quarta-feira, dezembro 13, 2006

A Banca e as reformas douradas dos "nossos" políticos

Joaquim Fidalgo - Jornal Público - 13 de Dezembro de 2006

Milhões & tostões

«Eu não percebo muito bem estas coisas dos bancos. Mas, por mais voltas que dê à cabeça e por mais informação que recolha, acabo por bater sempre em dois pontos: os lucros que eles conseguem são enormes (e cada vez mais enormes, apesar da chamada "crise"...), e os impostos que pagam são proporcionalmente muito baixos (com a ajuda da própria lei...).»

«Sobre o primeiro ponto não deixo de me espantar com a capacidade revelada por todos os bancos portugueses para ganharem dinheiro, muito dinheiro, e tanto mais dinheiro quanto maiores são. O país é pequeno, a economia cresce pouco, as empresas queixam-se quase todas de que "isto está mau", mas vamos a ver os bancos e é o que se sabe (li no Sol do último sábado): em 2005, o BCP teve um lucro líquido de 753 milhões de euros, a CGD um lucro de 538 milhões, o Totta/Santander um lucro de 297 milhões, o BES um lucro de 280 milhões, o Banco BPI um lucro de 251 milhões... Lucros líquidos, note-se: já com impostos pagos, já com provisões retiradas, essas coisas todas, ou seja, ganhos limpinhos. Peço desculpa se pareço tacanho de vistas, mas isto é mesmo muita massa... Imagine-se que não havia crise!»

(…)

«Sobre o segundo ponto quanto maior é um banco, mais crédito concede. Quanto mais crédito concede, mais dinheiro ganha, pois essa é uma das suas essenciais fontes de rendimentos. O raciocínio logicamente deveria prosseguir assim: e quanto mais dinheiro ganha, mais impostos paga. Certo? Errado. Pelo que se vê nos números, os bancos que mais lucros têm são os que, percentualmente, menos impostos pagam. Porquê? Entre outras coisas, porque, sendo os que mais crédito concedem, são também os que fazem maiores provisões (ou seja, "cativam" dinheiro dos seus resultados de exploração) para cobrir o risco de eventualmente não conseguirem cobrar algum desse crédito. E a lei permite-lhes deduzir tais provisões ao montante de resultados sobre que incidem os impostos. Por estas e por outras, os bancos pagaram, no ano de 2005, uma taxa de imposto efectiva de cerca de 11 por cento (média) sobre os seus resultados de exploração! O maior e mais lucrativo deles, o BCP, ficou apenas pelos 9 por cento. E a gente que julgava que os impostos sobre os lucros eram uma percentagem parecida com aqueles 20, ou 30, ou mais por cento que o Estado nos cobra em sede de IRS...»


Comentário:

Porque é que Sócrates, tal como os governos anteriores, recusa tributar correctamente os bancos, e não dá qualquer explicação aos portugueses?

Será que, como afirma Miguel Sousa Tavares (Expresso de 20/10/2006), os bancos estão entre as principais empresas que garantem o grosso dos financiamentos dos principais partidos (PS e PSD), e para onde os dirigentes partidários esperam retirar-se mais tarde ou que os seus deputados/advogados irão patrocinar, após cessada a sua passagem pela política?

24 comentários:

O-Lidador disse...

Há uma razão bastante prosaica que a esquerdalhada faz de conta que não conhece:

É que nos dias de hoje, há países onde os impostos sobre os lucros são muitoooooo baixos. Até na Suécia há empresas que foram isentadas de pagar IRC.

A coisa é simples e creio que até a malta de esquerda tonta é capaz de perceber,se fizer um grande esforço:

Se me cobram aqui muitos impostos, nada me impede de abrir uma filial por exemplo na Irlanda, ou nas ilhas Caimão, ou no Luxemburgo, ou no Mónaco e declarar lá os lucros.

E aqui os prejuízos.

Resultado: os tontinhos da esquerda louçânica ficam convencidos que estão a combater os "patrões" e os "capitalistas", e os gajos do "grande capital", mas no fundo estão apenas a matar a galinha dos ovos de ouro.

Vivem no mundo da fantasia e convencem-se que são uns gajos do caraças, espertos que nem um alho e que aqora é que vai ser a "revolução" e blá-blá-blá.

Acabam com azia no estômago, afónicos e miseráveis.

São estultos.
São da "esquerda pós-moderna"

Mário Costa disse...

