quinta-feira, maio 22, 2008

Socialismo de Sócrates situado à direita do neoconservadorismo de Bush



Jornal Público - 22-5-2008

Portugal é o país da UE com mais desigualdades na distribuição de rendimentos

Portugal foi hoje apontado em Bruxelas como o Estado-membro com maior disparidade na repartição dos rendimentos, ultrapassando mesmo os Estados Unidos nos indicadores de desigualdade. O Relatório Sobre a Situação Social na União Europeia (UE) em 2007 conclui, no entanto, que os rendimentos se repartem mais uniformemente nos Estados-membros do que nos Estados Unidos, à excepção de Portugal.

O relatório é o principal instrumento que a Comissão Europeia utiliza para acompanhar as evoluções sociais nos diferentes países europeus. Os indicadores de distribuição dos rendimentos mostram que os países mais igualitários na distribuição dos rendimentos são os nórdicos, nomeadamente a Suécia e Dinamarca.

"Portugal distingue-se como sendo o país onde a repartição é a mais desigual", salienta o documento que revela não haver qualquer correlação entre a igualdade de rendimentos e o nível de resultados económicos.

Contudo, se forem comparados os coeficientes de igualdade de rendimentos dos Estados-membros com o respectivo PIB (Produto Interno Bruto) por habitante constata-se que os países como um PIB mais elevado são, na sua generalidade, os mais igualitários.


Comentário:

«Portugal ultrapassa mesmo os Estados Unidos nos indicadores de desigualdade»

No casino em que se tornou a economia portuguesa, o socialismo socrático tem apostado no tudo ou nada: tudo para meia dúzia, nada para a esmagadora maioria. Foi a maioria que lhe deu os votos, mas foi a meia dúzia que lhe subsidiou as campanhas. E os votos valem o que valem...


Quid Bono, senhores governantes! Faites vos jeux!

.

19 comentários:

Ferreira disse...

"Portugal distingue-se como sendo o país onde a repartição é a mais desigual". Obrigado Mário Soares, Cavaco Silva, António Guterres, Durão Barroso, Pedro Santana Lopes e José Sócrates! Obrigadíssimo PSD, PP, PS, que sozinhos ou acompanhados nos desgovernam há mais de 30 anos, mas todos sempre, sempre, sempre com políticas de direita! Obrigado aos 20 anos de integração na “Europa” que acabaram com a nossa agricultura, pescas, siderurgia, metalo-mecânica, têxteis! Finalmente políticas e políticos de direita e “socialistas” conseguiram por-nos no pódium e trazer-nos a taça da desigualdade!

xatoo disse...

seria bom que se pusesse a palavra "socialismo" entre aspas. Ainda assim, para além da terminologia não são coisas comparáveis: Sócrates e Bush, não são objetos isolados num universo onde as coisas não se interpenetram; Ambos fazem parte da mesma estrutura política e ideológica neoliberal, embora o embuste mediático trabalhe efectivamente para que toda a gente possa esquecê-lo.
Estas comparações simplistas também não ajudam - e quanto aos remédios para as respectivas nomenclaturas, bastaria que cada país (EUA e Portugal) e respectivos decisores lessem as suas Constituições e as cumprissem para que as coisas retomassem o caminho certo.
Infelizmente não é isso que se passa lá fora na vida real, o capitalismo evolui para formas agressivas e as Constituições obviamente já não servem. Como dizem os marxistas a macro estrutura económica determina todas as evoluções da sociedade - e sem se olhar para os processos de estruturação (Thomas S. Kuhn) não se consegue compreender o que está a acontecer e retirar as conclusões certas. Só a partir do diagnóstico correcto se pode receitar o remédio eficaz

Diogo disse...

Socialismo socrático equivale a "socialismo" entre aspas.

Entretanto, «Os indicadores de distribuição dos rendimentos mostram que os países mais igualitários na distribuição dos rendimentos são os nórdicos, nomeadamente a Suécia e Dinamarca».

Ou seja, foram os países nórdicos os que mais próximo estiveram do socialismo. Mas também estes já mostram os efeitos da «globalização».

alf disse...

A primeira desgraça deste pais são os economistas, que seguem teorias económicas caducas e académicas.

O "liberalismo" nacional não passa de monumento à ignorancia do que é a economia. Como eu disse premonitóriamente há décadas atrás, só dois países no Mundo todo seguiam essas teorias: Portugal e a Argentina.

