quarta-feira, novembro 15, 2006

A indústria do terrorismo e António Vitorino

Jon Stewart do Daily Show entrevista John Mueller, autor do livro Overblown (exagerado). O autor discorre sobre a indústria do terrorismo e a quem é que ele aproveita. No fim, qual cereja em cima do bolo, surge o inefável António "sebáceo" Vitorino a dizer de sua justiça.


Excertos do diálogo:

Mueller - Os políticos e outros membros da indústria do terrorismo aproveitam-se desses medos.


Stewart - Quem está na indústria do terrorismo?

Mueller - Políticos, burocratas, a imprensa, pessoas com máquinas de raio-x para vender. É do interesse deles manter o medo instalado.



Vídeo - 5:07m

DS - A industria do terrorismo

Add to My Profile More Videos

11 comentários:

martelo disse...

o que confirma que muitos americanos não são nada estúpidos...

martelo disse...

este canito anafado desiludiu...

Adriana M. disse...

Em minha opinião não há nada de intrinsecamente errado num programa de televisão partidário, mas a negação, a atitude de estar apenas interessado no que tem piada, é um bocado desprezível.

inominável disse...

eu não acho desprezível... acho muito consciente... ter piada é só a primeira casca da cebola... como ver uma peça de Beckett ou de Ionesco...

e não creio também que seja negação... trata-se de afirmação à l'envers e, por isso, a necessidade do humor.

Adriana M. disse...

Jon Stewart é um enfatuado. Ele tenta ser uma espécie de analista político e também comediante – e falha nessas duas funções.

luikki disse...

deixem lá o stewart e preocupem-se com a substância!
com os industriais do terrorismo....

Júlio Reis disse...

É verdade que há muita gente a aproveitar-se desta nova realidade, mas também é certo que morreram três mil pessoas em 11 de Setembro de 2001. E desde essa data já morreram muitos mais por esse mundo fora. Vale mais prevenir...

inominável disse...

adriana, são gostos... e como gostos, que não se discutem, posso dizer que faz rir... e por isso, por essa simples e só aparentemente trivial questão, gosto... não são muitas as pessoas e os programas que me fazerm rir... admito que talvez seja um humor fácil, embora cheio de sagacidade, mas acho que alguém tem que desempenhar aquele papel...

e quento mais não seja que rir é saudável... e viva a auto-ironia... olha, escapam-se-me os argumentos... e todos seriam mais ou menos subjectivos...

piscoiso disse...

"...pessoas com máquinas de raio-x para vender." e não só: fabricantes de fardas para polícias !

contradicoes disse...

Cheguei a ser um admirador de António Vitorino, mas porque tem vindo a desiludir-me face aos artigos de opinião que escreve na imprensa e nas suas intervenções em canais televisivos, já deixei de o ser. Um abraço do Raul

inominável disse...

ó piscoiso, e então os gajos das mortuárias?