quarta-feira, maio 18, 2005

Desinformação e DemocraCIA

Texto de de Michel Chossudovsky, professor de Economia na Universidade de Ottawa:

Os arquitectos militares do Pentágono estão perfeitamente conscientes do papel central da propaganda de guerra. Engendrada pelo Pentágono, pelo Departamento de Estado e pela CIA, já foi lançada uma Campanha de medo e desinformação [fear and disinformation campaign (FDC)] . A distorção grosseira da verdade e a manipulação sistemática de todas as fontes de informação constituem uma parte integral da estratégia de guerra. Em consequência do 11 de Setembro, o secretário da Defesa Donald Rumsfeld criou o Gabinete de Influência Estratégia [Office of Strategic Influence (OSI)] , ou Gabinete de Desinformação" ["Office of Desinformation"] como foi rotulado pelos seus críticos:

"O Departamento da Defesa afirmou ter necessidade de fazer isso, e estavam realmente a caminho de espalhar histórias falsas em países estrangeiros — num esforço para influenciar a opinião pública por todo o mundo. (Entrevista com Steve Adubato, Fox News, 26 Dezembro de 2002.)

Um certo número de agências governamentais e informação - com ligações ao Pentágono - estão envolvidas em várias componentes da campanha de propaganda. A realidade é apresentada de pernas para o ar. Actos de guerra são anunciados como "intervenções humanitárias" destinados a uma "mudança de regime" e à "restauração da democracia". A ocupação militar e o massacre de civis são apresentados como "manutenção da paz". A abolição de liberdades civis - no contexto da assim chamada "legislação anti-terrorista" - é retratada como um meio para proporcionar "segurança interna" e promover liberdades civis. E subjacentes a estas realidades manipuladas, declarações sobre "Osama bin Laden" e "armas de destruição em massa", que circulam abundantemente nas cadeias noticiosas, são apresentadas como a base para um entendimento dos acontecimentos mundiais.

Para sustentar a agenda de guerra, estas "realidades fabricadas", canalizadas numa base diária para o interior das cadeias noticiosas devem tornar-se verdades indeléveis, tornando-se parte de um vasto consenso político e dos meios de comunicação. Desta forma, os media corporativos - embora actuando independentemente do aparelho militar de informações - são um instrumento desta evolução totalitária do regime.

Em estreita ligação com o Pentágono e a CIA, o Departamento de Estado montou também a sua própria unidade de propaganda "soft-sell" (civil), dirigida pelo subsecretário de Estado para Diplomacia Pública e Negócios Públicos, Charlotte Beers, uma figura poderosa na indústria da publicidade. Trabalhando em ligação com o Pentágono, Beers foi nomeado para chefe da unidade de propaganda do Departamento de Estado logo após o 11 de Setembro. O seu mandato é "para actuar contra o anti-americanismo no exterior" (Sunday Times, Londres 5 de Janeiro de 2003). O seu gabinete no Departamento de Estado destina-se a:

"assegurar que a diplomacia pública (cativar, informar e influenciar audiências públicas internacionais) seja praticada em harmonia com os negócios públicos (estendendo-se a americanos) e com a diplomacia tradicional para promover os interesses e a segurança dos EUA e proporcionar a base moral para a liderança americana no mundo".

A componente mais poderosa da Campanha de Medo e Desinformação (FDI) pertence à CIA, a qual secretamente subsidia autores, jornalistas e críticos por intermédio de uma rede de fundações privadas e organizações patrocinadas pela CIA. A CIA influencia também o âmbito e a direcção de muitas produções de Hollywood. Desde o 11 de Setembro, um terço das produções de Hollywood são filmes de guerra. "As estrelas de Hollywood e os autores de guiões apressam-se a reforçar a nova mensagem de patriotismo, aconselhando-se com a CIA e inspirando-se junto dos militares acerca de possíveis ataques terroristas na vida real". "O Verão de todos os medos" ("The Summer of All Fears") , dirigido por Phil Alden Robinson, que pinta o cenário de uma guerra nuclear, recebeu o endosso e o apoio tanto do Pentágono como da CIA.

