sexta-feira, maio 04, 2007

Entrevista a um membro da resistência iraquiana



Dahr Jamail, colaborador da GlobalResearch, entrevistou Abu Mohammed representante do Partido Baas e da Resistência Nacional Iraquiana - 2007-04-20

DJ: Os media ocidentais retratam a maior parte da violência do Iraque como se fossem os Iraquianos a matar-se uns aos outros com carros bomba em mercados, etc. Qual é a sua opinião sobre os iraquianos e a violência no Iraque?

AM: Na realidade, desde o começo da ocupação, a resistência iraquiana tem levado a cabo operações contra as tropas americanas e os seus aliados. Iraquianos a matarem-se uns aos outros e a morte de civis é culpa dos invasores porque existem demasiados partidos e todos estes partidos formam milícias. Algumas destas são apoiadas pelos americanos, outras pelos sionistas (Israel) e outras pelos iranianos. Mas o objectivo da resistência iraquiana é acabar com a ocupação americana e de forma nenhuma matar civis.


DJ: Então quem são os responsáveis pela morte de civis?

AM: As milícias e os invasores. As forças de ocupação e as milícias financiadas pelos americanos, as milícias apoiadas pelos americanos, pelos sionistas e pelos iranianos. O objectivo é fazer com que a resistência apareça como a má da fita, imputando-lhe a matança de iraquianos… A resistência iraquiana é uma resistência patriótica que luta pelos iraquianos. Tem muitos grupos de muitos sectores do Islão e não existe apenas numa certa parte do Iraque. Alguns são do Baasistas, outros são Islamistas…


DJ: Quem é que está a subsidiar e a armar a resistência iraquiana?

AM: No Iraque existem muitas armas. O Baas forneceu-as em número suficiente para combater durante os próximos 15 anos. O Iraque é um país rico com pessoas bastante ricas, por isso o financiamento é interno.


DJ: Quais são as exigências da resistência iraquiana?

AM: Nós proclamamos a libertação e a independência, Não fazemos exigências. Temos direitos. Queremos os direitos iraquianos. Exigimos a devolução dos direitos iraquianos. Os direitos do nosso povo incluem entre outros uma reparação total tanto para o Iraque como para os iraquianos, por todos aqueles que foram mortos desde que as sanções começaram em 1991 até hoje. Durante as sanções, 1,7 milhões de iraquianos foram mortos. E, desde que começou a invasão, de acordo com o relatório da Lancet, foram mortos 655,000 e possivelmente um milhão até hoje.


Comentário:

Esta entrevista confirma o artigo: «A falsa insurgência no Iraque».

«... Já foi exposto que os assassinatos e os atentados bombistas são o trabalho dos "esquadrões da morte" sob as ordens do ministério do interior iraquiano, o qual é inteiramente controlado pela CIA

«... Por esta razão, as tácticas da contra-insurgência projectadas para semear discórdia têm de ser fabricadas e envolvem geralmente a criação de uma insurgência falsa pelo serviço de inteligência militar da força invasora

«... Esta insurgência falsa é composta por grupos de milícias armadas que são pagos pelas forças invasoras para atingir e assassinar grupos distintos entre a população, mais uma vez, segundo critérios religiosos, étnicos ou políticos.»

14 comentários:

Anónimo disse...

Não há nenhuma guerra ao terrorismo! Só mercenários de Bush com toalhas enroladas na cabeça.

O-Lidador disse...

Diogo, meu caro, fiquei só com uma dúvida?
Quem é o ABU MOHAMED e quem representa?

Foi eleito pelo povo para seu representante, ou representa apenas a sua kalashnikov?

E você, representa o quê?

Porque razão se presta a debitar a banha da cobra de um mohamed qualquer?

Que Partido Baas (Socialista)?
Eleito por quem?

Você não sente nem um pedacinho de vergonha por se prestar ao papel de capacho?

Os idiotas úteis brotam como cogumelos....

Diogo disse...

Lidador:

Na revista TIME:

Insurgent representative Abu Mohammed says the nationalists would even tolerate U.S. bases on Iraqi soil.


Nunca lhe passou pela cabeça perguntar-se a si próprio que raio de insurgência é aquela que praticamente só mata iraquianos? Every single day!

O-Lidador disse...

Repito a questão.
O Mohamed representa quem?
Quem o elegeu?
Como é que você sabe que ele representa aquilo que você acredita que ele representa.


Quanto ´a matar iraquianos...há-de perguntar aos espanhóis porque matavam espanhóis durante a guerra civil.
Ou porque iraquianos sunitas matam iraquianos xiitas e vice-versa.

Ou porque argelinos mataram 100 000 argelinos, há coisa de dez anos.
Ou porque libaneses matam libaneses..ou porque cipriotas matam cipriotas.

