quarta-feira, junho 06, 2007

Subida das taxas de juro - um roubo de proporções bíblicas

Será que estes cavalheiros andam a conspirar:








Para encher a mula a estas sanguessugas?




Agencia Financeira - O Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quarta-feira um novo aumento de 25 pontos base nos juros da Zona Euro, fixando o preço do dinheiro nos 4%, precisamente o dobro do nível em que se encontrava quando a autoridade monetária iniciou o actual ciclo de aumentos, diz o «Jornal de Negócios».

Desde aquela altura, os encargos adicionais das famílias, só com as subidas dos juros, já superam os mil euros e é de esperar que esta «factura», que resulta da política do BCE, venha a aumentar ainda mais.


Jornal Público - O ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, considera uma má notícia para as famílias portuguesas mais endividadas a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de subir as taxas de juro de referência em 0,25 pontos percentuais, para quatro por cento.

O responsável governamental recusou-se a comentar a medida do BCE, considerando que a autoridade monetária europeia é independente do poder político: "Não devo comentar da oportunidade dessas decisões", disse. "É de facto um aspecto negativo que está para além do poder de intervenção do Governo", sublinhou o ministro.


Controlar a inflação, que se situa ligeiramente abaixo dos dois por cento é a justificação do BCE. Os analistas acreditam por isso que subida de hoje não vai ser a última e prevêem que a taxa de juro chegue aos 4,5 por cento.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) concorda com a subida e defende que assim é possível controlar os riscos inflacionistas a médio prazo, que resultam de um crescimento económico superior ao previsto. Este organismo prevê que a inflação vá baixar no próximo ano, sobretudo devido à evolução moderada dos salários e dos custos laborais.

O ministro das Finanças português reconhece que o aumento das taxas de juro por parte do BCE é uma má notícia para muitas famílias portuguesas. Ainda assim, para Teixeira dos Santos, o preço do dinheiro continua a ser baixo.


Fernando Madrinha - Expresso 3/2/2007: «Todos os anos, por esta altura, muita gente se interroga: que país é este onde a vida é tão dura e deficitária para toda a gente, famílias e empresas, menos para os bancos

«… os lucros [dos bancos] não param de crescer. O Millennium bcp, por exemplo: teve 780 milhões de euros de lucros em 2006 - mais 28% do que no ano anterior; o BPI registou 309 milhões - mais 23%; o Banco Espírito Santo anunciou ganhos de 420 milhões - mais 5o%...»

«Tudo estaria bem se esta chuva de milhões sobre os bancos fosse um sinal de pujança da vida económica do país. Mas sabemos bem que não é. E que esses lucros colossais são, afinal, uma expressão da dependência cada vez maior das famílias e das empresas em relação ao capital financeiro. Daí que, em lugar de aplauso e regozijo geral, o que o seu anúncio provoca é o mal-estar de quem sente que Portugal inteiro trabalha para engordar a banca. Ganha força essa ideia de que os bancos sugam a riqueza do país mais do que a fomentam.»


E os analistas económicos também não conseguem perceber as subidas da taxa de juros:

Domingos Amaral – Diário económico - 2/5/2007: "O Banco Central Europeu continua demasiado paranóico com a inflação, descobriu uma nova fonte de aflição chamada “massa monetária”, que segundo o BCE cresce em demasia, e portanto há que conter essa energia desalmada, e a única forma de o fazer é aumentar as taxas de juro.

Miguel Frasquilho – Jornal de negócios - 2/5/2007: "(...) Assim sendo, por que continua o BCE a sua escalada dos juros? Promover o crescimento económico sem pressões inflacionistas não é positivo?"

"Além disto, nota-se também que, apesar de a massa monetária estar a crescer, actualmente, em redor de 10%, a inflação mantém-se abaixo de 2%... nem com a melhor das boas vontades se consegue encontrar uma relação convincente entre estas duas variáveis."

"Tudo leva a que seja difícil de entender o que move o BCE a continuar a subir os juros, como os mercados antecipam e já atrás referi. Não deverá o BCE deixar de utilizar a massa monetária como principal factor para explicar o comportamento da inflação?"



Em suma:

1 - O Banco Central Europeu (BCE) continua a subir as taxas de juro, aumentando as dívidas das pessoas, das empresas e do Estado, enquanto a inflação vai descendo - o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a inflação vá baixar no próximo ano (2008), sobretudo devido à evolução moderada dos salários e dos custos laborais. A inflação em 2007 já foi mais baixa que em 2006.

