sábado, junho 17, 2006

José Cutileiro - a propaganda do Pentágono no Expresso



Expresso – 17-6-2006

José Cutileiro na sua crónica «IN MEMORIAM», faz uma biografia completa de Al-Zarqawi inteiramente dedicada ao terrorismo e remata de forma bucólica:

"Apesar do fanatismo, al-Zarqawi não tinha estudos religiosos - ou quaisquer outros. Nascido no ramo pobre de uma tribo desafogada de beduínos da Jordânia, deixara cedo a escola secundária e tivera um resto de adolescência delinquente. Como outros rapazes muçulmanos ociosos da altura começara a sua guerra santa atacando os russos no Afeganistão (pago por dinheiro americano) e continuara-a depois contra o Ocidente, regimes árabes moderados e (no seu caso) xiitas. Na carreira do crime demonstrou grandes dotes, conseguiu coordenar e inspirar vários grupúsculos no Iraque e Washington oferecia pela sua cabeça 25 milhões de dólares - exactamente o mesmo que oferece pela de Bin Laden."

"Não se sabe ainda se a sua morte foi um passo importante a caminho do fim do terrorismo no Iraque. Deste lado do mundo, só podemos olhar para ela com satisfação. «Quem trate da mesma maneira amigos e inimigos incitará repúdio da sua amizade e desprezo pela sua inimizade», escreveu o pensador árabe Ibn Hazm, que morreu em 1064."



Comentário:

É pena que Cutileiro não conheça Michel Chossudovsky. Porque este defende uma tese ligeiramente diferente:

Os serviços de informações dos Estados Unidos criaram as suas próprias organizações terroristas. E ao mesmo tempo, criaram os avisos terroristas que eram lançados pelas organizações terroristas que eles próprios criaram. No seguimento disto, desenvolveram um programa anti-terrorista de milhares de milhões de dólares para perseguirem essas organizações terroristas.

Contra-terrorismo e propaganda de guerra estão entrelaçados. O aparelho de propaganda fornece desinformação aos meios de comunicação social. Os avisos terroristas devem parecer genuínos. O objectivo é apresentar os grupos terroristas como inimigos da América. O verdadeiro objectivo é galvanizar a opinião pública em suporte da agenda de guerra americana.

39 comentários:

Fragil disse...

Todos sabemos que há cá muitos jornalistas a vomitar a propaganda de Bush. É importante saber quem são, o que escrevem e onde escrevem Dá-nos outra perspectiva.

luikki disse...

cada vez é maior o prazer em ler este blogue!

Sofocleto disse...

Obrigado Fragil e Luikki.

Quando se vê tanta gente inocente (sobretudo iraquianos, afegãos e americanos) a morrer diariamente nesta «guerra ao terrorismo» é indispensável expor estes filhos da mãe – os verdadeiros terroristas e os seus arautos (também eles, de igual modo, terroristas, porque estão a soldo dos primeiros).

escrevi disse...

É engraçado que o que mais me chamou a atenção na reportagem de João Cutileiro foi a afirmação de que Al-Zarqawi não era religioso.
Talvês sem querer vem comprovar a tese de que não se trata de uma guerra do islamismo contra o mundo.
Não é uma guerra religiosa.
Não é a repetição das cruzadas, agora feitas pelos muçulmanos.
É uma guerra, uma guerra com muitos interesses, mais ou menos escondidos atrás de Deus e da Liberdade.

contradicoes disse...

É público que Cutileiro foi sempre um pró-americano e como tal não é de estranhar que também seja um instrumento
da sua propaganda. Interessante para nós seria conhecer a sua opinião sobre o número de mortos civis registados entre os iraquianos após a invasão e também se aprova a destruição dos monumentos e edifícios publicos que sendo património Mundial foram completamente destruídos pela tropa de coligação. Mas claro que
essa opinião jamais a conheceremos, embora possamos inferir que isso não fará parte das suas preocupações.

magnolia disse...

