sábado, julho 22, 2006

No Expresso - José Cutileiro acusa os EUA de inépcia e perda de influência no Médio Oriente


José Cutileiro, na edição de 22/7/2006, acusa a Administração Bush de "alheamento" em relação ao actual conflito de Israel com o Líbano:

«Grande responsável desta crise é a Administração Bush. Desde que chegou ao poder, em vez de, sem abandonar Israel, ajudar as duas partes a procurarem entender-se como tinha sido prática americana, deu rédea solta a Israel e afastou-se. A sua inépcia fê-la perder influência na região e ficar com uma crise nas mãos cuja dimensão não antecipara.»


Tem alguma razão José Cutileiro. Se há coisa que a generalidade das pessoas reconhece é a atitude de total desprendimento da Administração Bush em relação ao Médio Oriente, traduzida em pouco mais do que nas invasões do Afeganistão e do Iraque.

Opinião ligeiramente diferente tem, contudo, Michel Chossudovsky:

Bombardeamentos israelitas podem levar à escalada da guerra no Médio Oriente

A seguir aos bombardeamentos de Beirute por Israel há o perigo de que a guerra patrocinada pelos EUA no Médio Oriente, que actualmente se caracteriza por três teatros de guerra distintos (Afeganistão, Palestina e Iraque), venha a aumentar e a estender-se a toda a região Médio Oriente - Ásia Central.

Os bombardeamentos do Líbano fazem parte de uma agenda militar cuidadosamente planeada. Eles não são actos espontâneos de represália da parte de Israel. São actos de provocação.

Os ataques podem na verdade ser utilizados como pretexto para levar a cabo uma operação militar muito mais vasta. Com toda a probabilidade, os bombardeamentos foram efectuados com a aprovação de Washington.

O «timing» destes bombardeamentos coincide com o litígio com o Irão quanto ao alegado programa de armas nucleares e devem ser encarados e analisados sob o ponto de vista dos interesses geopolíticos e estratégicos americanos - israelitas em toda a região.

Israel está destinado a desempenhar um papel directo na operação militar patrocinada pelos EUA contra o Irão, a qual também foi objecto de consultas na reunião do G8 em São Petersburgo, que ocorreu nos dias 15 a 17 de Julho.

Desde o fim de 2004 Israel tem estado a acumular sistemas de armas fabricadas nos EUA na previsão de um ataque ao Irão. Esta acumulação, que é financiada pela ajuda militar americana, foi em grande parte concluída em Junho de 2005. Israel recebeu dos EUA vários milhares de "armas inteligentes lançadas do ar" incluindo cerca de 500 bombas 'bunker-buster', as quais também podem ser usadas para lançar bombas nucleares tácticas. As armas nucleares tácticas americanas tem sido instaladas pelos EUA e vários dos seus aliados e podem ser utilizadas contra o Irão. Os mísseis termonucleares de Israel estão apontados a Teerão.

27 comentários:

Fragil disse...

Eu realmente tenho visto com alguma apreensão o distanciamento com que os Estados Unidos têm tratado as questões do Médio Oriente. Bombardeiam o Afeganistão a contra gosto, chacinam centenas de milhares no Iraque sabe Deus com que sacrifício e é contrariados que vão controlando o petróleo da zona. O que será necessário fazer para os motivar?

Zé carlos disse...

Os bushistas andam a preparar uma grande salgalhada. Ainda bem que temos uma imprensa objectiva para nos manter informados.

ReiArtur disse...

O ex-embaixador José Cutileiro passou demasiado tempo com antigo embaixador americano em Lisboa, Frank Carlucci. Deve-lhe ter apanhado os tiques.

Pedro Soares disse...

Se os americanos tivessem uma política mais activa nesta zona do Médio Oriente, não acredito que o Hezbollah estivesse a atacar Israel impunemente. Evidentemente que estão a morrer libaneses mas os terroristas islâmicos continuam de boa saúde.

Macillum disse...

Aqui está a oportunidade:

http://photos1.blogger.com/blogger/4788/2663/1600/ManifIsraelLibano.jpg

Quarta-Feira, dia 26 de Julho, ás 18:30, realizar-se-à uma manifestação em frente à Embaixada de Israel, na Av António Enes, 16 (Metro do Saldanha).

Em acção coordenada vai realizar-se uma manifestação em frente à Embaixada de Israel aqui na Holanda, na Buitenhof 47, 2513 AH, em Den Haag.

É uma boa oportunidade para o encontro na praça dos Restauradores.

Coragem.

Macillum disse...

