quarta-feira, junho 29, 2005

Alugar ou comprar?

No artigo anterior, um anónimo trouxe esta informação, que, seguramente, merece um espaço próprio neste Blog:

Diário de Notícias - Quarta, 29 de Junho de 2005

Ministro aluga carro por 75 mil euros



O ministro Silva Pereira


O ministro Campos e Cunha

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Pedro Silva Pereira e das Finanças, Luís Campos e Cunha assinaram em conjunto uma portaria que autoriza o aluguer de uma viatura durante quatro anos para utilização do Executivo, com custos que ascendem a mais de 75 mil euros (ou, seja, 15 mil contos em moeda antiga).

A portaria conjunta, com o número 557, foi publicada ontem na 1ª Série do Diário da República, e tem assinatura de 1 de Junho passado. Não especificando nem a necessidade premente que leva ao aluguer da viatura nem qual será o gabinete governamental que a vai utilizar, apenas diz que "os encargos serão inscritos no orçamento do gabinete que vier a utilizá-la".De acordo com o documento, os encargos anuais não poderão exceder os 18746 euros este ano, 19731 por cada um dos três anos seguintes 2006, 2007 e 2008), e 624 no último ano, 2009. A portaria lembra que a ideia inicial veio do ex-ministro Nuno Morais Sarmento, mas que o negócio não foi concluído por "o processo de recolha de assinaturas" não ter ficado fechado. Agora, Campos e Cunha e Pedro Silva Pereira deram luz verde para que "a secretaria-geral da Presidência do Conselho de Ministros" celebre um contrato "com a Europcar Fleet Services de aluguer operacional de viaturas com a duração de 48 meses".



Comentário:

Os nossos ministros, na precipitação compreensível de quem acabou de chegar ao poder, vão alugar, por quatro anos, um automóvel pelo qual nós vamos pagar 75.000 Euros (15.000 contos).

Ora, por 62.474 € os nossos ministros teriam comprado, a pronto, um bonito BMW Z4 3.0i com jantes de liga leve e faróis de nevoeiro, e nós teríamos poupado 12.500 Euros, que poderíamos, por exemplo, aplicar em medicamentos ou outros bens essenciais.


O belo BMW Z4 3.0i


Sinto que existem nesta história três grupos de pessoas com três funções distintas:


Grupo 1 – Morais Sarmento, Silva Pereira, Campos e Cunha e outros que tais.

Grupo 2 - Os accionistas e administradores da Europcar Fleet Services.

Grupo 3 – Os portugueses que pagam os impostos que lhes são devidos.


Função 1 – Idiotas

Função 2 – Oportunistas

Função 3 - Ladrões


O problema é saber qual grupo é que desempenha que função!

6 comentários:

D. disse...

”Andaime do Pessoa face ao Báltico”

Autor: Fernando Alves - DN, 03.Jul.2005

«Gosto de me sentar, diante do Bugio, a ver a arquitectura dos navios. E os cargueiros são, aos meus olhos, as mais belas moradas sobre as águas. Eles têm, tal como as casas alentejanas, a "geometria essencial" de que falava Sophia. Há muito tempo, eu quis morar numa casa assim. Ou zarpar, no convés de um cargueiro.

Isso aconteceu quando, da minha varanda, se via a serra de Sintra. Entretanto, a betoneira não parou e ocultou-me o reino de duendes. E o meu sonho naufragou numa paisagem triste, diante do assobio do Guardador de Rebanhos, do Caeiro "Na cidade, as grandes casas fecham a vista à chave,/Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu."

Chegou-se, na imensidão em redor, a tal impunidade do pato- -bravismo que admito dar o meu voto, em Outubro, sem hesitar, a um edil capaz de um razoável programa de implosão urbana ou que, pelo menos, se comprometa a não deixar erguer nem mais um prédio até cabal contenção do desastre.

De tanto assistir a construção em fealdade, deixei, entretanto, de encarar com a antiga reserva a construção em altura.

Tomei como boas as regras de Vitrúvio, utilitas, venustas et firmitas, ancoradas a uma teia de novos saberes e novas ousadias.

Um dia, maravilhei-me com o edifício do Banco da China e a restante montra de arquitectura que é a baía de Hong Kong, vista de Kowloon.

