quinta-feira, julho 20, 2006

Mega-atentado no Ocidente e ataque ao Irão ou vice-versa?


Daniel Ellsberg é um ex-analista militar empregado na RAND Corporation que desencadeou uma tempestade nacional em 1971, quando entregou ao New York Times documentos secretos do governo americano pormenorizando alegados embustes levados a cabo por oficiais do governo respeitantes à actividade militar americana na guerra do Vietname. A publicação acordou a população americana para um programa sistemático de embustes executado pelo Pentágono contra a população americana para prolongar a guerra do Vietname.

Daniel Ellsberg, falando na rádio GNC, expressou as suas preocupações de que elementos criminosos do governo americano eram psicologicamente capazes de ter perpetrado o 11 de Setembro. Avisou que dentro de alguns dias, depois de um ataque militar ao Irão, os esbirros de Bush irão encenar um qualquer tipo de ataque terrorista no Ocidente a fim de legitimar a nova guerra.

Ellsberg continuou afirmando que outro grande ataque apadrinhado pelo estado será seguido por um cenário de lei marcial que pode incluir campos de detenção para dissidentes americanos.

Ellsberg afirmou que trabalhou com indivíduos dos mais elevados escalões do governo que encenaram provocações de guerra várias vezes para estimular um sentimento pró-guerra nos Estados Unidos. Daniel Ellsberg junta-se agora à lista das centenas de proeminentes engenheiros, físicos, economistas, oficiais militares, pilotos, analistas de informações e ministros que têm vindo a expor a fraude do 11 de Setembro.


As palavras de Ellsberg vêm lembrar uma entrevista do general Tommy Franks, o último comandante do CentCom, e coordenador dos ataques ao Afeganistão e Iraque, concedida à revista Cigar Aficionado em Novembro de 2003. Nela o general afirmou que “se a América voltar a sofrer um mega-atentado terrorista, as pessoas colocarão em causa a Constituição e proceder-se-á à militarização do país como meio de prevenir uma outra matança em grande escala”.

"It means the potential of a weapon of mass destruction and a terrorist, massive casualty-producing event somewhere in the western world—it may be in the United States of America—that causes our population to question our own Constitution and to begin to militarize our country in order to avoid a repeat of another mass-casualty-producing event. "

20 comentários:

ReiArtur disse...

Este artigo é para nos atemorizar? Um pró-Bush e um contra-Bush a falarem em mega-atentados no Ocidente? As palavras do general assutaram-me mais do que as palavras do Daniel.

Anónimo disse...

Já está na altura de o Bush deixar crescer um pequeno bigode rectangular.

Mário disse...

O Tommy Franks é parvo! Como se a América não estivesse já militarizada. Um país que já gasta mais de 450 mil milhões de dólares com a defesa. Perguntem à Lockheed Martin, à Northrop Grumman e à General Dynamics!

fourth man disse...

é por estas e por outras que eu já tou acampado nos restauradores à vossa espera.
´mensionem´ por aí a cena!!!

Anónimo disse...

Ao anonimo que disse:
"Já está na altura de o Bush deixar crescer um pequeno bigode rectangular".
O Bush já tem um bigode desses mas por agora só o vai usando nas reunioes privadas,por agora.
Mas diga-me lá, se as razões humanitárias, como resgatar um soldado Israelita das mãos do "eixo do mal", não são mais consenssuais do que a desculpa das armas de destruição massiça?...
tem alguma comparação?.
Um abraço a todos
CD

Carlos Paiva disse...

Se o Irão estiver por trás de algum ataque terrorista com armas atómicas ao Ocidente espero que seja aniquilado. O Irão ou outro país qualquer. Hoje em dia não é aceitável tolerar a ameaça de países terroristas, venham eles de onde vierem. Se os respectivos povos não podem ou não querem controlar os seus “governantes”, tanto pior.

fifth man disse...

suponho que o amigo paiva não apareça aqui nos restauradores, não? devia ser mais ´conssensual´ quanto a esta coisa das ´armas de destruição massiça?...´

xatoo disse...

tanto que se fala em "terrorismo" e em "bombas",,, que eu gostaria de saber onde se pode comprar esse tipo de coisas, quem as fabrica, como posso obter as guias de transporte para não ser multado, ver o carro apreendido pela GNR, etc
acham que isso é o tipo de coisa que seja do âmbito da iniciativa privada?

