terça-feira, julho 08, 2008

Lóbi das obras públicas, o grande financiador dos partidos do ‘centrão'

Miguel Sousa Tavares

Expresso 05/07/2008

«Manuela Ferreira Leite tem toda a razão, quando denuncia a inutilidade de obras públicas que não são essenciais, que não obedecem a uma estratégia conhecida de desenvolvimento, que são lançadas quando se enfrenta uma crise e se tenta a todo o custo conter o défice, e quando a factura é remetida para os nossos filhos. E tem toda a coragem, quando ousa enfrentar o lóbi das obras públicas, que é o grande financiador dos partidos do ‘centrão’. Caiu-lhe em cima a CIP e a AICCOP, uma das associações do sector, justamente alarmadas.

Diz o presidente desta última que "compete à iniciativa privada assumir-se como motor de desenvolvimento e o que nós pedimos é que o Estado crie as condições para se iniciar um novo ciclo de investimento". Eu traduzo, para o caso de ainda haver alguém que não perceba: eles são iniciativa privada para os devidos fins de respeitabilidade e estatuto; mas só são iniciativa se o Estado lhes garantir as empreitadas e os negócios e só são privados para colherem os lucros, ficando os riscos para o Estado. É assim como se o merceeiro da esquina dissesse: ‘Se o Estado me garantir que compra todo o «stock» que eu não conseguir vender, eu garanto a minha iniciativa privada de comerciante’.»


Comentário:

Como se a Manuela tivesse vontade de enfrentar o lóbi das obras públicas! Como se a Manuela, tal como o Sócrates, não fizesse parte do tal centrão que é financiado pelo dito lóbi.

O Sócrates e a Manuela estão para o lóbi das obras públicas, como o Bush e a Hillary estão para o lóbi militar-industrial americano. Meros "public relations representing business".
.

9 comentários:

FCR disse...

Seja como for é um disparate ter um aeroporto no centro da cidade. Já há muito tempo que deveria ter sido construído um fora da cidade. Não seríamos os únicos. É assim em Paris (Orly e CDG) , em Londres (Heathrow e Gatwick), Madrid (Barajas), etc. etc. Não temos que optar porque é assim com os outros mas porque é irracional ter um aeroporto no centro da cidade como os outros já tinham chegado à conclusão. Já o TGV é um disparate (embora se tenha que resolver o problema de passar da bitola ibérica para a bitola europeia).

FCR

xatoo disse...

fcr
comparar Lisboa com Paris é a mesma coisa que comparar este vosso pindérico escriba com o Tony Carreira. Por exemplo, dos cubanos que conheço, nem um vai e vem de Havana sem ser via Paris.
e no entanto, atendendo às horas de voo, daqui devia ser mais vantajoso. Infelizmente temos o tal lobie do "centrão" a quem temos de encher o cu,

ovigia disse...

boas a todos,

@diogo

um post interessante ainda para mais quando ambos têm razão, apreciei a tua comparação, quanto ao MST, tendo razão creio que ele acredita que as palavras da MFL sejam para ser levadas a sério, infelizmente não creio.

@FCR

estás equivocado, não foi o aeroporto que cresceu dentro da cidade, mas sim a cidade que cresceu para dentro do aeroporto, devido a politicas idiotas das diversas presidencias da CML.

cumps,

rjnunes

Zorze disse...

O centrão é uma questão importante, talvez, preocupante. Alimentada pela sociedade robotizada.
No domínio económico/financeiro tanto se lhes dá PS ou PSD. Os donativos vão para os dois.
É como jogar na roleta no vermelho ou preto e ganhar sempre.

Abraço,
Zorze

ovigia disse...

boas zorze, infelizmente essa técnica é usada um pouco por todo o mundo todos têm as mesmas ideias, afinal todos estão minados pelos bilderbergs, CFR, trilateral etc etc, as politicas são sempre as mesmas no caminho da NWO.

cumps,

rjnunes

MFerrer disse...

MSTavares tem a caracteristica de concorrer como Mr de la Palisse e de perder em toda a linha . Mr. era, de longe, ainda menos esperto e arrivista.
MSTavares acumula uma vaidade sem limites, uma ignorãncia obscena e um atrevimento olímpico!
Devia escrever só para si próprio . Nós somos indignos das suas letras.
MFerrer

FCR disse...

