quinta-feira, maio 24, 2007

Uma nova «emergência catastrófica» para a América nos planos de Bush?

Global Research, 21 de Maio de 2007


A administração Bush publicou uma directiva chamada «Directiva Presidencial de Segurança Nacional e Segurança Interna» «National Security and Homeland Security Presidential Directive». A directiva publicada a 9 de Maio de 2007 passou praticamente desapercebida nos órgãos de informação e nos media alternativos. Nesta directiva, Bush declara que no caso de uma emergência catastrófica, o Presidente terá todos os poderes para assegurar as actividades do Governo constitucional. Esta directiva tornaria, de facto, o Presidente num ditador em caso de uma tal emergência.

A directiva define uma «emergência catastrófica» da seguinte forma:

Emergência catastrófica significa qualquer incidente, em qualquer lugar, que resulte em níveis extraordinários de mortes em massa, danos, ou graves perturbações que afectem a população norte-americana, infra-estruturas, ambiente, economia ou funções governamentais.

"Catastrophic Emergency" means any incident, regardless of location, that results in extraordinary levels of mass casualties, damage, or disruption severely affecting the U.S. population, infrastructure, environment, economy, or government functions".

O que é que isto significa? A directiva é puramente subjectiva e não fornece nenhuma definição real e concreta a que uma tal emergência conduziria. Partindo do princípio que tal significa um desastre do calibre dos ataques do 11 de Setembro ou do Katrina, não há dúvida que os Estados Unidos irão experimentar uma emergência do mesmo nível daqueles eventos.

11 comentários:

camarada disse...

Claro que os meios de comunicação social não deram muita importância ao assunto. Desapareceu uma criança que tem pais ricos, e isso é que é informação. O que é que interessa que no país que mais guerreia no mundo, o presidente tenha possibilidade de tomar o total controlo do país. A quem é que interessa que o Bush tenha possibilidade de matar milhares de inocentes, incluindo crianças (que não sejam filhas de cirurgiões)?
Os outros órgãos norte americanos que, por motivos eleitorais, ainda funcionam como força de bloqueio à guerra, perderem os poderes, numa outra simulação do estilo do 11 de Setembro.
Os meios de comunicação social dominantes pertencem aqueles que apoiam o neo-liberalismo, e todas as políticas norte americanas, logo não é de estranhar que não se gere uma discussão pública sobre o assunto. Já sobre crianças desaparecidas que tenham pais ricos, isso sim interessa. Desde o desaparecimento do criança, no reino unido já desapareceram 800 pessoas (acho eu), e nem sequer vou falar das crianças que perderam a vida no mundo a que uns chamam de subdesenvolvido, mas a que eu chamo de mundo altamente explorado.
Saudações

Carlinhos Medeiros disse...

Parabéns, Camarada, pelo brilhante comentário.
*

Salve, Diogo.

Rapaz, que imagem...acabei de ler a seguinte manchete de um jornaleco venal brasileiro, um factóide: "Os EUA manda recado para ONU endurecer sanções contra o Irão".
Eles se esquecem que esse "delinqüente" não defende e nem representa os interesses dos americanos. A maioria dos estadunidenses querem esse maníaco fora do poder.

Abraços.

xatoo disse...

E, para ajudar à festa o Congresso americano (o orgão da alternância bipartidária patriótica de expressão única) acaba de comunicar que aprovará todas as verbas propostas por Bush destinadas às guerras imperiais.
Ana Gomes, a coisa mais "esquerdista" que milita no PS, diz que Bush é "irrelevante"!!
Será que esta gente não compreende a natureza dual do imperialismo americano? ou,
não quer compreender?,, que Bush deu uma no cravo e um outro "democrata" qualquer dará outra na ferradura?

Moriae disse...

Diogo, vai lá tirar o p ... pode ser? Vá ... isso dá direito a processo e não queria ir por aí.

Moriae disse...

Oh ... esquece! E desculpa!

fcr disse...

Os neo-com não desistiram do domínio mundial pela força. Pode ser que antes da saída do Bush arranjem uma provocação qualquer para atacarem outro país (Irão?, Rússia?). Cheira a esturro…

Um abraço

Moriae disse...

Já tá! 'Bigada!
E continua, companheiro! Olha, já viste o vídeo em http://www.youtube.com/watch?v=5g8cmWZOX8Q
Não tem a ver directamente mas no fundo, toca a tudo o que se passa no mundo por agora. É uma miúda em 1992, cheia de coragem e boas questões.
Tem tb a ver com a formação da mentalidade submissa.
Bjinho, Diogo

Marcos disse...

O antiamericanismo atinge níveis patológicos em Portugal, também.

xatoo disse...

ser anti-Bush-Cheney é ser antiamericano?
se sim, e como quase 70% apoiam hoje a opinião de Michael Moore (por exemplo), então também há milhões de americanos que são,,, "anti-americanos"
lol
o que o Marcos queria decerto quereria dizer seria "anti-Imperialista" que é um conceito que as patologias dos fracos da cuca não atingem

camarada disse...

Pois. As pessoas não percebem que é mais rápido escrever os americanos, que a administração norte amarican do bush. è como falar de israel ou de judeus, vem logo umas vozinhas a dizer anti-semita, não percebem que se está a criticar o sionismo. Mas isto acontece porque as tais vozinhas são aquele tipo de racistas que não o assume, só não gostam de pretos, de muçulmanos, enfim são o-lidador.
Saudações

camarada trotski disse...

camarada said

"As pessoas não percebem que é mais rápido escrever os americanos, que a administração norte amarican do bush. è como falar de israel ou de judeus, vem logo umas vozinhas a dizer anti-semita,"

cARO camarada,
Está a tentar convencer alguém ou está a convencer-se a si mesmo?