segunda-feira, setembro 01, 2008

O Hamas é uma criação da Mossad e está ao serviço de Israel

Global Research - Hassane Zerouky (2002)

(Tradução minha)


Graças à Mossad, "Instituto de Informações e Operações Especiais" de Israel (Serviços Secretos Israelitas), foi permitido ao Hamas reforçar a sua presença nos territórios ocupados. Entretanto, o Movimento Fatah de Libertação Nacional da Palestina de Arafat assim como a esquerda Palestiniana foram sujeitos à mais brutal forma de repressão e intimidação.

Não esqueçamos que foi Israel que de facto criou o Hamas. Segundo Zeev Sternell, historiador da Universidade Hebraica de Jerusalém, "Israel pensou que era uma táctica astuciosa para empurrar os islamistas contra a Organização de Libertação da Palestina (OLP). "

Ahmed Yassin, o líder espiritual do movimento islamista na Palestina, ao regressar do Cairo nos anos setenta, fundou uma associação de caridade islâmica. A Primeira Ministra de Israel, Golda Meir, viu nisto uma oportunidade para contrabalançar o crescimento do movimento Fatah de Arafat. Segundo o semanário israelita Koteret Rashit (Outubro de 1987), "As associações islâmicas tal como a universidade foram apoiadas e encorajadas pela autoridade militar israelita" responsável pela administração civil da Cisjordânia [West Bank] e pela Faixa de Gaza. "As associações islâmicas e a universidade foram autorizadas a receber dinheiro do estrangeiro."

Os islamistas organizaram orfanatos e clínicas de saúde, bem como uma rede de escolas, fábricas que criaram emprego para mulheres bem como um sistema de ajuda financeira aos mais pobres. E em 1978, criaram uma "Universidade Islâmica" em Gaza. "A autoridade militar israelita estava convencida que estas actividades iriam enfraquecer tanto a OLP como a organizações esquerdistas em Gaza." Nos finais de 1992, existiam seiscentas mesquitas em Gaza. Graças à Mossad israelita, foi permitido aos islamistas reforçarem a sua presença nos territórios ocupados. Entretanto, os membros da Fatah (Movimento para a Libertação Nacional da Palestina) e a esquerda palestiniana foram sujeitas às mais brutais formas de repressão.

Em 1984, Ahmed Yassin foi preso e condenado a doze anos de prisão, depois da descoberta de um depósito de armas escondido. Mas um ano depois, foi colocado em liberdade e retomou as suas actividades. E quando a Intifada (insurreição) começou, em Outubro de 1978, que apanhou os islamistas de surpresa, o Xeque Ahmed Yassin respondeu criando o Hamas (O Movimento de Resistência Islâmico): "Deus é o nosso princípio, o Profeta o nosso modelo, o Corão a nossa constituição", declara o artigo 7 dos estatutos da organização.

Ahmed Yassin estava na prisão quando os acordos de Oslo (Declaração de Princípios de um Governo Interino) foram assinados em Setembro de 1993. O Hamas rejeitou os acordos completamente. Mas nesse tempo, 70 % dos palestinianos condenaram os ataques aos civis israelitas. Ahmed Yassin fez tudo quanto estava ao seu alcance para sabotar os acordos de Oslo. Ainda antes da morte do Primeiro Ministro israelita Yitzhak Rabin (1995), Yassin tinha o suporte do governo israelita. Yassin estava muito relutante em implementar os acordos de paz.

O Hamas lançou então uma campanha de ataques contra civis israelitas, um dia antes do encontro entre os negociadores palestinianos e israelitas, relativamente ao reconhecimento formal por Israel do Concelho Nacional Palestiniano. Estes acontecimentos contribuíram largamente para a formação para a formação do governo israelita de direita que se seguiu às eleições israelitas de Maio de 1996.

Inesperadamente, o Primeiro Ministro Netanyahu deu ordens para que o Xeque Ahmed Yassin fosse libertado da prisão ("por motivos humanitários") onde estava a cumprir uma pena de prisão perpétua. Entretanto, Netanyahu, com o Presidente Clinton exerciam pressão sobre Arafat para controlar o Hamas. Na realidade, Netanyahu sabia que podia contar, mais uma vez, com os islamistas para sabotarem os acordos de Oslo. Pior ainda: depois de ter expulso Ahmed Yassin para a Jordânia, o Primeiro Ministro Netanyahu permitiu o seu regresso a Gaza, onde foi recebido triunfalmente como um herói em Outubro de 1997.

Arafat estava impotente face a estes acontecimentos. Mais ainda, como tinha apoiado Saddam Hussein durante a Guerra do Golfo de 1991, (enquanto o Hamas prudentemente se absteve de tomar posição), os Estados do Golfo decidiram cortar o financiamento à Autoridade Palestiniana. Entretanto, entre Fevereiro e Abril de 1998, O Xeque Ahmad Yassin foi capaz de recolher centenas de milhões de dólares, desses mesmos países. Diz-se que o orçamento do Hamas era maior do que o da Autoridade Palestiniana. Estas novas fontes de financiamento permitiram aos islamistas continuar efectivamente as suas actividades caritativas. Estima-se que cada um em três palestinianos recebe ajuda financeira do Hamas. E neste aspecto, Israel não fez nada para travar o fluxo de dinheiro para os territórios ocupados.

