sexta-feira, maio 19, 2006

Katrina - incompetência ou genocídio deliberado?


As reportagens de Shepard Smith e de Geraldo Rivera da Fox News a não perder no vídeo de Horror Show. Vejam e ouçam estas reportagens com atenção, e digam-me se esta chacina não foi deliberada:

Vídeo - 8:27m




Ocorreram numerosos incidentes durante, e imediatamente a seguir à passagem do furacão Katrina que fazem supor o inimaginável. Ao que parece, foi implementado um sofisticado plano que utilizou a passagem de um furacão para primeiro destruir e depois tomar posse da cidade de Nova Orleães.

À medida que o mundo observava os acontecimentos, não se podia deixar de pensar que algo de terrível estava em acção respeitante ao resgate pelo FEMA (Agência Federal para o Tratamento de Emergências) da população pobre e predominantemente negra.

Parece que um plano bem elaborado estava em marcha com o objectivo da apropriação de bens imobiliários pertencentes a famílias negras pobres de Nova Orleães.


Entre as mais faladas anomalias está o tiroteio que ocorreu próximo de um dique rebentado, entre a polícia de Nova Orleães e agentes militares., dos quais cinco morreram

Um artigo da Associated Press reportou um tiroteio entre a polícia de Nova Orleães e indivíduos contratados pelo exército do Estados Unidos próximo do dique rebentado ao longo do 17º Street Canal. A notícia original anunciava que a polícia de Nova Orleães tinha disparado e morto cinco indivíduos contratados pelo exército americano num tiroteio. A notícia original da Associated Press foi confirmada por um porta voz do corpo de engenheiros do exército.

Quem eram estes “agentes militares” que foram mortos pela polícia e o que é que estavam a fazer lá? Porque é que a polícia se viu na necessidade de disparar e matar cinco ou seis deles? Seriam homens das forças especiais do exército com ordens secretas para sabotar o dique?

Há informações credíveis que apontam para o desaparecimento de pelo menos cem polícias de Nova Orleães e que dois se teriam suicidado. Terão estes polícias morrido a defender o dique contra a sabotagem destes agentes militares?



Numa entrevista à cadeia de televisão WWL, o Mayor Ray Nagin queixou-se que os helicópteros da Guarda Nacional estavam a ser impedidos de lançar sacos de areia para parar a corrente do dique rebentado. Há provas de que nenhumas reparações no dique foram permitidas até que Nova Orleães ficasse totalmente inundada.

Muitos grupos civis que estavam a tentar ajudar pessoas encurraladas nos seus sótãos, nos seus telhados e no Superdome disseram ter sido impedidos de o fazer pelo FEMA e por agentes federais e militares. Grupos de camiões que carregavam comida e água foram bloqueados por agentes governamentais.

Igrejas, hospitais e grupos comunitários afirmaram que a primeira coisa que os militares fizeram, quando chegaram, foi cortar as linhas de telefone e confiscar aparelhos de comunicações.

Existem também as afirmações do especialista em informações, Tom Heneghen, de que 25 testemunhas ouviram explosões imediatamente antes dos diques rebentarem.


Hoje, é muito revelador a forma como o governo federal lidou com o desastre. Querem todos os negros fora de Nova Orleães e aqueles que insistirem em ficar serão removidos à força.

O governo utilizou tácticas de medo para limpar nova Orleães de todos os negros. Não querem testemunhas na apropriação forçada das suas propriedades. Uma das tácticas foi afirmar que a água das inundações era “uma horrível sopa de fezes e carne apodrecida dos cadáveres".

Cheney e os seus amigos da Halliburton estão já preparados para a lucrativos contratos da reconstrução de Nova Orleães. Acordos já estão a ser negociados com um grupo empresarial de Las Vegas para a construção de casinos nos terrenos que pertenciam aos negros.

As famílias negras de Nova Orleães não têm seguros e não têm dinheiro para reconstruir as suas casas. Muito provavelmente, as suas propriedades serão confiscadas pela falta de pagamento dos impostos.

31 comentários:

Anónimo disse...

