quinta-feira, abril 14, 2005

Tosse?

No jornal Globo de 13/04/2005 por Demétrio Weber:

Por uma decisão errada, quase 4 mil laboratórios de 18 países receberam, de uma instituição de pesquisa americana, amostras de um vírus especial letal da gripe. A Organização Mundial de Saúde pediu nesta quarta-feira a destruição de todas as amostras, temendo o risco de uma pandemia - que é considerado pequeno, mas não desprezível. O vírus enviado é do subtipo H2N2, causador da pandemia da gripe asiática de 1957-58, que matou de um a quatro milhões de pessoas.

- O vírus poderia causar uma epidemia global de gripe. Foi uma decisão pouco acertada enviá-lo - disse o coordenador do programa de gripe da OMS, Klaus Stohr.

O cientista explicou que amostras de vírus foram enviadas a 3.747 laboratórios de 18 países como parte de testes rotineiros que se fazem todos os anos. Mas a Agência Canadiana de Saúde Pública comunicou, no dia 26 de Março, que um laboratório do país identificou numa amostra o vírus A/H2N2 similar ao que circulou em 1957 e 1958, causando a chamada pandemia de gripe asiática, e que ressurgiu em 1968.

A OMS alertou que "as pessoas nascidas depois de 1968 podem ter imunidade limitada a esse vírus, que não se incluiu em nenhuma das vacinas trivalentes contra a gripe".

Segundo a OMS, o laboratório canadiano que identificou o vírus letal tomou medidas de protecção e vigilância. Uma investigação levou até a origem da amostra, o laboratório americano do College of American Pathologist. A organização distribuiu amostras do H2N2 pela primeira vez em 2004 e depois em Fevereiro deste ano, como parte dos testes científicos rotineiros de vírus da gripe.



Por seu lado em Washington, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA ainda tenta descobrir como amostras de um vírus de gripe perigoso foi enviado por engano para milhares de laboratórios em 18 países.

- É uma alta prioridade, que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos estão trabalhando para resolver - disse o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan. - Eles avaliaram que o risco dessas amostras para a população é baixo. Apesar disso, não queremos arriscar.

A empresa Meridian Bioscience, de Cincinnati, que enviou as amostras, negou que tenha violado regras e disse que trabalhava sob contrato para o Colégio Americano de Patologistas.

O Colégio Americano de Patologistas emitiu instruções para que todas as amostras sejam destruídas relataram a OMS e as autoridades sanitárias dos EUA na sexta-feira.



Comentário:
Este erro afigura-se demasiado grosseiro para se tratar de mera negligência burocrática. Parece mais um convite claro à Al-Qaeda de Bin Laden para deitar a mão ao perigosíssimo vírus H2N2. Assim, apresentam-se quatro cenários:

1 – Ou a empresa Meridian Bioscience, de Cincinnati, que enviou as amostras, tem algum mujahedin infiltrado nas suas fileiras;

2 – Ou o Colégio Americano de Patologistas para quem trabalha a Meridian Bioscience tem algum terrorista disfarçado nas suas hostes;

3 – Ou o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA tem algum radical islâmico encoberto no seu grupo;

4 – Ou o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, é um talibã travestido.

Em qualquer caso, algures no Ocidente, os anti-gripais, os lenços de assoar e os chás de tília podem vir a andar muito ocupados numa data futura.

2 comentários:

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. »

Anónimo disse...

Where did you find it? Interesting read here