Os EUA hoje, com razão, são identificados com a exploração, com a opressão sobre milhões de habitantes do planeta, com a injusta ordem mundial. São também a polícia do mundo... intervêm militarmente na Colômbia para impôr a sua dominação sobre um país chave da América Latina, com a desculpa do narcotráfico. Armam até aos dentes o estado racista de Israel, para oprimir e matar palestinianos. Os bombardeios dos EUA sobre a Jugoslávia ou o Iraque arrasaram cidades inteiras e destruíram a infra-estrutura destes países. Matam anualmente 60 mil iraquianos. Mas os milhões de seres humanos que caem sob os bombardeios americanos, são apresentados ao mundo como mortos de segunda classe, como aqueles que devem ser eliminados para a manutenção da "pax americana" ou da "liberdade". A "ordem americana", no entanto, é a ordem capitalista das grandes corporações e bancos, que submetem a maioria do planeta à exploração, à dependência, à fome, às guerras e à destruição. E a minha maior estupefacção é constatar que Bush tem seguidores acérrimos por todo o lado, bajuladores do presidnte mais medíocre que a américa já conheceu e que é, como diz Saramago," o cowboy que pensa que herdou o mundo e o confundiu com uma manada bois..."

Anónimo disse...

"o cowboy que pensa que herdou o mundo e o confundiu com uma manada bois..."

E muitos neste mundo portam-se mesmo como bois. Cutileiro é um bom exemplo.

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Ó Sofocleto, deve ser muito amargo para uma pessoa que se define politicamente como um anti-norte-americano (primário, além do mais) viver no próprio covil do lobo...
É que construir toda uma cosmogonia centrada no ódio a uma causa, tribo, étnia, país, religião, classe, raça, etc. já mostrou que não dá bons frutos. Mas enfim, depois da queda do muro de Berlim isso é mesmo a única coisa à qual a esquerda se pode agarrar, posto que tudo o mais o que defendia se tornou então irrealizável. Numa outra conversa que tivemos o meu amigo disse-me que veio da direita e agora conduz em contra-mão, ao contrário dos "filhos de Churchill". Não tenho nada contra as pessoas que mudam de ideias, bem pelo contrário, prefiro-os aos casmurros, como aquele senhor, também muito amargo que dirigia um partido a partir de um prédio nos Oliviais, e que assim morreu muito sozinho e amargurado. Mas ó Sofocleto, além do ódio aos EUA há alguma ideia construtiva que o meu amigo defenda?

Sofocleto disse...

Meu caro Conde de Piornos,

1 - Não sou anti-americano e portanto não «construí toda uma cosmogonia centrada no ódio a uma causa, tribo, etnia, país, religião, classe ou raça». Sou, isso sim, contra os oligarcas, donos das indústrias de defesa e petrolíferas norte-americanas, que, graças ao seu poder financeiro, se apoderaram do governo americano colocando lá todos os seus testas de ferro. Sou contra as guerras genocidas que estes indivíduos provocam para encher ainda mais os bolsos e para satisfazer a sua incomensurável fome de poder.

2 - «Numa outra conversa que tivemos o meu amigo disse-me que veio da direita». Em que conversa é que eu lhe disse semelhante coisa?

3 – A minha «amargura» provém dos roubos e dos genocídios levados a cabo pelos tipos que hoje controlam a América e também pela existência de enorme quantidade de simplórios como você, graças aos quais, os primeiros podem agir em total impunidade. Se não fossem os pobres de espírito, como os Condes de Piornos, talvez os Bushes, o Cheneys, os Rumsfelds, os Zarqawis e os Bin Ladens não existissem.

Mário disse...

Quem é Cutileiro? Lá fora há quem o considere um perigo público:

Bien qu’il manque de notoriété, José Manuel Barroso, nouveau président de la Commission de Bruxelles, mérite aussi un bon point. C’est un homme capable affirme dans le même quotidien José Cutileiro. Mais au fait qui est Cutileiro ? Bien que manquant de notoriété, c’est un danger public. Cet atlantiste forcené est l’auteur de l’Accord de Lisbonne, de sinistre mémoire, qui prévoyait pour plaire à Washington de diviser la minuscule Bosnie-Herzégovine en trois États distincts mono-ethniques. Le voici donc de retour avec comme seuls arguments que M. Barroso est un homme d’expérience et qu’il est, lui aussi, atlantiste. De son désastreux bilan de Premier ministre au Portugal mieux vaut ne pas parler !

http://www.voltairenet.org/article14470.html

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Desculpe ter perturbado o seu trono de luz ó Grande Chefe, mas é que de vez em quando os... como é que nos chama? ah, sim, simplórios e pobres de espírito temos destas coisas: duvidamos, questionamos os grandes seres iluminados ó Sofocleto!
Mas, e se não o incomodo demasiado, deixe-me que lhe pergunte:

1- "os oligarcas, donos das indústrias de defesa e petrolíferas norte-americanas" são só norte-americanos, ou isso é extensível a outros países? Não se chamam a essas empresas precisamente multinacionais? E será só o governo norte-americano que é gerido por interesses que trascendem a política (e Inglaterra? E França? E a Alemanha? E a UE? E a China? E Cuba? E os seus amigos do Irão?).
E contra as guerras, Ó Grande Chefe, somos, por princípio, todos. Mas o que fazer quando todas as outras soluções falham? O Grande Chefe me dirá...

2- Não me disse uma vez que tinha militado na então JC? Se não, mea culpa e imensas desculpas!

3- Os simplórios, os pobres de espírito como eu, não gostam do Bush nem do umbiguismo norte-americano. Mas vivemos em pleno terceiro século do Império norte-americano, que é herança do pós-guerra fria. E, ó Grande Chefe, antes viver sob o jugo do imperealismo norte-americano que sequer imaginar o que seria de nós se o bloco soviético tivesse saído ganhador dessa contenda.
Não concorda, pelo menos nisto, com este simplório, este pobre de espírito que desde a penumbra e a ignorância se lhe dirije a palavra, ó Grande Chefe?

Sofocleto disse...

Meu caro simplório Conde de Piornos,

É verdade que existem oligarcas ligados às indústrias da defesa com influência em muitos governos por esse mundo fora. Mas nada que se compare ao complexo militar-industrial norte americano. Os Estados Unidos gastam hoje na defesa mais do que o triplo do total de toda a União Europeia. Mais do que o total das 64 potências que lhe seguem.


O próprio Eisenhower chamou a atenção para a usurpação do poder por parte do complexo militar-industrial há 45 anos atrás:

This conjunction of an immense military establishment and a large arms industry is new in the American experience. The total influence -- economic, political, even spiritual -- is felt in every city, every State house, every office of the Federal government. We recognize the imperative need for this development. Yet we must not fail to comprehend its grave implications. Our toil, resources and livelihood are all involved; so is the very structure of our society.

In the councils of government, we must guard against the acquisition of unwarranted influence, whether sought or unsought, by the military-industrial complex. The potential for the disastrous rise of misplaced power exists and will persist."


E aconselho vivamente o visionamento deste pequeno excerto (1:40 m) do documentário da BBC " Why We Fight ": AQUI


Foi este «immense military establishment» que tomou totalmente conta do governo Americano. E foi este governo que levou a cabo o 11 de Setembro que serviu para um aumento descomunal do orçamento da defesa e para levar por diante uma agenda de guerra que se destina a controlar as regiões petrolíferas do Médio Oriente e do Cáspio.



A evolução do orçamento militar Americano desde o 11 de Setembro:

2000 - 288.8 milhares de milhões de dólares

2001 - 310 milhares de milhões de dólares

2002 - 343.2 milhares de milhões de dólares

2003 - 396.1 milhares de milhões de dólares

2004 - 399.1 milhares de milhões de dólares

2005 - 420.7 milhares de milhões de dólares

2006 - 441.6 milhares de milhões de dólares

2007 - Previstos 462.7 milhares de milhões de dólares


Evidentemente que para os simplórios estes orçamentos destinam-se a apanhar Bin Laden!

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Vamos fazer uma aposta?
Aposto que o meu amigo não consegue responder a um comment sem injuriar o interlocutor!
Sim, caro Sofocles, os EUA gastam uma dinheirama em armamento (deles e de terceiros), por alguma razão são o Império mundial (o único império mundial que não aposta na força armada era o V Império do nosso António Vieira).
Por outro lado dos EUA, ao menos, sabemos quanto gastam. Podemos dizer o mesmo da China? do Irão? da Coreia do Norte? Pois...

Não me respondeu ao item 2 e 3... Bom, mas este simplório também não poderia querer tanto esbanjamento de atenção do Grande Chefe!

Creia-me um seu (simplório) súbdito,

o Conde de Piornos.

PS: Obrigado pelo conselho cinéfilo, mas aqui em Piornos já passou o citado documentário no Clube Recreativo. E aqui o simplório até foi ver: é que era noite de arraial e não dava bola na televisão...
Para a próxima quando quiser ser intelectualóide esforce-se mais!

abc disse...