Os Estados Unidos são atingidos todos os anos por vários furacões. A grande diferença entre o Katrina e os outros é que em New Orleans havia um mayor incompetente chamado Ray Nagin. Enquanto em estados como a Flórida as autoridades locais evacuam mais de um milhão de pessoas 2 ou 3 dias antes da impacto do furacão, em New Orleans Ray Nagin só o fez quando já era tarde de mais, e nem sequer tornou essa medida obrigatória. E não foi por falta de meios, mas por total desorganização e colapso da administração local que chegou ao cumulo de deixar na água mais de 100 autocarros escolares.

joão disse...

Por que non estaba en alerta ante o Katrina o goberno de Bush? Por incompetencia e indiferenza, porque evitar o dano dun furacán a Nova Orleáns non era unha prioridade na lista dun goberno que quere facer a guerra en Iraq, persuadir o Congreso de que permita perforar máis pozos petroleiros en Alasca e revogar o imposto aos bens raíces para que o 2 por cento máis rico de Estados Unidos poida aliviar a súa carga.

Fragil disse...

O vídeo é perfeitamente revelador de que a coisa foi deliberada. Os negros pobres foram assassinados no Superdome. Os repórteres no local da Fox News não deixam dúvidas. É impressionante.

Fragil disse...

SEGUNDO O PARTIDO REPUBLICANO E A ADMINISTRAÇÃO BUSH, HÁ MALES QUE VÊM POR BEM! DEPOIS DA CATÁSTROFE DE NOVA ORLEÃES PROVOCADA PELO FURACÃO KATRINA, A RECONSTRUÇÃO FOI ENTREGUE NAS MÃOS DE EMPRESAS COMO A HALIBURTON, LIGADA À GUERRA DO IRAQUE E AO VICE-PRESIDENTE DICK CHENEY, E O OBJECTIVO É CRIAR UMA CIDADE LIMPA DE “PRETOS, POBRES E CRIMINOSOS”.

Biranta disse...

Neste caso o critério de "competência" conduz ao "genocídio deliberado". Sim porque a avaliação da "competência" depende do objectivo da acção...
Caro anonymous!
A "diferença" não está na incompetência dos "mayores", está, talvez no facto de, em New Orleans, o mayor ter sido ingénuo ao ponto de não acreditar que fosse possível o governo sabotar, deliberadamente, os diques, dinamitando-os. Por isso o atraso na evacuação. Os diques foram dinamitados para provocar a catástrofe e intentou-se o extermínio dos refugiados, para premitir a apropriação dos terrenos destes, que já estavam destinados a grandes empreendimentos...
Tal como no 11 de Setembro, a catástrofe servia um objectivo... e, tal como em 11 de Setembro, se os acontecimentos não se comportam como é desejado (não provocam os estragos e as mortes "n ecessários") e as estruturas teimam em cumprir a sua missão, arranja-se (arranjou-se) uma maneira de "dar uma mãozinha"...
E assim já faz sentido?

Anónimo disse...

quase 50% das vitimas mortais são caucasianas. e a esmagadora maioria das vítimas tinham mais de 60 anos.

"Although most evacuees were black, the proportion of white people killed was higher than would be expected from the racial composition of the worst-affected neighbourhoods. The widespread perception that Katrina was a “black” disaster may reflect news pictures of refugees rather than those who died, Dr Mutter said."

http://www.timesonline.co.uk/article/0,,11069-2045543,00.html

e qualquer pessoa que não use um chapéu de alúminio entende que NO não deve ser reconstruída. para quê? para ser novamente arrasada na próxima tempestade?

Ah, e esse Geraldo é o mesmo que defendeu Michael Jackson.

Anónimo disse...

É saudável todos nós termos uma pequena dose de paranoia e desconfiarmos de verdades oficiais. Em casa, no trabalho, no emprego ou na democracia.

Neste blogue há até muitos post's e comentários que mesmo discordando se conseguem ler e ate discutir de forma saudável. Mas este post, o genocídio, dinamitar os diques, limpeza étnica, extermínio dos refugiados, etc,etc, está para lá de qualquer compreensão e para lá de qualquer paranoia. Só pode ser um grave problema clínico.

Anónimo disse...