Júlio Reis disse...

O general Franks não disse que ele ou outro militar qualquer queria tomar o poder no caso de outro ataque terrorista. Apenas sugeriu que estava receoso de que a população pusesse em causa a constituição e se começasse a militarizar o país.

Helder Sanches disse...

Algo que sempre me fez confusão é a tão apregoada unidade nacional do povo americano. Basta olhar para os quadros dos resultados das eleições e ver que o país está dividido em dois grandes blocos: interior (conservador, republicano) e litoral.
A militarização do país pode conduzir a uma situação muito critica...

8th man disse...

se for isso que forem fazer prós restauradores, meus amigos, vamos a isso!!! porque é que não mensionaram logo?

Fragil disse...

Muitas pessoas não sabem que a família Bush é um bando de psicopatas. Os Bush e Co. Fingem ser tementes a Deus, cristão fervorosos, mas é tudo uma fachada. Os crimes dos Bush falam mais alto do que as suas palavras.

À primeira vista, Htler também era um compatriota convincente, e a Mafia era apenas uma grupo de “homens de família” que gostavam de conviver. Não se pode julgar um livro pela sua capa.

Anónimo disse...

Mas alguém ainda acredita nestas merdas? Estes gajos são todos doidos.

Macillum disse...

Caros bloguistas,

lancei a ideia de um encontro nos Restauradores e continuo a sentir que é a melhor coisa que nós, povo, temos a fazer.
Eu moro na Holanda, na cidade de Rotterdam.
Independentemente de vocês realizarem esse encontro, ou não, aqui já existem pessoas de várias nacionalidades a organizar uma vigilia em frente à embaixada de Israel, com cartazes elucidativos em relação ao enorme complot que se tem vindo a realizar.
Forte é existirem coordenações entre movimentos que aqui têm vindo a acontecer e movimentos que aconteçam em Portugal afim de expôr a nova ordem mundial: daqui fala-se daí; aì fala-se daqui!
Os movimentos nos Países Baixos estão representados pela Holanda, por Portugal, Brasil, Inglaterra, Polónia, etc.
Forte é combinarmos a realização de uma manifestação ao mesmo tempo... mas nem pensem que fico à espera que a vossa aconteça: se não acontecer em Portugal, aqui não paramos. Se acontecer vai dar muita força esta união: a Europa tem de começar a coordenar descontentamentos e estas manifestações podem vir a fazer a diferença: se nos mantivermos manifestando, em outros pontos da Europa irão surgir outros focos de manifestação de pessoas informadas sobre os planos da nova ordem mundial.
Mas cuidado: em Portugal, o plano da nova ordem mundial é fazer o caos cair nas ruas, para que as forças militares da ONU possam tomar conta do território, uma vez que as forças de segurança pública e os militares em Portugal têm vindo a ser cada vez mais enfraquecidos, sem capacidade de resposta devido à falta de logística, caso algo dê para o torto a sério nas ruas das cidades portuguesas. Por isso, manifestem-se pacificamente.
Para começar não temos de esperar uns pelos outros. As manifestações podem ser começadas à vez e não têm forçosamente de começar coordenadas.
Porém, compreendam, se realizarem uma manifestação e depois forem todos para casa ver as imagens na televisão, o fracasso está executado.
Começando, não parem!
Esqueçam por um tempo os afazeres da vida, pois, continuando assim, talvez não tenhamos afazeres durante muito tempo... nem nós, nem nossos filhos.

Viva a Liberdade e o Amor

kofi annan disse...

"Mas cuidado: em Portugal, o plano da nova ordem mundial é fazer o caos cair nas ruas, para que as forças militares da ONU possam tomar conta do território, uma vez que as forças de segurança pública e os militares em Portugal têm vindo a ser cada vez mais enfraquecidos, sem capacidade de resposta devido à falta de logística, caso algo dê para o torto a sério nas ruas das cidades portuguesas. Por isso, manifestem-se pacificamente"

Deixe ver se compreendi bem, na sua opinião, "alvitra-se" uma acção de força da ONU em território português por causa de uma manifestação anti-globalização?