Portugal só não deu um estoiro maior que o da Argentina, pais muito mais rico do que Portugal, porque está na Europa.

Mas há mais razões: por exemplo, Portugal também deve ser o pais com maior desigualdade de educação. E esta desigualdade tem consequencias económicas.

E porque é que somos tão ignorantes? Porque as classes com mais formação e o poder de alterar as coisas nunca o quiseram fazer. Sempre quiseram que continuassem a existir criados para os servir.

Por isso é que só o Guterres lançou o pré-primário, que se sabe que é o instrumento indispensável a quebrar o ciclo trabalhador-filho de trabalhor.

Não foi por falta de dinheiro que isso naõ aconteceu antes, foi de propósito, para manter uma classe social pobre e dependente.

A imigração tem sido cuidadosamente condicionada às profissões "baixas". Por falta de mão-de-obra? Não, para manter baixos os ordenados das tarefas não especializadas.

Depois, temos uma cultura anti-empresário. por inveja, evidentemente. Mas sem empresários não há geração de riqueza. Com um sistema de ensino que não prepara para o empreendedorismo, com um sistem aburocrático que persegue os empresários sérios, não há quem queira ser empresário " a sério"

E, claro, enquanto os outros povos preferem sempre o produto nacional, nós preferimos os estrangeiro, não é verdade? Somos os primeiros culpados da nossa miséria. (vocês, eu não, que não compro nada estrangeiro a não ser que não o possa de todo evitar...)

O Sócrates tem estado a fazer tudo certo. Finalmente, estão a procurar deixar de fazer importações a dinheiro para fazer trocas. Sempre foi assim em todo o lado. Um estado não compra nada a não ser por troca com um produto nacional. Eu assisti aos alemães fornecerem emissores de TV aos gregos em troca de fardos de feno. Mais: os alemães é que tiveram de encontrar no seu próprio mercado o produto grego de que precisariam.

Finalmente estão a tentar matar a burocracia. Finalmente estão a tentar mudar o ensino, apesar de pontualmente poderem fazer asneira.

O coro de protestos dos juizes, médicos, professores, etc, é o coro de protestos dos culpados desta situação em que nos encontramos e que querem que se perpetue, claro, porque lhes convem. Eles ganham muitas vezes o ordenado mínimo, isto aqui não é nenhum pais nórdico, credo, quem quer isso??? Eles não têm nada a ver com a desgraça que é a justiça, saúde ou ensino, pois não?

(hoje o jantar deve ter-me caído mal...)

Anónimo disse...

Obrigados Sócrates,Soares,Cavaco,Psd,PS,empresários empreendedores sem os quais não se fabrica a Miséria,xor Alf,porque senão não haveria tanta POBREZA pelo mundo fora e,se não sabe vá ler ou vá ver,como fiz!E não venha com lágrimas de crocodilo-é preciso dizer-lhes nas trombas que o vosso modelo(de Roubalheira) não trouxe mais justiça,uma vida melhor para todos os seres Humanos.A vossa receita é Desumana.Estão-me dizer q os haitianos se estão a transformar cada um deles em empresários da indústria da alimentação e distribuição alimentar-ao fazer comercializar biscoitos de lama!!!!
E o facto, é que as sociedades só se tornam minimamente controláveis com ditadura(e vamos ver a Venezuela...pq o golpe dos americanos instituiu uma ditadura que custou a vida a 50 militantes de Chavez executados pelos empresários!)

Anónimo disse...

Estou a ver um desses comentadores 'habituais' também cheio de boa vontade...Cá por mim,está preocupado com o status quo q poderá estar em causa,não vá haver qq coisa.Sempre muita,muita fé na responsabilidade,saber,rigor dos partidos do arco do poder.Argh!como se tornam previsiveis e cãezinhos de Pavlov.

xatoo disse...