Apesar da manifestação em frente à Embaixada de Israel em Portugal ser de esquerda, a manifestação na Holanda nada tem de tendências ideológicas: a base desta manifestação é o apelo à verdade e o amor pelas famílias e pelas crianças. Nesta base, os planos da nova ordem mundial podem ser expostos... sem deixar que outros caracteres ideológicos se aproveitem do movimento... talvez nós é que nos aproveitamos deles!

Carlos Paiva disse...

Se Israel não conseguir uma vitória esmagadora e convincente em mais ou menos uma semana, então o Hezbollah, e por acréscimo o Irão e a Síria sairão vencedores. Até agora os bombardeamentos no Líbano parecem ter tido poucos resultados estratégicos e criaram muita animosidade na população libanesa. Julgo que Israel está relutante de encetar uma invasão por terra em grande escala por recear que essa acção não seja tão decisiva como gostariam. Se for o caso, e se Israel se contentar com uma força multinacional a fazer de tampão, então a vitória psicológica e política será do Irão. Não tenho a certeza de como é que isto vai acabar nem se o Hezbollah pode ser destruído ou erradicado, mas a força multinacional é a pior das opções.

Júlio Reis disse...

O Conselho de Segurança da ONU devia estar esta semana a discutir a forma de punir o Irão por recusar parar com o seu programa de enriquecimento de urânio. Em vez disso, os líderes das potências mundiais estão a tentar travar a escalada de violência entre Israel e o Líbano, e o programa nuclear iraniano desapareceu da agenda internacional.

Não é preciso dizer que os mullahs em Teerão estão deliciados com isto.

Carlos Paiva disse...

Macillum, o seu apelo anti-Israel num período tão crítico para o povo judeu, parece-me de uma desumanidade vergonhosa. Lamento que hajam pessoas como você.

Pedro Soares disse...

Porque é que esta crise no Médio Oriente é diferente das anteriores? Porque nas outras os maiores rivais de Israel eram a OLP, o Egipto, o Iraque e a Síria, mas nesta crise os rivais são os jihadistas do Hamas, do Hezbollah, da Síria e, o mais importante de todos, o Irão. Nas crises anteriores os doidos eram marginais, mas nesta os doidos do Hamas e do Hezbollah estão no governo e fazem parte de partidos maioritários.

Por outras palavras, esta crise representa o retorno do elemento básico do conflito que opõe Israel e aqueles que o procuram destruir.

Macillum disse...

Sr. Carlos Paiva,

por haverem pessoas como o senhor que distorcem tudo o que os outros dizem (entre outros que só pensam em si próprios), é que eu estou cada vez com mais esperanças que venha aì um tsunami e varra com isto tudo!!!
Oh, Sr. Carlos Paiva, onde é que o senhor leu em alguma merda que eu tenha escrito, algum apelo anti-Israel?!!! Mas que merda de conversa é esta?! Eu falei das famílias, das crianças, de um apelo geral para parar com a guerra, em Israel e seja onde fôr!
Como você (e piores e mais perigosos) tenho encontrado muitos, que não possuem luzes de conhecimento suficiente para interpretarem de forma mais correcta o que está a acontecer.
A falta de escolaridade e os deficientes métodos educacionais de Portugal faz com haja imensa gente como o senhor que não sabe interpretar o que lê!
Deixe-se de merdas (vocês e todos os outros que só vêm para aqui com a intensão de desacreditar) e aprendam a ler e a interpretar o que lêem!
Mas já conseguiu: em toda a Europa eu só encontro confusão de pensamentos, atitudes e ideologias: isto só mesmo um cataclismo!!!
Deixei de acreditar na humanidade!
Tenho vindo a fazer um esforço mas não dá: as pessoas são estúpidas demais, ignorantes que cheguem, completamente lavadas cerebralmente!
O mundo está estilhaçado em mil e uma ideologias e pontos-de-vista...
A humanidade está a aborrecer-me cada vez mais e começo cada vez mais a acreditar que a solução é um cataclismo a sério.
Desculpem-me este desabafo, mas juntando as experiências no terreno que tenho vindo a ter na Europa, junto com as palavras deste cavalheiro (gota de água), para mim já chega!!!
Extrema direita, comunistas, socialistas, social-democratas, extrema esquerda, anaquistas, poetas, divagadores, populaça, operários, administrativos, universitários, xiitas, muçulmanos, protestantes moderados, católicos extremistas, esquimós, pretos, brancos, indíos... só mesmo umas quantas bombas nucleares para dar a volta a isto.
Vamos embora Israel: desencadea aì a 3ª Guerra Mundial!!!
Vamos embora Irão e Síria: ataquem todos e arrebentem com esta merda toda!!!
Vamos embora E.U.A. e O.N.U.: vão lá, lancem bombas atómicas, eles que lancem para a Europa e para a América do Norte e do Sul, para África, para a Ásia... rebentem com esta merda toda!
Aborrece-me tanta estupidez e ignorância.
Ainda bem que não estou em posição de tiranizar o mundo, senão mandava que rebentássem todas as bombas atómicas ao mesmo tempo... eu ficaria num local bem alto para ver o fogo no céu, enquanto ele não chegásse e não me transforma-se em cinzas também!

