sexta-feira, janeiro 19, 2007

Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez?

Artigo 66º do actual Código Civil Português, aprovado em 25 de Novembro de 1966 e assinado por Américo Deus Rodrigues Thomaz e António de Oliveira Salazar:nº1: «A personalidade (jurídica) adquire-se no momento do nascimento completo e com vida».nº2: «Os direitos que a lei reconhece aos nascituros dependem do seu nascimento».

Catecismo da Igreja Católica aprovado por João Paulo II em 11 de Outubro de 1992:«Preservar o bem comum da sociedade pode exigir que se coloque o agressor em estado de não poder fazer mal. A este título, reconheceu-se aos detentores da autoridade pública o direito e a obrigação de castigar com penas proporcionadas à gravidade do delito, incluindo a pena de morte...»

22 comentários:

Ludovicus Rex disse...

Sim Concordo e vou lá Votar Sim, sempre por uma maior protecção e segurança da Mulher.
Bom Fim de Semana

Macillum disse...

Referendo ao aborto:
nem completamente SIM, nem completamente NÃO.
Não temos de ser extremistas. Existe um caminho do meio.
A campanha do SIM e a insuficiência da Base das Lajes no movimento bélico para o Médio Oriente... nada a haver?
Descubra em
http://noticmundo.blogspot.com/2007/01/clnica-espanhola-de-abortos-na-av.html

magnolia disse...

Este post é o "selo" que faltava a este

magnolia disse...

Este! Peço desculpa pelo erro no link.

Basílio disse...

Vocês votam SIM por causa de Salazar e da igreja católica? Estão a dar-lhes razão?

Paulo Sempre disse...

Um ponto de vista.
Abraço
Paulo

Macillum disse...

Em resposta ao comentário que o Sofocleto deixou em

http://noticmundo.blogspot.com/2007/01/clnica-espanhola-de-abortos-na-av.html

escrevi:

Acredito que cada um deve fazer o que bem entender.
O que parece que não está a ser tomado em conta - ou, pelo menos, não se está a querer falar muito nisso - é que, verdadeiramente, não sabemos quando é que essa qualidade que diferência um feto-coisado de uma pessoa, está presente nesse corpo humano em formação, ou quando é não está.
Somos ignorantes perante tal verdade e isto é um facto por mais que defendam que um feto com menos de 10 semanas ainda não é uma pessoa.
Se colocármos (religiões à parte) a questão de quando é que a alma, ou força anímica (como quiser chamar) entra no corpo, ninguém sabe responder... ou responde pretenciosamente, sem, verdadeiramente, saber a resposta! Será no momento da concepção? Serão passadas as 10 semanas que andam a falar? Será que só "entra" no corpo quando nasce, tal como o código civíl fala?
A verdade é que ninguém sabe.
Ora, dentro da nossa ignorância, devemos colocar a hipótese de essa tal alma, força anímica - ou como lhe quiserem chamar - que faz desse corpo uma pessoa, poderá estar presente desde o momento da concepção... há que considerar tal hipótese! Ora, se tal acontecer, quando o aborto é feito, independentemente do tempo de gravidez, está-se a cometer um homicídio.
Por outro lado, existem situações específicas em que é compreensivel a exigência do aborto por parte da gestante, tal como é o caso da sua vida estar em perigo devido à gravidez.
Cada caso é um caso.
Não concordo que se faça um aborto cada vez que a presença de um bebé é indesejável, pois, maior parte das vezes as crianças são indesejáveis por motivos egoistas.
Também não acredito que o aborto deva ser completamente interditado.
[acrescento] Acredito que o Estado deve responsabilizar-se pelas gestantes que não querem os seus bebés durante o periodo de gravidez e conduzi-los para adopção num sistema borucrático muito mais desentupido e económico do que o sistema actual de adopção. Acredito que deste modo, maior parte das mulheres (e até homens), a meio da gravidez, vai desistir de doar a sua criança para adopção devido aos íntimos laços que criará com ela.
Acredito, porém, que o resultado deste referendo - assim como de todas as votações que são feitas pelo povo em Portugal - já está determinado, por manipulacao de bastidores e (vou mais longe) da opinião pública, com a vitória do SIM!
Isto é mais do que óbvio!

Sofocleto disse...