Há funcionários bancários que passam a vida atrás de um balcão. Outros ocupam gabinetes ministeriais. Uns e outros pagos com o mesmo dinheiro.

Anónimo disse...

Porque é que quando Bagão Felix começou a mexer nisso de repente desabou uma tremenda campanha contra o governo de Santana nos jornais ?
Porque é que altos dirigentes bancários foram queixar-se do governo de Santana ao presidente Sampaio que os recebeu de braços abertos ?
E aonde é que o Sofocleto estava nesses dias ? E o que dizia sobre esse assunto ?

Sofocleto disse...

Anonymous,

Mostre-me lá onde é que isso está e terei todo o prazer em desancá-los. Aqui, não defendo vigaristas.

Sofocleto disse...

Lidador,

Não consigo comentar no teu blog. E tanto que haveria para dizer... Vê lá se resolves isso.

inominável disse...

eu tb ando com problemas em comentar em alguns blogues? sabem se há algum problema de tipo técnico?

xatoo disse...

inominável
Acho que o Weblog tem um dispositivo qualquer que condiciona o acesso.
Eu p/e no Arrastão e no Aspirina B que estão os dois alocados no Weblog não consigo entrar.
O tipo de questionamento pela esquerda não lhes deve convir,,,

Quanto ao blogue do Lidador quase de certeza que é da familia do Buiça, (quando ele mesmo) - que tem uma fixação qualquer em nós (mas não quer que se saiba)
antes tinha-nos no sobretitulo "comédia", agora mudou-o para "enciclopédias blogosfericas"

Zei disse...

Um pouco de historia do sistema bancário:
Na idade média,como não existia sistema bancário a pessoas recorriam aos cambistas (uma especie de embrião dos banqueiros actuais)para guardar o seu ouro, prata ou simplesmente dinheiro, em troca o cambista passava uma nota de deposito, essa nota poderia ser trocada junto de outro cambista que cobrava uma comissão pelo serviço.
Com o tempo os cambistas começaram a notar que as pessoas não levantavam a totalidade dos seus depositos, deixando alguma coisa em poupanças.
Com base nisso, mais tarde, conceberam uma coisa muito interesante chamada "Reserva Fracional", essa tal reserva fracional permite, desde então e até agora, aos bancos emprestarem nove vezes aquilo realmente possuem.
Quer dizer se por exemplo um qualquer de nós for ao banco pedir 100 000 € o banco para emprestar o dinheiro so tera que ter 10 000 €.
Uma vez concedido o emprestimo, o empregado bancário digita a soma com o teclado do computador na sua conta, e assim foram criados mais 90 000 €, mais essa quantia passa automaticamente a ser um activo do banco, permitindo a instituição emprestar mais dinheiro, e assim por diante.
Os cartoes de debito e de credito juntamente com os cheques e outras habilidades bancárias facilitam a vida ao sistema, dado que apenas uma pequena parte das transações são feitas com dinheiro vivo.
Quer dizer se amanhã fossemos todos ao banco reclamar o nosso dinheiro o sistema entraria em colapso.
Emprestar dinheiro que não teem e cobrar juros por isso é um grande plano , mas fazer com que isso seja aceite pelas pessoas... isso é de mestre.
Conhecem maior fraude do que esta?

Fernando disse...

"Pior que assaltar um Banco, é Fundar um banco"
Bertold Brecht

O-Lidador disse...

Caro zei.
Se amanhã dessemos todos( os 6 biliões) um salto no mesmo instante, provavelmente provocávamos um terramoto.
Esperemo que não aconteça...

Quanto ao seu problema, o meu amigo,se não gosta de bancos, tem liberdade de escolha: não use os seus serviços e meta o dinheiro na púcara ou no colchão.
Garanto-lhe que não é crime e que ninguém o prende por isso.

Sabe,eu também gostava de ser um gajo assim, contra o "grande capital" e essas porras todas.
Infelizmente nem o pequeno capital consigo desprezar. É por isso que fico furioso quando tenho de pagar mais por um produto qualquer.

Que quer?
Cá na terra somos todos assim, falta-nos o espírito de classe e , para mal dos nossos pecados preferimos gastar a bagalhoça a ver um filme com gajas boas do que a estudar compenetradamente o Das Kapital.

Eu por mim falo, desgraçadamente prefiro ir até ao café beber umas cervejolas e ver o Benfica, do que ir às manifes contra o grande capital e os neoliberais, e o Bush, e não sei que mais.

Se calhar é preciso arranjar uns campos de reeducação à maneira, para meter os gajos como eu.