Chiça, mas você é mesmo tão matumbo como aparenta?

augustoM disse...

O Iraque é o exemplo de como moderno imperialismo actua.
Um abraço. Augusto

Carlinhos Medeiros disse...

É necessário o combate das milícias, homens valorosos e patrióticos, até culminar com a derrota e expulsão dos invasores ianques daquele país.

E, mesmo com a mídia sabuja ocidental apoiando a invasão, sabemos que esses invasores não só matam, como estupram, torturam e roubam, afim de garantirem sua cota de sangue e exibirem seus troféus.

Bom fds pra ti.

Diogo disse...

Lidador: «porque iraquianos sunitas matam iraquianos xiitas e vice-versa»


Se você fosse militar talvez conseguisse perceber isto:

[as tácticas da contra-insurgência projectadas para semear discórdia têm de ser fabricadas e envolvem geralmente a criação de uma insurgência falsa pelo serviço de inteligência militar da força invasora.]

Nicolaias disse...

Diogo,

dê uma olhada nisto:

http://www.midiaindependente.org/eo/blue/2005/05/316405.shtml

Nicolaias disse...

E nisto:

http://www.infowars.com/print_prescott.htm

http://www.guardian.co.uk/usa/story/0,12271,1312540,00.html

Lidador disse...

Caro Diogo, essa teve piada.

É que eu SEI ( subtil....) que a relação entre insurgência e contra-insurgêngia é justamente ao contrário daquilo que você, por não ser nem militar nem dono de elementar bom-senso, acredita.

A sua lógica é, como sempre, a da batata.

Quer então provar que a contra-revolução faz a revolução para depois ser contra ela?

Quer prova que os fogos de contra-bateria são os responsáveis pelos fogos aos quais respondem?

Quer provar que eu o criei a si, para me poder manifestar contra si?

Sabe, cheguei a acreditar que o Diogo postava de forma provocatória , exercendo um cinismo interessante.
Respeito os cínicos...são inteligentes.
Mas convenco-me cada vez mais que você não é cínico... é assim mesmo, naive, simplório e , desculpe lá o estrangeirismo, terrivelmente matumbo!

Diogo disse...

Lidador, naive, simplório e matumbo:

http://www.wsws.org/articles/2005/sep2005/basr-s28.shtml

The September 19 arrest of two undercover Special Air Service officers in Basra, traveling in an unmarked car containing weapons and explosives, has led to numerous accusations that they were acting as agents provocateurs.

The BBC reported that the SAS men’s car contained “weapons, explosives and communications gear,” before claiming that these were “standard kit for British special forces.”

After making this correct observation of how British imperialism stirred up sectarian tensions and carried out political assassinations in order to preserve its rule over its oldest colonial possession, Fisk continues, “Which does raise the question, doesn’t it, as to just what our two SAS lads were doing cruising around Basra in Arab dress with itsy-bitsy moustaches and guns? Why did no one ask? How many SAS men are in southern Iraq? Why are they there? What are their duties? What weapons do they carry? Whoops! No one asked.”

O-Lidador disse...

O Diogo sabe o que é o SAS?

Sabia que, por exemplo, na 2ª guerra mundial, entravam em bases alemãs no Norte de Africa, disfarçados de alemães e varriam linhas de aviões a tiro de metralhadora?

Já ouviu falar de David Stirling?

Sabe o que é "humint"?
Como se obtém informação em terreno hostil?

Aqui o seu amigo, sem bem que em exercícios, já trabalhou com esta excelente unidade. E já andou vários dias em "terreno inimigo", disfarçado, com a única missão de observar e relatar.

Todos os exércitos modernos têm unidades destas, capazes de conduzir operações de reconhecimento estratégico em plenas linhas inimigas.

E eventualmente operações de acção directa.

Acha isso extraordinário?
Então ainda é mais matumbo do que aquilo que aparenta.

Mude de cassete.

Diogo disse...

Lidador - [Sabia que, por exemplo, na 2ª guerra mundial, entravam em bases alemãs no Norte de Africa, disfarçados de alemães e varriam linhas de aviões a tiro de metralhadora?]

Hoje, entram em mercados árabes disfarçados de árabes, fazem explodir carros armadilhados com detonadores de controlo remoto fazendo dezenas de vítimas e atribuem a culpa à «insurgência sectária iraquiana».


Sei perfeitamente o que são as Special Air Service, sei quem é o Archibald e também sei o que são informações «de boca em boca».

Pelos vistos você é que não percebe nada de técnicas de contra-insurgência. Se invadirmos o Senegal não conto consigo.

Anónimo disse...

ehehe! Eu disto não percebo nada, sou mais do género de pedir que aconteça um mylagre e logo se vê.