sábado, junho 10, 2006

Cobardia ou coragem?


A 7 de Junho de 2006, o primeiro tenente Ehren Watada tornou-se no primeiro oficial a declarar publicamente a sua recusa em obedecer à ordem para ir para o Iraque. O primeiro tenente Watada afirmou numa conferência de imprensa em Tacoma, no estado de Washington, que "A guerra no Iraque é de facto ilegal. È minha obrigação e meu dever recusar ordens para participar nesta guerra. Uma ordem para participar numa guerra ilegal é ilegal em si mesma. Portanto a minha obrigação é não obedecer à ordem para ir para o Iraque".

Mencionando "mentira e manipulação... e conduta imprópria deliberada levada a cabo pelos mais altos níveis da minha cadeia de comando", Watada declarou que "não havia maior traição ao povo Americano" que a guerra com o Iraque.

O «momento decisivo» para Watada chegou quando "viu a dor e o sofrimento de tantos soldados e das suas famílias, e de Iraquianos inocentes. Presto um melhor serviço aos meus soldados declarando-me publicamente contra ordens ilegais dos mais altos níveis da minha cadeia de comando e garantir que os nossos líderes sejam responsabilizados. Watada sentiu que "tinha a obrigação de dar um passo em frente e fazer o que fosse preciso", mesmo que isso signifique enfrentar o tribunal marcial e a prisão.

33 comentários:

Fragil disse...

Aparentemente, Bush não se defronta apenas com insurgências externas. A rebelião interna pode estar a começar a surgir, mesmo nas forças armadas. Há pouco tempo seis generais já reformados pediram o afastamento de Rumsfeld pela forma como ele lidou com a ocupação do Iraque. E acusaram-no de ser arrogante e incompetente.

luikki disse...

parabéns ao tenente watada!
um verdadeiro herói!
especialmente pelas consequências que irá sofrer....

Anónimo disse...

Watada revela extrema coragem! mas não é só ele que tem dúvidas:

"A poll released last month by Zogby International found that 42 percent of all Americans believe the 9/11 Commission 'concealed or refused to investigate critical evidence' in the attacks. This is in addition to the Zogby poll two years ago that found that 49 percent of New York City residents agreed with the idea that some leaders 'knew in advance' that the attacks were planned and failed to act."

New York Times on 9/11 truth movement, 6/5/06

Anónimo disse...

Eh pá! Que pancada! Deixa lá os americanos! É preciso estar sempre a falar da mesma coisa? Chiça! Não vás ao médico! Gaita!

escrevi disse...

É realmente surpreendente.
Até o facto de essa notícia ter vindo a público.
Vamos ver se dão mais notícias sobre a assunto e se esta tomada de posição vai dar ânimo aos americanos para travarem a administração Buch.

Sofocleto disse...

«É preciso estar sempre a falar da mesma coisa?»

Este blog foi criado para abordar o 11 de Setembro e a agenda que lhe está subjacente. Especializou-se neste tema. Se eu quiser falar de outras coisas (e às vezes quero), vou a outros blogs comentar ou posso criar um novo blog. Foi uma opção!

Sofocleto disse...

Benvinda Escrevi!

Parece que há mais movimentações em terras do tio Sam. Vou abordá-las num próximo artigo.

piscoiso disse...

Internamente, é a única maneira de vencer esta administração americana.
Mas também é preciso muito dinheiro.

VouNaBroa disse...

Se isto pega ficam sem gente para encher as 702 bases militares norte-americanas em mais de 130 países...

Mário disse...

Se todos fizéssemos como o tenente Watada diminuía drasticamente o número de guerras, de dor e de morte.

jp disse...

Lá por não se gostar desta guerra isso não significa que se possa escolher. A retórica de Watada é de esquerda. A política deve ficar fora dos quartéis. Aos oficiais não se lhes pode permitir agir desta maneira. Se ele pensa realmente assim então tornava-se um objector de consciência. Que conversa é essa de que tudo o que Bush fez é “ilegal”? A acusação que Watada faz ao presidente é traição.

escrevi disse...

Ser de esquerda, é alguma doença?
Uma pessoa que tem príncipios, deve esquecer-se deles quando entra seja lá onde for?
Quanto muito transformará, pela sua maneira de ver, num objector de consciência.

magnolia disse...

Watada irá agora sofrer injustamente as consequências da sua recusa. Devemos passar a palavra e interceder para o apoiar, mostrando que o mundo inteiro está com ele. Podemos fazê-lo aqui.

jp disse...