O Campo Pequeno agora parece estar bem....tem area de restauração e tudo.
Até bancos!

Macillum disse...

O que cansa e satura 'e ver o pessoal dos blogues e da comunicacao social a falaremn disto e daquilo e daqueloutro, saltando de assunto em assunto... esta claro que nao defendo o silencio (calados 'e que podemos cair), nem taopouco a imunidade destes corruptos, mas hoje fala-se disto, amanha fala-se daquilo, depois de amanha fala-se daqueloutro e o rol de corrupcoes 'e tao grande que nem que houvesse um blogue e um jornal para cada corrupcao iria ser possivel mudar este sistema social para uma coisa mais positiva.
Pergunto muitas vezes sobre uma solucao, senao definitiva, pelo menos que melhorasse em muito o sistema social em que vivemos e que muitos definem de demo-cracia (casa do demonio), o que para mim classifica perfeitamene o sistema em que se sobrevive e se procura viver.
Apresentamos um problema, identificamos um corrupto, chamamos a atencao para uma irregularidade mas poucos sao os que vejo clamarem por uma solucao em que verdadeiramente acreditem (talvez o Biranta que defende a abstencao).
De problemas e dificuldades esta o povo cheio... e solucoes?
Ha quem suspire por revolucao, daquela 'a moda antiga, em que o povo sai para a rua e deita abaixo o sistema instituido... mas... e depois? Que sistema instaurar? Mais lideres? Mais erros humanos? Mais humanos com poder quando ja se sabe que "o poder corrompe e o poder total corrompe totalmente"?
As metropoles mundiais possuem imensa gente... somos tantos que 'e de enlouquecer quando comecamos a tomar consciencia do que quer dizer "bilioes". Talvez esse degelo total da Antartida em 35 anos venha apresentar uma solucao natural para tal bico-de-obra...

Zéi disse...

Ao o-lidador
Em primeiro lugar os meus agradecimentos por de me ter elucidado quanto ao facto de que poderei guardar o dinheiro no púcaro e no colchão.
Fico mais decansado
Depois deixe-me dizer-lhe tambem que não poderia estar mais de acordo consigo no que diz respeito a todo o conteudo do seu comentário.
Um abraço a todos

xatoo disse...

na mouche Lidador
o mal do 25 de Abril foi não ter pedido responsabilidades a ninguem pelo Fascismo e pelas sua vitimas (do atraso ainda o somos todos hoje)
os grandes capitalistas fugiram, encomendaram bombas às sedes do PCP e depois voltaram na maior - com o dobro da força - eles aí estão!

O-Lidador disse...

A selectividade da memória história do meu amigo xatoo, é assombrosa.

Assim só de raspão, o ano de 1975 chegou para ver o que aí vinha em matéria de "conquistas revolucionárias":
Talvez não se recorde, mas houve cidadãos presos sem culpa formada, mandatos de captura em branco , gajos torturados e sovados , censura na imprensa, saneamento de professores “reaccionários”,queima de livros “reaccionários” e até um inovador projecto de gulag mediterrânico para encerrar os “reaccionários” , ali no Campo Pequeno.
Só no ano de 1975, foram metidos nas prisões mais presos políticos do que durante todo o regime salazarista.

Um amigo meu,ex-oficial do exército, preto guineense, levou porrada de criar bicho nas prisões "revolucionárias".

E por acaso até conheço muito bem a pessoa que guardava os mandatos em branco do Copcon.


Quanto aos "capitalistas", o meu amigo limita-se a babar estribilhos.

Não sei que idade tem, mas a idade mental revela ainda indícios de acne.

Você é um capitalista...se não acumulasse capital, como teria comprado o computador de onde escreve tais bacoradas e cavalidades.

O seu problema é que é apenas um pequeno capitalista e , como não tem capacidade para ser mais do que isso, a inveja azeda-lhe o cérebro e é por isso que esse neurónio desamparado que voga no imenso espaço vazio que tem entre as suas orelhas, não é estimulado para pensar por si próprio.

Anónimo disse...

Lidador,

Pare de destilar ódio, raiva, frustração, neurose e coisas afins para cima deste espaço comum.
Contribua c/ alguma coisa que valha a pena.

Podemos presumir que, dada a sua enoooooorme capacidade será um grande capitalista:
O que faz um grande capitalista a comentar em blogs.

Freud explica tudo.