É pena é que o Sofocleto e os seus maigalhaços estejam a jã não muito tempo de perder o "nicho de mercado".

É que, ao contrário do que o Sofocleto (coitadito) possa pensar (se é que pensa) o sr.Arbusto e os neo-não-sei-o-quê estão a um passo de levarem um tremendo chute no traseiro nas próximas eleições americanas.

É de notar que Arbusto é, neste momento, tão popular nos EUA como um cagalhão a flutuar numa sanita.

Novos tempos virão e o Sofocleto terá de mudar de "critérios editoriais".

Duas perguntas:
- Porque é que este blogue nunca critica os regimes comunistas que ainda existem e suas opressoras políticas (já que critica os EUA....)

- Com que lata e nojento descaramento é que comunistas fazem criticas aos EUA??
Que gentalha.

Post Scriptum - Convem recordar aos "desmemoriados" que esta Administração, quando foi eleita, era fortemente isolacionista, queria intervir muito menos no mundo e propunha-se encerrar uma catrefa de bases americanas espalhadas pelo mundo.
E foi assim durante os primeiros meses, com o mundo muito preocupado (com a UE até alarmada) com o crescente ensimesmamento e isolacionismo dos EUA.
Depois não sei o que se passou.

Sofocleto disse...

«Para a próxima quando quiser ser intelectualóide esforce-se mais!»

Pelo contrário meu caro. Já aprendi que para falar consigo tenho é de me esforçar menos. Muito menos!

Sofocleto disse...

Abc,

Quanto aos regimes comunistas todos sabemos o que por lá se passa. Curiosamente os partidos comunistas estão a ressurgir na Europa de Leste, desencantada com os excessos do liberalismo.

O meu objectivo é denunciar esse «farol da democracia» que é o governo americano. Expor quem são na realidade e quais são as suas agendas secretas. E como o povo americano e o mundo estão a ser enganados.

Quanto ao isolacionismo americano, dou-lhe a conhecer isto:

Em Setembro de 2000, poucos meses antes do acesso de George W. Bush à Casa Branca, o “Project for a New American Century” (PNAC) publicou o seu projecto para a dominação global sob o título: "Reconstruindo as defesas da América" ("Rebuilding American Defenses").

O PNAC esboça um roteiro da conquista. Apela à "imposição directa de bases avançadas americanas em toda a Ásia Central e no Médio Oriente" tendo em vista assegurar a dominação económica do mundo, e ao mesmo tempo estrangular qualquer potencial "rival" ou qualquer alternativa viável à visão americana de uma economia de mercado”.

O projecto do PNAC também esboça uma estrutura consistente de propaganda de guerra. Um ano antes do 11 de Setembro, o PNAC fazia apelo a "algum evento catastrófico e catalisador, como um novo Pearl Harbor", o qual serviria para galvanizar a opinião pública americana em apoio a uma agenda de guerra".


«Depois não sei o que se passou.»

Depois foi o 11 de Setembro, o tal evento catastrófico e catalisador, como um novo Pearl Harbor, de que falava o PNAC.

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Caro Sofocleto, perdeu a aposta...
Continua a não responder à 2 e à 3, mas deixe estar, não se incomode, já percebi a resposta!
Vai continuar a residir nos "states", não vai? Espero que sim, a sair de aí não volte a Portugal, por favor!
Para pedantes e mal-educados já lá estão bastantes!

Sofocleto disse...

Caro Piornos, não se fique sem resposta:

2 - Se eu já militei na JC (Juventude Centrista)? Já lhe disse que não. O que é que lhe parece?


3 - « antes viver sob o jugo do imperialismo norte-americano que sequer imaginar o que seria de nós se o bloco soviético tivesse saído ganhador dessa contenda»

Eu não gosto de ditaduras, sejam de direita, de esquerda ou do dinheiro, e não quero viver sob nenhuma. Não gostava de ter vivido na ex-União Soviética nem quero viver sob uma ditadura oligarca que começou nos Estados Unidos e que já se está a estender à Europa.


4 - « Vai continuar a residir nos "states", não vai? Espero que sim, a sair de aí não volte a Portugal, por favor!»

Vou continuar a residir a realidade enquanto você vai continuar a residir na ficção que lhe é incutida pela propaganda. Esteja descansado que enquanto você aí permanecer não corremos o risco de nos encontrarmos.