2 - O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, diz que a autoridade monetária europeia é independente do poder político: "Não devo comentar da oportunidade dessas decisões", disse. "É de facto um aspecto negativo que está para além do poder de intervenção do Governo". Ainda assim, para Teixeira dos Santos, o preço do dinheiro continua a ser baixo.

3 - Mas afinal, segundo economistas e ex-governadores ouvidos pela agência «Lusa», os ministros das Finanças têm estado em sintonia com o Banco Central Europeu (BCE), apoiando a política de subida de taxas de juro que a instituição tem vindo a aplicar desde 2005.

4 - Os analistas económicos não encontram explicação para as subidas da taxa de juros - «a inflação mantém-se abaixo de 2%».



Comentário:

Não será de perguntar ao ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, porque é que considera que o preço do dinheiro continua baixo? E porque é que o ministro tem estado em sintonia com o Banco Central Europeu (BCE), apoiando a política de subida de taxas de juro? E se diz que a autoridade monetária europeia é independente do poder político, quem é que nomeou a «autoridade monetária»?

E não será de pegar nos colarinhos de Vítor Constâncio, governador do Banco de Portugal e com lugar no Conselho no Banco Central Europeu, e a quem o Estado paga 25 mil euros mensais mais outras mordomias, e dar-lhe uns valentes safanões até ele nos explicar claramente esta criminosa subida das taxas de juro que mais ninguém entende?

E não será de pegar na cabeça de Trichet e bater com ela num poste até o cabrão esclarecer porque razão está a empobrecer pessoas, empresas e Estados e a encher escandalosamente os cofres dos bancos?


O lucro do Millennium BCP atingiu 191 milhões de euros no primeiro trimestre do ano. Os resultados em base recorrente cresceram 16% nos primeiros três meses do ano.

O Banco Espírito Santo divulgou quinta-feira um lucro de 139,8 milhões de euros no primeiro trimestre, mais 33% que no período homólogo...

O BPI obteve um resultado líquido de 96,8 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, um valor que corresponde a uma subida de 30 por cento face a igual período do ano anterior.

O resultado do Banco Bilbao Viscaya y Argentaria (BBVA) subiu para pouco mais de 1,25 mil milhões de euros, mais 23% no resultado líquido no primeiro trimestre de 2007.

O Banco Santander Central Hispano obteve um resultado líquido de 1,8 mil milhões de euros, no primeiro trimestre do ano. Este valor representa mais 21% que no período homólogo...

17 comentários:

Carlos Paiva disse...

Essa corja dos bancos são todos uns ladrões e os políticos ajudam à festa na esperança de arranjarem um lugar na administração. Quem paga somos nós.

Anónimo disse...

Os políticos são apenas funcionários bancários principescamente pagos.

contradicoes disse...

Mas isso já o sabemos
e temos vindo a constatar
o rendimento é cada vez menos
porque os bancos nos estão a sacar

No empréstimo da casa
senão vivia-mos ao relento
o arrombo que nos causa
mensalmente no vencimento

Os juros sempre a subir
neste saque autorizado
esta gente anda a pedir
que os mande-mos para outro lado

Um abraço do raul

Zéi disse...

Só uma teoria

A subida dos juros tem como principal objectivo a manutenção da esmonia do dolar.

Parecendo uma contradição, em minha opinião, não o é.

A economia norte americana está neste momento a atravessar a sua pior crise desde 1929, ano do crach da bolsa e inicio da grande depressão.
Em 2001 depois da queda do Nasdak a reserva federal norte americana baixou as taxas de juro de 7% para 1% da noite para o dia, como devem calcular esse procedimento deu a economia dos estados unidos uma enorme pujança, com crescimentos espantosos, mas com um senão, esse crescimento foi feito a custa do aumento do consumo interno, hoje cerca de 70% do PIB norte americano vem do consumo das familias,... endividadas é claro.
Os americanos compraram, compraram e endividavam-se cada vez mais.

A aquisição de casa por parte dos americanos foi durante muito tempo o grande motor da economia dos EUA, as pessoas adquiriram uma nova casa e como a procura por novos imoveis era muita, estes subiam de preço muito rapidamente o que fazia com que os seus donos podessem pedir novas hipotecas,... dividas em cima de dividas, mas tudo parecia correr bem já que as casas se valorizavam e as pessoas trabalhavam e pagavam as suas dividas.

Até que... a uns tempos atrás a reserva federal, tambem com o argumento das pressões inflacionistas, começou a subir as taxas de juro, hoje situam-se nos 5,25% e o indice de incumprimento do pagamento das dividas cresceu exponencialmente.

Calcula-se que durante este ano e no proximo entre 5 e 10000000 de pessoas fiquem sem casa.