A ideia de casa mudou no sótão da minha cabeça. Passei a gostar de edifícios que rompam as nuvens, tão altos que toquem os joelhos de Deus ou inacessíveis a patos-bravos, mesmo com escadote.

Estava, assim, dado a cogitações quando soube, esta semana, que Turning Torso, a torre residencial de 190 metros de altura que Calatrava projectou para o porto de Malmoe, fica pronta antes do Natal. Turning Torso justifica, por si só, uma viagem ao Báltico. Googlemos, entretanto, para sabermos ao que vamos.

Calatrava costuma dizer que quem não sabe anatomia dificilmente será um bom arquitecto. Ele sabe anatomia e acredita que "o corpo humano é um templo". Partindo deste quadro conceptual, o valenciano inspirou-se numa sua antiga escultura que representa o corpo humano em movimento e foi erguendo aquilo que, no número de Junho da revista Construcción y Tecnologia, Enrique Chão define como "uma graciosa escultura habitável de betão e aço que dança, desafia a imaginação e leva os materiais a formas extremas; um sonho dos construtores renascentistas finalmente convertido em realidade".

O traço de Calatrava vai, mais uma vez, a níveis de complexidade que são do âmbito da engenharia de estruturas e, não em menor escala, do da poesia. Turning Torso é o movimento do corpo humano em 54 pisos que se organizam em nove blocos com a forma de um cubo, cada qual com cinco pisos, rodando até onde a coluna vertebral permite, 90 graus da base ao topo. Do miradouro, no piso 49, vê-se Copenhaga. É outra maneira de ver a serra de Sintra.

Há nesta estrutura - que alguns dizem parecer uma toalha torcida por um gigante - a tentação vitruviana da figura humana mas, também, a obediência a uma lei primordial que corre os versos de Sophia "Construirás - como se diz - a casa térrea. Construirás a partir do fundamento." É como se Calatrava fosse buscar Fred Astaire e Ginger Rogers, que inspiraram a Casa Dançante de Praga, e os unisse num estranho bailado ao Homem de Vitrúvio de Leonardo da Vinci. E Turning Torso, a dança de betão e aço e vidro desenhada pelo "olho que pensa", acolhesse, em plenitude, o ser interior que, para Bachelard, toda a casa é.

Eu gosto muito de Calatrava e até lhe perdoo o frio que se apanha, à espera de um comboio, sob as palmeiras da Gare do Oriente.

Passado o tempo da casa térrea, inatingível o sonho de brincar às casinhas num arranha-céus, talvez grite, um dia, com o Pessoa, na cidade portuária do Báltico "Ondas passadas, levai-me/para o olvido do mar!/Ao que não serei legai-me,/Que cerquei com um andaime/A casa por fabricar."

No terraço de Turning Torso, o Homem de Vitrúvio despe-se de toda a geometria e transforma-se em ave.»

________________
Quando for grande, quero escrever assim. Destas coisas.

Deniz Costa

Anónimo disse...

What a great site princess cruises Bill pay Infinity insurance phoenix arizona http://www.insurance-quotes-4.info/business_life_insurance_delaware_small.html Legitimate cheap vacations Xenical online canada http://www.what-is-tramadol.info/whatistwoalarmfire.html 2004 acura crash test tl Can i take vistaril with ambien brian ensign hockey Debt consolidation program wisconsin Nga pro bodybuilding

Anónimo disse...

best regards, nice info » »

Anónimo disse...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it »

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. Effexor xr withdrawl symptoms valium on line 300c chrysler infiniti What is ultram whatisultram Grape hyacinth tree cellulite Management training employee training business eth Supplement bio superfood 3d roulette 3.01 jobs at atlantic southeast airlines Mag lcd moitor driver Breast cancer brachytherapy Fan fiction interracial nsync Security system st cloud malpractice The worlds greatest vitamin conference calls Free webhosting with ircd hosting parental control

Anónimo disse...

sendo assim recomendo ao nosso ministro o aluguer de z4 2.5 , uma bomba fantástica , pelo site http://www.dreamz4.webs.com/.
e verá que fica muito em conta

aquele abraço