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Qualis vita, finis ita!

Sofocleto disse...

«Qualis vita, finis ita.» - Tal vida, tal fim.

Que belo epitáfio para um diálogo com um surdo!

escrevi disse...

Será que o piornos acha que só tem direito a pensar quem pertence a um partido político?
Será que quem tem opinião crítica em relação ao regime norte-americano tem de ser de esquerda?
Será que, para si, ser atento e humano é sinónimo de estúpidez?
Será que opiniões válidas são só as suas, perdão as de Buch?
Você define-se a si mesmo.
É provocador, ofensivo e mal educado.
Sofocleto tem demonstrado ser uma pessoa integra e isenta que aqui apresenta factos.
Não gosta do que aqui lê e vê?
Não estrague...
E respeite quem realmente merece ser respeitado.

Ferreira Martins, Conde de Piornos disse...

Caro Escrevi
"Amicus Plato, sed magis amica veritas"!

Biranta disse...

Gostei deste jogo de "pingue-pongue" dos comentários e, mais uma vez louvo a paciência de Sofocleto, embora continue a pensar que é pura poerda de tempo. A gente tão primária como "condes dos piolhos" nem vale a pena responder, porque isso é nece3ssário descer ao seu nível, abdicar de raciocinar, como eles, que só sabem a cassete; uma qualquer cassete, mas a cassete.
É que, vocês não compreendem, mas quando se defendem coisas tão aberrantes tem de se ter uma "cassete"... assim daquelas que acham que "quem não está connosco é nosso inimigo" e inimigo tem de estar catalogado, (taliban, Al Queda, fundamentalista, comunista, chinês, marciano... qualquer coisa) tem de ter uma etiqueta, com qualquer coisa que já tenha sido ou esteja a ser objecto de muita propaganda demagógica, cretina e primária. Não percebem? Esta gente não pensa e, como são lacaios dos "donos do Mundo" acham que têm o direito de proibir os outros de pensar ou, no mínimo, de dizerem o que pensam (para não serem achincalhados e catalogados, para não serem objecto desse terrorismo psicológico). Para calar as vozes livres vale tudo... menos ser decente e digno...
Por isso, amigo Sofocleto, não perca tempo a se "justificar", porque está a usar um direito fundamental, reconhecido constitucionalmente; não é você que tem de se justificar... muito menos dos que pretendem ser os "insultos" dos outros.
Mas viu como o artista, coitadinho, depois de todas as provocações e cretinices que disse, de o insultar de todas as formas e feitios, com base em processos de intenções absurdos, feitos à medida das conveniências da argumentação, se disse muito ofendido com a resposta, aliás bem cordarta e civilizada? Civilizada demais, até, para meu gosto.
São assim estes condes dos piolhos, todos; são parasitas que vivem de chular o civismo alheio e a democracia, de cuja se acham proprietários exclusivos...
É por isso que eu continuo a achar que é perda de tempo e, no meu caso, APAGO! Sem sentir qualquer remorso ou peso de consciência, bem pelo contrário: é uma alegria fazê-los provar o próprio veneno... Para além de que não sou nenhuma instituição psiquiátrica, não tenho obrigação de aturar tresloucados delirantes que só dizem coisas absurdas... vão-se curar para outro lado!
Com isto tudo já nem me apetece falar do Pulido. Gostei da caracterização de "volrairenet"

Biranta disse...

Peço desculpa! Queria dizer: do Cutileiro...

early misty disse...

É óbvio que este desinformados/desinformadores como o piornos tentam associarnos á sua visão básica de um mundo a preto e branco : esquerda/direita, bem/mal, conosco/contra nós.
O pensamento individual e crítico para eles é inconcebível, as suas tácticas obscurantistas e agitadoras já não fazem efeito.

Esse piornos parece pensar que os problemas que o sofocleto aborda se esgotam na administração bush, o que revela a falta de alcance do seu raciocínio crítico e o seu pobre entendimento da realidade.

Anónimo disse...

Biranta, como sempre, NOJENTA(O).

"... acham que "quem não está connosco é nosso inimigo" e inimigo tem de estar catalogado, (taliban, Al Queda, fundamentalista, comunista, chinês, marciano... qualquer coisa) tem de ter uma etiqueta, ..."