Mas não são só as familias que estão endividadas, o governo norte americano passou de maior credor do mundo a maior devedor, a divida publica dos EUA totaliza hoje a volta de 9 triliões de dolares, sim leram bem, triliões, o total das dividas, publica e privada, ronda os 40 TRILIÕES de dolares.

Mais, o deficite comercial dos estados unidos é de cerca de 800 biliões de dolares anuais, muito por culpa das deslocalizações de quase 65000 empresas para o sudueste asiatico.
As verbas reservadas para o pagamento da divida são já uma das rubricas mais importantes do orçamento norte americano.

E quem paga isso, perguntamos nós?

Pois, o mundo inteiro...
Como?

Simples.
Em primeiro lugar dizer que o dolar ainda é a moeda de referencia nas transações comerciais no mundo inteiro, principalmente quando falamos de petroleo, então se todo o mundo precisa de dolares é natural que as reservas de moeda estrangeira de todos os paises do mundo sejam maioritariamente dolares, o dolar é o produto de maior exportação dos estados unidos.
Um exemplo de como a coisa funciona vem da China, este país tem hoje reservas que totalizam 1,2 Trilioes de dolares, cerca de 80% dessas reservas são moeda norte americana, o esquema é o seguinte...

Para manter a sua moeda com uma cotação baixa face ao dolar o chineses inteveen nos mercados de divisas comprando quantidades exorbitantes de dolares, isso faz com que as suas exportações sejam muito competitivas no mercado norte americano, com os dolares compram titulos da divida publica dos EUA, e dinheiro que saiu dos estados unidos, e que custou apenas a impressão volta de novo a entrar.Com esses dolares os americanos pagam as suas dividas.

E os chineses a trabalhar quase de borla para pagar o dificite norte americano.

O esquema funcionaria desde que o mundo continuasse a comprar dolares e a economia dos estados unidos continuasse a crescer a bom ritmo.

Mas a economia do pais começava a dar sinais de fraqueza sobretudo devido ao grande aumento das taxas de juro

O senhor Sadam veio piorar as coisa quando se lembrou de negociar o seu petroleo em Euros... azar o dele, os americanos não podiam deixar abrir um precedente desta natureza... e se os outros produtores se lembrassem da mesma coisa? A economia norte americana ia pelo cano, já que o mundo deixaria de comprar os ditos dolares.

A invasão do Iraque deve-se, em minha opinião, a dois fatores, a defesa do dolar e o controle das reservas petroliferas.

Mas os EUA não resolveram o problema na sua totalidade porque o Irão veio logo depois dizer que iria abrir uma bolsa para negociação do petroleo a transacionar em Euros, a Venezuela disse a mesma coisa e o dolar começa a perder a sua importancia nos mercados mundiais, no mês passado atingiu o minimo historico ao negociar a 1.3678 do € e com tendencia de descidas mais acentuadas, segundo especialistas no final do ano o dolar deve estar a negociar perto dos 1.4000€.

Pra evitar esta queda da moeda norte americana e por consequencia a queda da economia dos EUA e do mundo hoje faz-se de tudo, manipulam-se os mercados bolsistas, os bancos centrais vendem ouro, tudo para manter o dolar como moeda de referencia.

(O nosso banco de Portugal faz parte de um cartel de bancos centrais que juntamente com os bancos centrais da França, Alemanha, Itália, espanha e outros, interveem nos mercados mundiais vendendo ouro e em minha opinião, comprando dolares para manter o esquema)

Mas o que estamos a ver é que essas intervensões não são suficientes, o dolar continua a cair.
È necessário mais dinheiro para intervir nos mercados, ora estando os paises asiaticos cheios de dolares, e até a vender alguns, agora a estratégia, mais uma vez em minha opinião, passa por aumentar os lucros dos bancos na zona euro para depois aplicar na compra de dolares.
Penso que o argumento das pressões inflacionistas não pega.

Só mais uma coisinha, acabei de ler uma entrevista de um senhor, não me lembro nome, tambem não vale a pena, um dirigente do FMI...

O entrevistador perguntava se o banco não era sensivel ao sofrimento humano provocado pelo pagamento da divida do terceiro mundo?
Resposta:
A angustia humana não é quantificavel,não é um elemento de analise macroeconomica.Não sendo mensuravel ela não existe para o FMI.
.....
Um abraço a todos

Anónimo disse...

Zé amigo, bom tiro e com pensamento, pena é que o sôr Teixeira dos Santos, também ele membro da cúpula da Rosa, está feito com eles até ao pescoço. Lixa-se o portuguesinho, o povão, os que não interessam.

O Portugues

Anónimo disse...