No processo de clonagem, pega-se numa célula adulta diferenciada, reverte-se a diferenciação (tornando a célula totipotente), e esta vai-se multiplicar até dar origem a um indivíduo adulto.

Por outras palavras, muitas das as células do nosso corpo podem ser indiferenciadas e tal como a célula–ovo, que é a primeira célula resultante da fusão do óvulo e do espermatozóide, podem vir a dar indivíduos completos.

Para os que defendem que a vida humana começa com a fusão do óvulo e do espermatozóide, então um número astronómico de células do nosso corpo podem, também elas, ser consideradas seres humanos, porque devidamente tratadas vão-se dividir e dar origem a indivíduos, tal como acontece com a célula–ovo.

Um indivíduo, não deve ser portanto considerado apenas um indivíduo, mas milhares de milhões de indivíduos, porque muitas das suas células podem dar origem a outros indivíduos.

Um Homem das Cidades disse...

O Sr.Basilio percebe perfeitamente que o que está no post é simplesmente a prova da hipocrisia da maioria dos adeptos do «não». Muitos dos q são «pela vida» são afinal pela morte, com a igreja à cabeça.
Quanto a Salazar, n sei se reparou q o código civil aprovado no seu tempo é ainda o q está em vigor e o art.66º continua inalterado apesar da revolução. Porque será? Simplesmente porque um feto não é uma pessoa!
Poderia tb citar as declarações da igreja católica contra os preservativos e, em consequência, a favor da morte de milhões de pessoas porque de facto se trata de uma filosofia de morte e não de vida. Estar-me-ia nas tintas para esses criminosos se o bispo de Bragança n tivesse vindo para a TV comparar o aborto com a pena de morte...Como se os cristãos n tivessem um cadastro muito triste nesta matéria nomeadamente na defesa da pena de morte nos EUA.

Um Homem das Cidades disse...

Sr. Macillum quem deixou o comentário no seu Blog fui eu e não Sofocleto.
Para mim n se trata de uma questão biológica mas cultural. Afinal eu sou um pecador para a igreja católica pq estes anos todos tenho andado a usar anti-conceptivos...As centenas de seres humanos q eu já impedi de virem ao mundo!Que tal a criminalização da masturbação?

Macillum disse...

Infelizmente, devido ás condições sociais e culturais que hoje vivêmos, devido ao sistema de valores que hoje predominam, muitas vezes, demasiadas vezes, o aborto é a melhor solução. Porém, devemos abrir a mente para outras prespectivas: as novas vagas espirituais (no ocidente, porque no oriente elas são antiquíssimas) que nos falam que o corpo humano nada mais é do que a conjução de inúmeros seres-vivos materialmente individualizados, mas, espiritualmente, sendo um só.
Essas vertentes falam que, na altura da concepção, chegam a ser ás centenas, aos milhares, as almas concorrentes a habitar o futuro corpo humano. "Entra" aquela mais apta aproveitar as condições favoráveis ao redor da gravidez para seu crescimento espiritual. Fala-se até que, durante a gravidez, mudando as condições ao redor do feto e da gravidez, pode até mudar a alma que habita o feto. Quer dizer, a alma que habitava o feto inicialmente pode não ser mais a mesma que habita o feto à nascença.
Será que não deveremos considerar esta hipótese? Talvez seja dificil, uma vez que, neste periodo histórico, o Homem está muito mais virado para os conceitos materiais, para as coisas que os olhos vêm e não para os conceitos espirituais e para as coisas que o Coração sente. Esta prespectiva, apresentada na Assembleia da República, não seria mais do que motivo de gozo e chalaça, uma vez que eles não mais lembram que são seres espirituais. Esqueceram-se disso há muito tempo.
Uma sociedade espiritualmente evoluida não inclui abortos em suas actividades, uma vez que o respeito à vida é o principal princípio.
Acredito que dever-se-iam fazer referendos sobre todos os factos sociais que têm vindo a justificar toda esta crença de que o aborto é a melhor solução e deixar as crianças em paz. Melhoremos o mundo e não haverá mais necessidade de abortos.
Li num blogue de alguém que quem coloca a hipótese de adopção deveria primeiro começar a realizar adopções nos países de terceiro mundo. Penso que isso demostra muita inconsequência, uma vez que em países como a Índia e o Brasil, estariamos a alimentar um mercado negro de tráfico humano de crianças, no qual, muitas mulheres, devido à miséria em que vivem, realizam gravidez atrás de gravidez: muitos filhos, muitas vendas. Cuidemos de nossa casa, de nossos espiritos e por arrastão, todo o mundo melhorará conosco.
Não incentivemos o aborto, mas incentivemos a transformação daquelas razões que, presentemente, justificam o aborto.