«o mayor ter sido ingénuo ao ponto de não acreditar que fosse possível o governo sabotar, deliberadamente, os diques, dinamitando-os. Por isso o atraso na evacuação. Os diques foram dinamitados para provocar a catástrofe e intentou-se o extermínio dos refugiados,»

Basta ler excertos como este para perceber que isto não é paranoia, é pura desinformação, mentira, manipulação e total falsidade.

Os diques cederam muito depois da passagem do furacão. E você não percebe que já não deveria estar ningém em New Orleans muito antes do furacão chegar ? A incompetência foi do Ray Nagin, não só porque decretou a evacuação tarde demais, mas acima de tudo porque ele melhor do que ninguém sabia que a cidade dele tinha milhares de habitantes pobres que não tinham meios para fugir da cidade. No entanto tinha centenas de autocarros escolares e não os usou.
Quando Ray Nagin se apercebeu do desastre a única coisa que conseguiu fazer durante vários dias foi disparar contra tudo e contra todos para ocultar a sua própria responsabilidade.

artur disse...

Anonymous:
«quase 50% das vitimas mortais são caucasianas. e a esmagadora maioria das vítimas tinham mais de 60 anos.»

Fragil:
«O objectivo é criar uma cidade limpa de “pretos, pobres e criminosos”»


Confere:
Grupo 1 - Quase 50% das vitimas mortais são caucasianas: brancos pobres e brancos criminosos.

Grupo 2 - Mais de 50% das vitimas mortais são negros.

Crupo 1 + Grupo 2 = pretos, pobres e criminosos.

Anónimo disse...

que pretos, pobres e criminosos?

as maiores vítimas foram os idosos, abandonados nas suas casas e nos lares pelos filhos e netos.

por favor!

jorge disse...

- Meu caro Anonymous, vi o site que você indicou. Você saiu-me um grande mentiroso. Em nenhuma parte do texto do Times está: «quase 50% das vitimas mortais são caucasianas».


Anonymous - «qualquer pessoa que não use um chapéu de alúminio entende que Nova Orleães não deve ser reconstruída.»

- Porquê? Nova Orleães sobreviveu mais de duzentos anos. Porque é que não há-de continuar a sobreviver? A Haliburton de Cheney já lá está a construir. Desde que não se rebentem deliberadamente com os diques!


Anonymous - «Geraldo é o mesmo que defendeu Michael Jackson»

Geraldo é um filho da puta da Fox. Mas até os piores filhos da puta, em face de tamanha desumanidade, choram. Veja o vídeo e depois fale!

Sofocleto disse...

No New York Times:

E, finalmente quando decidiram tirar as pessoas, já moribundas, do Superdome, o FEMA (Agência Federal para o Tratamento de Emergências) esteve, como habitualmente, à altura da situação:

Quando a burocracia do FEMA travou a evacuação de doentes do aeroporto, médicos frustrados da Acadian (empresa de cuidados médicos) esperavam com helicópteros vazios.

A empresa enviou médicos e enfermeiras para o aeroporto, enquanto doentes estavam a morrer e tratamentos médicos eram desesperadamente necessários. O FEMA rejeitou a ajuda porque os médicos e os enfermeiras não eram membros certificados do «National Disaster Medical Team».

Quando tentaram apressar a evacuação de centenas de doentes no aeroporto de Nova Orleães, os médicos não eram aprovados pelo FEMA enquanto não obtivessem a aprovação dos seus supervisores em Baton Rouge.

“A certa altura eu tinha dez helicópteros no solo prontos para partir,” disse Marc Creswell, um médico da Acadian, “mas o FEMA continuou a travar-nos com papelada. Entretanto, a cada 30 ou 40 minutos uma pessoa morria.”

Creswell afirmou ter levado mais de uma dúzia de médicos e enfermeiras para ajudar no aeroporto. “Quando os médicos perguntaram porque é que não podiam ajudar aquelas pessoas em estado tão crítico, ali estendidos, sem assistência,“ Creswell lembrou, “o pessoal do FEMA continuava a dizer, você não está federado”.


Esta notícia veio no New York Times. Agora diga-me anonymous, você não vê aqui nenhum assassínio deliberado?

Rouxinol disse...

http://www.prisonplanet.com/archives/katrina/index.htm

Leiam essa colecção de factos.

Rouxinol disse...

http://www.youtube.com/watch?v=RMlh9tn8xN4&search=alex%20jones

Baphomet disse...