Watada optou pela vida militar. Foi uma escolha. Ele pode sair do exército se quiser. E transformar a responsabilidade pela vida e pelo bem-estar dos seus homens numa agenda política é cobardia. E se ele não esteve na guerra não pode julgar se alguém é assassino. Só os que lutaram podem falar acerca disso.

Anónimo disse...

Isto é tudo um monte de asneiras. Quando se entra para a tropa é para lutar pelo seu país e não para se opor às ordens dos seus comandantes porque se pensa que a guerra é injusta. E em primeiro lugar porque é que a guerra é injusta? Há grupos terroristas a raptarem pessoas ao acaso e a matá-las. Há grupos a fazer explodir bombas e a disparar sobre as tropas americanas tendo matado já centenas de soldados. E Watada diz que não quer ir ajudar os seus camaradas porque não quer combater numa guerra injusta? Acho que ele devia ser corrido do exército e ir para a cadeia.

Sofocleto disse...

Vejam O Paulo Portas no programa "Raios e Curiscos", RTP, 1993 a dizer como detestava o poder. Absolutamente imperdível!

Aqui no Arrastão – Vídeo 1:03m
.

Anónimo disse...

Jose Blanco (psoe) saids : iraq illegal war.

a.castro disse...

O tenente Watada foi se calhar perigosamente corajoso! Admirável! E ele está consciente dos riscos que corre, conforme parte final da sua declaração. Seria bom se surgissem mais exemplos análogos...

Anónimo disse...

Aonde está a mentira ?
Aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=t_B1H-1opys
(video)

Fragil disse...

Jp e anonymous,

Watada, se considera injusta a guerra do Iraque, podia efectivamente sair da tropa sem problemas. Mas Watada quer mais que isso:

“Presto um melhor serviço aos meus soldados declarando-me publicamente contra ordens ilegais dos mais altos níveis da minha cadeia de comando e garantir que os nossos líderes sejam responsabilizados”.

Watada quer ver punidos os líderes que enviaram soldados americanos para uma guerra assassina. Líderes que ele considera traidores.

Não sei se ele tem alguma organização por trás ao tomar esta posição. Mas que, nas actuais circunstâncias, é uma atitude corajosa, disso não tenho dúvidas.

Biranta disse...

Caro JP, não seja ridículo! Watada, sendo militar "não pode falar acerca disso". Mas você pode avaliar o que ele sabe, ou não, a legitimidade dele, chamá-lo de covarde (covarde é você!), condená-lo a cadeia, e por aí fora. Pois eu acho que quem tem de ir para a cadeia é Bush e a suia pandilha. Principalmente a sua pan dilha, porque ele não passa dum palhaço!
Você deve pensar que é dono do Mundo. Ou então, porque é um reles lacaio dos "donos do Mundo", tem mais direitos e legitimidade que todos os outros; tudo e todos se devem conformar com os seus conceitos e conhecimentos e opiniões. Os conceitos e opiniões dos outros não existem, não têm importância, porque os outros só existem para vos servir, não são pessoas com direitos...
Cambada de energúmenos!
O problema é que são estes "outros" que terão de fazer o vosso trabalho sujo, de matar e morrer, pelas vossas "ideias", para defender os vossos interesses... e se eles não quiserem fazê-lo (já há muitos que se recusam, graças a Deus) vocês estão lixados... lixados, que é como devem estar...
Não aprendem as lições da história! Não percebem que "isto" é inevitável. Se aprendessem, muito sofrimento e muitas vidas se poupariam.

jp disse...

Caro Biranta, ridículo é você! Um exército onde cada tenente, cada sargento, cada cabo e cada soldado se pusesse a questionar as ordens não servia para nada.

Vamos conquistar aquela colina ordena o major. É preferível controlar aquela ponte diz o tenente. Mas assim alguns de nós podem morrer diz o cabo. Não ataco a ponte porque podem lá estar civis diz o soldado. E por aí fora...

Se Watada está contra a guerra, que saia do exército e pode-se manifestar à vontade cá fora. Lá dentro não pode fazer isso. Nenhum exército do mundo funciona se ninguém cumprir as ordens.

Barão da Tróia II disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Barão da Tróia II disse...