outro "reflexo de Pavlov" frequente é, quando se fala em Socialismo, a contraposição recorrente da "prosperidade dos países nórdicos", evidentemente para se furtarem ao debate segunda a análise marxista, que não conhecem, mas abominam, pq pensam que o marxismo se limita ou limitou à experiência soviética da URSS. É uma falácia. Por acaso conheço pessoalmente alguns paises nórdicos (Finlândia, Noruega, Dinamarca) e pelo que me apercebi os ddescontos para o Estado rondam entre os 25% e perto dos 50% do valor dos salários. Com este nivel de fundos esperava-se que o Estado, com quadros de elevado nivel e competentemente formados com condições para decidir a priori sobre a iniciativa privada, não fosse eficiente? - Obviamente o sistema funciona como uma empresa, cujas receitas vivem das exportações (leia-se repercussão de parte dos custos sobre paises terceiros (a tal globalização que, como diz o Diogo, já provoca os efeitos nos paises que mais próximo estiveram do socialismo).. Quanto ao SNS uma amiga minha veio da Noruega escandalizada com a forma desumana como tratam os velhos: "não tem muito mais hipóteses de ser rentável, não precisa de grandes cuidados; de qualquer forma está para acabar". Assim mesmo, frio, nu e cru. Eficiência tecnocrata. O primeiro investimento é na Educação, desenhada para formar quadros e operários para as empresas (a politica que Sócrates/Cavaco estão a tentar começar agora, 60 anos depois): quer dizer, ali o "socialismo" é ter segurança social e trabalhar (com flexibilidade, note-se) segundo normas rígidas impostas pelo Estado. O que leva a cadências infernais - 40 anos depois, recorda-se: mas não foi contra isto que se revoltaram os "enragés" do Maio de 68?
além dos mais as exportações para os paises pobres estão em crise, o que volta a pôr em causa todo o sistema.

Diogo disse...

Caro Xatoo,

As últimas sociedades que se podem chamar verdadeiramente socialistas são (foram) algumas das sociedades pré-agrícolas (que ainda se podem encontrar nalguns pontos – ex: a maior parte das tribos índias americanas).

A partir do aparecimento da agricultura (há 10 mil anos) e, há dois séculos, da indústria, só tivemos sociedades piramidais.

Os nórdicos, graças a uma capacidade invulgar de cooperação (fruto de um clima extremamente agreste), foram os que mais se aproximaram do socialismo nas sociedades contemporâneas.

Só a tecnologia, a produzir a esmagadora percentagem dos bens que consumimos, nos pode recambiar para o socialismo.

O Marx é uma fraude, provavelmente a soldo dos tipos mais ricos do planeta.

A tecnologia evolui numa progressão geométrica. O socialismo está, em minha opinião, próximo. Se alguns cabrões não rebentarem com isto tudo antes.

xatoo disse...

A análise do capitalismo primitivo foi feita em primeira mão por Friedrich Engels na sua obra "As Origens da Família da Propriedade Privada e do Estado"
a "tecnologia não vai recambiar" nada porque a base económica das sociedades são hoje muito diferentes desse socialismo utópico que morreu com Hegel e criatalizou na forma "Estado" em Westefalia; e a tecnocracia é apenas uma mera ferramenta, que por acaso até está a ser utilizada por tecnocratas como um fim em si mesmo para desprezar o humanismo inerente às pessoas (ao invés de potenciar as relações sociais de forma mais equitativa, aprofunda as desigualdades com base na marginalização da grande maioria que não tem habilitações técnicas)
Mas, carissimo Diogo, tu, a antítese de Marx, na qualidade de fazedor de opinião a soldo dos tipos mais pelintras do planeta" (hás-de-me dizer qual é Misericórdia que te faz os pagamentos e meter lá uma cunha d`um tacho para mim também) acho que devias recorrer a explicações mais fundamentadas em bases materiais, ao invés de emitires juizos de valor inócuos do tipo "áh, o gajo é provavelmente uma fraude", provavelmente, direi eu, improvavel

Apache disse...

Para o Alf…
“Finalmente estão a tentar matar a burocracia. Finalmente estão a tentar mudar o ensino, apesar de pontualmente poderem fazer asneira.”
No caso do ensino, estão a matar a burocracia, afogando-a em burocracia. Pontualmente quererá dizer, em cada frase, Alf? É que todas elas levam pontos…
“O coro de protestos dos juízes, médicos, professores, etc, é o coro de protestos dos culpados desta situação em que nos encontramos e que querem que se perpetue, claro, porque lhes convém”.
E que conveniência é essa, que ainda não descobri?
“Eles ganham muitas vezes o ordenado mínimo.” Quem são eles, Alf? Os professores são licenciados, alguns têm pós-graduações, mestrados e doutoramentos. Queria que ganhassem o ordenado mínimo?
Venham as condições das escolas nórdicas e os vencimentos deles, já, se faz favor! Só não peço uma avaliação como a deles senão dizem que não quero ser avaliado.
Quanto aos médicos e aos juízes, não comento realidades que desconheço.
P.S. Gosto mais de o ler quando escreve sobre o que sabe (nos seus blogues).


