segunda-feira, junho 13, 2005

Porquê esta perseguição a Portas?

Diário de Notícias – 14 de Maio de 2005

Negócios de Portas vistos à lupa


O Ministério Público e a Polícia Judiciária estão a investigar vários actos da gestão de Paulo Portas no Ministério da Defesa. Em causa estão, desde já, os contratos e, sobretudo, as contrapartidas negociadas para a aquisição de submarinos e de helicópteros pesados, no valor global de 1,3 mil milhões de euros, e onde a Escom, trading do grupo Espírito Santo, surge associada aos consórcios vencedores a HWD (alemã) e a Agusta-Westland (belgas e britânicos), respectivamente.

O DN apurou, no entanto, que na mira dos investigadores estarão também outros dossiers, alguns dos quais se encontram por concluir, não existindo, até agora, nenhuma adjudicação de helicópteros ligeiros para o exército, substituição dos Aviocar, viaturas de transporte blindadas e armas ligeiras.

O que indicia que, nesta fase, os investigadores parecem especialmente apostados em averiguar o tipo de contrapartidas que terão sido prometidas ou até mesmo negociadas à margem dos diversos concursos que decorreram, ou estão ainda a decorrer, para a aquisição dos diferentes equipamentos das Forças Armadas.

(...)

De acordo com diversas fontes consultadas pelo DN, as suspeitas dos investigadores sobre a gestão de Paulo Portas no Ministério da Defesa poderão vir a alargar-se ainda mais nos próximos dias, admitindo-se que o Ministério Público e a PJ possam vir a interessar-se igualmente por dossiers tão distintos como a "privatização" das OGMA ou a venda de terrenos na Grande Lisboa e no Grande Porto e que foram, entretanto, desafectados aos três ramos das Forças Armadas.

São negócios de muitos milhões de euros, que começaram há vários anos e onde se cruzam vários interesses, que parecem ter despertado o interesse dos investigadores. E não só. Pelo menos a avaliar pela intenção já anunciada por Luís Amado, o socialista que sucedeu a Paulo Portas, de pedir a revisão do contrato de contrapartidas

Já em relação aos submarinos, o processo arrastou-se durante sete anos, tendo a decisão final pertencido a Paulo Portas.

E entre os processos que se encontram no DCIAP, além das questões relacionadas com a aquisição dos helicópteros e submarinos, estarão outras no âmbito de alegadas irregularidades na aquisição de viaturas blindadas ligeiras e de desvio de verbas nas Oficinas Gerais de Fardamento e Equipamento.



Comentário:
Sugerir, sequer, que Paulo Portas, tenha tido contrapartidas que teriam sido prometidas ou negociadas à margem dos diversos concursos de aquisição de material militar, é de uma perversidade que só tem paralelo no pindérico caso da Universidade Moderna, da qual a imagem do ex-ministro da Defesa emergiu transparente e cristalina.




A prová-lo está a condecoração de Paulo Portas, a 4 de Maio de 2005, pelo digníssimo secretário da Defesa dos Estados Unidos, Donald H. Rumsfeld (célebre pela preparação das provas que vieram permitir a justa invasão do Iraque).

Que mais querem vocês, desalmados intriguistas?

2 comentários:

marujo disse...

o Portas, ou tem tido sorte ou é um gajo muito precavido... safa-se sempre, mesmo se à tangente... mas, tantas vezes vai o cântaro à fonte que alguma vez lá deixará a asa, não é? a sabedoria popular nunca me desiludiu... vamos esperar.

Anónimo disse...

Enjoyed a lot! silent knight fire alarm communicator model sk-5208 nexium time release tablet Standard life income insurance