quarta-feira, maio 23, 2007

No Jornal Expresso - a timidez doentia de dois professores universitários que defendem a opção do aeroporto da Ota


Um artigo, ocupando cerca de 2/3 da página 53 do 1º Caderno do Expresso de 12 de Maio de 2007, tendo por título "Ota: a melhor solução" é assinado por Jorge Gaspar e Manuel Porto da «Univ. Lisboa, Univ. Coimbra».

Os autores ao escreverem no fim do artigo (Univ. Lisboa, Univ. Coimbra) não esclarecem porque não escreveram sequer «Prof.» e muito menos «Prof. de», quase parecendo envergonhados das doutas qualidades que certamente possuem para nos esclarecer em tão tormentoso assunto.

Tratam-se, afinal:

Do excessivamente envergonhado Jorge Manuel Barbosa Gaspar, que foi Director do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa até 2002, tendo realizado já em 1999 um estudo sobre "A localização do Novo Aeroporto Internacional no Contexto do Desenvolvimento do Território", para o Conselho Empresarial do Centro.

E do desnecessariamente complexado Manuel Carlos Lopes Porto, ex-Professor Catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e, até 2005, Presidente da Assembleia Geral da Ana, Aeroportos e Navegação Aérea.

No artigo de opinião, estes especialistas apresentam, entre outras pérolas, os seguintes argumentos de peso:

- A Ota fica no "centro de gravidade" (do território?) a Norte do Tejo (!!!);

- A OTA é "a principal zona logística do País e está na proximidade de Espanha" (!!!);

- A OTA tem "excelentes acessibilidades terrestres, nacionais e internacionais" (!!!);

- "92% dos utilizadores do Aeroporto de Lisboa estão a Norte do Tejo" (onde é que se foi buscar a exacta percentagem de 92%? Talvez, se não se contar os estrangeiros e se não for considerado o aeroporto da cidade do Porto);

- Que o turismo na costa alentejana seria um turismo de massas desqualificado se o aeroporto ficasse a sul do Tejo (mas se ficar a norte, já será um turismo qualificado???);


Comentário:

O que levará homens com tanta formação académica e profissional a tal recato curricular
? Que os terá levado a resguardar o riquíssimo background profissional neste campo, um com um trabalho sobre a localização do Novo Aeroporto Internacional para o Conselho Empresarial do Centro, e outro, com a valiosa experiência como Presidente da Assembleia Geral da Ana, Aeroportos e Navegação Aérea?

Falsa modéstia, timidez doentia, as duas coisas ou nenhuma delas?

9 comentários:

Anónimo disse...

http://www.ceg.ul.pt/invest/jorge_gaspar_2.html

http://www.fd.uc.pt/mensagempcd.php

camarada disse...

Lool, nem sei qual escolher para argumento mais cómico, talvez o das acessibilidades terrestres, nacionais e internacionais.Todos nós sabemos que a route 66 atravessa os states e o atlântico, e ainda boa parte da estremadura portuguesa, e seguindo ainda os exemplos dos 2 senhores (devem ter estudado com o zé socrates) todos nós sabemos que da OTA a espanha é um tirinho, e por isso não se continou a route66.
As coisas que um homem das cidades descobre.
Saudações

xatoo disse...

estou em crer que com a campanha para a autarquia em Lisboa vai haver um debate alargado sobre o assunto.
De qualquer forma a minha opinião sobre o assunto é esta:
1 - Na situação actual do país não deveria haver investimentos vultuosos em infraestruturas deste tipo cuja mais valia é apenas a proporcionada pelo acto de construção em si.
A modernização da Portela poderia muito bem ser conseguida enxotanto dali para fora a parte militar do Figo Maduro
2 - por outro lado, o problema da saturação do aeroporto da Portela deriva do aumento de tráfego das low-costs, assim, com custos infimos elas poderiam ser desviadas para a pista já existente p/e no Montijo, outra área ocupada pela tropa.
Que diacho!, não haverá militares a mais a vegetar em sitios estratégicos para o nosso desenvolvimento?
e já nem falo na nota preta que sai do orçamento geral do Estado para sustentar esses parasitas

Nuno disse...

A propósito, viram e ouviram as mais recentes declarações do super ministro da obras públicas em defesa da OTA. A margem sul é «um deserto» e
«onde não há gente,onde não há escolas, onde não há hospitais, onde não há cidades, nem indústria, comércio,hoteis». Tudo isto existe na OTA em abundância.
Valha-nos Nossa Senhora de Fátima estamos entregues aos bichos.

camarada disse...

Tenho a leve impressão que na margem sul vivem cerca de 800 mil pessoas.Sem escolas nem hospitais? Então deveria era investir-se na melhoria da qualidade de vida das pessoas que vivem na margem sul, em vez de investir num lamaçal.

Normalmente o que o PSD faz no desgoverno, o PS depois desfaz, e vice versa, mas porque raio não acontece isto com a ota, dá-me ideia que eles apenas desfazem o que de facto iria interessar aos portugueses.
saudações

Nuno disse...

OTA

Última hora

Almeida Santos: E se os terroristas dinamitassem uma ponte...

Um argumento de peso.

Valha-nos Nossa Senhora de Fátima. Estamos entregues aos bichos.

camarada disse...

Impressionante.Mais vale construir num lamaçal, no minimo não pode ser dinamitado...
Estamos é entregues a estupidez

Samir Machel disse...

E o Vital Moreira agora também anda ao barulho...

Anónimo disse...

Sa Fernandes pr'a o IRAQUE. Ja agora leva o LOUCA!