Pense bem... acha que personagens como Gandhi, Jesus, Gautama Sidarta, Prof. Agostinho da Silva... acha realmente que eles nos diriam que a melhor solução é o aborto? Acha mesmo que a realização de abortos faz mesmo parte de uma sociedade mais evoluída?

Se sim, o aborto será legalizado. a quantidade de abortos continuará a aumentar e as deficientes condições sociais que justificam o aborto em nossa sociedade continuarão a ganhar terreno.
De qualquer modo, como já disse, o SIM vai ganhar, uma vez que o povo (graças a grupos como o de Bilderberg) não decide coisa alguma.

LaBellaMafia disse...

Um enorme NÃO é a minha resposta e diria mesmo que não chega!e a questão não está bem colocada, não é: concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez? mas sim: concorda com a penalização voluntária de futuros vidas?
Chamem-me recta, mas acho tudo isto uma monstruosidade humana! e eu até sou agnóstica.

Basílio disse...

Caro Um Homem das Cidades,

Eu não sou católico romano e voto Não. E conheço várias pessoas, homens e mulheres, que vão votar Não. Dessas, algumas têm religião, a maioria não. Nenhuma delas decidiu o seu voto por motivos religiosos. Nem uma.

Quem está obcecado com a igreja católica são os que fazem a propaganda pelo Sim, e vocês estão a deixar-se cair nela.

São evidências científicas que nos mostram que a vida humana começa na concepção, e que o feto é um ser humano em desenvolvimento. Células isoladas e espermatozóides não são seres humanos. Até pode vir o Papa, ou seja quem for, dizer o contrário, que isso não vai mudar.

Sofocleto disse...

Basílio,

Dizes que: “células isoladas e espermatozóides não são seres humanos” e que “são evidências científicas que nos mostram que a vida humana começa na concepção”.

Estás a contradizer-te. A célula–ovo, que é a primeira célula resultante da fusão do óvulo e do espermatozóide é uma célula isolada. E estás a chamar-lhe um ser humano.

O-Lidador disse...

Os tótós não percebem nada deste assunto (eu tb não percebo, mas não sou totó e é por isso que não tenho certezas) mas acham que é “prá-frentex”, “moderno”, “de esquerda, pá”, ser pela liberdade da mulher contra o fascismo e os bispos e os cónegos e contra o Bush, e patati patatá.
No fundo, embora achem que o destino da "Revolução" passa hoje pela discussão das partes pudibundas das fêmeas (passa a chamar-se Rovulação) querem mas é passar as mãos pelas fofuras das gajas que se menifestam, e acham que a melhor táctica é serem mais papistas que o papa.
Não lhes gabo o gosto, especialmente depois de ver a Odete Santos nas manifs, mas cada um tem os seus fétiches). Os totós agem como se não o fossem e sem o saberem (por isso é que são totós) acabam por obter alguns resultados, pelo menos ao nível da converseta platónica.
Mas, chegada a hora, não aproveitam, porque são quase todos maricas, teóricos e do Bloco de Esquerda.

Sofocleto disse...

Lidador,

«Os totós... chegada a hora, não aproveitam, porque são quase todos maricas, teóricos e do Bloco de Esquerda»

Sendo você um rematado totó e não sendo nem um teórico nem do Bloco de Esquerda, como é que se enquadra? De popa?

Basílio disse...

Sofocleto:

Assim que o espermatozóide fecunda o óvulo, este começa a multiplicar-se em várias células. Primeiro em duas, chamando-se zigoto, depois em quatro e por aí adiante até formar o blatóscito. Três ou quatro dias após a concepção o blatóscito chega ao útero e dá origem ao embrião.

Portanto, poucas horas após a concepção temos um organismo multicelular, através de divisão, migração, crescimento e diferenciação das células. É visível a olho nu como um pequeno grão, e contém os seus próprios cromossomas e os seus genes derivados da mãe e do pai.
Este novo ser humano está em desenvolvimento até à idade adulta.