É exactamente aquilo que você faz.


"são parasitas que vivem de chular o civismo alheio e a democracia,..."

Para quem diz que não gosta de insultos, não está mal não senhor...

" aturar tresloucados delirantes que só dizem coisas absurdas..."

Gosto desta forma como você projecta nos outros as suas próprias características.

Depois diz:

" acham que têm o direito de proibir os outros de pensar ou, no mínimo, de dizerem o que pensam..."

para logo depois dizer

"É por isso que eu continuo a achar que é perda de tempo e, no meu caso, APAGO!"

Interessantes convicções democráticas.
A ser verdade o que Biranta afirma deveria, pelo menos, dar o exemplo e ser diferente dos que tanto critica.

Biranta, a sua arrogância não tem limites.
Felizmente ninguem lhe liga nenhuma.
(como poderia alguem ligar a uma personagem com um discurso como o de Biranta?)

Um Homem das Cidades disse...

Engraçado como os adversários deste Blog ainda não perceberam que o único comunista aqui sou eu...É que para se ser contra o domínio capitalista(e não domínio dos EUA)basta apenas ser-se pela democracia, pela justiça, pela verdade...

Biranta disse...

Olha! Este palerma pensa que arranjou aqui forma de se entreter...
Tenho mais e melhor que fazer!

joshua disse...

Só não percebo o que anda o de Piornos aqui a fazer, ninguém lhe arranja um trabalho no SIS ou o Portas ou o Barroso ou o Cutileiro ou o Rogeiro não lhe arranjam um serviço na CIA?

Sofocleto disse...

«ninguém lhe arranja um trabalho (ao Piornos)?»

É que mesmo o Paulo Portas exige um mínimo de cinco neurónios. E algumas sinapses, também!

ana alexandra disse...

"É que mesmo o Paulo Portas exige um mínimo de cinco neurónios. E algumas sinapses, também!"

Pois.
Por isso é que o Sofocleto não pôde entrar no CDS/PP!

Sofocleto disse...

«Por isso é que o Sofocleto não pôde entrar no CDS/PP!»

Porquê? Tenho neurónios a mais? Sou sobre-qualificado? Que culpa tenho eu?

ana alexandra disse...

Não.
O Sofocleto está muuuuuito longe de ter sequer um neurónio, quanto mais cinco.


Então!?
Como vão as coisas aí pelos "States"?
Isso aí em Langley é porreiro ou quê?

escrevi disse...

Que baixo nível.
Sofocleto, não respondas mais. Há gente que não merece a electricidade que gastas com o computador ligado.
Mas é giro como eles, picados, dão tantos saltos.

Sofocleto disse...

«Como vão as coisas aí pelos "States"? Isso aí em Langley é porreiro ou quê?»

Não é mau! Vemos os atentados no Iraque em directo. Combinamos qual é a mesquita ou escola que vai pelos ares no dia seguinte. Calculamos qual é a quantidade do explosivo C4 necessária ao Zarqawi ou ao seu sucessor. Até dá para ver o mundial de futebol da Alemanha. Recursos aqui não faltam, mas tenho saudades do cozido à portuguesa. Quem não é para comer, não é para chacinar!

Sofocleto disse...

É verdade Escrevi. Quando a estupidez ou a ignorância é espicaçada, reage e vem ao de cima. É uma espécie de psicanálise. Só confrontados com as suas incoerências é que esta malta acorda. Vamos despertá-los!

joshua disse...

O Cutileiro foi secretário-geral da UEO de 94 a 99. Para quem quiser conhecer uma das organizações interessadas em cumprir "profecias" do apocalipse repara no número de estrelas na bandeira e na escultura à porta da sede.

Anónimo disse...

O mais patético é que o Sofocleto e seuas pares pensam mesmo que vão fazer-e-acontecer e que têm muita importância.

Coitados...

Biranta disse...

Para que as coisas aconteçam é preciso que "seguindo a ordem natural", haja quem faça acontecer...
Nestas coisas a quesão é de cada um decidir em que comboio embarcar.
E este, onde nós estamos, é o que vai fazer as coisas acontecerem...
Vocês vão descarrilar, e a grande velocidade! Benfeito! Quem manda serem burros e convencidos que nem sequer sabem escolher o comboio, ou andar devagar?
Faz como o outro: ao menos aproveita para te divertires! Está difícil, não é?