1. Com o mal dos outros posso eu bem.

2. A Portela não está (ainda) às moscas. 3. Não seriam dois Aeroportos porque a Portela seria desactivada.

A razão de eu ter posto a (ainda) no ponto 2 é a minha dúvida se o tempo das viagens baratas não terá acabado. Por um lado, o aumento do preço dos combustíveis e por outro o empobrecimento generalizado das populações até agora (mais ou menos) opulentas. No entanto, uma cidade desenvolvida à volta do Aeroporto seria vantajoso porque descongestionaria Lisboa, uma cidade que não foi desenhada de raiz para ser uma grande metrópole. Que eu gostava de ver o Aeroporto longe de Lisboa, gostava, mas é preciso saber quais os custos de oportunidade e um sério estudo de custos e benefícios.

Neste momento existe uma santa aliança entre os esquerdistas e a direita contra o Governo. Se ele dissesse que não se devia fazer, viriam logo dizer que se devia fazer e vice-versa. De um modo geral este Governo tentou, e estou a ver que não vai conseguir, pôr um pouco de ordem no desgoverno deste povo. E EU APROVO-O. E embora seja contra o voto por listas e jurasse que nunca mais votava neste país enquanto não se implementassem os círculos uninominais irei votar para tentar reeleger o Sócrates. Tem defeitos, é verdade, mas tem menos que os outros. Mas tem uma virtude, não teve medo de dar tapona “aos direitos adquiridos” sem medo de perder o poder. Parece que a maioria do povo assim o entende de acordo com as sondagens. Só há um outro politico que também não tem medo: o Rui Rio. Primeiro teve a audácia de afrontar o Pinto da Costa. Depois foi aquela malta que queria fazer espectáculos que ninguém ia ver no Rivoli à conta do dinheiro do Estado. Correu com eles. E depois os empregados da Câmara que tinham descoberto um direito adquirido que o 26 de Dezembro era feriado. Toca a trabalhar. Estou convencido que estes dois políticos vão dominar a cena politica portuguesa nos próximos anos. Espero que tomem as decisões que mais convêm para o desenvolvimento do país sem comprometerem nem o presente nem o futuro. Já houve más decisões: construção de 10 estádios de futebol, e (espero que não se concretize) o TGV. Quanto ao Aeroporto estou indeciso. Entretanto, prefiro de longe o Sócrates ao Rui Rio porque, PARA MIM, há uma grande diferença entre o centro esquerda (fustigado pelos esquerdistas) e o centro direita (apoiado pelas correntes mais reaccionárias e retrógradas).

FCR

contradicoes disse...

Relativamente ao novo aeroporto e à
perspectiva do custo dos combustíveis não abrandar bem pelo contrário continuar a aumentar significativamente e tendo em vista que a própria TAP com vista a minorar os seus prejuízos vai reduzir vários vôos. Atendendo a que duma maneira geral as grandes companhias aéreas internacionais estão em situação económica difícil tendo algumas como a VARIG, entre outras falido com passivos elevadíssimos, o preço dos bilhetes de avião face à actualização provocada pelo aumento dos combustíveis vai-se tornar incomportável para muita gente que hoje ainda se desloca de avião, deixar de o fazer. Igualmente o uso do transporte rodoviário individual vai para muita gente deixar de ser possível a sua utilização face ao custo dos combustíveis e a incapacidade financeira da maioria das pessoas que até agora circulavam de carro.
Por isso e tal como já em abordagem no meu blog, sugeria aos actuais governantes suspender quer o concurso público para a edificação do aeroporto de Alcochete porque daqui a alguns anos não se justifica porque o tráfego aéreo vai decair, julgo que, com excepção de algumas rodovias que são necessárias no interior do País, é de ficar por aí. E incentivar urgentemente a ferrovia, que será o único transporte público que poderá assegurar a alternativa daqueles que estão ultimamente a ser forçados a deixar de andar de automóvel.

Diogo disse...

De acordo, caro Raul, mas comboios pendulares em vez de TGVs, como na Inglaterra e nos países nórdicos. E apostar a fundo no tele-trabalho, pondo fim a estes vai-e-vens diários de automóvel, demorados, dispendiosos, irritantes e ambientalmente conspurcadores.