“A vida da Dra. Quitéria Barbuda está repleta de uma força intrínseca que a leva a espalhar a inquietação pela verdade que o panilas do Pinto de Sousa e o grupo gay quer oficializar”

Ratinho Blanco

www.riapa.pt.to

Laurentina disse...

...Que os pariu a todos ...e no fim um tiro certeiro nos cornos!!

Bom fim de semana
Beijão grande

"o moço da bodega" disse...

Caro Diogo, estou sentindo falta da sua irreverência.
"Roubos de proporções bíblicas" foi estupenda, mais faltou a famosa frase: "os baldes de merda".

KKKKKKK!!! abraços e bom fim de semana, "El Carrasco".

a.castro disse...

Diogo, a taxa de juro 4, 4,5% corresponde aos Juros Activos, enquanto nas Operações Passivas os BANCOS aplicam apenas pouco mais de 1,5%!!! A diferença é paga pelo "zé-povo" para encher o "bandulho" dos Bancos :(
Abraço

RB disse...

São vidas... eles conhecem-se todos

Diogo disse...

Zéi, concordo com quase tudo o que disse excepto que «A subida dos juros tem como principal objectivo a manutenção da esmonia do dolar». Os tipos que imprimem os dólares são os mesmos que imprimem os euros. O sobe e desce das taxas de juros é a principal forma de apropriação que eles possuem.

Laurentina said «Que os pariu a todos ...e no fim um tiro certeiro nos cornos!!». Absolutamente de acordo minha cara.

o moço da bodega" said «Caro Diogo, estou sentindo falta da sua irreverência. Faltou a famosa frase: "os baldes de merda".». De qualquer forma ainda escrevi: «E não será de pegar na cabeça de Trichet e bater com ela num poste até o cabrão esclarecer»

Castro said «A diferença é paga pelo "zé-povo" para encher o "bandulho" dos Bancos». E que bandulho meu caro!

Anónimo disse...

Obrigado Zé! pelo comentário claro.

Portanto a China tem a cabeça dos EUA na mão, não?

Entretanto por cá:

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=38674

py

Anónimo disse...

Portanto agora é inevitável aplicar impostos semelhantes aos pagos pelas empresas sobre os lucros dos bancos, e que isso sirva para financiar políticas de apoio social e geração de emprego, que se vejam, senão o governo ainda cai.

py

Diogo disse...

«é inevitável aplicar impostos semelhantes aos pagos pelas empresas sobre os lucros dos bancos»

Não basta Py. Deve ser retirado à banca a faculdade de imprimir dinheiro e a capacidade de alterar juros à vontade do freguês. E isto tem de ser feito a nível mundial.

Diogo disse...

Diário de Notícias - 10.06.07

Grande banca lucra 8,7 milhões por dia

A margem financeira cresceu 35,8%
Os grandes bancos nacionais ganharam 8,7 milhões de euros por dia, no primeiro trimestre deste ano, mais 21% que em cada dia do mesmo trimestre de 2006, quando os ganhos diários foram de 7,1 milhões de euros. De acordo com cálculos feitos pelo DN, as cinco grandes instituições de crédito portuguesas viram os seus resultados aumentar quase tanto como os dos 13 maiores bancos europeus, cujos lucros cresceram 29,9% até Março. Os valores absolutos é que são bem diferentes.

O aumento dos lucros da banca ocorreu num quadro de subida de taxas de juro, com os bancos a registarem subidas significativas nas suas margens financeiras. Com efeito, os cinco grandes bancos portugueses - Caixa Geral de Depósitos, Millennium bcp, Banco Espírito Santo, Banco Santander Totta e Banco BPI - obtiveram, por dia, 17,8 milhões de euros de margem financeira, contra 13,1 milhões cobrados no ano passado. Ou seja, este foi o montante arrecadado diariamente pelos grandes bancos, resultante da diferença entre os juros cobrados sobre os empréstimos e as mesmas taxas pagas sobre as aplicações financeiras. Nos primeiros três meses, a margem financeira dos cinco grandes aumentou 35,8%, face ao ano anterior.

(...)

Anónimo disse...

Mas Diogo eu isso não sei como é que se faz. A única coisa que me lembro é o Fight Club.

O dinheiro é uma convenção entre os homens, existe porque nós o usamos.

py

Diogo disse...

Py - «O dinheiro é uma convenção entre os homens.»

Pois é e devia estar ao serviço dos homens e não de meia dúzia.

Hoje em dia, tanto a Reserva Federal Americana como o Banco Central Europeu são entidades privadas que têm o privilégio máximo de imprimir dinheiro a partir do nada, emprestá-lo com juros e fixar taxas de juro. É um roubo de proporções bíblicas.