A desinformação é rotineiramente "espalhada" pelos operacionais da CIA nas redacções do principais diários, revistas e canais de TV. Firmas de relações públicas externas são frequentemente utilizadas para criar "falsas histórias". Isso foi cuidadosamente documentado por Chaim Kupferbert em relação aos acontecimentos do 11 de Setembro: "Alguns, relativamente poucos, correspondentes bem relacionados forneciam os 'furos de reportagem', que obtinham cobertura nas relativamente escassas fontes de notícias dos principais meios de comunicação, onde os parâmetros de debate são ajustados e a "realidade oficial" é consagrada.

Iniciativas de desinformação encoberta, sob os auspícios da CIA, também são canalizadas através de vários "procuradores" de informação noutros países. Desde o 11 de Setembro essas iniciativas resultaram numa disseminação diária de informação falsa referente a alegados "ataques terroristas". Em virtualmente todos os casos relatados (na Grã Bretanha, França, Indonésia, Índia, Filipinas, etc.) afirmam que os "supostos grupos terroristas" têm "ligações à Al-Qaeda de Osama bin Laden" sem naturalmente admitir o facto (amplamente documentado por relatórios de agências de informações e documentos oficiais) que a Al-Qaeda é uma criação da CIA.



Sofocleto:
È óbvio que o texto acima, que tanto fala de desinformação e manipulação de pessoas, não passa, ele também, de despudorada e desprezível desinformação. Graças a Deus, que nos nossos semanários, autênticos modelos de independência, é sempre possível encontrar jornalistas que põem a nu as maquinações de escribas mal intencionadados (cujas armas de destruição maciça são a caneta, o Word, o Textpad e a mentira). Senão, atentemos neste editorial do Expresso:


O PRESIDENTE americano, George W. Bush, é hoje uma figura odiada em muitos círculos.

O facto de ser republicano, a forma como venceu Al Gore, a decisão de invadir o Afeganistão e sobretudo o Iraque, puseram contra ele toda a esquerda e muitos moderados.

Mas, goste-se ou não de Bush, concorde-se ou não com a presença americana no Iraque, há uma coisa que todos aceitarão: a luta política deve ser séria e leal.

Ora, nos últimos dias, todos os limites foram ultrapassados.

Procurou transmitir-se ao mundo uma ideia sinistra: a de que o Presidente americano poderia ter evitado o 11 de Setembro e não o fez - por negligência ou outra razão qualquer.

(...)

Culpar George W. Bush, ainda que veladamente, por aquilo que se passou, é uma baixeza.

Até porque, ao sugerir-se a responsabilidade do Presidente americano, desresponsabilizam-se de certa forma os terroristas.

É quase como se se dissesse: se Bush não tivesse sido negligente, poderia não ter acontecido nada.

Os culpados não foram, pois, a Al-Qaeda nem os terroristas - o mau da fita foi uma figura hedionda, sinistra, criminosa, irresponsável, que dá pelo nome de George W. Bush.


Sofocleto (outra vez):
A desinformação é de tal ordem que, a contragosto, quase chegamos a concordar com esta última frase do editorialista do Expresso.

3 comentários:

marujo disse...

Um mês depois do 9/11, numa conferência de imprensa, um jornalista perguntou ao Rumsfeld porque razão todas as pessoas nos EUA e no Ocidente acreditavam que o responsável pelo ataque tinha sido Bin Laden. Rumsfeld respondeu, cândidamente, "I have no idea".

Anónimo disse...

Excellent, love it! here

Anónimo disse...

Very nice site! Portable dvd player with 2 screens Sight word bingo merchant account software Over the counter medications for nerve pain Inbound call centers http www.outsource2india.com services Adderall dosing Audio mcse training Business card business technique Smith's diamond steel training management Culinary school of arts pasad cialis backpacks for kids Birth control guys acne Kids inflatable bath tub web site design