sábado, julho 26, 2008

A Odigo de Macover


O quotidiano israelita Ha’aretz revelou que a Odigo, uma empresa líder em matéria de sistemas electrónicos de mensagens, sedeada em Nova Iorque (a dois quarteirões do World Trade Center) e com escritórios em Israel, recebeu mensagens de alerta anónimos informando sobre os atentados do World Trade Center, duas horas antes de eles ocorrerem. Os factos foram confirmados por Micha Macover, director da empresa.

Questionado sobre se podia confirmar que a Odigo tinha recebido mensagens de alerta sobre o ataque ao World Trade Center, o vice-presidente da companhia, Alex Diamandis, responsável pelas vendas e marketing, confirmou que as mensagens de aviso dos ataques foram recebidas mas não quis comentar o seu conteúdo: “Fornecer mais pormenores levaria apenas a mais conjecturas” – afirmou.

Confirmou, também, que logo após os ataques terroristas a Nova Iorque, os funcionários da Odigo comunicaram o facto à direcção, que, por sua vez, contactou os serviços israelitas de segurança. Por seu turno o FBI foi informado das mensagens de alerta.

A Odigo forneceu ao FBI o endereço da Internet do emissor da mensagem de forma a que este pudesse ser encontrado [Deutsche Presse-Agentur 9/26/01]. Dois meses depois foi reportado que o FBI estava ainda a investigar o assunto, mas não se soube mais nada depois disso [Courier Mail 11/20/01].

Um porta voz do FBI disse que “pode ter sido alguém a brincar e, sem querer, acertou”. "It may just have been someone joking and (it) turned out they accidentally got it right," he said.
.

7 comentários:

Apache disse...

E por conta dessa feliz coincidência, vários judeus (e não só) que trabalhavam no WTC faltaram nesse dia ao trabalho.

Anónimo disse...

ó apache, todos os dias "vários judeus (e não só)" faltam ao trabalho! Em NY e não só...

Mas qual era a mensagem???

Algo tão específico como... "dois aviões vão embater nas torres gémeas"

ou algo mais geral como..."Em breve serão atacados..."

Era importante saber para se poder dar algum crédito à notícia...

Zorze disse...

Ora aí está! E porquê a empresa Odigo?
Como diz o anónimo, o interessante era saber que tipo de mensagem. E como revelam na notícia eram "mensagens" plural.
Será que eram iguais no conteúdo?
Será que eram diferentes?
Seria interessante descobrirmos.
Será tudo isto contra-informação? Nesta história há tantos "ses"...

Um porta voz do FBI disse que "pode ter sido alguém a brincar e, sem querer, acertou".
Esta é mesmo à FBI agent. Sem comentários.

Abraço,
Zorze

xatoo disse...

Este caso é apenas uma fuga de comunicação. Foram eles próprios os israelitas que comandaram o ataque em franca colaboração com o centro de gestão informática da cidade de New York dirigido por Rudolph Giuliani. Por coincidência este centro de controlo de tráfego situava-se no edificio WTC7 o tal que implodiu algumas horas mais tarde - negócio com o qual o judeu Silverstein ganharia uma fortuna com os seguros; quer dizer, auto financiaram-se no inside job.
Tudo programado ao infinitésimo cagagésimo: É isto que faz uma conspiração - desaparecendo os meios de prova ficam em aberto todas as teorias possiveis de imaginar,, impossiveis de serem provadas.

Apache disse...

Não seja ingénuo anónimo, foi largamente noticiado que nessa manhã, o número de faltas ao emprego, no WTC, foi muito superior à média dos outros dias.
Quanto aos judeus, dos cerca de 4 mil que trabalhavam no complexo, um perdeu a vida nos ataques, segundo o New York Times. Apenas uma, das muitas incríveis coincidências desse dia.

Anónimo disse...

apache, consegue obter o link do New York Times onde isso foi dito? Na lista de nomes dos que morreram no nine eleven ha bastantes nomes judeus como Goldstein, Bernstein, Weil, Rosenthal... confira aqui http://www.9-11heroes.us/victims-world-trade-center.php

alf disse...

pois é, o conhecimento do conteúdo da mensagem é crítico para se poder ter opinião sobre este assunto