Boa sorte.

Sofocleto disse...

Tens toda a razão Macillum. O mundo é objectivo não é subjectivo. Posso entender que do ponto onde me encontro não me é possível observar a realidade toda. Mas tenho a obrigação de reconhecer essa impossibilidade e compreender que a minha perspectiva é parcial.

Há muita informação e desinformação disponível na Internet e nos noticiários. Todos devemos fazer um esforço para separar o trigo do joio. A realidade é um todo coerente. Se algo não encaixa devemo-nos perguntar da fiabilidade desse facto. Se o facto se revela verdadeiro devemos questionar a nossa "realidade" em que acreditamos.

Há, no entanto, muitos que não conseguem construir um todo coerente. O Carlos Paiva é um deles. Não percebe as contradições sobre as quais assenta a sua visão da realidade. E quantas mais contradições contém uma crença, mais cega a pessoa é. O Carlos Paiva sustenta-se agarrado a uma bengala vermelha e branca.

Mário disse...

Quem é Cutileiro? Embora com pouca notoriedade, é um perigo público. Este atlantista fanático é o autor do Acordo de Lisboa, de sinistra memória, que preconizava, para agradar a Washington, a divisão da minúscula Bósnia-Herzegovina em três Estados distintos e mono-étnicos.

http://www.voltairenet.org/article14470.html

Zaratustra disse...

Ao Macillum
O senhor irritou-se mesmo com o senhor Carlos Paiva, devo dizer que não concordo com a apreciação que ele faz da situação no medio oriente, parece-me demasiado simplista e pouco elaborada, parece-me, volto a dizer, concordo mais com a sua visão dos acontecimentos.
Contudo repare na sua reacção ao comentário do senhor Paiva...
o dito comentário provocou uma libertação de quimicos no seu organismo que toldaram a razão e o levaram a desejar que tudo isto acabasse.
Está a ver porque é que o Hezbola ataca os judeus e vice versa?
Mas não fique chateado comigo porque eu sou assim tambem, todos somos.
É assim que nós somos...
Discutimos uns com os outros e por vezes até nos matamos.
Não temos um predador a nossa altura... a natureza deu-nos esse papel... sermos o nosso próprio predador.
Nesta altura chegamos a uma encruzilhada no processo evolutivo, estou convencido que haverá mudanças drásticas, mas como o senhor diz... devemos saber qual o caminho que queremos trilhar.
um abraço
CD

Macillum disse...

