segunda-feira, setembro 28, 2009

10,4 por cento dos votos e 21 deputados - o novo campeonato de Paulo Portas. Longe vão as tácticas menos claras desta Fénix renascida

Jornal de Notícias - 28/9/2009:


"Minhas amigas e meus amigos, foi desta vez: dois dígitos!" O CDS chegou ao pódio e Paulo Portas não tem dúvidas: "Passamos a ser o terceiro partido, temos mais de 10%, a partir de hoje, passamos a discutir outro campeonato".

"Não é o fim da linha, é apenas o princípio de um caminho que vai demorar algum tempo para que haja, em Portugal, um grande partido não socialista, frontal, directo e corajoso", afirmou Paulo Portas, perante um auditório a rebentar pelas costuras. "Este resultado é a remuneração do esforço, a compensação da clareza e a vitória do bom senso em Portugal", sublinhou, exaltando o facto do CDS ter ficado à frente de CDU e BE, a "Esquerda radical".


***************************


Mas no campeonato de 2005 a posição de Portas era mais periclitante:


Negócios de Portas vistos à lupa

O Ministério Público e a Polícia Judiciária estão a investigar vários actos da gestão de Paulo Portas no Ministério da Defesa. Em causa estão, desde já, os contratos e, sobretudo, as contrapartidas negociadas para a aquisição de submarinos e de helicópteros pesados, no valor global de 1,3 mil milhões de euros, e onde a Escom, trading do grupo Espírito Santo, surge associada aos consórcios vencedores a HWD (alemã) e a Agusta-Westland (belgas e britânicos), respectivamente.

O DN apurou, no entanto, que na mira dos investigadores estarão também outros dossiers, alguns dos quais se encontram por concluir, não existindo, até agora, nenhuma adjudicação de helicópteros ligeiros para o exército, substituição dos Aviocar, viaturas de transporte blindadas e armas ligeiras.

O que indicia que, nesta fase, os investigadores parecem especialmente apostados em averiguar o tipo de contrapartidas que terão sido prometidas ou até mesmo negociadas à margem dos diversos concursos que decorreram, ou estão ainda a decorrer, para a aquisição dos diferentes equipamentos das Forças Armadas.

Aliás, para a prova dos crimes de corrupção e tráfico de influências a lei requer que se demonstre a relação causa-efeito de uma determinada decisão.

O que justificaria, por exemplo, as apreensões de documentos que foram feitas na Escom, empresa que actua habitualmente neste tipo de negócios como "intermediária" entre as partes.

Ao que tudo indica, MP e PJ esperam encontrar nesses documentos os indícios e provas suficientes que lhes permitam sustentar as suspeitas de corrupção e tráfico de influências que os levaram a agir, nesta primeira fase, sobre o caso da herdade da Vargem Fresca, em Benavente. E que poderão passar também pelo financiamento do CDS/PP, apesar dos desmentidos públicos de Abel Pinheiro, o dirigente popular que controlou os dinheiros do partido durante a direcção de Paulo Portas, e que já foi constituído arguido no processo que envolve a herdade da Vargem Fresca. Além de Abel Pinheiro, foram ainda constituídos arguidos Luís Nobre Guedes e três quadros do Grupo Espírito Santo Luís Horta e Costa, José Manuel Sousa e Carlos Calvário. Todos por suspeitas do crime de tráfico de influências.

De acordo com diversas fontes consultadas pelo DN, as suspeitas dos investigadores sobre a gestão de Paulo Portas no Ministério da Defesa poderão vir a alargar-se ainda mais nos próximos dias, admitindo-se que o Ministério Público e a PJ possam vir a interessar-se igualmente por dossiers tão distintos como a "privatização" das OGMA ou a venda de terrenos na Grande Lisboa e no Grande Porto e que foram, entretanto, desafectados aos três ramos das Forças Armadas.

São negócios de muitos milhões de euros, que começaram há vários anos e onde se cruzam vários interesses, que parecem ter despertado o interesse dos investigadores. E não só. Pelo menos a avaliar pela intenção já anunciada por Luís Amado, o socialista que sucedeu a Paulo Portas, de pedir a revisão do contrato de contrapartidas

Já em relação aos submarinos, o processo arrastou-se durante sete anos, tendo a decisão final pertencido a Paulo Portas.