Quanto ao “post”…
«Portugal ultrapassa mesmo os Estados Unidos nos indicadores de desigualdade»
A frase resume tudo!

Diogo disse...

Caro Xatoo,

Tem sido a tecnologia a ditar as grandes reformas das nossas sociedades. Foi ela que nos trouxe a agricultura e foi ela que nos trouxe a industrialização. Passámos de um recolector para um indivíduo uma vida inteira agarrado à enxada, para um indivíduo uma vida inteira agarrado a uma máquina de soldar, a uma máquina de escrever e, agora, a um computador.

A tecnologia tem evoluído exponencialmente. Compara o mundo do princípio do século XX com o princípio do século XXI. Graças ao desenvolvimento das máquinas, toda a indústria tem despedido. Mas se boa parte das grandes empresas ainda «prosperam», as pequenas e média empresas estão a estoirar por falta de consumidores com dinheiro (empregados com salários decentes). Os que vão produzir para as zonas de escravatura vêm vender os seus produtos cá. Mas cada vez menos, porque haverá cada vez menos gente com possibilidade de comprar. O sistema capitalista de produção está em rotura. O resultado será uma sociedade muito mais egualitária (ou uma destruição maciça).

xatoo disse...

não é por meia dúzia de gatos pintados de gravatinha andarem agarrados a um computador que a enormissima maioria da população mundial não anda e andará agarrada à enxada.
Esse é o vosso erro, os tofflerianos e outros esotéricos, que tomam a nuvem por Juno
a sociedade "muito mais igualitária" virá, mas não através da tecnologia per si, mas depois de uma convulsão social violenta que altere o paradigma.
E depois disso, em função da complexidade da civilização actual, a tecnologia no sentido moderno será uma miragem.
As analogias estão presentes na História, da qual a mais conhecida é a forma como desapareceu o Império Romano; basta constatar como viviam as pessoas 100 anos depois da entrada dos bárbaros em Roma

PintoRibeiro disse...

Pois. Parece. E, daí, antes o Bush.
Bom domingo, abraço.

contradicoes disse...

Isto não é nenhuma novidade
já há muito que nós o sabemos
neste País em que a prosperidade
resume-se aos lucros que nós vemos

Já assim era na ditadura
e assim continuou
de legislatura em legislatura
que o poder económico governou

Até ao dia em que nos unamos
para acabar com esta desigualdade
e com determinação derrubamos
o poder que possui idoneidade

Nicolaias disse...

... e sair para a rua?...

Zorze disse...

"O sistema capitalista de produção está em rotura. O resultado será uma sociedade muito mais egualitária (ou uma destruição maciça).", caro Diogo, inclino-me mais para a destruição maciça. Na minha opinião não será maciça mas forte. Igualitária não me parece, pois, este tipo roturas é, como a História nos diz, sangrenta.

Abraço,
Zorze

P.S. : Constato que já há algum tempo não tenho a honra do contributo do meu caro Diogo no meu humildezinho espaço virtual ...

Ashera disse...

Boa tarde a todos
Parabéns ao contradições :-)
As fotos estão de morte :-) :-) rsrs
Constâncio deve estar a rir perdidamente das nossas preocupações , já que ele ganha mais xyz que o governador do banco americano...rumores...
Amigo Diogo ainda vou copiar a tua casa para a minha :-))As tuas noticias são fabulásticas .-)
Mais beijos

MFerrer disse...

Tanto nervosismo for nothing !
Só fala aqui uma nota : É que o estudo a que o Público alude e a que se esqueceu de referir é do período de 2002 a 2005. Claro que esse coro de esperançosos não verifica e não vê. É um aquestão de fé!
O que é preciso é atacar o PS mesmo que nada tenha a ver com o assunto. Ele é a Galp, eles são os juros ou as dívidas que as pessoas fizeram. Até o preço do arroz na Tailândia é culpa do Sócrates.
Ora passem a andar d etransportes públicos e a andar a pé.
Os combustíveis baratos acabaram!
MFerrer

Diogo disse...

Mferrer, quer portanto dizer que o fosso entre ricos e pobres tem vindo a diminuir desde 2005?

Eu não ataco só o PS. Eu ataco a quase totalidade da classe política e sobretudo o dinheiro que os financia. Você devia tentar ver quem mexe os cordelinhos. Sócrates é apenas um fantoche.