O Katrina provocou 1604 mortos e algumas centenas de desaparecidos. Tal como foi dito, essa ideia de só terem morrido negros é mais uma das muitas mentiras que se divulgaram a propósito do Katrina.
Os afro-americanos foram cerca de 50%, os caucasianos cerca de 40% e o restante das outras raças (hipsnicos, asiaticos, etc).

Houve muitas coisas que não correram bem, a todos os níveis. As autoridades nacionais também erraram em muitas coisas, mas houve erros muito maiores a nível local. Mas é preciso não descontextualizar as coisas. Foi um enorme desastre natural precisamente numa zona critica como é New Orleans.

Acho alguma graça ver tanta gente aqui neste país de treta chamado Portugal a criticar obsessivamente a FEMA ou outra organização qualquer. Logo nós, o tal país que deixou a apodrecer uma pequena e velha ponte matando 59 pessoas e até hoje não se encontrou um único culpado.

Acho graça que por exemplo em França, no Verão de 2003, tivessem morrido de calor milhares de idosos abandonados em casa pelos filhos e pelas autoridades. Aí morreu muito mais gente do que no Katrina, e não existiu nenhum furacão devastador.

Do que não correu bem com o Katrina, o mayor Ray Nagin foi o maior irresponsável. A cidade de New Orleans tinha um plano de emergência que não foi seguido. Uma das medidas do plano era evacuar a população sem automóvel (1/3 do total) recorrendo a autocarros escolares. O plano não foi seguido porque o Mayor decidiu concentrar toda a gente no Superdome . Foi uma decisão dele, mas ele não tratou do resto, ou seja, assegurar-se que as pessoas no Superdome tivessem comida e água, segurança e condições de higiene.

A companhia de caminhos de ferro Amtrak tinha um comboio na região e os responsáveis da companhia avisaram as autoridades que iriam retirá-lo e se queriam aproveitar pois tinham espaço para centenas de pessoas. As autoridades locais disseram que não, pois o Katrina foi sempre subestimado pelas autoridades locais. Quando se aperceberam do desastre iminente já era tarde demais. Foi sempre tudo tarde de mais e tudo sempre com profunda incompetência. Para disfarçar todos os erros que cometeu, o Mayor pouco mais fez do que passar os dias da tragédia a criticar as autoridades locais.

São estas algumas das verdades sobre o Katrina, mas claro, não são do agrado de alguns leitores mais preocupados a bater do demónio do Bush.

É exactamente amanhã que são as eleições. O Ray Nagin transformou a campanha num assunto de raças. É uma personagem execrável. Oxalá que perca.

Anónimo disse...

É impressionante verificar ao extremo a que se chega para provar uma teoria que não tem pés nem cabeça, que aliás morre à nascença. Senão vejamos:
"...foi implementado um sofisticado plano que utilizou a passagem de um furacão para primeiro destruir e depois tomar posse da cidade de Nova Orleães."
Ficamos a saber que os Estados Unidos têm a capacidade de criar furacões como complemento de um "um sofisticado plano" com o único objectivo de servir interesses obscuros e capitalistas!
TENHAM DÓ!!

Baphomet disse...

«Ficamos a saber que os Estados Unidos têm a capacidade de criar furacões como complemento de um "um sofisticado plano" com o único objectivo de servir interesses obscuros e capitalistas!»

Exacto. É o que eu tenho dito. Só falta dizerem que a terra é plana.

Mas na verdade existe um sofisticado plano ! Chama-se NHC. O Centro nacional de furacões. Onde o governo americano investe biliões de dolares, onde trabalham milhares de cientistas e metereologistas. Com a tarefa de salvar vidas !

Não só americanas, como das Caraibas e da América central. Todos os anos o NHC salva milhares de pessoas da morte. Sem distinções de raças, credos ou ideologias. Os cubanos que o digam.

Baphomet disse...

Dada a popularidade de Mohammad Khatam por estes cantos, aguardo com ansiedade algum comentário às notícias que chegam hoje do Irão. Nos últimos anos ouvi chamar tanta vez "nazi" ao Bush, que estou com curiosidade de saber como vão reagir a isto.