O Hamas conseguiu tornar-se forte através dos seus vários actos de sabotagem do processo de paz, de uma forma que era compatível com os interesses do governo israelita. Por seu lado, este último procurou de várias formas impedir a aplicação dos acordos de Oslo. Por outras palavras, o Hamas estava a cumprir as funções para as quais foi originariamente criado: impedir a criação de um Estado palestiniano. E sobre isto, o Hamas e Ariel Sharon, estão absolutamente de acordo; estão exactamente no mesmo comprimento de onda.


Israel, o maior e único porta-aviões americano que é impossível afundar

Nalguns aspectos claramente demarcados, o actual apoio dos Estados Unidos ao governo israelita corresponde aos interesses próprios americanos. Numa região onde o nacionalismo árabe pode ameaçar o controle de petróleo pelos americanos assim como outros interesses estratégicos, Israel tem desempenhado um papel fundamental evitando vitórias de movimentos árabes, não apenas na Palestina como também no Líbano e na Jordânia. Israel manteve a Síria, com o seu governo nacionalista que já foi aliado da União Soviética, sob controlo, e a força aérea israelita é preponderante na região.

Como foi descrito por um analista israelita durante o escândalo Irão-Contras, onde Israel teve um papel crucial como intermediário, "É como se Israel se tivesse tornado noutra agência federal [americana], uma que é conveniente utilizar quando se quer algo feito sem muito barulho."

O ex-ministro de Estado americano, Alexander Haig, descreveu Israel como o maior e o único porta-aviões americano que é impossível afundar.

O alto nível continuado de ajuda dos EUA a Israel deriva menos da preocupação pela sobrevivência de Israel mas antes do desejo de que Israel continue o seu domínio político sobre os Palestinianos e que mantenha o seu domínio militar da região.

Na realidade, um Estado israelita em constante pé de guerra - tecnologicamente sofisticado e militarmente avançado, mas com uma economia dependente dos Estados Unidos - está muito mais disposto a executar operações que outros aliados considerariam inaceitáveis, do que um Estado Israelita que estivesse em paz com os seus vizinhos.

Israel recebe actualmente três mil milhões de dólares por ano em ajuda militar dos Estados Unidos.
.

10 comentários:

ovigia disse...

boas diogo,

muito bom, apenas discordo num ponto do artigo, não creio que sejam os EUA a mandar em Israel, mas sim o contrário.

já agora, já leu o artigo “Doomsday Seed Vault” in the Arctic
Bill Gates, Rockefeller and the GMO giants know something we don’t
http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=7529

já escrevi sobre ele mas aconselho a sua leitura, muito interessante sobre o futuro que já hoje se vive relativamente ao controlo populacional e aos OGM.

abs,

rjnunes

Diogo disse...

Caro Vigia, em minha opinião quem manda são aquilo a que alguns chamam de International Bankers. Eles controlam os EUA, a Europa e a maior parte do mundo. Israel é utilizado como uma mistura de intelligence agency, base militar e agente desestabilizador. Se for necessário sacrificá-lo (a Israel) eles não terão qualquer problema. Os judeus que lá vivem não têm peso.

Abraço

RV disse...

Por vezes espanta-me que o Estado Judaico aja como age depois do que se passou com os judeus no Holocausto.

Zèi disse...

Passei só para deixar um grito.

NÃO AO CHIP AUTOMOVEL.
NÃO A UMA SOCIEDADE VIGIADA POR CAMARAS DE VIGILANCIA E CONTROLADA POR MICROCHIPS.
Gostei do aritgo de Vasco Pulido Valente no Publico de dia 18

Zorze disse...

Muito interessante. Verdadeira informação alternativa. Muita matéria para estudo.

Abraço,
Zorze

ovigia disse...

concordo com o que afirma sobre os banqueiros diogo, no entanto convém notar que as grandes familias de banqueiros são de judeus.


rjnunes

Flávio Gonçalves disse...

Deixe-me discordar, meramente, da tradução do termo "islamistas", uma criação da novilíngua para rimar com "fascistas", o termo correcto será muçulmano embora no inglês utilizem sinónimos.

Diogo disse...

ovigia disse... «concordo com o que afirma sobre os banqueiros Diogo, no entanto convém notar que as grandes famílias de banqueiros são de judeus.»

É verdade que são. Mas também há os judeus pobres. Os judeus para toda a obra. Os “dispensáveis”. Sionistas e judeus são duas coisas completamente distintas.


Flávio Gonçalves disse... «Deixe-me discordar, meramente, da tradução do termo "islamistas", uma criação da novilíngua para rimar com "fascistas"»

Obrigado pela informação Flávio, eu não sabia e faz todo o sentido. E seja bem aparecido.

ovigia disse...

peço desculpa diogo de só agora ter lido a sua resposta, tem razão, eu também não coloco Israel, e todos os judeus no mesmo saco, sionistas é uma coisa judeus e Israelitas outra.

abraço

JP disse...

Sionismo como todo povo, tem uma nacao, Israel eh a nacao do povo Judeu, quanta ignorancia nesse blog, com certeza se eh a "anti-sionista", vc é um pro islamo fascista, querendo ou nao. Paz e conhecimento reinam juntos.