tudo isto que descreves já existia no final do século XIX e está descrito nessa época.

Se leres os textos de Salazar, os seus discursos e entrevistas, verás que ele despreza esta mentalidade que referes.

O corporativismo foi importante durante um certo período. É preciso contextualizar. Muitos negócios tinham uma dimensão familiar e assim não era possível crescerem, modernizaram-se, industrializarem-se. E a propriedade em Portugal era excessivamente pequena em várias partes do país. Por outro lado o proteccionismo visava permitir o crescimento durante umas décadas para as empresas estarem fortes quando houvesse uma ligeira abertura ao comércio externo. Repito, é preciso contextualizar as coisas na época em que ocorreram e os nossos vizinhos mais ricos também fizeram isto.

Anónimo disse...

Quase tudo o que se escreve e diz sobre Salazar é mentira. O que se aprende nas escolas é mentira.

Se querem aprender leiam os textos dos próprios autores, os livros da época, consultem jornais da época, oiçam relatos de pessoas que não estão formatadas. Dá trabalho mas ficarão com a noção real das coisas.

Filipe Bastos disse...

Diogo, há decerto alguma razão na tese do clima, tal como alguns falarão de genética, mas tendo a concordar com o Anónimo: não explica tudo. A Rússia sempre foi gelada e nem por isso muito desenvolvida, tal como os ingleses que foram para a Austrália há 200 anos não se tornaram pançudos preguiçosos (bom, nem todos).

O livro "Why Nations Fail - The Origins of Power, Prosperity, and Poverty" aborda de forma resumida e acessível muito do resto. Na Europa, em particular, a grande viragem que determinou o nosso presente terá ocorrido após a Renascença, na chamada Glorious Revolution, e na Revolução Francesa.

Resumo essa viragem como o atenuar da MAMA: os mamões passaram a mamar menos. Grande parte da população foi deixando a semi-escravidão, e ganhando liberdade, poder e riqueza. O grande abanão seguinte terá sido a Revolução Industrial, e depois a Grande Guerra.

Porém, tanto na Península Ibérica como, por exemplo, na Europa de Leste, o status quo e os mamões resistiram muito mais tempo. Não fomos capazes de dar esse salto, e regime fechado e opressivo do Estado Novo - por leve que fosse, em comparação com outros - não ajudou nada.

Tiago Perneta disse...

A questão é que os processos contra Paulo Morais dão todos razão a este, mas infelizmente todas as denúncias feitas por este caem em saco roto apesar de haver indícios mais que suficientes para abrir uma investigação, estas ficam sempre na gaveta e os processos arquivados, o que não abona nadaem favor da justiça nacional