E entre os processos que se encontram no DCIAP, além das questões relacionadas com a aquisição dos helicópteros e submarinos, estarão outras no âmbito de alegadas irregularidades na aquisição de viaturas blindadas ligeiras e de desvio de verbas nas Oficinas Gerais de Fardamento e Equipamento.

[...]

13 comentários:

Castanheira disse...

Paulinho das Feiras, Submarine Boy ou o Moço de Benavente?

Filipe disse...

Sobre os submarinos, importa deixar claro que o Paulinho herdou o compromisso, já consumado, do governo do GUTERRES, que o precedeu.

Se depois o renegociou bem ou mal, se o CDS comeu por fora ou não, é outra história. Mas até onde sei, o "pântano" do Guterres é que esteve na génese do negócio, não o Portas.

Anónimo disse...

E parece que manteve os muitos postos de trabalho nas Oficinas Gerais.
Mas quem tem sobreiros que não atire a bolota.
;)

A. Paulo disse...

Para os militares, sem margem para dúvida, foi o melhor Ministro da Defesa pós 25 de Abril.

Sem esquecer que o mesmo nunca foi militar…

Quanto às investigações em curso, espero que sejam investigadas.

Pena não terem metido os meninos do Bloco de esquerda todos de cana quando em outras eleições , em imagens recolhidas numa “manif” , ajuntamento, ou mero “convívio” , os mesmo fumavam substancias proibidas por Lei.

Pena não indiciarem e processarem várias pessoas que sistematicamente insultam ou se “esquecem” de tratar com devida deferência os símbolos da Republica e os que a representam ao mais alto nível.

O “Sócrates”, quer queiram quer não, gostem ou não, não pode nem deve ser tratado, especialmente em público com “o Sócrates” , ou o “Cavaco”.

São símbolos da Republica e devem ser sempre tratados com a devida deferência.

Pseudo anarquistas travestidos de esquerdistas e “viajantes da maionaise” deveriam eventualmente recorrerem a sessões de psicoterapia para se ajustarem à realidade do século XXI.

Se a herdade não sei das quantas e o negócio que a envolve incorreu em crime, puna-se os culpados.

Mas aproveitem e puna-se a tal Fundação das telecomunicações ou algo no género que tem uma sede que não era sede, com dinheiros públicos que afinal são privados ou vice versa, e que encomenda sem concurso publico milhões a uma empresa privada computadores para dar e vender.

E já agora deslindem a “tesão do mijo” da nacionalização do BPN.

Quanto a privatizações, OGMA e outras, quando quiseres apresento-te um trabalhador de lá que diz claramente que “agora não é fácil sacar coisas de lá”.

Aliás, aqui bem perto de nós, na Laje , havia um camarada que fazia peças para o SAAB, em aço inox de elevada qualidade e que as trazia das…OGMA!

Que envolve interesses? Possivelmente, mas graças à inépcia dos dirigentes deste país que os teimam em reeleger.

Um exemplo de vergonha? O estado como em muitos casos não sabe o que faz, tem mais ou menos a ideia do que quer e não sabe bem como, manda executar projectos e depois paga o dobro por vezes. Então a solução foi meter os empreiteiros a fazerem o trabalho deles e cobrarem por isso.

Ainda falando no Portas, convêm dizer que foi ele que cancelou o “esquema” dos Helis para o exercito com a famosa imagem do gabinete dele segurando um heli à escala 1/16 e dizendo: o único heli que nós temos da empresa XPTO é este e por isso vamos cancelar ( e foi cancelado) e solicitar ressarcimentos pelo atraso.

Curioso que isso foi feito mas alguém depois, sem helis, mandou formar pilotos de helis para o exercito, cuja a licença de voar expirou…por volvidos uma porrada de ans de governo socialista ainda não terem aparecido.

E os patrulhas de alto mar? Foi ele que os encomendou à industria protuguesa. Mas depois veio o nacional porreirismo do actual governo e…um dia eles aparecem.

E os blindados ? Sim, aqueles que ele encomendou aos austríacos que deveriam ser feitos parte na bombardier….

Nunca irão ser feitos!

Sabem porquê? Não? Então eu explico: está-se a construir uma nova estação de metro…a começar por baixo…depois manda-se com parte da bombardier para o chão..i..a mesma recebe mais uns trocos…fica impossibilitada de fabricar cá e com um pouco de sorte há um tal de Coutinho que faz uma mega urbanização para aqueles lados

Convêm dizer que utilizamos ainda blindados da guerra colonial e que só à um par de anos deixamos de utilizar helis da guerra colonial.