Penso que dei isto no 7º ano, em ciências da natureza, e qualquer pessoa tem acesso a estas informações básicas fazendo uma pesquisa rápida na net. O Papa, o Bush e o Louçã podem fazer e dizer tudo o que quiserem, que isto continuará a ser a realidade. Os políticos mantêm a população na ignorância porque é a melhor maneira de a manipularem de forma a conseguirem os seus objectivos reais.

A clonagem é um processo totalmente artificial, e não usa a fertilização. Também sou contra ela.

Mário P. disse...

"No processo de clonagem, pega-se numa célula adulta diferenciada, reverte-se a diferenciação (tornando a célula totipotente), e esta vai-se multiplicar até dar origem a um indivíduo adulto."

Não é bem assim Sofocleto!
No processo de clonagem também se utilizam duas células: uma célula adulta e um óvulo. Basicamente, o que se faz é retirar o núcleo da célula adulta e depois introduzi-lo num óvulo anucleado (sem núcleo). Este óvulo reconstruído é depois sujeito a um tratamento que estimula a divisão celular e a formação do embrião.

Macillum disse...

As batidas do coração ouvem-se entre os 18 e os 25 dias. Aos 40 dias detectam-se as ondas cerebrais.
10 semanas são 70 dias!
... mas temos de admitir que existem casos em que o aborto poderá ser a melhor hipótese:

- violação, ou incesto (1% dos casos)
- má formação do feto (1% dos casos)
- enfermidade da mãe (3% dos casos)

Ou seja, 95% dos casos de aborto são devido a

- incompatibilidade com a carreira
- incompatibilidade com a universidade
- o namorado não assume
- a família não aceita
- medo de rejeição social em geral
- etc., etc., etc...

"Se aceitamos que uma mãe mate a sua própria criança, como diremos ás pessoas para não se matarem umas ás outras?"
Madre Teresa de Calcutá

Estimam-se que morram 1,6 milhões de bebés todos os anos através de aborto.

Sofocleto disse...

Basílio: “A clonagem é um processo totalmente artificial”

Caro Basílio, artificial ou não, o certo é que o processo vai desembocar num indivíduo adulto. Um ser humano concebido desta forma seria menos humano?



Mário P.: “Não é bem assim Sofocleto! No processo de clonagem também se utilizam duas células: uma célula adulta e um óvulo. Basicamente, o que se faz é retirar o núcleo da célula adulta e depois introduzi-lo num óvulo anucleado (sem núcleo). Este óvulo reconstruído é depois sujeito a um tratamento que estimula a divisão celular e a formação do embrião.”

Benvindo a este fórum Mário P.
É verdade, são utilizadas duas partes de duas células diferentes. O núcleo da célula do organismo que se quer clonar é introduzido num óvulo anucleado (sem núcleo). Mas o resultado final é o mesmo: forma-se uma célula–ovo que vai dar lugar a um organismo completo que é uma réplica do indivíduo que cedeu o núcleo.

Basílio disse...

Sofocleto: "Um ser humano concebido desta forma seria menos humano?"

Não sei, mas o que vai a referendo não é a clonagem, é o aborto.

Anónimo disse...

Ando a falar nisto há anos!!!!!

O Código do Direito Canonino "afasta" a possibilidade de ingresso nos seminários, qualquer deficiente físico. Uma vez que pelo CDC nunca poderão ser ordenados sacerdotes.

Para além de já ter lido isto algures, o Virgílio Ferreira ( que foi seminarista ) na sua MANHÃ SUBMERSA, dá como desfecho à obra a mutilação do jovem seminarista, como forma de se ver "livre" do pesadelo.

A ser assim as palavras do "santo padre" ainda soam como "mais" falsas. É que para além de condenarem o aborto, quando há má formação do feto, ainda por cima não os aceitam no seio da Santa Madre Igreja, a não ser para "rezar".

A verdade é que nunca vi nenhum sacerdote com alguma deficiência física, tirando o espectáculo da "agonia" do JP2.

consultar o CDC em:

http://www.vatican.va/archive/ESL0020/__PV.HTM





241 § 1. El Obispo diocesano sólo debe admitir en el seminario mayor a aquellos que, atendiendo a sus dotes humanas y morales, espirituales e intelectuales, a su salud física y a su equilibrio psíquico, y a su recta intención, sean considerados capaces de dedicarse a los sagrados ministerios de manera perpetua




--