Iran eyes badges for Jews
Law would require non-Muslim insignia

Human rights groups are raising alarms over a new law passed by the Iranian parliament that would require the country's Jews and Christians to wear coloured badges to identify them and other religious minorities as non-Muslims.

"This is reminiscent of the Holocaust," said Rabbi Marvin Hier, the dean of the Simon Wiesenthal Center in Los Angeles. "Iran is moving closer and closer to the ideology of the Nazis."

NationalPost

silvio disse...

Foi o "deixa acontecer..".
Vi um video em inglês, que mostra Bush e a Condolezza Rice, durante esse furacão, estavam a passear em férias, somente uns dias depois "reagiram" tomando medidas.
Como em New oRLEÃES é só negros, eles simplesmente stavam-se nas tintas para aquelas pessoas

desbul disse...

Aqui o que é importante salientar é o facto de o governo americano ter desrespeitado a lei ´posse comitatus`,uma lei de 1878,e que proíbe qualquer intervenção do exército sem autorização prévia do Congresso.Penso que a administração Bush aproveitou a tragédia do Katrina para reforçar o poder federal,mandando às malvas leis basilares para a manutenção da autonomia dos estados da união.Lentamente,como quem não quer a coisa,vai-se criando um regime mais centralizado e prepotente,que eu temo pode facilmente resvalar numa ditadura.Pois se na Alemanha dos anos 30,que tinha uma sociedade das mais cultas e instruídas da europa,foi possível,através da propanganda e omissão da verdade aos cidadãos,instaurar um regime como o nazi.Onde é que está escrito e por alma de quem podemos estar certos da impossibilidade do mesmo acontecer na actual superpotência;e a que pais poderemos pedir ajuda.À china?Que pelo que sei também pratica o mesmo tipo de expropriações a que assistimos em New Orleans...Não me parece.

Sofocleto disse...

Baphomet said: «Iran eyes badges for Jews Law would require non-Muslim insignia»

Andei à procura na Internet e não encontrei mais nada acerca disto. Será a sua fonte fidedigna?

Sofocleto disse...

desbul,

«Penso que a administração Bush aproveitou a tragédia do Katrina para reforçar o poder federal»


A administração americana provocou o Katrina, dinamitando os diques, e fez tudo para expulsar os pobres da cidade, sobretudo negros. Para tal não teve qualquer pejo em assassiná-los, não deixando propositadamente chegar a assistência necessária.

Foi um assassínio premeditado. O vídeo prova-o.

Sofocleto disse...

Baphomet said: «Nos últimos anos ouvi chamar tanta vez "nazi" ao Bush, que estou com curiosidade de saber como vão reagir a isto:

Iran eyes badges for Jews Law would require non-Muslim insignia»


Eu tinha razão. Mais uma mentira da propaganda dos criminosos:

"But independent reporter Meir Javdanfar, an Israeli Middle East expert who was born and raised in Tehran, says the report is false.
“It’s absolutely factually incorrect,” he told The New 940 Montreal.

“Nowhere in the law is there any talk of Jews and Christians having to wear different colours. I’ve checked it with sources both inside Iran and outside.”

“The Iranian people would never stand for it. The Iranian government wouldn’t be stupid enough to do it.”"


Baphomet, informe-se melhor quando disser alguma coisa.

desbul disse...

Ontem uma notícia da BBC,colocava dúvidas quanto ao real avanço técnico do programa nuclear iraniano,e questionava a capacidade deste para enriquecer urânio.Parece que o material usado por Teerão para o processo foi importado da China em 1991,antes desta assinar o tratado de não-proliferação.


http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/middle_east/4994828.stm

Sofocleto disse...

A questão iraniana (o programa nuclear) é tão verdadeira como foi a questão iraquiana (das armas de destruição maciça). A verdadeira questão é que a comunidade internacional (leia-se Bush, Cheney e quejandos), gosta de controlar jazidas petrolíferas. Porque o controlo energético é controlo político. E assim se vive à conta do resto do mundo.

Baphomet disse...

Sofocleto, se é mentira peço desculpa. E oxalá que seja, porque depois da polémica com uns meros cartoons serem ofensivos uma medida destas seria incrivel tal as semelhanças com as braçadeiras do nazismo.