Isso pode parecer um esbanjar por muitos dos portugueses, até o dia em que precisem.

Pois , os Lynx sacaram do mar o gajo do surf e outros tantos.

Os patrulhas com um pouco de sorte afugentarão alguns rapazinhos

Os subs sem dúvida são necessários pois são uma “ferramenta” de dissuasão forte.

Aqui muitos se riem. Mas a pergunta é simples: Duas casas, dois portões, um com uma placa com “cuidado com o cão” e outra sem placa. Qual acham que o ladrão prefere para tentar o furto?

Bzzzzzzzzz

Diogo disse...

Caro A. Paulo:

A. Paulo: Para os militares, sem margem para dúvida, foi o melhor Ministro da Defesa pós 25 de Abril.

Diogo: Não duvido.


A. Paulo: Sem esquecer que o mesmo nunca foi militar…

Diogo: Reconheço que ele poderia sentir algumas dificuldades nos exercícios que exigissem mais virilidade.


A. Paulo: Quanto às investigações em curso, espero que sejam investigadas.

Diogo: Também eu. Mas a coisa arrasta-se penosamente...


A. Paulo: Pena não terem metido os meninos do Bloco de esquerda todos de cana quando em outras eleições, em imagens recolhidas numa “manif” , ajuntamento, ou mero “convívio” , os mesmo fumavam substancias proibidas por Lei.

Diogo: Prisão perpétua para todos!


A. Paulo: Pena não indiciarem e processarem várias pessoas que sistematicamente insultam ou se “esquecem” de tratar com devida deferência os símbolos da Republica e os que a representam ao mais alto nível.

Diogo: Que maior insulto pode haver ao país do que meter a unha no erário público aproveitando-se de um cargo político?


A. Paulo: O “Sócrates”, quer queiram quer não, gostem ou não, não pode nem deve ser tratado, especialmente em público como “o Sócrates” , ou o “Cavaco”.

Diogo: O “Sócrates” é um indivíduo que ocupa, por ora, um lugar político no governo de país. Todos os cidadãos são iguais perante a Lei


A. Paulo: São símbolos da Republica e devem ser sempre tratados com a devida deferência.

Diogo: Não são símbolos da República. São políticos eleitos por alguns eleitores que estão muito longe de representarem sequer a metade da totalidade dos eleitores nacionais. Basta ver os valores da abstenção.


A. Paulo: Pseudo anarquistas travestidos de esquerdistas e “viajantes da maionaise” deveriam eventualmente recorrerem a sessões de psicoterapia para se ajustarem à realidade do século XXI.

Diogo: Tal como os anarco-capitalistas, os trotsquistas, os neoconservadores, os extremistas liberais e a maior parte das seitas cristãs.


A. Paulo: Se a herdade não sei das quantas e o negócio que a envolve incorreu em crime, puna-se os culpados.

Diogo: De acordo! Mas quando os tribunais julgam casos de fraude envolvendo figurões , a justiça anda tão lenta que acaba por se imobilizar sem chegar a lado nenhum.


A. Paulo: Mas aproveitem e puna-se a tal Fundação das telecomunicações ou algo no género que tem uma sede que não era sede, com dinheiros públicos que afinal são privados ou vice versa, e que encomenda sem concurso publico milhões a uma empresa privada computadores para dar e vender.

Diogo: Puna-se. E punam-se os seus responsáveis.


A. Paulo: E já agora deslindem a “tesão do mijo” da nacionalização do BPN.

Diogo: Quem nacionalizou essa empresa criminosa foi o “Sócrates”, o tal símbolo da República.


A. Paulo: Quanto a privatizações, OGMA e outras, quando quiseres apresento-te um trabalhador de lá que diz claramente que “agora não é fácil sacar coisas de lá”.

Diogo:A eurodeputada Ana Gomes - "Não nos vamos esquecer da privatização das OGMA por tuta-e-meia – uma empresa que é um alfobre de tecnologia aeronáutica, com uma mão-de-obra qualificada e valorizada a nível europeu.”

Ou seja, tanto os que compraram a OGMA por tuta-e-meia, como os que a venderam, sacaram de lá alguma coisa.


A. Paulo: Aliás, aqui bem perto de nós, na Laje , havia um camarada que fazia peças para o SAAB, em aço inox de elevada qualidade e que as trazia das…OGMA!