Tem razão: às vezes, basta um momento, um conjunto de factores associados e um homem, ou um povo, pacífico, torna-se um homicida.
Cito +/- Xico Buarque: "porque mais depressa a mão executa, senão, o coração perdoa"
Infelizmente, às vezes só o Coração não chega para executar mudanças a curto-prazo, na urgência que a humanidade tem em mudar para sobreviver.
Informo-lhe que não tendo para qualquer tipo de ideologia e se esta fôr violenta, menos ainda... porém, dentro dos estudos que tenho realizado, uma coisa tem-me sempre saltado aos olhos: são judias aquelas famílias que ocupam os lugares de Senhores do Mundo! Não é por acaso que a estrela de israel faz parte do selo oficial dos E.U., formada por 13 estrelas, as 13 famílias donas do mundo; não é por acaso que o distintivo da P.S.P. é uma estrela dos judeus...
Isto que vou dizer pode chocar muita gente, por isso advirto mais uma vez que sou apologista da não-violência como sabem os que tem acompanhado os meus posts (exceptuando talvez aquele em que quis explodir com o planeta todo!!!), mas, agora eu compreendo Hitler: ele sabia a verdade!
Abomino completamente os seus métodos, as suas ideias... mas ele sabia onde estava o mal do mundo: em algumas poderosíssimas famílias judias, detentoras da maior parte do capital do mundo.
O microfone estava ligado para dizer à opinião pública que não estava nas mãos da América fazer alguma coisa em relação aos confrontos. Abastecido pelos E.U., Israel tem armamento, munições e mantimentos suficientes para entrar pelo Líbano, cruzar toda a Síria, até chegar ao Irão.
Perante a opinião pública as forças intenacionais da O.N.U. vão ser a salvação das famílias, não compreendendo o povo que, aqueles que irão ser os salvadores, são os mesmos que estão a fomentar o conflito.
Atentados na Europa e nos E.U.A. levados a cabo pela própria U.E. e pelos próprios E.U.A. erguerão o estado marcial (que já se ergueu na América) e o controle absoluto sobre as populações: a tecnologia para tal já está pronta e até a ser utilizada e experimentada no meio das populações.
Após expulsão dos imigrantes ilegais de volta para a guerra e para a miséria dos países dizimados pelos interesses, mais uma vez, europeus e americanos (sem falar da China e da Rússia,p.ex.), o sistema de controle tecnológico absoluto poderá ser erguido definitiva e mais facilmente no ambiente da nova ordem mundial que já estamos a viver há alguns anos aqui na Europa, porém, de forma bem mais declarada, intensa, opressora.
A solução é a saída em massa dos europeus para a rua! Esta saída em massa corre o risco de estalar em caos urbano que só as forças intenacionais da O.N.U. poderiam travar... logo, estaríamos a ajudar na concretização do plano destes demónios. Mas se a humanidade tiver a sabedoria, o carácter e a ousadia para manifestar-se em massa pelas ruas das cidades europeias, com serenidade, dentro do espírito da não-violência, sem retornar a casa enquanto a última guerra, ou conflito no mundo não parar, então, ainda há esperança.
Mas se, neste espírito o povo sair para a rua e depois do conflito entre Israel e o Libano cessar, tornar a voltar para as suas vidinhas, então, mais vale estar quieto, pois será uma questão de tempo até que a eminência de uma 3ª guerra mundial torne a vir.

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Macmillum

"são judias aquelas famílias que ocupam os lugares de Senhores do Mundo! (...) mas, agora eu compreendo Hitler: ele sabia a verdade!
Abomino completamente os seus métodos, as suas ideias... mas ele sabia onde estava o mal do mundo: em algumas poderosíssimas famílias judias, detentoras da maior parte do capital do mundo."

Ó Macillum, depois destas afirmações, ainda quer que alguém o tome como tolerante e anti-violência?

Afirma solenemente que não perfilha ideologia nenhuma. e eu a pensar que era precisamente a ideologia política (no seu sentido mais nobre) que permitia ao indivíduo interpretar a informação (e a informação) que a opinião (pública e publicada) emite.
Várias correntes tentam desde há muito tempo matar as ideologias, mas se acabarmos com estes esquemas, e se partirmos do princípio que a diferença essencial entre a direita e a esquerda entronca no pessimismo e o optimismo antropológico ( e não na propriedade ou noutras vacuidades do género), se matarmos as ideologias, dizia eu, o que teremos para as substituir na sua função mais nobre: a educação cívica do indivíduo.

contradicoes disse...

Os EUA que ameaçaram por diversas vezes ter intenção de atacar o Irão, resolveram através dos seus amigos israelitas, estes a pretexto da necessidade de aniquilamento do Hesbollah, provocar o Irão através desta invasão do Líbano. Muito provávelmente o Irão não se vai envolver directamente neste conflito, embora continue a fornecer misseis e outro tipo de armamento ao movimento de guerrilha do Hesbollah que está a demonstrar que tem alguma capacidade para enfrentar um exercito convencional, embora não disponha de força aérea. Pessoalmente estou convicto que a mesma facilidade que as tropas de Israel tiveram no sul do Líbano comparável aquela que dispôs a tropa de coligação no Iraque, não traduzirá o seu êxito, porque vai ser a partir de agora que Israel tal qual os EUA, conhecerão o sabor da morte dos seus militares.

JV disse...

Visitem este magnífico espaço.
Se o Pacheco Pereira tem direito a visitas, porque não eu? Ajudem-me a subir no ranking, sejam boa gente.

Biranta disse...