Com que então até conhece mto bem quem guardava não sei o quê e tal ... então e não os matou a todos?
não os levou pª os campos pequenos da sua doentia imaginação?
não os julgou?
e, pelo contrário, deixou acontecer aquelas catástrofes todas?
as prisões e coiso ...?

Calculo que, como todo o grande capitalista cá da terrinha, deu à sola naqueles dias.

Bem me queria parecer: é só goela.

Falam falam falam falam ...

Anónimo disse...

Posso explicar?

"Antigamente" aprendia-se assim:

Como a moeda única deixou de ser possível utilizar políticas monetárias como instrumento de política económica (tipo desvalorizar moeda pª aumentar as exportações).
Assim, restam aos países da UE os seguintes instrumentos:
a política orçamental,
a política de rendimentos e preços (incluindo o preço do dinheiro e do trabalho), e
a política fiscal.

Porém, estando subordinados ao pacto de estabilidade e crescimento lixámos a política orçamental, pois estamos condicionados pelo nível do defice (logo, não se pode dinamizar a economia pelo investimento público, certo?).

Temos também lixada a política de rendimentos e preços porque não jogamos nem damos cartas na fixação do preço de um dos factores de produção: o dinheiro (parecendo que não ... não facilita, porque cada economia é um caso).

Não havendo volta a dar, resta aos governos a política fiscal pelo que a explicação, política e economicamente correcta, para a baixa tributação das empresas é a de que são elas, e só elas, que podem dinamizar a economia.

Este cenário em que nos entalámos confirma que a produção tem que ser mesmo feita por todos para que a apropriação seja canalizada só pª alguns.

Os particulares que se lixem.

Lidador, quer queiras quer não, Marx (grande carola) sabia-a toda. Fez o favor de nos explicar mas ... quem percebeu mesmo o filme foi o lado que não interessava nada que percebesse.

Azar de um raio.

Bj

Anónimo disse...

OOooops!!

No comentário "posso explicar?"

Logo no início, onde se lê "Como a moeda única ..."
deve ler-se "Com a moeda única ..."

O mesmo anónimo.

O-Lidador disse...

Caro xatoo disfarçado de anónimo.


Deve ser realmente xato para um fanático religioso, ver-se assim de repente sem a Igreja que lhes sustentava a crença, sem rituais iúrdicos, sem perspectivas de futuro radioso , face ao crepúsculo catastrófico do Sol do Mundo e de todos os sóis do mundo onde o marxismo foi tentado.
O facto de todas essas experiências terem falhado e terem descambado na miséria, na repressão e no morticínio de quase 100 milhões de pessoas, é, pelos vistos um pormenor irrelevante.
Se calhar não era o “verdadeiro marxismo” porque esse imagino que seja o xatoo que detém a patente.
Mas por aí não podemos ir, porque então também há quem diga que aquilo não foi o “verdadeiro nazismo”, ou o “verdadeiro fascismo”, etc

Fósseis ideológicos como o meu amigo, nada têm a propor, para além dos versículos simplórios que constam nos missais já em desuso.
Amén.
E Marx há-de vir em sua glória, para julgar os fiéis e os infiéis,os vivos e os mortos, e o seu Reino não terá fim.
Palavra da salvação!

Mas já que se põe aqui a adorar pateticamente o deus Marx, talvez lhe conviesse conhecer melhor o personagem e perceber que também se peidava:

Por exemplo em 1849, na sua revista, Neue Rheinischer Zeitung, recomendava que se fizessem desaparecer os húngaros, os sérvios, os bascos, os bretões e os escoceses.
Em “Revolução e Contra-Revolução”, (1852, na mesma revista), interrogava-se como seria possível “desembaraçarmo-nos dessas populaças moribundas, os boémios, os caríntios, os dálmatas, etc”
Aliás, se se mostrar um bom aprendiz, posso até demonstrar-lhe que tanto Marx como Engels tinham a raça em muito boa conta, principalmente Engels e diziam de certas raças europeias, o que Maomé não dizia do toucinho.
Ou esta tirada valente “

Eu sei que você não sabe nada disto, e se esforça por não saber, mas tem de usar a própria cabeça e deixar de portar-se como um teólogo que decorou todos os versículos da Bíblia marxista e os Evangelhos dos respectivos santos (Lenine, Rosa Luxemburgo, etc.) e que , tal como os teólogos de qualquer religião, apenas é capaze de argumentar no quadro do racional da própria fé. Puro lixo, matéria de refugo repescada no caixote do lixo da história.
Em boa verdade, religião por religião, o cristianismo é bem mais atraente que o marxismo.