Diogo: Prisão com ele!


A. Paulo: Que envolve interesses? Possivelmente, mas graças à inépcia dos dirigentes deste país que os teimam em reeleger.

Diogo: Os ineptos dirigentes deste país são os tais símbolos da República?

(continua no comentário abaixo)

Diogo disse...

Continuação:

A. Paulo: Um exemplo de vergonha? O estado como em muitos casos não sabe o que faz, tem mais ou menos a ideia do que quer e não sabe bem como, manda executar projectos e depois paga o dobro por vezes. Então a solução foi meter os empreiteiros a fazerem o trabalho deles e cobrarem por isso.

Diogo: Os que pagam o dobro são os ineptos dirigentes deste país que devem ser considerados símbolos da República?


A. Paulo: Ainda falando no Portas, convém dizer que foi ele que cancelou o “esquema” dos Helis para o exercito com a famosa imagem do gabinete dele segurando um heli à escala 1/16 e dizendo: o único heli que nós temos da empresa XPTO é este e por isso vamos cancelar ( e foi cancelado) e solicitar ressarcimentos pelo atraso.

Diogo: Ninguém duvida da impoluta honestidade de Portas. As investigações sobre a sua pessoa deviam ser de imediato terminadas.


A. Paulo: Curioso que isso foi feito mas alguém depois, sem helis, mandou formar pilotos de helis para o exercito, cuja a licença de voar expirou…por volvidos uma porrada de anos de governo socialista ainda não terem aparecido.

Diogo: Mais ineptos? Mais símbolos nacionais?


A. Paulo: E os patrulhas de alto mar? Foi ele que os encomendou à industria portuguesa. Mas depois veio o nacional porreirismo do actual governo e…um dia eles aparecem.

Diogo: O ex-ministro da Defesa Paulo Portas foi condecorado no Pentágono pelos «serviços públicos distintos» pela posição portuguesa na guerra do Iraque e pela opção por duas fragatas norte-americanas no reequipamento das Forças Armadas, processo que está agora a ser investigado pela Polícia Judiciária, por suspeita de desvio de fundos para pagamento de comissões indevidas.


A. Paulo: E os blindados ? Sim, aqueles que ele encomendou aos austríacos que deveriam ser feitos parte na bombardier….

Diogo: São 364 milhões de euros em carros blindados austríacos 8x8 - os Pandur. Enquanto ministro da Defesa, Paulo Portas fez questão de lançar e fechar o concurso com celeridade. Deu a vitória - contestada dentro do Exército e num processo com pés de barro - a uma viatura nova, nunca fabricada, pouco testada. Em concurso também estava a viatura mais do que testada, que os americanos usam em todo o lado - a Piranha, da empresa suíça Mowag, detida pelo gigante norte-americano General Dynamics. Mas o ministério decidiu dar a vitória aos carros Pandur, da austríaca Steyr.
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1240737

(continua)

Diogo disse...

Continuação:

A. Paulo: Nunca irão ser feitos!

Diogo: Pois não!


A. Paulo: Sabem porquê? Não? Então eu explico: está-se a construir uma nova estação de metro…a começar por baixo…depois manda-se com parte da bombardier para o chão..i..a mesma recebe mais uns trocos…fica impossibilitada de fabricar cá e com um pouco de sorte há um tal de Coutinho que faz uma mega urbanização para aqueles lados

Diogo: Parece que os símbolos da República estão em todas.


A. Paulo: Convêm dizer que utilizamos ainda blindados da guerra colonial e que só à um par de anos deixamos de utilizar helis da guerra colonial.

Diogo: Para invadir o Botswana é o suficiente.


A. Paulo: Isso pode parecer um esbanjar por muitos dos portugueses, até o dia em que precisem.

Diogo: De invadir o Botswana?


A. Paulo: Pois , os Lynx sacaram do mar o gajo do surf e outros tantos.

Diogo: Pelo preço, mais valia tê-lo lá deixado.


A. Paulo: Os patrulhas com um pouco de sorte afugentarão alguns rapazinhos

Diogo: Desde que não afugentem as rapariginhas...


A. Paulo: Os subs sem dúvida são necessários pois são uma “ferramenta” de dissuasão forte.

Diogo: Contra os tubarões? Ou as medusas gigantes?