Macillum disse...

Não.
O tipo de informação que esta manifestação pode esclarecer e divulgar é que poderá - se não fôr feita de modo pacífico - exaltar os ânimos até ao caos social.
Uma vez que têm sido executadas medidas contra a P.S.P., a P.J. e as Forças Armadas em geral, com o objectivo enfraquecer os meios de "restauração da ordem pública e de defesa da nação", quando começamos a expôr publicamente e na praça públicas:
- posturas para-políticas de individualidades como o Pinto Balsemão (detentor de +80% da comunicação social em Portugal) que têm participado nas reuniões do Grupo de Bilderberg;
- o papel de Portugal na instauração de uma nova ordem mundial que já é falada no país desde o séc. XIX;
- a cumplicidade deste sistema com a pedofilia aos mais altos níveis da sociedade portuguesa - daí o entupimento do caso Casa Pia e da demissão de agentes que não quiseram parar as investigações (na Holanda foi criado o chamado partido pedófilo que defende a legalização de sexo a partir dos 12 anos de idade e da prática de sexo com animais);
- o encerramento das maternidades como genocídio passivo da população portuguesa;
- a posição e influência da maçonaria em todo este processo;
- etc.
... quando tudo isto começar a vir ao de cima nas praças portuguesas, é preciso que tudo seja feito com muita calma, numa postura não-violenta, com o máximo de vozes e espíritos populares possiveis que estejam pela serenidade no início e no desenvolvimento deste processo de transformação social.
Ninguém sabe no que vai dar isto tudo, mas como canta o Fausto "venha no que vier a dar, assim não podemos ficar", "seja homem, ou mulher, eu estou para o que der e vier" !
É difícl conter os ânimos populares e se estala a confusão, Portugal está desprovido de meios oficiais para travar tal compulsão: a salvação para restabelecer a ordem pública e assegurar o funcionamento de serviços sociais mínimos, estaria nas mãos das forças internacionais da ONU.
Este plano é antigo, uma vez que Portugal, geograficamente, é ponto estratégico central no mapa da nova ordem mundial.
Porém, se os impulsionadores deste movimento de praça tomarem uma postura não-violenta, acredito que podemos frustar estes planos inpensáveis pelo povo português.
Numa crise como a que Portugal está a enfrentar, é uma questão de tempo até que a confusão chegue ás ruas: pode tudo começar com um pequeno incidente.
A responsabilidade daqueles que decidirem levar para a frente tal movimento é a de transmitirem não só o problema, mas também sugerirem soluções, ... e uma das soluções passa pela via pacífica. A solução - não final - para encaminhar as coisas de um modo mais construtivo e vivificante, será encontrada na praça, enquanto o povo exercer o seu direito à liberdade de expressão.
É preciso ter cuidado com a presença de membros de movimentos mais extremistas que lá poderão ir só para causar confusão. É preciso estar muito atento e o mais descontraido possivel.
Também sugiro que sejam contactados meios de comunicação social e que se envie cartas para a Assembleia da República, para a P.S.P., para a P.J. e para o máximo número de quartéis militares, anunciando o acontecimento e explicando o porquê de tal movimento.
A eficácia deste movimento não se encontra em uma manifestação, mas na sua continuidade.

Ahimsa

ibis disse...

Para complementar estes comentários reparem ,agora que estamos a 11 de agosto, o mega atentado que se preparava hoje , com explosivos liquidos a bordo de vários avioes que se iriam dirigir a cidades nos EUA!!

´´é bom que se comece a juntar as peças do puzzle ,principalmente quando as "dicas" vem de "dentro" .

Anónimo disse...

O mal nao está nos dogmas comunismo fascismo socialismo e outros ismos, esta dentro de nos,
qualquer sistema funciona desde que gerido por gente de bem

Anónimo disse...

Best regards from NY! » »

Anónimo disse...

Very nice site! » » »