quarta-feira, outubro 15, 2008

Jon Stewart, do Daily Show - 700 mil milhões de dólares dos bolsos americanos para o «resgate» dos Bancos

Jon Stewart, do Daily Show, fala-nos do plano do secretário das Finanças, Henry Paulson, no valor de 700 mil milhões de dólares, para salvar a finança americana. Pelo meio, uma breve mas brilhante análise da situação por George Bush. Um curto vídeo que nos arranca um bom par de gargalhadas e que termina numa toada arrepiante:


Stewart: Com Wall Street em ruínas, o secretário Frankensteiniano das Finanças, Henry Paulson, correu a ajudar com um plano brilhante. Um plano governamental de 700 mil milhões de dólares para resgatar a indústria financeira. 700 mil milhões do vosso dinheiro.

Henry Paulson


Bem, 700 mil milhões de dólares é imenso dinheiro, será que o Paulson vai aceitar? Sim ele aceita mas só sob certas condições. Para o secretário Paulson aceitar o nosso dinheiro, as decisões dele têm de ser, e passo a citar:

- Não consultáveis e mantidas em sigilo, e não podem ser analisadas por qualquer tribunal ou organismo administrativo. [Autêntico! New York Times - Sec. 8. Review]

Ouçam, antes de darmos a um funcionário sinistro que nem sequer foi a votos 700 mil milhões de dólares para fazer o que lhe apetecer, há uma coisa que devem saber. Este guru financeiro foi apanhado de surpresa.

(Entrevista de Paulson na Fox News a 16 de Março deste ano - 2008):

Paulson: tenho imensa confiança no nosso mercado financeiro, nas nossas instituições financeiras, os nossos mercados são resistentes, são flexíveis. As nossas instituições e os bancos de investimento são fortes.

Stewart: Isto é que é ter visão! É a cabeça de Aquiles dele. Para mais informações vamos falar com o nosso analista John Oliver. Oliver, obrigado por estares connosco. Isto é espantoso... Um exemplo espantoso... Para esta Administração depois do Katrina, depois do Iraque...

Oliver: A prisão de Guantánamo?

Stewart: Sim, isso também nos colocou numa situação difícil…

Oliver: E a politização do sistema judicial?

Stewart: Sim, preocupante.

Oliver: O secretismo draconiano?

Stewart: Sim, está bem. Onde quero chegar é ao seguinte, nunca pensei que houvesse outra área onde estes tipos conseguissem dar barraca.

Oliver: Eu sei. E não foi fácil. Foi como tentar encontrar a veia num viciado em falhanços.

Stewart: Então... Isto é... Eu compreendo, quando a veia morre é difícil... Então esta crise económica é, digamos assim, a cobertura de bosta no bolo de merda desta administração?

Oliver: Muito bem… Duas coisas: primeiro, essa metáfora teve classe. E, segundo, não os dês por acabados, Jon. Ainda falta muito até Janeiro (de 2009).

Stewart: Então achas que ainda há mais para vir? O que é que resta para eles... desconseguirem, digamos assim?

Oliver: Bem, vejamos... Ainda tens casa? Sim? Bem, então aí tens. Os teus filhos tomaram o pequeno-almoço hoje de manhã?

Stewart: Tomaram, tomaram um bom pequeno-almoço.

Oliver: E foi alguma coisa que encontraram na rua?

Stewart: Estás a dizer que o Presidente só vai ficar satisfeito quando os miúdos americanos comerem animais atropelados?

Oliver: Quando lutarem entre si pelos animais atropelados. Quando os animais atropelados forem o prémio para os mais fortes.

Stewart: Mas... Porquê?

Oliver: O legado Jon. Ouve, todos sabemos que ele nunca será lembrado como o melhor Presidente. Mas ainda pode, se se esforçar bastante...

Stewart: Ser o pior?

Oliver: Ser o último!


Vídeo legendado em português:

4 comentários:

alf disse...

Isto está tudo certo mas lembra-me o seguinte: é muito mais fácil e divertido dizer mal que dizer bem.

Não há nenhum comentador que tenha atingido sucesso a elogiar as coisas bem feitas, pois não?

Sendo assim, sendo do interesse dos comentadores dizerem o pior possivel para serem bem sucedidos, deveremos olhar para eles como «gurus» ou como «cómicos»?

Poderemos queixar-nos de que a comunicação social só retrata desgraças e até mesmo qd apresenta noticias que são boas arranje maneira de lhes colar qq desgraça? Afinal, é isso que garante o sucesso..

E porquê? Será que nos sentimos frustrados perante as nossas expectativas e precisamos de culpar os outros? Usamos os media para autotratamento de frustração?

Livra, pró que me deu hoje...

Ana Camarra disse...

Primeiro para o Alf: Infelizmente o interesse sobe na mesma proporção que baixa o nivél!

Diogo

è uma gargalhada amarga, muito amarga, quando se para com esta politica que nos reduz desta forma?

beijos

(estive quase para te enviar um poema de Camões...)

PRODUCTIONS disse...

O que não me deixa rir são notícias como esta:
Belém: CM revela rendimentos do Conselho de Estado.
http://www.correiodamanha.pt/noticia.aspx?contentid=3D1B357C-9A77-4880-B229-F9EDD2D8A21E&channelid=00000009-0000-0000-0000-000000000009

xatoo disse...

alf
quando a raiz onde se fundamenta um paradigma social está esgotada, não há nada de que se possa "dizer bem" sem que primeiro essa base paradigmática seja alterada.Parece-me evidente.
----
outro ponto sobre os 700 biliões (que aliás foram "upgreitados" para 850 biliões sem que quase ninguém tivesse notado)
No próximo dia 24 estão marcadas grandes manifestações contra o bailout aos bancos (leia-se aos capitalistas) em quase todas as cidades norte americanas - estejam atentos porque é daqui que poderão surgir indícios de mudança, não só para os americanos, mas a nível global
Já se sabia disto, e o Bush foi previdente porque entretanto já tinha alterado a legislação permitindo a intervenção de tropas em território nacional em caso de motins ou alterações da ordem pública (até 2006 era proibido pela Constituição) mas agora está até prevista a declaração da lei marcial nesses casos.
Pobres coitados, nem o direito a bater as tampas de panelas vazias, como na Argentina em 2001, eles vão ter direito