A. Paulo: Aqui muitos se riem. Mas a pergunta é simples: Duas casas, dois portões, um com uma placa com “cuidado com o cão” e outra sem placa. Qual acham que o ladrão prefere para tentar o furto? Bzzzzzzzzz

Diogo: Num conflito militar, a Espanha entrava cá numa questão de minutos, já para não falar na França, na Inglaterra ou nos EUA. Mas quem é que nos quereria conquistar? O Botswana?

Abraço

Filipe disse...

Diogo: vamos lá a ser realistas. O Botswana não nos quer invadir, isso é um perfeito disparate.

O perigo real é Andorra.

alf disse...

O Louçã transpira inveja por todos os poros. Assim, quem estava chateado com o sócrates preferiu o Portas, que fez uma campanha muito mais positiva.

mas que nem um nem outro embandeirem em arco: estes resultados são que ar que lhes vai fugir nas próximas eleições... embora o Portas, se conseguir controlar o nuninho, ainda pode ir buscar muitos votos aquela coisa nefasta em que descambou o PSD.

Anónimo disse...

...e as fotocópias que o PP tirou do Ministerio da Defesa,não pode confinar um crime de espionagem/ possível venda(negócio) de segredos militares?Pode levar documentos da república para casa?Foda-se,que símbolo da república.
Gostei muito da Universidade Moderna e da empresa de sondagens de vão de escada do PP-já tou a vê-lo a trabalhar com as Probabilidades Condicionadas....

Anónimo disse...

10.46% que são na realidade 6.33% em relação aos inscritos(9.347.315)!Mas, na Alemanha o Hitler também ganhou DEMOCRATICAMENTE!
Donde,o mais eleito não quer dizer o mais distinto-bem,neste caso é o mais distinto Fascista.E,conversa do A.Paulo é retórica da merda,pq se isto fosse um Estado de Direito estes símbolos da república (das bananas,só pode) estavam dentro!

E,já q falou do Carneiro e dos militares satisfeitos(outros símbolos da republica(de Sodoma e gomorra,não?) o que se passou com a morte dele?................Respeitinho,n'é?Busissness, as usual!

Anónimo disse...

Código Penal
TÍTULO V
Dos crimes contra o Estado
CAPÍTULO I
Dos crimes contra a segurança do Estado
SECÇÃO I
Dos crimes contra a soberania nacional
SUBSECÇÃO I
Dos crimes contra a independência e a integridade nacionais
Artigo 308.º
Traição à Pátria
Aquele que, por meio de usurpação ou abuso de funções de soberania:
a) Tentar separar da Mãe-Pátria ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira todo o
território português ou parte dele; ou
b) Ofender ou puser em perigo a independência do País;
é punido com pena de prisão de dez a vinte anos.
http://www.gnr.pt/portal/internet/legislacao/pdf/CP.pdf

Como se tem visto símbolos da nação, e restantes invertebrados, têm ao longo destes anos andado a desfazer-se da soberania da Mãe-Pátria, entregando-a a estrangeiros, pondo em perigo a independência do país.
No referendo ao tratado de Lisboa, por exemplo, o 1º símbolo da nação disse logo que era contra o referendo. O povo é estúpido e ainda podia dar cabo da trantice.
O 2º símbolo andou num louco trasteio para evitar que o travestido tratado fosse referendado, traindo a sua promessa de referendo popular àquela tratantada.
Tenho a impressão que alguns artigos do C.P. estão lá para mero embelezamento.
Carlos

Zorze disse...

Diogo,

Este tipo de investigações levantam sempre uma generalizada celeuma. Não esquecendo que na comunicação social existem "mensageiros" e muitos boateiros.
Ou seja numa hipótese, se calhar, existem mais cinquenta.

A questão central é que a Polícia Judiciária não tem, nem capacidade técnica, nem dimensão para este caso.
Vai tudo acabar num saco roto. Aliás, nesta República Portuguesa, o saco já nem é roto, mas sim, um enorme buraco.
A juntar a uma máquina judicial altamente burocrática e fragmentada.
Foi induzida a ser assim.

Paulo Portas e o seu CDS passam a ser a 3ª força política e logo de seguida surgem as notícias e investigações dos submarinos.

Uma coisa é certa, houve gente a ganhar muito dinheiro. Os submarinos são caros e permitem muitas engenharias financeiras para alguns comerem.

Abraço,
Zorze