Há coisas, nestes comentários, que a gente lê e não acredita...
A pergunta que me atormenta é:
Porque é que pessoas com ideias tão... "desarrumadas", tão absurdas acham que devem "liderar" o que quer que seja, ter capacidade de "mobilizar" os outros? Para quê?
Como? Se, afinal, são gente que "já perdeu a confiança e acham que a solução é um cataclismo... bombas atómicas"?
Meu caro! Não são as suas experiências nem as atitudes dos outros que "justificam" essas suas "ideias". Elas já existiam em si, antes e as pessoas percebem, pressentem, essas coisas. Como percebem?!
Até poderia acontecer que, como o outro, em dissesse: "não sei para onde vou..." o que garanto é que: "SEI QUE NÃO VOU POR AÍ!". E como eu muita gente, que eu compreendo bem. Como eu os compreendo!
Quando os objectivos forem dignos, os correctos e as acções eficientes, Quando os líderes forem idóneos e esclarecidos, dignos, amigos da humanidade e do Mundo, Líderes a sério, as pessoas perceberão...
O defeito é seu, não dos outros!

Macillum disse...

Biranta, você é mais um que me mostra que não há solução humanamente possível para a humanidade: ou vem uma onda e varre isto tudo, ou, então, só mesmo os extraterrestres.
Insanos são aos milhões... loucos, verdadeiros loucos, é raro...

Macillum disse...

Sr. Conde de Piornos,

se o senhor não demonstrasse ser mais um que distorce aquilo que lê, que não possui uma boa capacidade de intrepretar textos, não teria desviado tanto o ponto-de-vista do meu post... ou fê-lo de propósito?
Vão-me agora dizer que deixei de ser tolerante e anti-violento, somente por reconhecer um facto histórico? Maior parte do capital do mundo está na mão de judeus, Hitler sabia disso e enlouqueceu!
Daì, até vir dizer-me que por ter a coragem de assumir que aquilo que o Hitler sabia dos judeus ser, afinal, um facto histórico, isso faz de mim um nazi? Um racista? Um anti-zionista? Um xenofóbico?
"(...) dos que se dizem judeus, e não o são, mas são da sinagoga de Satanás" Apocalipse cap.2.9
Como é que eu posso estar contra os judeus se eles são um dos povos mais pacíficos da Terra, não fossem eles um povo vegetariano, em sua grande maioria? E Jesus não era também judeu? Como pode, afinal, distorcer tanto as palavras de um homem?
Meus amigos, esta brincadeira que vocês estão aqui a brincar, na qual, invés de procurarem entender primeiro as palavras de um homem, começam logo por acusá-lo... meus amigos, se vocês levarem convosco tal atitude para o meio da praça quando vocês sairem para as ruas, dará em linchamento do primeiro que disser algo mais ousado, com certeza.
É como saber que um homem roubou uma galinha, mas não falar, porque em tempos houve um louco que andava a chacinar assaltantes de galinheiros e agora se os acusarmos, somos confundidos com aquele que em tempos os chacinou.
Será que conseguem abrir a mente para entender o que eu estou a falar?
Ahimsa quer dizer não violência e acredito que é através dela que deitaremos abaixo do seu pedestral aqueles que lideram o mundo... mas digo deitar abaixo, não digo matar: cuidado com as interpretações.

Macillum disse...

Para mais, basta ver as manifestações de judeos e árabes em Israel e compreende-se perfeitamente que o povo é igual em todo o mundo: vítima e marioneta nas mãos de quem governa!!!

Liberdade (sem opressão) e paz (sem controle) para o Líbano!
Liberdade (sem opressão) e paz (sem controle) para Israel!
Liberdade e paz para o mundo todo!

Distinga-se, então, governo americano de povo americano.
Distinga-se governo de Israel do povo judeo.
Dsefaçam-se as confusões desnecessárias de quem tem dificuldades em lêr e interpretar!

Agora, contra os que de mau intuito criam estas confusões, procurando difamar os outros, nada mais posso fazer do utilizar a vossa mal-dissência no esclarecimento de terceiros.

Obrigado pela vossa participação.

Macillum disse...

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2002/020511_israelss.shtml

"Cerca de 60 mil pessoas participaram no sábado de uma passeata em Tel Aviv em que exigiam a retirada imediata do Exército de Israel dos territórios palestinos ocupados.

"Os manifestantes defendiam também o fim dos assentamentos judeus em áreas da Cisjordânia"

O unido jamais será vencido!... e não! Não sou comunista... mas o facto de que o povo unido jamais será vencido não deixa de verdade, apesar da fonte(?) da ideia!

Macillum disse...

Correcção: o povo unido

Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site... Railcar gate opener Snuff parental control Mazda rx 7 2006 Mexican fioricet free shipping Fishing fly guide new travel zealand upc anti siphon faucet repair kit Pennsylvania home tattoo removal Data recovery utility Dennis sheffield uk business credit reports risk scores where to buy time share notes Chair electric spare wheel

Anónimo disse...

Enjoyed a lot! » » »

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. video editing programs