Ora se, como dizia Marx, “o capitalismo produziu a democracia burguesa como forma própria de governo”, e podendo você optar por não viver neste inferno capitalista, democrático e burguês, fica no ar a interrogação:
O que é que está cá a fazer?
Porque não emigra para um dos paraísos remanescentes?
Quem o impede?
Não tem “capital” para viajar? Dê-se à “exploração”. Venda o seu trabalho, por exemplo, como tripulante num navio cargueiro que vá para Pyongyang.
Depois dos enjoos, espera-o a felicidade. E terá tempo para decorar o livro sagrado, o divino “Das Kapital”.
Ámen!

Anónimo disse...

Correcção:

Lidador, falhaste o alvo (digo isto assim nesta linguagem pª te ser + fácil endender. See what i mean?).

Este anónimo pode ser chato mas, não é quem tu pensas.

Agora não venhas já por aí fora outra vez c/ as hortaliças e os tirinhos. Não há pachorra.

Tens que ter algum sentido de humor.
Vou tentar encontrá-lo.

Anónimo disse...

Correcção:

Esclareço que este chato não é o Xatoo.

Anónimo disse...

Lidador,

Está no seu direito de não aturar anónimos mas, já que o blog assim o permite, são estas as regras do jogo. Se quer jogar, aceita-as (embora o seu forte seja mais do tipo impô-las ...).

Não se enerve e não desça o nível da conversa. É que teoria económica abarca TODA a teoria.
Também se pode dizer Adam Smith ou Samuelson (grandes carolas),
ou o Galbzinho que operou o milagre chileno, esse dava-lhe pª o torto mas era ou não era uma grande carola? Para mal dos Chilenos era sim senhor.

Como noutras áreas se pode dizer Einstein, grande carola.

Foram pessoas que se interessaram por um assunto, o estudaram, equacionaram e organizaram o seu conhecimento, o que nos permitiu aprender mta coisa (embora o senhor seja mais do género "ensinar", nem deve ter nada a aprender c/ ninguém).


Que falta de flexibilidade a sua ...

Aviso já que vou estar fora e não tenho culpa se, entretanto, aparecerem mais "anónimos" a comentar.
É que eu não posso estar em toda a parte. Delego nos deuses essas funções.

Tenha um bom fim de semana ... c/ valium 30, xanax ... chega prozac? ok.

Anónimo disse...

estava a pensar se devia a entrar a no estilo tinhoso do co-lidador ou não, pensando bem, é prefewerivel ignorar o mau génio do homem. Até porque os da laia dele terão mais 8 a 10 anos de "vida". Depois o sistema que eles fabricaram encarregar-se-a de os trocidar, claro que eu irei tambem. Segundo a teoria das fases que tenta explicar as consequências sociais do declinio da produção dos combustiveis fosséis, a fase T4, tera contornos apocalipticos, logo será a altura apropriada para empalar muita sanguessuga que anda por aí.

Zei, conheço o seu escrito de algum lado.


Um bom natal


Sauridio

Zéi disse...

Ao anônimo.
È verdade, Saber distinguir uma pessoa pela escrita, carece de sensibilidade.
Um bom natal

Ao o-lidador:


Que pena, o senhor tem todas as qualidades que eu detesto e nenhum dos defeitos que eu gosto.
Aposto que passamos ao lado de uma grande amizade.

Um bom Natal

Macillum disse...

Se estes dialogos fossem realizados em praca publica facilmente partiriamos para uma guerra civil com mil e uma frentes de batalha.
Realmente, uma das coisas que mais divide a humanidade sao os diferentes pontos de vista que nao sabem utilizar as visoes alheias para construir uma mundo melhor atraves da diversidade... todos querem ter razao... mas, afinal, qual a solucao?
No Brasil, neste momento, os parlamentares estao a pedir 91% de aumento salarial... o que faz o povo? Fala. Em Portugal passa-se o mesmo. Comentarios daqui, criticas dacola, mas o que 'e certo 'e que o povo tem medo de sair a serio para a rua porque, verdadeiramente, ninguem confia em ninguem e ninguem sabe realmente por onde ir como sistema social, uma vez que a desconfianca existe.
Alguem disse no seculo XX que a doenca do sec. XXI iria ser a loucura... este sim, parece-me que tinha razao.
Sera que estou a ser a face da incerteza negativista da depressao suicida pela qual estamos a passar?

Com os votos de dias plenos de Amor e Alegria, Saude e Sabedoria