Concordo com o tipo, de um ponto de vista moral, como profissional, acho que mistura as coisas, ele escolheu ser militar, se anda à procura de guerras justas elas não existem, por conseguinte a únicva coisa que deveria fazer era demitir-se, mas preferiu fazer disso uma posição política. Boa sorte para Watada, mas acho que vai bater com os costados à choça.

escrevi disse...

O 25 de Abril aconteceu porque alguns militares ousaram estar em desacordo com o governo fascista sobre a guerra colonial, que achavam injusta.
Se eles não o tivessem feito, nem você JP nem eu podiamos estar aqui a dar opiniões sobre o assunto.

Biranta disse...

JP!
Não perca tempo. Um exército com uma missão como a do exército americano (da coligação), no Iraque, está condenado, desde o início, desde muito antres de a guerra ter começado, desde quando a "elite negra" que intenta governar o Mundo a partir da administração americana decidiu cometer todas as atrocidaddes para "justificar" mais e mais atrocidades. Sempre foi assim e sempre será assim, enquanto houver nazis com tais pretensões.
Um grande lider que eu considero o maior filósofo do século passado dizia que existem três factores, essenciais, para garantir a vitória, numa guerra:
- a estratégia correcta;
- a mobilização para a causa;
- e, o mais importante, a justeza da causa!
Donde se conclui que uma guerra infame nunca pode ser vencida. Nem que, por isso, seja necessário que "o exército não sirva para nada". Vocês não entendem estas coisas, estas "fatalidades"; não entendem que osa crimes contra a humanidade e contra os povos têm, SEMPRE, um preço muito elevado... e depois ficam por aí, nos cantos, a ganir (ou a uivar) à lua cheia. Mas a lua cheia nunca se comove com tais ganires (ou uivos)...
O pior defeito de todos os facínoras é pensarem que, por ser para eles, as leis do Mundo serão alteradas. Basta que sigam a estratégia adequada, moderna, apropriada, sem perceberem que não há estratégia capaz de os ilibar dos seus crimes...
Coitados! Chego a ter pena, apesar de todo o ódio!

Barão da Tróia II disse...

Caro "escrevi" o 25 de Abril dá-se porque o Capitão Miliciano estava farto de ir morrer na mata por um ordenado de merda, estava farto de ser a carne pra canhão do oficialato, juntaram mais uns carolas da academia e a coisa deu-se, a treta da liberdade e coitadinho do povo oprimido veio por arrasto, mas ainda bem que foi assim.

jp disse...

Não perca tempo você Birantea. De guerras “injustas” ganhas está a história cheia! Um exército não é uma democracia nem pode funcionar como tal seja a guerra “justa” ou “injusta”. Se uma pessoa se opõe à política do seu governo escreve para os jornais, organiza manifestações e vota contra nas eleições. Não faz é comícios nas casernas. Se está na tropa é porque quer e já sabe ao que vai.

Anónimo disse...

A Biranta escreve muita filosofia romantica, mas esquece-se que pode escrever assim de forma livre porque milhares de putos americanos morreram por ela nas praias da Normandia há muitos anos atrás.

paisinho dos povos disse...

Não sei como ainda há quem ligue á Biranta, coitada...
Não é Biranta, deve ser é BIRUTA!
Com um vibrador duplo resolvia-se o assunto dela.

Sofocleto disse...

«milhares de putos americanos morreram por ela»

Milhares de putos americanos morreram na II Guerra para que os grandes oligarcas americanos deitassem as mãos às colónias europeias (inglesas, francesas, holandesas, portuguesas, etc.). Os alemães que também as desejavam perderam a geurra.

Você julga que foi a América que trouxe a “liberdade”? O regime nazi, se tem ganho a guerra, teria, com o tempo, passado a ser uma democracia, como aconteceu com todos os estados fascistas europeus daquele tempo.

A América substitui-se aos grandes colonizadores europeus na pilhagem do resto do mundo. Foi por isto que os putos americanos morreram.

Anónimo disse...

"This guy graduated from college and then joined the Army, going to Officer Candidate school, AFTER we had already started the Iraq campaign just to claim it was an "illegal" war when his unit is called to go. Smells funny to me. In my mind either the Army gave a commission to an idiot not aware of current events or he planned this all along."

este tipo é amigalhaço da cindy sheehan. e a retórica de esquerda é impressionante.

Sofocleto disse...

Talvez Watada não esteja interessado em que a sua própria mãe e as mães de muitos outros soldados americanos passem pelo mesmo que passou Cindy Sheehan, cujo filho morreu no Iraque.