Quanto à questão nuclear, acho que está enganado ao comparar o Iraque e o Irão. No primeiro caso pode dizer o que defende, o motivo eram as ADM's que afinal não existiam. No caso iraniano são eles que colocaram a questão na agenda, não foram os americanos que os acusaram. O Mahmoud Ahmadinejad é que andou durante semanas a dizer primeiro que quer, depois que já tinha o nuclear. São situações incomparáveis. O Mahmoud Ahmadinejad sabe que os americanos jamais se vão meter noutra tão em breve, estão-se nas tintas, e os isrealitas estão praticamente sem liderança. O comportamento de Mahmoud Ahmadinejad tem sido de constante provocação. Ninguem quer atacar o Irão, ele é que quer deseperadamente que Isreal faça um ataque cirugico às suas instalações para incendiar os fanáticos no Irão e no resto do mundo. Mas ninguem do Ocidente vai morder o isco.

Sofocleto disse...

Baphomet said: «Sofocleto, se é mentira [Iran eyes badges for Jews ] peço desculpa.

Baphomet said: «Quanto à questão nuclear, acho que está enganado ao comparar o Iraque e o Irão. No primeiro caso pode dizer o que defende, o motivo eram as ADM's que afinal não existiam.»

Baphomet said: «No caso iraniano são eles [iranianos] que colocaram a questão na agenda»


Os mesmos protagonistas, os mesmos argumentos, o mesmo guião com que se encenou a invasão do Iraque há três anos.

O vice-presidente norte-americano discursa sobre a ameaça aos EUA vinda de um país rico em petróleo no Médio Oriente; a secretária de Estado diz ao Congresso que esse país é o maior desafio global aos EUA; o secretário da Defesa acusa-o de ser o principal apoio do terrorismo; o presidente aponta esse Estado como autor de ataques a tropas norte-americanas no Iraque; e o embaixador norte-americano na ONU, não se faz rogado e afirma, audaz, que “a ameaça é um novo 11 de Setembro, desta vez com armas nucleares”. Note-se que qualquer semelhança é mais do que coincidência.

Mas tropeça nas evidências do mundo: infelizmente, neste domínio, o Irão não está sozinho. Pelo contrário, Coreia do Norte, China, Paquistão – todos estes países estão um passo à frente – já têm armamento nuclear: E não são, concordaremos certamente, merecedores da designação de democracias.

Até que ponto as ameaças explícitas da Administração norte-americana nos últimos três anos ao regime iraniano acicataram o apetite do Irão por armamento nuclear. Inscrito no Eixo do Mal por George W. Bush em 2003, o Irão pode ter chegado à conclusão, a que muitos outros já chegaram, que a bomba nuclear é hoje a melhor garantia, a melhor protecção contra os apetites imperiais da administração fundamentalista que lidera os EUA.


Ó Baphomet, parece-me que já são enganos a mais da sua parte.

sinsemilla disse...

Está aqui um novo e excelente filme que foca sobretudo o colapso dos três edifícios (wtc 1,2,7) no 11 de Setembro:

http://www.911podcasts.com/display.php?vid=95

Entre outras pérolas, contém uma entrevista do mayor rudolph giuliani a dizer que foi avisado com antecedência do colapso das torres, além da quantidade impressionante de pessoas que escaparam das torres e que relatam númerosas explosões secundárias.
Um "must" que recomendo especialmente aos fanáticos que ainda vão acreditando na teoria oficial dos acontecimentos.
Cumprimentos.

sinsemilla disse...

O nome do filme é:

Wath´s the Truth?: How indeed the twin towers colapse?

Sofocleto disse...

Sinsemilla, obrigado pelo vídeo. E também ao Rouxinol, cujo blogue aconselho a visitar.

Porque, meus amigos, a verdade é esta: a versão oficial do 11 de Setembro tem tantos buracos que é impossível sustentá-la. Aqui, estou como o Silverstein (o dono do World Trade Center): mais vale demoli-la. O que nem sequer é difícil. Porque ali não há nenhuma estrutura (que existia no WTC). Só há embuste, sem substância.

Anónimo disse...

Rescatada por la Guardia Nacional de los EEUU la diputada socialista catalana (psoe) Lourdes Muñoz Santamaria. El heroico guatemaltes Rossel.